Avaliação educacional: concepções e embates teóricos

Autores

  • Assis Leão da Silva Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Recife-PE, Brasil
  • Alfredo Macedo Gomes Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife-PE, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v29i71.5048

Palavras-chave:

Concepções de Avaliação, Tendências de Avaliação, Políticas de Avaliação, Avaliação Educacional

Resumo

O artigo objetiva realizar uma discussão teórica ao revisitar, sistematizar e refletir a respeito de distintas concepções de avaliação e de suas tendências no campo da avaliação educacional. A construção histórica dessas concepções de avaliação sinaliza, em suas origens, determinadas demandas que alteram a ênfase da avaliação educacional em cada momento do campo da avaliação educacional. Destaca-se que, no contexto atual, a compreensão a respeito da avaliação educacional está associada ao hibridismo de distintas concepções de avaliação. Esse hibridismo, materializado nas políticas de avaliação, tem posto em evidência um momento de transição nas tendências das concepções de avaliação, com avanços e recuos importantes no alcance, objetos e lógica da avaliação educacional, ao combinar harmonização ou conflitos das/entre concepções de avaliação.Palavras-chave: Concepções de Avaliação, Tendências de Avaliação, Políticas de Avaliação, Avaliação Educacional. Evaluación educacional: concepciones y embates teóricosEl artículo tiene el objetivo de realizar una discusión teórica al revisitar, sistematizar y reflexionar sobre distintas concepciones de evaluación y sus tendencias en el ámbito de la evaluación educacional. La construcción histórica de tales concepciones de evaluación señala, en sus orígenes, determinadas demandas que alteran el énfasis de la evaluación educacional en cada momento del campo de la evaluación educacional. Se subraya que, en el actual contexto, la comprensión acerca de la evaluación educacional está asociada al hibridismo de distintas concepciones de evaluación. Dicho hibridismo, materializado en las políticas de evaluación, ha puesto en evidencia un momento de transición en las tendencias de las concepciones de evaluación, con importantes  avances y retrocesos en lo que se refiere al alcance, objetos y lógica de la evaluación educacional, al combinar armonización o conflictos de las/entre concepciones de evaluación.Palabras clave: Concepciones de Evaluación, Tendencias de Evaluación, Políticas de Evaluación, Evaluación Educacional. Educational evaluation: theoretical concepts and conflictsThis paper aims to conduct a theoretical discussion by revisiting, systematizing, and reflecting upon different concepts and trends in the field of educational evaluation. The historical construction of these concepts of evaluation indicates specific social and educational demands, that change the focus of educational evaluation at different times, in the field of educational evaluation. It should be stressed that, in the current context, the understanding of educational evaluation is associated with the hybridization of different concepts of evaluation. This hybridism, seen in the evaluation policies, has evidenced a moment of transition in the trends of concepts of evaluation, with important advances and retreats in the reach, objects and logic of educational evaluation. It does so by resolving agreement or conflict between the concepts of evaluation.Keywords: Evaluation Concepts, Evaluation Trends, Evaluation Policies, Educational Evaluation.

Biografia do Autor

Assis Leão da Silva, Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Recife-PE, Brasil

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco/IFPE. Doutor em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco

Alfredo Macedo Gomes, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife-PE, Brasil

Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco (1990), Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (1995) e Doutorado em Educação (PhD) pela University of Bristol (2000). Realizou estágio pós-doutoral junto ao Centre for Globalization, Societies and Education, University of Bristol, UK (2010-2011). É professor associado do Departamento de Fundamentos Sócio-filosóficos da Educação e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE. Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação (2011-2013).Tem formação e experiência de pesquisa na área de políticas da educação superior, com ênfase nos processos de formulação, implementação e avaliação de políticas, projetos e programas, a partir de perspectiva de crítica, com foco nos temas: globalização, regionalização, políticas de educação superior, Estado, classes sociais e sociedade. A pesquisa atual busca contribuir para o entendimento dos processos de globalização e regionalização da educação superior na América Latina, assim como o desenvolvimento teórico-conceitual sobre políticas educacionais e crescimento da educação superior. Integra a Linha de Pesquisa Política Educacional, Planejamento e Gestão da Educação. É coordenador/líder do Grupo de Pesquisa Laboratório de Pesquisa em Políticas Públicas, Educação e Sociedade (LAPPES) e coordenador da Rede de Cooperação Acadêmico-científica de Educação Superior (REDECAES) no âmbito de projeto integrado (PROCAD-CAPES) com o PPGE/UFG.

Referências

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2005.

ÂNGULO, J. F. Evaluación de programas sociales de la eficacia a la democracia. Revista de Educación, Madri, v. 286, p. 193-207, mayo/ago. 1988.

ARREDONDO, C. S; DIAGO, J. C. Avaliação educacional e promoção escolar. São Paulo: Editora da Unesp, 2009.

BOBBIO, N. Dicionário de política. 13. ed. Brasília, DF: Editora UnB, 2010. p. 656. v. 2.

CAMPBELL, D. T. Keeping the data honest in the experimenting society. In: MELTON, H. W.; WATSON, D. H. G. (Org.). Interdisciplinary dimensions of accounting for social goals and social organizations: a conference of the Department of the Accountancy, University of Illinois, Urbana-Champaign. Urbana-Champaign: University of Illinois, 1977. p. 37-76.

CASANOVA, M. A. Manual de evalución educativa. Madri: La Muralha, 2007.

CRONBACH, L. J. Course improvement through evaluation. Teachers College Record, New York, v. 64, n. 8, p. 672-683, May 1963.

CRONBACH, L. J. Designing evaluation of educational and social programs. San Francisco: Jossey-Bass, 1982.

EISNER, E. The education imagination. New York: Macmillan, 1979.

FERNANDES, D. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora da Unesp, 2009.

GUBA, E. G; LINCOLN, Y. S. Controvérsias paradigmáticas, contradições e confluências emergentes. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução de Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2003. p. 169-192.

GUBA, E. G.; LINCOLN, Y. S. Avaliação de quarta geração. Tradução de Beth Honorato. Campinas: Unicamp, 2011.

HOUSE, E. R. Tendências em educação. Revista de Educación, Madri, n. 299, p. 43-56, sept./dic. 1992.

HOUSE, E. R. Evaluación, ética y poder. Madri: Morata, 1994.

HOUSE, E. R. Evaluación, ética y poder. Madri: Morata, 2000.

HYPOLITO, A. M. Gestão do trabalho docente e qualidade da educação. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 23., Porto Alegre, 2007. Anais... Porto Alegre: Associação Nacional de Política e Administração da Educação, 2007. Disponível em: . Acesso em: set. 2016.

LEFRANÇOIS, G. R. Teorias da aprendizagem. São Paulo: Cengage Learning, 2015.

MACDONALD, B. Evaluation and the control of education. In: MACDONALD, B.; WALKER, R.; SAFARI I. Innovation, evaluation, research and the problem of control. Norwich: Centre for Applied Research in Education/University of East Anglia, 1974. p. 23-27.

MACDONALD, B. La evaluación como profesión de servicio público: perspectivas de futuro. In: SÁEZ, M. (Coord.). Conceptualizando la evaluación en España. Alcalá de Henares: Universidad Alcalá de Henares, 1995. p. 15-23.

MADAUS, G.; STUFFLEBEAM, D. Program evaluation: a historical overwiew. In: STUFFLEBEAM, D.; MADAUS, G.; KELLAGHAN, T. (Org.). Evaluation models: viewpoints on educational and human services evaluation. Dordrecht: Kluwer, 2000. p. 97-112.

MAROY, C. Sociologie des regulations de l’enseignement: une comparaison européenne. Recherches Sociologiques, Louvain, v. 35, n. 2, p. 1-4, mai/juil 2004.

MAROY, C.; DUPRIEZ, V. La regulation dans les systems scolaires. Revue Française de Pédagogie, Lyon, v. 130, n. 1, p. 73-87, janv./mars 2000. Disponível em: <http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/rfp_0556807_2000_num_130_1_1054>. Acesso em: dez. 2016.

MULLER, P.; SUREL, Y. Análise das políticas públicas. Pelotas: Educat, 2002.

NEAVE, G. On the cultivation of quality, efficiency and enterprise: an overview of recent trends in higher education in Western Europe, 1986-1988. European Journal of Education, Oxford, v. 23, n. 1/2, p. 7-23, Jan./Apr. 1988.

PROVUS, M. M. The discrepancy evaluation model. In: TAYLOR, P. A.; COWLEY, D. M. Readings in curriculum evaluation. Dubuque, Iowa: W.M.C Brown Co. Publishing, 1972. p. 242-283.

SCRIVEN, M. The methodology of evaluation, In: TYLER, R. W.; GAGNE, R. M.; SCRIVEN, M. Perspectives of curriculum evaluation. Chicago: Rand McNally, 1967. p. 39-83. (American Educational Research Association Monograph Series on Curriculum Evaluation, n. 1).

SCRIVEN, M. An introduction to metaevaluation. Educational Products Report, n. 2, p. 36- 38, 1969.

SCRIVEN, M. Goal-free evaluation. In: HOUSE, E. R. (Ed.). School evaluation: the politics and process. Berkeley, Califórnia: MacCutchan Publishing Corporation, 1973. p. 25-42.

SCRIVEN, M. Evaluation ideologies. In: MADAUS, F. G.; SCRIVEN M. S.; STUFFLEBEAM, D. L. (Org.). Evaluation models. Boston: Springer, 1983. p. 3-112.

SECCHI, L. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

SILVA, A. L. Avaliação institucional no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). 2015. 372 f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

SIMONS, H. Evaluación democrática de instituciones escolares. Madrid: Morata, 1999.

STAKE, R. E. The countenance of educational evaluation. Teachers College Record, New York, v. 68, n. 7, p. 523-540, Jan./Apr. 1967.

STERNBERG, R. J. Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

STUFFLEBEAM, D. L. The relevance of the CIPP Evaluation Model for Educational Accountability. Journal of Research and Development in Education, v. 5, p. 19-25, 1971.

STUFFLEBEAM, D. L.; SHINKFIELD, A. J. Evaluation sistemática. Guia teórica e prática. Madrid: Paidós, 1987.

TAYLOR, F. W. Princípios da administração científica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 1990.

TYLER, R. W. The objectives and plans for a national assessment of educational progress. Journal of Educational Measurement, Chicago, v. 3, n. 1, p. 3-15, Feb. 1966.

VIANNA, H. M. Avaliação educacional: teoria, planejamento e modelos. São Paulo: Ibrasa, 2000.

WATRAS, J. The eight-year study: from evaluative research to a demonstration project, 1930-1940. Education Policy Analysis Archives, Phoenix, v. 14, p. 21, Aug. 2006.

Downloads

Publicado

31-08-2018

Edição

Seção

Artigos