Avaliando uma Licenciatura em Educação do Campo: relato de experiência

Autores

  • Edna Maria Querido de Oliveira Chamon Universidade Estácio de Sá (Unesa), Rio de Janeiro-RJ; Universidade de Taubaté (Unitau), Taubaté-SP, Brasil
  • Leonor M. Santana Universidade Estácio de Sá (Unesa), Rio de Janeiro-RJ, Brasil
  • Alesandra Cabreira Dias Universidade do Estado do Pará (Uepa), Belém-PA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v33.7293

Palavras-chave:

Formação de Professores, Avaliação da Educação, Triângulo da Formação, Educação Rural

Resumo

O artigo relata uma avaliação de Licenciatura em Educação do Campo a partir de um modelo específico de formação, propondo a utilização do dispositivo de triângulo da formação como grade de leitura e guia avaliativo. Ilustra o potencial do dispositivo em processos avaliativos aplicados a uma Licenciatura em Educação do Campo ministrada em 5 cidades do Pará. Um questionário distribuído a 182 alunos e um conjunto de entrevistas com 19 graduandos permitiram a coleta de dados para avaliação discente da formação. A análise mostrou uma ênfase em aspectos cognitivos e socioprofissionais, negligenciando os aspectos psicológicos da formação. Mesmo as articulações explicitamente desenhadas entre aspectos epistêmicos e profissionais foram criticadas pelos alunos, pois se desviavam da realidade local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTET, Marguerite; FABRE, Michel. Logiques et problématiques d’articulation formation/recherche dans les dispositifs de professionnalisation. Recherche et Formation, Lyon, n. 17, p. 77-92, 1994.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Políticas de formação de educadores(as) do campo. Cadernos Cedes, Campinas, SP, v. 27, n. 72, p. 157-176, maio/ago. 2007.

ARROYO, Miguel Gonzalez; FERNANDES, Bernando Mançano. A educação básica e o movimento social do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo, 1999. (Por uma Educação Básica do Campo, n. 2).

BAUER, Adriana. “Quão ‘bom’ é suficiente?” Definição de critérios avaliativos de valor e mérito. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 30, n. 73, p. 14-43, jan./abr. 2019.

BEAUMARCHAIS, Pierre Augustin Caron de. Le mariage de Figaro. [s.n.t.]. Disponível em: https://www.bibliotheque-agglo-stomer.fr/userfiles/album/11527/big/media/45563_2144-PIERRE_ AUGUSTIN_CARON_DE_BEAUMARCHAIS-Le_mariage_de_figaro-%5BInLibroVeritas.net%5D. pdf. Acesso em: 24 fev. 2020.

BEGNAMI, João Batista. Pedagogia da alternância. Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 16, n. 91, p.24-47, jan./fev. 2010.

BERGER, Peter Ludwig; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 23. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

BRASIL. Ministério Extraordinário da Política Fundiária. Portaria n. 10, de 16 de abril de 1998. Cria o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – Pronera, vinculando ao Gabinete do Ministro e aprova o seu Manual de Operações. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 abr. 1998.

BRASIL. Ministério Público. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão – PFDC. PFDC recomenda ao Incra medidas para assegurar funcionamento de cursos do Pronera. 10 set. 2019. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/pfdc-recomenda-ao-incra-medidas-paraassegurar-funcionamento-de-cursos-do-pronera. Acesso em: 24 fev. 2020.

BRASIL. Decreto n. 10.252, de 20 de fevereiro de 2020. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra, e remaneja cargos em comissão e funções de confiança. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 37, p. 2, fev. 2020.

CALDART, Roseli Salete. A escola do campo em movimento. Currículo sem Fronteiras, v. 3, n .1, p. 60-81, jan./jun. 2003.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. 4. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

CHAMON, Edna M. Q. O. As dimensões da educação do campo. Educação, Santa Maria, RS, v. 41, n. 1, p. 183-196, jan./abr. 2016.

CHAMON, Edna M. Q. O.; SALES, Adriane C. M. Análise de um modelo para a formação de professores e suas aplicações. Educar em Revista, Curitiba, n. 45, p. 167-184, jul./set. 2012.

DIAS, Alesandra Cabrera. Representações sociais da educação do campo: formação e identidade docente. 2014. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano) – Universidade de Taubaté, Taubaté, SP, 2014.

FABRE, Michel. Penser la formation. Paris: Presses Universitaires de France, 1994. FABRE, Michel. Dewey et le triangle de la formation. Questions Vives, n. 27, p. 1-15, 2017. Disponível em: http://journals.openedition.org/questionsvives/2069. Acesso em: 24 fev. 2020.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOUSE, Ernest R. Evaluation with a focus on justice. New Directions for Evaluation, n. 163, p. 61-72, Fall 2019.

KRAMNICK, Isaac. Equal opportunity and “The Race of Life”. Dissent, v. 28, p. 178-187, 1981.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo civil e outros escritos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

MAY, Theresa. Britain, the great meritocracy: Prime Minister’s speech. 2016. Disponível em: https://www.gov.uk/government/speeches/britain-the-great-meritocracy-prime-ministers-speech. Acesso em: 24 fev. 2020.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MOLINA, Mônica Castagna; FREITAS, Helana Célia de Abreu. Avanços e desafios na construção da educação do campo. Em Aberto, Brasília, DF, v. 24, n. 85, p. 17-31, abr. 2011.

MUNARIM, Antônio. Elementos para uma política pública de educação do campo. In: MOLINA, Mônica Castagna (org.). Educação do campo e pesquisa: questões para reflexão. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006. p. 15-26.

NOSELLA, Paolo. Origens da pedagogia da alternância no Brasil. Vitória: Edufes, 2014.

REINERT, Max. Alceste – Une méthodologie d’analyse de données textuelles et une application: Aurélia de Gérard de Nerval. Bulletin de Méthodologie Sociologique, n. 26, p. 24-54, 1990.

REINERT, Max. Les “mondes lexicaux” et leur “logique” à travers l’analyse statistique d’un corpus de récits de cauchemars. Langage et Société, n. 66, p. 5-39, 1993.

RIBEIRO, Marlene. Política educacional para populações camponesas: da aparência à essência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 54, p. 669-691, jul./set. 2013.

RIBEIRO, Marlene. Terra, trabalho, educação: relações que projetam desafios à educação do campo. Educação em Perspectiva, Viçosa, MG, v. 6, n. 2, p. 268-289, jul./dez. 2015.

SANTOS, Boaventura de Souza. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000. (Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática, v. 1).

SANTOS, Marilene. Educação do campo no Plano Nacional de Educação: tensões entre a garantia e a negação do direito à educação. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 98, p. 185-212, jan./mar. 2018.

SILVA, Assis Leão; GOMES, Alfredo Macedo. Avaliação educacional: concepções e embates teóricos. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 29, n. 71, p. 350-384, maio/ago. 2018.

SOUZA, Maria Antonia. Educação do campo, desigualdades sociais e educacionais. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 33, n. 120, p. 745-763, jul./set. 2012.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia da Letras, 2004.

Downloads

Publicado

16-11-2022

Como Citar

CHAMON, E. M. Q. de O.; SANTANA, L. M.; DIAS, A. C. Avaliando uma Licenciatura em Educação do Campo: relato de experiência. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 33, p. e07293, 2022. DOI: 10.18222/eae.v33.7293. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/7293. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos