Um novo modelo de EJA para o ensino médio no Rio de Janeiro

Autores

  • Ângelo Damaceno Hottz Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, Brasil http://orcid.org/0000-0001-9290-8144
  • Clécio da Silva Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora-MG, Brasil http://orcid.org/0000-0002-7820-1350
  • Leonardo Ostwald Vilardi Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro-RJ; Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora-MG, Brasil http://orcid.org/0000-0003-1098-0551

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v29i71.4707

Palavras-chave:

Avaliação da Educação, Proficiência, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro (Saerj)

Resumo

O presente artigo analisa os resultados de uma modalidade de ensino voltada para alunos que, na idade oportuna, não puderam cursar a educação básica. Hoje a Educação de Jovens e Adultos (EJA) atende, inclusive, o ensino médio. A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ), até 2013, ofertava o ensino médio na modalidade EJA em três fases semestrais e, somente a partir desse mesmo ano, tendo observado os desempenhos insuficientes da fase III no Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro (Saerj), foi introduzida na rede de ensino uma nova proposta de oferta de EJA em quatro módulos, também semestrais. Este artigo analisa os resultados do Saerj mensurando o quanto esse novo desenho de EJA, em seu primeiro ciclo, do módulo I ao módulo IV, foi capaz de elevar a proficiência média em Língua Portuguesa e Matemática, estimada para os concluintes do módulo IV, em relação à proficiência média dos concluintes da fase III, estimada em anos anteriores a 2014.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângelo Damaceno Hottz, Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, Brasil

Mestre em Gestão e Avaliação da Educação Pública pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2015), possui graduação em Matemática pelo Centro Universitário de Barra Mansa (2005) e especialização em Estatística com Ênfase em Pesquisa de Mercado (2010) pela mesma instituição. Atualmente é Professor Docente I do quadro permanente da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro atuando como Coordenador de Logística das Avaliações Educacionais na Superintendência Pedagógica. Tem experiência na área de Matemática, Física e Estatística.

Clécio da Silva Ferreira, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora-MG, Brasil

Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal de Viçosa (2000), mestrado em Estatística pela Universidade Estadual de Campinas (2003) e doutorado em Estatística pela Universidade de São Paulo (2008). Atualmente, é professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, sendo membro permanente do corpo docente do programa de Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública. Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Estatística, atuando principalmente nos seguintes temas: estimação não-paramétrica de curvas, h-splines, análise de diagnóstico, modelos assimétricos e modelos mistos. Em 2015, passou a ser docente permanente do Programa de Mestrado Acadêmico em Matemática da UFJF, área de concentração 'Matemática Aplicada'.

Leonardo Ostwald Vilardi, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro-RJ; Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora-MG, Brasil

Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2009) e mestrado em Ciências Jurídicas e Sociais pelo Programa de Pós-graduação em Sociologia e Direito (PPGSD) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente é doutorando do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da PUC-Rio e atua como Analista de Formação em EaD no CAEd/UFJF.

Referências

ANDRADE, Dalton Francisco; TAVARES, Heliton Ribeiro; VALLE, Raquel da Cunha. Teoria da Resposta ao Item: conceitos e aplicações. Sinape, 2000. Disponível em: <http://homes.ufam.edu.br/jcardoso/LivroTRI.pdf>. Acesso em: 11 maio 2017.

BONAMINO, Alicia Maria Catalano de. Estudos longitudinais e pesquisa na educação básica. Brasília, DF: Linhas Críticas, 2013. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/8918>. Acesso em: 10 set. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 10 set. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n. 11/2000. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação de Jovens e Adultos. Brasília, DF, 2000. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja/legislacao/parecer_11_2000.pdf>. Acesso em: 10 set. 2016.

BROOKE, Nigel. Marcos históricos na reforma da educação. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

CARVALHO, Pedro Leite. Afastamento por abandono na educação de jovens e adultos: fatores relevantes. 2009. 114 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, 2009. Disponível em: <https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/bitstream/123456789/918/1/Texto%20completo%20 %20Pedro%20Carvalho%202009.pdf>. Acesso em: 29 nov. 2017.

HOTTZ, Ângelo Damaceno. Educação de Jovens e Adultos: uma análise voltada à interpretação dos resultados do ensino médio no sistema de avaliação da educação do estado do Rio de Janeiro (Saerj) em 2014. 2015. 163 f. Dissertação (Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014. Disponível em:<http://www.mestrado. caedufjf.net/wp-content/uploads/2015/10/%C3%82NGELO-DAMACENO-HOTTZ. pdf>. Acesso em: 10 set. 2016.

KLEIN, Ruben. Alguns aspectos da Teoria de Resposta ao Item relativos à estimação das proficiências. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 78, p. 35-56, jan./mar. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ensaio/2013nahead/aop_0213.pdf>. Acesso em: 10 set. 2016.

PAIVA, Jane. Educação de Jovens e Adultos: direito, concepções e sentidos. 2005. 480 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

RIO DE JANEIRO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Câmara de Educação Básica. Deliberação CEE n. 285/2003, de 26 de agosto de 2003. Altera normas para o funcionamento de cursos destinados à Educação para Jovens e Adultos, revoga os artigos 7º, 8º, 9º e 12º da Deliberação CEE n. 259/2000, e dá outras providências. Rio de Janeiro, 26 de agosto de 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2016.

RIO DE JANEIRO (Estado). Parecer CEE n. 091 de 26 de junho de 2012. Aprova proposta da Secretaria de Estado de Educação – SEEDUC para ministrar Curso de Educação para Jovens e Adultos – Nova EJA. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2012.

VENTURA, Jaqueline. A diminuição das matrículas na EJA no Rio de Janeiro – cenários e enfrentamentos a partir do Fórum EJA/RJ. Revista Cátedra Digital, Rio de Janeiro, n. 3, 2016. Disponível em: <http://revista.catedra.puc-rio. br/index.php/diminuicao-das-matriculas-na-eja-no-rio-de-janeiro-cenarios-eenfrentamentos-partir-do-forum-ejarj/>. Acesso em: 28 nov. 2017.

Downloads

Publicado

21-05-2021

Como Citar

Hottz, Ângelo D., Ferreira, C. da S., & Vilardi, L. O. (2021). Um novo modelo de EJA para o ensino médio no Rio de Janeiro. Estudos Em Avaliação Educacional, 29(71), 554–582. https://doi.org/10.18222/eae.v29i71.4707

Edição

Seção

Artigos