Avaliação, qualidade e educação infantil: análise de uma experiência municipal

Autores

  • Natália Francine Costa Cançado Universidade de São Paulo (USP), campus de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto-SP, Brasil http://orcid.org/0000-0003-2272-9575
  • Bianca Cristina Correa Universidade de São Paulo (USP), campus de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto-SP, Brasil http://orcid.org/0000-0003-1906-8729

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v32.7719

Palavras-chave:

Avaliação, Educação Infantil, Participação, Qualidade da Educação

Resumo

Neste artigo buscamos discutir a interface entre avaliação e qualidade, tendo em vista a participação como pressuposto indispensável do processo avaliativo. Para tanto, este estudo buscou compreender os aspectos constituintes de uma proposta de avaliação no contexto da educação infantil desenvolvida nas pré-escolas de um município paulista. Com base na legislação, nos documentos e na literatura específica sobre avaliação no âmbito da educação infantil, apresentamos algumas discussões acerca do processo avaliativo realizado pelo município, procurando problematizar a avaliação enquanto possibilidade de participação na definição de indicadores de qualidade significativos e legitimados pelo coletivo que permitam o desenvolvimento de um projeto educativo autêntico.

Biografia do Autor

Natália Francine Costa Cançado, Universidade de São Paulo (USP), campus de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto-SP, Brasil

Graduada em Licenciatura plena em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de RibeirãoPreto  - Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto. Mestre em educação pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa de Políticas Educacionais para a Infância (Geppei)  

Bianca Cristina Correa, Universidade de São Paulo (USP), campus de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto-SP, Brasil

Livre docente pela FFCLRP-USP, onde atua no curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Referências

ANDRÉ. M. E. D. A de. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília, DF: Líber Livro, 2005. 68p. (Série Pesquisa, v. 13).

BONDIOLI, A. A regência do jogo social: as estratégias do envolvimento. In: BECCHI, E; BONDIOLI, A. (org.). Avaliando a pré-escola: uma trajetória de formação de professoras. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

BONDIOLI, A. Promover a partir do interior: o papel do facilitador no apoio a formas dialógicas e reflexivas de auto-avaliação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1327-1338, 2015.

BONDIOLI, A; SAVIO, D. (org). Participação e qualidade em educação da infância: percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Curitiba: UFPR, 2013.

BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de jul. de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da criança e do adolescente (ECA), Brasília, DF, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília, DF: MEC/SEF/DPE/Coedi, 1995.

BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dez. de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Brasília, DF: Senado Federal, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2006. v. 2.

BRASIL. Conselho Nacional De Educação/ Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009a.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do ato das Disposições Constitucionais Transitórias [...]. Brasília, DF, 2009b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indicadores de Qualidade na educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2009c.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Educação infantil: subsídios para a construção de uma sistemática de avaliação. Documento produzido pelo Grupo de Trabalho instituído pela portaria n. 1. 147/2011. Brasília, DF: MEC, 2012.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília, DF, 2013.

BRASIL. Contribuições para a Política Nacional: a avaliação em educação infantil a partir da avaliação de contexto. Curitiba: Imprensa/UFPR; Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2015.

CAMPOS, M. M. Entre as políticas de qualidade e a qualidade das práticas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 22-43, jan./abr. 2013.

CAMPOS, M. M.; FULLGRAF, J.; WIGGERS, V. A qualidade da Educação Infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 127, p. 51-85, n. 127, jan./abr. 2006.

CAMPOS, M. M. (Coord.); BHERING, E.; ESPOSITO, Y. L. et al. Educação infantil no Brasil: avaliação qualitativa e quantitativa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Ministério da Educação; Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2010. (Relatório Final).

CORREA, B. A gestão da educação infantil em 12 municípios paulistas. FINEDUCA – Revista de Financiamento da Educação, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 1-15, 2018.

CORREA, B. C. A educação infantil. In: OLIVEIRA, R. P; ADRIÃO, T. (org). Organização do ensino no Brasil: níveis e modalidades na Constituição Federal e na LDB. São Paulo: Xamã, 2002. p. 13-39.

CORREA, B. C. Algumas considerações sobre qualidade na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 85-112, jul. 2003.

CORREA, B. C; ANDRADE, E. N. F de. Infância e vivências formativas na educação infantil: qual o sentido das avaliações padronizadas nessa etapa educacional? Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, v. 5, n. 9, p. 275-288, jul./dez. 2011.

FREITAS, L, C. Prefácio. In: BECCHI, E.; BONDIOLI, A. (org.). Avaliando a pré-escola: uma trajetória de formação de professoras. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

FREITAS, L. C. Eliminação adiada: o caso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 100 (n. especial), p. 965-987, out. 2007.

FREITAS, L. C.; SORDI, M. R. L de; MALAVASI, M. M. S; FREITAS, H. C. L de. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

GODOI, E. G. Avaliação na educação infantil: um encontro com a realidade. 4. ed. Porto Alegre: Mediação, 2010.

HOFFMANN, J. Avaliação na pré-escola: um olhar sensível e reflexível sobre a criança. Porto alegre: Mediação, 2012.

HOFFMANN, J. Avaliação: mito e desafio. 44. ed. Porto Alegre: Mediação, 2014.

KUHLMANN JUNIOR, M. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, São Paulo, n. 14, p. 5-18, maio/ago. 2000.

NEVES, V. F. A; MORO, C. Avaliação na educação infantil: um debate necessário. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 55, p. 272-302, abr./ago. 2013.

PARENTE, M. C. Avaliação na educação da infância: itinerários de uma viagem de educadores de infância na formação inicial. Interações, Santarém, Portugal, v. 10, n. 32, p. 168-182, 2014.

PIOTTO, D. C. et al. Promoção da qualidade e avaliação na educação infantil: uma experiência. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 105, p. 52-77, nov. 1998.

ROSEMBERG, F. Políticas de educação infantil e avaliação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 44-75, jan./abr. 2013.

ROSSETTI-FERREIRA, M. C; AMORIM, K de S; OLIVEIRA, Z. M. R de. Olhando a criança e seus outros: uma trajetória de pesquisa em educação infantil. Psicologia USP, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 437-464, jul./set. 2009.

SOUSA, S. M. Z. L; ARCAS, P. H. Implicações da avaliação em larga escala no currículo: revelações de escolas estaduais de São Paulo. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, SP, v. 20, n. 35, p. 181-199, jul./dez. 2010.

SOUSA, S. Z. Avaliação da educação infantil: propostas em debate no Brasil. Interações, Santarém, Portugal, v. 10, n. 32, p. 68-88, 2014.

STAKE, R. Pesquisa qualitativa/naturalista: problemas epistemológicos. Educação e Seleção, São Paulo, n. 7, p. 19-27, jan/jun. 1983.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Downloads

Publicado

18-05-2021

Edição

Seção

Artigos