Escolas municipais de Fortaleza: dois momentos de reordenamento da rede escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v33.8792

Palavras-chave:

Rede Municipal de Ensino, Municipalização do Ensino, Anos Finais do Ensino Fundamental, Avaliação em Larga Escala

Resumo

O artigo analisa a organização da rede escolar do município de Fortaleza, Ceará, no período de 1996 a 2019. O estudo é de natureza quantitativa, de caráter descritivo e explicativo, baseado em dados obtidos nas secretarias estadual e municipal de educação, provenientes do censo escolar e do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. A análise mostra que a rede municipal passou por dois momentos de reordenamento: o primeiro, associado ao processo de municipalização do ensino fundamental, e o segundo, a especialização das escolas na oferta de um único segmento do ensino fundamental, vinculado às políticas de avaliação em larga escala e a mecanismos de accountability implementados na educação básica do Ceará.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erineuda do Amaral Soares, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza-CE, Brasil

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE), mestra em Gestão Educacional pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Professora da Rede Municipal de Fortaleza e membro do Grupo de Pesquisa do CNPq "Política Educacional, Gestão e Aprendizagem".

Eloisa Maia Vidal, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza-CE, Brasil

Doutora em Educação, Professora associada da Universidade Estadual do Ceará (UECE), docente do PPGE - UECE, pesquisadora da área de política e gestão e avaliação da educação básica.

Referências

ABRUCIO, Fernando Luiz; SEGGATTO, Catarina Ianni; PEREIRA, Maria Cecília Gomes. Regime de colaboração no Ceará: funcionamento, causas do sucesso e alternativas de disseminação do modelo. São Paulo: Instituto Natura, 2016.

AFONSO, Almerindo Janela. Políticas educativas e avaliação educacional: para uma análise sociológica da reforma administrativa em Portugal (1985-1995). Braga: Universidade do Minho, 1998.

AFONSO, Almerindo Janela. Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável: crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 13, n. 13, p. 13-29, 2009.

AKKARI, Abdeljalil. Internacionalização das políticas educacionais: transformações e desafios. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ARAGÃO, Júlio. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Práxis, Volta Redonda, RJ, v. 3, n. 6, ago. 2011. Disponível em: https://revistas.unifoa.edu.br/praxis/ article/view/566/528. Acesso em: 20 ago. 2020.

ARRETCHE, Marta. Federalismo e políticas sociais no Brasil: problemas de coordenação e autonomia. In: SARAVIA, Enrique; FERRAREZI, Elisabete (org.). Políticas públicas. Brasília, DF: Enap, 2006. p. 91-110.

BALL, Stephen John. Cidadania global, consumo e política educacional. In: SILVA, Luiz Heron (org.). A escola cidadã no contexto da globalização. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. p. 121-137.

BARROSO, João. Organização e regulação dos ensinos básico e secundário, em Portugal: sentidos de uma evolução. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 24, n. 82, p. 63-92, abr. 2003.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996a. Disponível em: https://www.planalto.gov. br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 4 ago. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatística da educação básica 1996. Brasília, DF: Inep, 1996b. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/ web/ guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 22 jun. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 4 ago. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatística da educação básica 2019. Brasília, DF: 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-ainformacao/dados-abertos/sinopses-estatisticas/educacao-basica. Acesso em: 22 jun. 2021.

BROOKE, Nigel. O futuro das políticas de responsabilização educacional no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 128, p. 377-401, maio/ago. 2006.

CEARÁ. Secretaria da Educação. Diretrizes para educação básica 2006 – Educação de jovens e adultos no estado do Ceará. Fortaleza: Seduc, 2005.

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA – CENPEC. Educação em territórios de alta vulnerabilidade social na metrópole. São Paulo: Cenpec, 2011.

CORDEIRO, Antonio Manuel Rochette; MARTINS, Helena Arcanjo; FERREIRA, Antonio Gomes. As cartas educativas municipais e o reordenamento da rede escolar no Centro de Portugal: das condições demográficas às decisões políticas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 84, p. 581-607, 2014.

COSTA, Anderson Gonçalves. A política educacional cearense no (des)compasso da accountability. 2020. 156 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2020.

COSTA, Fabio Luciano Oliveira. As reformas educacionais na América Latina na década de 1990. Revista Ver a Educação, Belém, v. 12, n. 1, p. 65-88, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rve. v12i1.1002

DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, SC, v. 2, n. 3, p. 1-13, jul. 2008.

GIROTTO, Eduardo Donizeti. A dimensão espacial da escola pública: leituras sobre a reorganização da rede estadual de São Paulo. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 37, n. 137, p. 1121-1141, out./dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302016167626

GRAÇA, Tereza Cristina Cerqueira da. Reordenamento de redes escolares no Brasil e em Portugal: racionalizar para qualificar para o ensino? 2016. 317 f. Tese (Doutorado em Educação) – Escola de Humanidades, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. IBGE cidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/fortaleza/panorama. Acesso em: 12 mar. 2021.

MELO, Maria de Fátima da Silva; FERNANDES, Sheila Beatriz da Silva; OLIVEIRA, Francisca de Fátima Araújo. Federalismo, descentralização e municipalização: desafios das políticas públicas para a gestão educacional. Holos, Natal, v. 3, p. 51-61, 2017. DOI: https://doi.org/10.15628/ holos.2017.5768

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA – UNESCO. Una mirada al interior de las escuelas primarias: estudio comparativo realizado en el marco del proyecto de Indicadores Mundiales de Educación. Montreal: Instituto de Estadística de la Unesco, 2008. PEQUENO, Maria Iaci Cavalcante; COELHO, Sylvia Maria de Aguiar. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará SPAECE (1996-2002). In: BONAMINO, Alicia; BESSA, Nissa; FRANCO, Creso (org.). Avaliação da educação básica: pesquisa e gestão. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2004. p. 119-128.

PEQUENO, Renato; LOUREIRO, Joísa; ROSA, Sara Vieira; CAPASSO, Marcelo; PINHEIRO, Valéria; MATTOS, Fernanda. Direito à Cidade e Habitação: Condicionantes institucionais e normativas para a implementação de políticas (programas e projetos) de urbanização de favelas no Município de Fortaleza. Fortaleza: Laboratório de Estudos em Habitação – LEHAB – UFC 2021. Disponível em: https://www.observatoriodasmetropoles.net.br/wp-content/uploads/2021/04/Relatorio-Final_ Fortaleza_LEHAB_UFC.pdf. Acesso: 10 maio 2021.

ROCHA, Carlos Antônio. Movimento de reordenamento das escolas rurais no município de Bela Vista de Goiás. 2018. 178 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2018.

TAVARES JÚNIOR, Fernando; SANTOS, Joan Rosa dos; MACIEL, Maurício de Souza. Análise da evasão no sistema educacional brasileiro. Pesquisa e Debate em Educação, Juiz de Fora, MG, v. 6, n. 1, p. 73-92, 2016.

TAVARES JÚNIOR, Fernando; VALLE, Clayton; MACIEL, Maurício de Souza. Tendências históricas e perspectivas para o rendimento educacional no Brasil. Teoria e Cultura, Juiz de Fora, MG, v. 10, n. 2, p. 105-116, jul./dez. 2015.

VIEIRA, Sofia Lerche; VIDAL, Eloisa Maia; MEDEIROS, Willana Nogueira. Ceará 2050 – Diagnóstico do Setor Educação. Fortaleza, jul. 2018. Disponível em: http://www.ceara2050.ce.gov. br/api/wp-content/uploads/2018/06/ceara-2050-estudo-setorial-especial-educacao.pdf. Acesso em: 29 ago. 2019.

WERLE, Flávia Obino Corrêa. Políticas de avaliação em larga escala na educação básica: do controle de resultados à intervenção nos processos de operacionalização do ensino. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 769-792, out./dez. 2011.

Downloads

Publicado

20-12-2022

Como Citar

SOARES, E. do A.; VIDAL, E. M. Escolas municipais de Fortaleza: dois momentos de reordenamento da rede escolar. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 33, p. e08792, 2022. DOI: 10.18222/eae.v33.8792. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/8792. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos