Discursos sobre avaliação educacional na rede municipal de ensino de São Paulo

Autores

  • Mauricio de Sousa Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP, Brasil
  • Mara Regina Lemes de Sordi Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v33.8696

Palavras-chave:

Avaliação da Educação, Políticas Públicas, Gerencialismo

Resumo

A avaliação educacional tornou-se uma das categorias centrais na elaboração das políticas educacionais. Este artigo faz uma análise dos discursos que influenciaram a trajetória da avaliação educacional da rede municipal de ensino de São Paulo, no período de 1990 a 2016. Fundamentadas nos pressupostos teórico-metodológicos desenvolvidos por Stephen Ball, são examinadas entrevistas com 12 dos principais operadores das políticas educacionais dessa rede de ensino. Conclui-se que, mesmo com resistência e negação em alguns momentos, essa rede de ensino passou a adotar um discurso de viés neoliberal, reduzindo a concepção de educação e avaliação somente à necessidade de melhoria nos resultados dos exames externos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRÚCIO, F. L. Três agendas, seus resultados e um desafio: balanço recente da administração pública federal brasileira. Desigualdade & Diversidade, Rio de Janeiro, v. 11, p. 119-142, 2011.

AFONSO, A. J. Para uma conceitualização alternativa de accountability em educação. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 33, n. 119, p. 471-484, 2012.

BALL, S. J. Education reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1997.

BALL, S. J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, 2001.

BALL, S. J. Textos, discursos y trayectorias de la política: la teoría estratégica. Páginas: Revista de la Escuela de Ciencias de la Educación, n. 2-3, p. 19-33, 2002.

BALL, S. J. Performatividade, privatização e o pós-Estado do bem-estar. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez. 2004.

BALL, S. J. Reforma educacional como barbárie social: economismo e o fim da autenticidade. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 7, n. 1, p. 33-52, jan./jun. 2012.

BALL, S. J. What is policy? 21 years later: reflections on the possibilities of policy research. Discourse: Studies in the Cultural Politics of Education, v. 36, n. 3, p. 306-313, 2015.

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa, PR: UEPG, 2016.

BALL, S. J.; YOUDELL, D. Privatización encubierta en la educación pública. In: CONGRESO MUNDIAL INTERNACIONAL DE LA EDUCACIÓN, 5., 2007, London. Anais [...]. London: Instituto de Educación, 2007. p. 1-66. Disponível em: https://www.joanmayans.com/privatizacion_encubierta_ de_la_educacion_publica.pdf. Acesso em: 20 abr. 2021.

BARRIGA, A. D. Uma polêmica em relação ao exame. In: ESTEBAN, M. T. (org.). Avaliação: prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 51-81.

BAUER, A.; PIMENTA, C.; HORTA NETO, J. L.; SOUSA, S. Z. L. Avaliação em larga escala em municípios brasileiros: o que dizem os números? Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 26, n. 62, p. 326-352, maio/ago. 2015.

BONAMINO, A. C. Avaliação educacional no Brasil 25 anos depois: onde estamos? In: BAUER, A.; GATTI, B. (org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. v. 2, p. 43-59.

BONAMINO, A. C.; SOUSA, S. Z. L. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun. 2012.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

CASASSUS, J. El precio de la evaluación estandarizada: la pérdida de calidad y la segmentación social. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Brasília, DF, v. 23, n. 1, p. 71-79, jan./abr. 2007.

FREITAS, D. N. T. A avaliação da educação básica no Brasil: dimensão normativa, pedagógica e educativa. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

FREITAS, L. C. Avaliação: para além da “forma escola”. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, SP, v. 20, n. 35, p. 89-99, jul./dez. 2010.

FRIGOTTO, G. Educação e formação humana: ajuste neoconservador e alternativa democrática. In: GENTILI, P. A.; SILVA, T. T. (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. p. 31-92.

GATTI, B. Avaliação: contexto, história e perspectivas. Olh@res, Guarulhos, SP, v. 2, n. 1, p. 8-26, 2014.

HADDAD, S. Banco Mundial, OMC e FMI: o impacto nas políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2008. MAINARDES, J. A escola em ciclos: fundamentos e debates. São Paulo: Cortez, 2009.

MANZINI, E. J. Uso da entrevista em dissertações e teses produzidas em um programa de pós-graduação em educação. Revista Percurso, Maringá, PR, v. 4, n. 2, p. 149-171, 2012.

PARO, V. H. Reprovação escolar: renúncia à educação. São Paulo: Xamã, 2001.

PEREIRA, R. S. Avaliação de sistemas e política de competências e habilidades da OCDE. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 13, n. 1, p. 107-127, jan./abr. 2018.

RIBEIRO, S. C. A pedagogia da repetência. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 12, p. 7-21, maio/ago. 1991.

SÃO PAULO (Município). Decreto n. 32.892, de 23 de dezembro de 1992. Dispõe sobre o regimento comum das escolas municipais, e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo, 1992. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/ decreto/1992/3290/32892/decreto-n-32892-1992-dispoe-sobre-o-regimento-comum-das-escolasmunicipais-e-da-outras-providencias-1994-02-24-versao-consolidada. Acesso em: 15 mar. 2016.

SÃO PAULO (Município). Lei n. 14.063, de 14 de outubro de 2005. Institui o Sistema de Avaliação de Aproveitamento Escolar dos Alunos da Rede Municipal de Ensino de São Paulo, sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Educação. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo, 2005. Disponível em: http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_ juridicos/cadlem/integra.asp?alt=15102005L%20140630000. Acesso em: 15 abr. 2016.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 427-446, jul./dez. 2005.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SILVA, M. A. A hegemonia do Banco Mundial na formulação e no gerenciamento das políticas educacionais. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, SP, v. 6, n. 6, p. 35-53, out. 2000.

SORDI, M. R. L. Implicações ético-epistemológicas da negociação nos processos de avaliação institucional participativa. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 33, n. 119, p. 485-512, abr./jun. 2012.

TRAVITZKI, R. Qual é o grau de incerteza do Ideb e por que isso importa?. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 28, n. 107, p. 500-520, 2020.

Downloads

Publicado

11-11-2022

Como Citar

SOUSA, M. de; LEMES DE SORDI, M. R. Discursos sobre avaliação educacional na rede municipal de ensino de São Paulo. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 33, p. e08696, 2022. DOI: 10.18222/eae.v33.8696. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/8696. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos