Autoavaliação institucional: outros sentidos de avaliação (im)possíveis?

Rita de Cássia Prazeres Frangella, Maria Cristina Rezende de Campos

Resumo


Neste artigo, analisamos a autoavaliação institucional que integra o Sistema de Avaliação da Educação de Niterói (Saen), estado do Rio de Janeiro. O objetivo é discutir seu processo de constituição num contexto de centralidade das políticas de avaliação, defendendo essa como possibilidade de produção de políticas pelas escolas, como produção de sentidos de avaliação para além da lógica de accountability, colocando outros sentidos de qualidade em disputa. A partir de aportes pós-estruturais, assumimos o entendimento da política como luta pela significação, que se dá entre tensões, negociações, traduções. Concluímos argumentando que a experiência posta em análise nos permite problematizar de forma propositiva as políticas de avaliação centralizadas e centralizadoras que têm ganhado destaque no cenário educacional. 

Palavras-chave: Autoavaliação, Avaliação Institucional, Autoavaliação Institucional, Qualidade da Educação.

 

Autoevaluación institucional: ¿otros sentidos de evaluación (im)posibles? 

En este artículo analizamos la autoevaluación institucional que integra el Sistema de Evaluação da Educação de Niterói (Saen), estado de Rio de Janeiro. El objetivo es discutir su proceso de constitución en un contexto de centralidad de las políticas de evaluación, defendiendo a ésta como una posibilidad de producción de políticas por las escuelas, como producción de sentidos de evaluación más allá de la lógica de accountability, colocando otros sentidos de calidad en disputa. A partir de aportes post-estructurales, asumimos el entendimiento de la política como lucha por la significación, que se da entre tensiones, negociaciones, traducciones. Concluimos argumentando que la experiencia en análisis nos permite problematizar de forma propositiva las políticas de evaluación centralizadas y centralizadoras que han ganado destaque en el escenario educacional.

Palabras clave: Autoevaluación, Evaluación Institucional, Autoevaluación Institucional, Calidad de la Educación.

 

Institutional self-assessment: other (im)possible meanings of assessment? 

In this article, we analyze the institutional self-assessment that integrates the Education Evaluation System of Niterói (SAEN) in the state of Rio de Janeiro. The aim is to discuss its constitution process in a context of centrality of evaluation policies, supporting it as a possibility for the schools to produce policies as production of meanings of evaluation beyond the logic of accountability, putting other meanings of quality in dispute. From post-structural contributions, we assume the understanding of the policies as the struggle for meaning, which occurs between tensions, negotiations, and translations. We conclude by arguing that the analytical experience allows us to propose centered and centralized evaluation policies that have gained prominence in the educational field.

Keywords: Self-Assessment, Institutional Assessment, Institutional Self-Assessment, Quality of Education.


Palavras-chave


Autoavaliação, Avaliação Institucional, Autoavaliação Institucional, Qualidade da Educação

Texto completo:

PDF

Referências


APPADURAI, Arjun. Dimensões culturais da globalização: a modernidade sem peias. Lisboa: Teorema, 2005.

BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; NOVAES, Gláucia T. Franco. Avaliação institucional na educação básica: retrospectiva e questionamentos. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 27, n. 65, p. 314-345, maio/ago. 2016

BHABHA, Homi K. A questão do “Outro”: diferença, discriminação e o discurso do colonialismo. Tradução de Francisco Caetano Lopes Júnior. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1992. p. 176-203.

BRASIL. Ministério de Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CNB n. 7/2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Brasília, DF: MEC, 2010.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 120-A, 26 de junho de 2014, Seção 1, p. 1-7. Edição extra.

CARVALHO, Janete Magalhães. O cotidiano escolar como comunidade de afetos. Petrópolis: DP et Alii, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Introdução: Rizoma. In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. p. 10-36. (Coleção TRANS, v. 1).

FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães. Currículo, cotidiano e conversações. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 8, n. 2, ago. 2012. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index. php/curriculum/article/viewFile/10985/8105. Acesso em: 18 set. 2017.

FIGUEIREDO, Fernando Padrão de. Entre acontecimentos: Deleuze e Derrida. Ítaca, Rio de Janeiro, n. 19, p. 127-142, out./nov. 2012. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/Itaca/ issue/view/27/showToc. Acesso em: 30 set. 2017.

FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres. Currículo como local de cultura. In: FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres (org.). Currículo, formação e avaliação: redes de pesquisas em negociação. Curitiba: CRV, 2016.

FREITAS, Luiz Carlos de; SORDI, Mara Regina Lemes de; MALAVASI, Maria Marcia Sigrist; FREITAS, Helena Costa Lopes de. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis: Vozes, 2014.

GUATTARI, Félix. Micropolítica do fascismo. In: GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 173-190.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografia do desejo. 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

LACLAU, Ernesto. Inclusão, exclusão e a construção de identidades. In: AMARAL JR., Aécio; BURITY, Joanildo. Inclusão social, identidade e diferença: perspectivas pós-estruturalistas de análise social. São Paulo: Annablume, 2006. p. 21-38.

LOPES, Alice Casimiro. Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, Lisboa, n. 39, p. 7-23, maio./ago. 2013.

LOPES, Alice Casimiro. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas, Brasília, v. 21, n. 45, p. 445-446, maio/ago. 2015.

LOPES, Alice Casimiro; CUNHA, Erika V. R. da; COSTA, Hugo Heleno C. Da recontextualização à tradução: investigando políticas de currículo. Currículo Sem Fronteiras, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 392-410, set./dez. 2013.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Currículo e conhecimento: aproximações entre educação e ensino. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 147, p. 716-737, set./dez. 2012.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 12, n. 30, p. 1530-1555, out./dez. 2014. Disponível em: http://files.zeadistancia.webnode.com/200000171-9cc7f9dcaf/ MACEDO%20BNCC%20Novas%20formas%20de%20sociabilidade%20produzindo%20sentido%20 na%20edu.pdf. Acesso em: 30 set. 2017.

MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 2, n. 3, p. 11-26, out. 2003.

NITERÓI. Lei Municipal n. 3.067, de 12 de dezembro de 2013. Institui o novo Plano Unificado de Cargos, Carreira e Vencimento dos Servidores da Fundação Municipal de Educação de Niterói. Niterói, RJ: Prefeitura Municipal, 2013a.

NITERÓI. Prefeitura Municipal. Plano Estratégico 2013-2033. Niterói que queremos. Niterói, RJ: Prefeitura Municipal, 2013b.

NITERÓI. Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia. Fundação Municipal de Educação. Documento preliminar do Saen. Niterói, RJ: Arquivo da Assessoria de Avaliação Institucional Semect/FME, 2014.

NITERÓI. Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia. Fundação Municipal de Educação. Portaria SEMECT/FME n. 005/2015, de 28 de agosto de 2015. Dispõe sobre a Regulamentação do Sistema de Avaliação da Educação de Niterói (Saen) e dá Outras Providências. Niterói, RJ: Semect/FME, 2015.

NITERÓI. Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia. Fundação Municipal de Educação. Relatório de Gestão 2017. Arquivo da Assessoria de Avaliação Institucional, Semect/FME, Niterói, RJ, 2017.

SISCAR, Marcos. Jacques Derrida: literatura, política e tradução. Campinas: Autores Associados, 2012. (Coleção Ensaios e Letras).

SISCAR, Marcos; LIMA, Érica. O decálogo da construção. In: SISCAR, Marcos. Jacques Derrida: literatura, política e tradução. Campinas: Autores Associados, 2012. (Coleção Ensaios e Letras).

SORDI, Mara Regina Lemes de. Avaliação institucional participativa em escolas de ensino fundamental: limites e possibilidades de uma proposta. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO DA EDUCAÇÃO, 25, 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Anpae, 2011. p. 1-13. Disponível em: http://www.anpae.org.br/ simposio2011. Acesso em: 15 out. 2017.

SORDI, Mara Regina Lemes de; BERTAGNA, Regiane Helena; SILVA, Margarida Montejano da. A avaliação institucional participativa e os espaços políticos de participação construídos, reinventados, conquistados na escola. Cadernos CEDES, Campinas, v. 36, n. 99, p. 175-192, ago. 2016.

SORDI, Mara Regina Lemes de; FREITAS, Luiz Carlos de. Responsabilização participativa. Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 12, p. 87-99, jan./jun. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v30i74.5829

Apontamentos

  • Não há apontamentos.