A autonomia-heterônoma na gestão da pós-graduação no Brasil: o caso PPGE-UFSCar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v33.8515

Palavras-chave:

Autonomia-heterônoma , Gestão da Qualidade, Avaliação da Pós-Graduação

Resumo

O artigo aborda os desafios da gestão dos programas de pós-graduação em educação (PPGE) em face do sistema de avaliação da pós-graduação brasileira, coordenado pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). As discussões se fundamentam em fontes documentais e bibliográficas. O cotejamento e a análise das fontes permitiram concluir que a gestão do PPGE-UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) se pautou no exercício da autonomia-heterônoma, cujo fundamento é o redirecionamento progressivo das políticas internas ao atendimento das prerrogativas externas, como recurso de adaptação, considerando-se as particularidades institucionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos Rothen, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos-SP, Brasil

Pós-doutorado pela Université de Strasbourg, Doutor em Educação pela Unimep, Licenciado e mestre em filosofia pela Puc-Campinas. Prof. Associado do Departamento de Educação e Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da UFSCar. Lider do grupo Observatório e pesquisa das políticas de avaliação da educação superior.

Luiz Roberto Gomes, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos-SP, Brasil

Pós-doutor em Ciências da Educação pela J. W. Goethe Universität – Frankfurt am Main. Doutor em Educação pela Unicamp e Licenciado em Filosofia pela PUC-Campinas. Prof. Associado do Departamento de Educação e Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da UFSCar. Líder do Grupo de Pesquisa “Teoria Crítica e formação Ético-política” (UFSCar/CNPq).

Maria Eliza Nogueira Oliveira, Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), Alfenas-MG, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista e Licenciada em Pedagogia pela mesma universidade. Concluiu o estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar. Atualmente, é Professora Adjunta do Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Alfenas. Integra o Grupo Observatório e Pesquisa das políticas de avaliação da Educação Superior.

Referências

AZEVEDO, M. L. N. de; OLIVEIRA, J. F. de; CATANI, A. M. O Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG) e o Plano Nacional de Educação (PNE 2014-2024): regulação, avaliação e financiamento. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Brasília, DF, v. 32, n. 3, p. 783-803, 2016.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BALL, S. J. Reforma educacional como barbárie social: economismo e o fim da autenticidade. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 7, n. 1, p. 33-52, jan./jun. 2012.

BARATA, R. de C. B. Dez coisas que você deveria saber sobre o Qualis. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, DF, v. 13, n. 1, p. 13-40, jan./abr. 2016.

BAREMBLITT, G. Compêndio de análise institucional e outras correntes. 2. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1994.

BEZES, P. Réinventer l’État: Les réformes de l’administration française (1962-2008). Paris: Presses Universitaires de France, 2009.

BIANCHETTI, L. Os dilemas do coordenador de Programa de Pós-Graduação: entre o burocrático-administrativo e o acadêmico-pedagógico. In: BIANCHETTI, L.; SGUISSARD, V. Dilemas da pós-graduação: gestão e avaliação. Campinas, SP: Autores Associados, 2009. p. 15-99.

BITTAR, M. Apresentação do Dossiê: quarenta anos do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar (1976-2016). Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, SP, v. 11, n. 1, p. 5-8, jan./maio 2017a.

BITTAR, M. Os quarenta anos do PPGE/UFSCar em dois momentos da pós-graduação brasileira. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, SP, v. 11, n. 1, p. 135-150, jan./maio, 2017b.

BRASIL. Decreto n. 29.741, de 11 de julho de 1951. Institui uma Comissão para promover a Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. Diário Oficial da União: seção 1, Rio de Janeiro, p. 10.425, 13 jul. 1951. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/decreto-29741-11-julho-1951-336144-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 13 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer n. 977, de 3 de dezembro de 1965. Definição dos cursos de pós-graduação. Relator: Newton Sucupira. Brasília, DF, 1965. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Parecer_CESU_977_1965.pdf. Acesso em: 13 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Relatório de Avaliação 2010-2012: Trienal 2013. Brasília, DF: MEC/Capes, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Relatório da Avaliação Quadrienal 2017: educação. Brasília, DF: MEC/Capes, 2017a.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Relatório Quadrienal Educação (2013-2016). Brasília, DF: MEC/Capes, 2017b.

BUFFA, E. PPGE-UFSCar: 40 anos de lutas e êxitos. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, SP, v. 11, n. 1, p. 58-67, jan./maio 2017.

CATANI, A. M.; HEY, A. P. O impacto da avaliação no desenvolvimento e na reconfiguração do campo universitário brasileiro. In: OLIVEIRA, J. F. de et al. (org.). Pós-graduação e avaliação: impactos e perspectivas no Brasil e no cenário internacional. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010. p. 53-80.

COSTA, A. V. P. de A. P.; CRUZ, A. C. J. da; ABRAMOWICZ, A; ZUIN, A. A. S.; SILVA, F. C. da; GOMES, L. R.; LUIZ, M. C.; DINIS, N. F.; RISCAL, S. A.; RODRIGUES, T. C. Entre subjetividades eculturas: uma nova linha de pesquisa para a educação. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, SP, v. 11, n. 2, p. 429-438, jan./maio 2017.

DALE, R. A sociologia da educação e o Estado após a globalização. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 31, n. 113, p. 1099-1120, 2010.

GADELHA, S. Desempenho, gestão, visibilidade e tecnologias como vetores estratégicos de regulação e controle de condutas na contemporaneidade. Educar em Revista, Curitiba, v. 33, n. 66, p. 113-139, 2017.

GATTI, B. A. Política de Ciência e Tecnologia e Pesquisa em Educação. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, SP, v. 11, n. 1, p. 151-164, jan./maio 2017.

GOUVÊA, F.; MENDONÇA, A. W. P. C. A contribuição de Anísio Teixeira para a institucionalização da Pós-graduação no Brasil: um percurso com os boletins da Capes. Perspectiva, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 111-132, jan./jun. 2006.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1999.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução: Fernando Costa Mattos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

LYOTARD, J. A condição pós-moderna. Tradução: Ricardo Corrêa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

MOREIRA, A. F. A cultura da performatividade e a avaliação da Pós-Graduação em Educação no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 23-42, dez. 2009.

OLIVEIRA, J. F.; FONSECA, M. A pós-graduação brasileira e o seu sistema de avaliação. In: OLIVEIRA, J. F. et al. (org.) Pós-graduação e avaliação: impactos e perspectivas no Brasil e no cenário internacional. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010. p. 15-51.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS – PPGE-UFSCAR. Norma Complementar n. 002/2014: credenciamento, recredenciamento e descredenciamento de docentes no Programa de Pós-Graduação em Educação. Aprovado pela CPG do PPGE em 15/09/2014 (389ª Reunião) e pela CoPG em 24/09/2014. São Carlos, SP: PPGE, 2014.

SAVIANI, D. 25 anos do PPGE. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, SP, v. 11, n. 1, p. 44-49, jan./maio 2017.

SAVIANI, D.; GOLDBERG, M. A. Universidade Federal de São Carlos: mais um programa de pós-graduação em educação? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 16, p. 81-89, mar. 1976.

SGUISSARDI, V. A universidade neoprofissional, heterônoma e competitiva. In: MANCEBO, D.; FÁVERO, M. L. A. (org.). Universidade: políticas, avaliação e trabalho docente. São Paulo: Cortez, 2004. p. 33-52.

SGUISSARDI, V. A avaliação defensiva no “modelo Capes de avaliação”: é possível conciliar avaliação educativa com processos de regulação e controle do Estado? Perspectiva, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 49-88, jan./jun. 2006.

SGUISSARDI, V.; SILVA JR., J. R. O trabalho intensificado nas federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009.

TRIGUEIRO, D. Governo da universidade. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 42, n. 105, p. 68-90, jan./mar. 1967.

VERHINE, R. E. Avaliação da Capes: subsídios para a reformulação do modelo. In: MANCEBO, D. et al. (org.) Reformas e políticas: educação superior e pós-graduação no Brasil. Campinas, SP: Alínea, 2008. p. 165-188.

ZUIN, A. A. S.; BIANCHETTI, L. O produtivismo na era do “publique, apareça ou pereça”: um equilíbrio difícil e necessário. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 45, n. 158, p. 838-855, out./dez. 2015.

Downloads

Publicado

15-12-2022

Como Citar

ROTHEN, J. C.; GOMES, L. R.; OLIVEIRA, M. E. N. . A autonomia-heterônoma na gestão da pós-graduação no Brasil: o caso PPGE-UFSCar. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 33, p. e08515, 2022. DOI: 10.18222/eae.v33.8515. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/8515. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos