Avaliação institucional na educação básica: retrospectiva e questionamentos

Autores

  • Elba Siqueira de Sá Barretto Consultora da Fundação Carlos Chagas (FCC). Professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE/USP), São Paulo, São Paulo, Brasil
  • Gláucia T. Franco Novaes Pesquisadora da Fundação Carlos Chagas (FCC), São Paulo, São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v27i65.3839

Palavras-chave:

Avaliação Institucional, Educação Básica, Qualidade da Educação, Brasil

Resumo

 

Sem a pretensão de um exame exaustivo, o texto faz uma retrospectiva das experiências de uso da avaliação institucional na educação básica no Brasil desde meados dos anos 1990. Observam-se iniciativas de avaliação não só nos ensinos fundamental e médio, seja em escolas isoladas ou em redes públicas, mas também na educação infantil. Em anos recentes, esta última etapa tem sido objeto de ações do Ministério da Educação e de entidades colaboradoras visando à disseminação em âmbito nacional dessa prática. O estudo encontra grande convergência nos referenciais teórico-metodológicos adotados na avaliação institucional da escola, invariavelmente comprometidos com a perspectiva de melhoria da qualidade da educação, assim como nos procedimentos para sua implementação. Discute ainda questões comuns, suscitadas pelo seu emprego.

 

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elba Siqueira de Sá Barretto, Consultora da Fundação Carlos Chagas (FCC). Professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE/USP), São Paulo, São Paulo, Brasil

Professora do Programa de Pós-graduação  em Educação.

Disc: Questões atuais de currículo

Pedagoga, mestre e doutora em sociologia pela Universidade de São Paulo.

Referências

AÇÃO EDUCATIVA et al. (Coord.). Indicadores da qualidade na educação. 3. ed. São Paulo: Ação Educativa, 2007.

BALL, Stephen J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

BALZAN, Newton C.; DIAS SOBRINHO, José (Org.). Avaliação institucional: teoria e experiências. São Paulo: Cortez, 1995.

BOLÍVAR, Antonio. Avaliação institucional: entre o rendimento de contas e a melhoria interna. Gestão em Ação, Salvador, v. 9, n. 1, p. 37-60, jan./abr. 2006.

BONDIOLI, Anna (Org.). O projeto pedagógico da creche e sua avaliação: a qualidade negociada. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

BRANDALISE, Mary A. T. Avaliação educacional da escola pública: os descaminhos de uma política educacional. Educar em Revista, Curitiba, n. 1, (Edição especial), p. 55-74, 2015.

BRANDALISE, Mary A. T.; MARTINS, Clícia. B. Programa de avaliação institucional da educação básica do Paraná: da produção à implementação da política na escola. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 22, n. 50, p. 435-456, set./dez. 2011.

BRASIL. Lei 13005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Indicadores da qualidade da educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Monitoramento do uso dos indicadores da qualidade na educação infantil. Brasília, DF: MEC, Unicef, Ação Educativa, Undime, Instituto Avisa Lá, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2016.

CARVALHO, Maria Eulina P. Modos de educação, gênero e relações escola família. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 121, p. 41-58, jan./abr. 2004.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação como instrumento de formação cidadã e desenvolvimento da sociedade democrática: por uma epistemologia da avaliação. In: RISTOFF, D.; ALMEIDA JÚNIOR, V. P. Avaliação participativa, perspectivas e desafios. Brasília, DF: MEC/Inep, 2005.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao SINAES. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, Sorocaba, SP, v. 15, n. 1, p. 195-224, mar. 2010.

FERNANDES, Maria Estrela A. Avaliação institucional da escola: base teórica e construção do projeto. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2001.

FREITAS, Luiz C. Qualidade negociada: avaliação e contra-regulação na escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 911-933, out. 2005.

FREITAS, Luiz C.; SORDI, Mara R. L. De; MALAVASI, Marcia S.; FREITAS, Helena. Avaliação educacional: caminhando na contramão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Avaliação institucional das escolas da rede municipal de Cuiabá. Validação do modelo avaliativo institucional externo e interno em uma amostra de escolas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá; Unesco, 2014. Relatório de Pesquisa.

HIZIM, L.; AMMANN, M. Avaliação institucional da SME de Igrejinha/RS. Brasília, DF: MEC/Inep. Diretoria de Estudos Educacionais. Laboratório de experiências inovadoras em gestão educacional. Maio, 2009. Relatório de pesquisa de campo.

MENDES, Geisa S. C. V. et al. Autoavaliação como estratégia de resistência à avaliação externa ranqueadora. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1283-1298, dez. 2015.

MIKA N. M. Avaliação institucional como instrumento de melhoria do processo ensino-aprendizagem. Caderno Pedagógico. Paraná: Secretaria de Estado da Educação. Programa de Desenvolvimento Educacional. Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2008.

NÓVOA, Antonio. Para uma análise das instituições escolares. In: NÓVOA, A. (Coord.). As instituições escolares em análise. Lisboa: Publicações Dom Quixote: IIE, 1992. p. 13-43.

RIBEIRO, Vanda M.; GUSMÃO, Joana B. Uma leitura dos usos dos indicadores da qualidade na educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 141, p. 823-847, set./dez. 2010.

RIBEIRO, Vanda M.; GUSMÃO, Joana B. Uma análise dos problemas detectados e soluções propostas por comunidades escolares com base no Indique. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 22, n. 50, p. 457-470, set./dez. 2011.

RIBEIRO, Vera M.; RIBEIRO, Vanda M.; GUSMÃO, Joana B. Indicadores de qualidade para a mobilização da escola. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 124, p. 227-251, jan./abr. 2005.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Educação. Orientações para a avaliação institucional. Caderno de Avaliação, n. 1 e n. 2, out. 2012.

SOARES, J. Francisco; ALVES, Maria Teresa G. Efeitos das escolas e municípios na qualidade do ensino fundamental. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 149, set./dez. 2013.

SORDI, Mara R. L. De. Implicações ético-políticas da negociação nos processos de avaliação institucional participativa. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 485-510, abr./jun. 2012.

SORDI, Mara R. L. De; LUDKE, Menga. Da avaliação da aprendizagem à avaliação institucional: aprendizagens necessárias. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 2, p. 313-336, jul. 2009.

SORDI, Mara R. L. De; SOUZA, Eliana S. (Org.). A avaliação institucional como instância mediadora da qualidade da escola pública: a rede municipal de Educação de Campinas como espaço de aprendizagem. Campinas, SP: Secretaria Municipal de Educação; Millenium, 2009.

SORDI, Mara R. L. De; SOUZA, Eliana S. (Org.). A avaliação institucional como instância mediadora da qualidade da escola pública: o processo de implementação na rede municipal de Campinas em destaque. Campinas, SP: Secretaria Municipal de Educação, 2012. v. 2.

Downloads

Publicado

31-08-2016

Como Citar

BARRETTO, E. S. de S.; NOVAES, G. T. F. Avaliação institucional na educação básica: retrospectiva e questionamentos. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 27, n. 65, p. 314–345, 2016. DOI: 10.18222/eae.v27i65.3839. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/3839. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Tema em Destaque