A Educação Física no novo Enem: um estudo analítico de conteúdo

Autores

  • Renato Cavalcanti Novaes Marinha do Brasil/Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil http://orcid.org/0000-0003-3804-2313
  • João Gabriel de Mello Escola Sesc de Ensino Médio, Rio de Janeiro-RJ, Brasil http://orcid.org/0000-0002-8353-5777
  • Antonio Jorge Gonçalves Soares Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil http://orcid.org/0000-0001-7769-9268
  • Silvio de Cassio Costa Telles Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil http://orcid.org/0000-0003-2652-6118

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v32.6964

Palavras-chave:

EDUCAÇÃO FÍSICA, ENEM, CURRÍCULO, AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Resumo

Desde 2009, a Educação Física (EF) está presente no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inaugurando sua participação em exames de larga escala na educação básica. Este estudo se dedica às questões dessa disciplina no Enem, desde sua inserção até 2019, e tem como objetivo analisar seu conteúdo ante a intencionalidade do exame e oconhecimento dessa disciplina. Os resultados apontam, nas 43 questões identificadas, uma inadequação dos conteúdos da EF, por desconsiderarem as habilidades e os objetos de conhecimento específicos indicados pela matriz do exame, além dos próprios conflitos no campo do currículo refletidos nas provas. Ao final, questionamos a fidedignidade do exame como instrumento avaliativo, assim como seu papel de incitar mudanças no campo do currículo.

Biografia do Autor

Renato Cavalcanti Novaes, Marinha do Brasil/Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil

Doutorando e mestre em Ciências do Exercício e do Esporte na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

João Gabriel de Mello, Escola Sesc de Ensino Médio, Rio de Janeiro-RJ, Brasil

Mestre em Ciências do Exercício e do Esporte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Antonio Jorge Gonçalves Soares, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil

Professor associado IV da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Doutor em Educação Física e Cultura pela Universidade Gama Filho 

Silvio de Cassio Costa Telles, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil

Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da UFRJ. Doutor em Educação Física e Cultura pela Universidade Gama Filho.

Referências

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BELTRÃO, J. A. A educação física na escola do vestibular: as possíveis implicações do Enem. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 819-840, abr./jun. 2014.

BERNSTEIN, B. Class, codes and control: theoretical studies towards Sociology of Language. London: Routlegde & Kegan Paul, 1971.

BRASIL. Ministério da Educação. Matriz de referência para o Saeb. Brasília, DF: MEC/Inep, 1998a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, 1998b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF: MEC, 1998c.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Enem: relatório pedagógico 2002. Brasília, DF: MEC/Inep, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Enem: fundamentação teórico-metodológica. Brasília, DF: MEC/Inep, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2006. v. 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Matriz de referência para o Enem 2009. Brasília, DF: MEC/Inep, 2009a.

BRASIL. Ministério da Educação. Exame Nacional do Ensino Médio. Caderno azul. Brasília, DF: MEC/Inep, 2009b. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/provas/2009/dia2_caderno7_azul.pdf . Acesso em: 26 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Exame Nacional do Ensino Médio. Caderno azul. Brasília, DF: MEC/Inep, 2010. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/provas/2010/dia2_caderno7_azul_com_gab.pdf . Acesso em: 26 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Enem: relatório pedagógico 2009-2010. Brasília, DF: MEC/Inep, 2013a.

BRASIL. Ministério da Educação. Exame Nacional do Ensino Médio. Caderno cinza. Brasília, DF: MEC/Inep, 2013b. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/provas/2013/caderno_enem2013_dom_cinza.pdf . Acesso em: 26 jan. 2021.

BRASIL. Lei federal n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as leis n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei n. 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei n. 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, DF, 2017a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017b.

BRASIL. Ministério da Educação. Exame Nacional do Ensino Médio. Caderno amarelo. Brasília, DF: MEC/Inep, 2019. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/provas/2019/caderno_de_questoes_1_dia_caderno_2_amarelo_ampliada_aplicacao_regular.pdf . Acesso em: 26 jan. 2021.

CAPARROZ, F.; BRACHT, V. O tempo e o lugar de uma didática da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, SP, v. 28, n. 2, p. 21-37, jan. 2007.

CORREIA, W. R. Educação física escolar: entre inquietudes e impertinências. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 171-178, jan./mar. 2012.

DARIDO, S; RANGEL, I. (org.). Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. (Coleção Educação Física no Ensino Superior).

DEPRESBITERIS, L.; TAVARES, M. R. Diversificar é preciso: instrumentos e técnicas de avaliação da aprendizagem. São Paulo: Editora Senac, 2009.

FERRAZ, A. P. C. M.; BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010.

FERRAZ, O. L.; CORREIA, W. R. Teorias curriculares, perspectivas teóricas em educação física escolar e implicações para a formação docente. Revista brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 26, n. 3, p. 531-40, jul./set. 2012.

FREITAS, L. C.; SORDI, M. R. L.; FREITAS, H. C. L.; MALAVASI, M. M. S. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GOODSON, I. As políticas de currículo e de escolarização. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2013a.

GOODSON, I. Currículo: teoria e história. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2013b.

KLEINUBING, N. D.; SARAIVA, M. D. Educação física escolar e dança: percepções de professores no ensino fundamental. Movimento, Porto Alegre, v. 15, n. 4, p. 193-214, out./dez. 2009.

LOPES, A. C.; LOPEZ, S. B. A performatividade nas políticas de currículo: o caso do Enem. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 89-110, abr. 2010.

LOVISOLO, H. A arte da mediação. Rio de Janeiro: Sprint, 1995.

MOURA, D. L. Cultura e educação física escolar: a teoria à prática. São Paulo: Phorte, 2012.

MOURA, D. L.; SOARES, A. J. G. Cultura e educação física: uma análise etnográfica de duas propostas pedagógicas. Movimento, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 687-709, abr./jun. 2014.

RESENDE, H. G. Reflexões sobre algumas contradições da educação física no âmbito da escola pública e alguns caminhos didáticos pedagógicos na perspectiva da cultura corporal. Movimento, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 20-28, 1994.

SANCHOTENE, M. U.; MOLINA NETO, V. Práticas pedagógicas: entre a reprodução e a reflexão. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, SP, v. 31, n. 3, maio 2010.

SANTOS, M. F.; MARCON, D.; TRENTIN, D. T. Inserção da Educação física na área de linguagens, códigos e suas tecnologias. Motriz: Revista de Educação Física, Rio Claro, SP, v. 18, n. 3, p. 571-580, jul./set. 2012.

SANTOS, N. A.; NISTA-PICCOLO, V. L. O esporte e o ensino médio: a visão dos professores de educação física da rede pública. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 65-78, jan./mar. 2011.

SCHWARTZMAN, S. O viés acadêmico na educação brasileira. In: BACHA, E. L.; SCHWARTZMAN, S. (org.). Brasil: a nova agenda social. Rio de Janeiro: LTC, 2011. p. 254-269.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte:

Autêntica, 2010.

SOUZA JÚNIOR, M. B. M.; TAVARES DE MELO, M. S.; SANTIAGO, M. L. A análise de conteúdo como forma de tratamento dos dados numa pesquisa qualitativa em educação física escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 3, p. 31-49, jul./set. 2010.

ZAGHI, F. H. L. S. Educação física escolar e a prova do Enem: convergências e divergências. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, 2014.

Downloads

Publicado

25-03-2021

Edição

Seção

Artigos