Reflexões sobre possíveis critérios de qualidade da escola em tempo integral

Autores

  • Heike Schmitz Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, Sergipe, Brasil.
  • Maria Celeste Reis Fernandes de Souza Universidade do Vale do Rio Doce (Univale), Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v27i65.3661

Palavras-chave:

Avaliação da Educação, Educação em Tempo Integral, Educação Integral, Qualidade.

Resumo

Este texto se insere no cenário de debates sobre a educação integral/ tempo integral, que tem sido objeto de atenção no Brasil nos últimos anos. A análise problematiza os limites das atuais avaliações externas de larga escala para verificar a qualidade da escola em tempo integral. O objetivo do artigo é refletir sobre uma possível sistematização de critérios de qualidade da escola em tempo integral, com vistas a avaliar a sua eficácia. Os argumentos foram construídos a partir de uma revisão da literatura científica, de análise documental e de análise secundária de pesquisas, predominantemente de cunho qualitativo, e toma como referência as contribuições de Holtappels, em diálogo com estudos sobre a ampliação da jornada escolar no Brasil. As conclusões apontam que o modelo apresentado pode contribuir como ferramenta heurística para nortear o desenvolvimento organizacional da escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heike Schmitz, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, Sergipe, Brasil.

Professora adjunta do Departamento de Educação e do Programa da Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, Sergipe, Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa em Avaliação, Política, Gestão e Organização da Educação (apogeu).

Maria Celeste Reis Fernandes de Souza, Universidade do Vale do Rio Doce (Univale), Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil.

Professora do Programa de Pós-Graduação em Gestão Integrada do Território da Universidade do Vale do Rio Doce (Univale), Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Vinculada aos grupos de pesquisa Núcleo Interdisciplinar de Educação, Saúde e Direito (Niesd/Univale) e Educação e Contemporaneidade (EDUCON/UFS).

Referências

BRANCO, Veronica. Desafios para a implantação da educação integral: análise das experiências desenvolvidas na região sul do Brasil. Educar em revista, n. 45, p. 111-123, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/er/ n45/08.pdf>. Acesso em: 6 mar. 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Dispõe sobre o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 jun. 2007a.

BRASIL. Decreto n. 6.253, de 13 de novembro de 2007. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação − FUNDEB, regulamenta a Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 nov. 2007b.

BRASIL. Portaria Interministerial n. 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades sócio-educacativas no contraturno escolar. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 abr. 2007c.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira. Mapeamento das experiências de jornada escolar ampliada no Brasil: estudo quantitativo. Brasília, DF: MEC, 2010a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br>. Acesso em: 5 maio 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira. Mapeamento das experiências de jornada escolar ampliada no Brasil: estudo qualitativo. Brasília, DF: MEC, 2010b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br>. Acesso em: 5 maio 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Mais Educação: impactos na educação integral e integrada. Brasília, DF: MEC, 2013a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Brasília, DF, 2013b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Manual Operacional de Educação Integral. Brasília, DF, 2014a. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2014.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014b.

BRASIL. Portaria n. 174, de 13 de maio de 2015. Dispõe sobre o Sistema de Avaliação da Educação Básica – Saeb. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 maio 2015.

BRESSOUX, Pascal. Efeito estabelecimento. In: ZANTEN, Agnés van. Dicionário de Educação. Petrópolis: Vozes, 2011, p. 273-279.

CASTRO, Adriana de; LOPES, Roseli Esquerdo. A escola de tempo integral: desafios e possibilidades. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 71, p. 259-282, abr./jun. 2011.

CAVALIERE, Ana Maria. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1.015-1.035, 2007. Disponível em: . Acesso em: 6 mar. 2015.

CAVALIERE, Ana Maria. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Em aberto, Brasília, DF, v. 22, n. 80, p. 51-63, abr. 2009.

COELHO, Lígia Martha C. da Costa. História(s) da educação integral. Em aberto, Brasília, DF, v. 22, n. 80, p. 83-96, abr. 2009a.

COELHO, Lígia Martha C. da Costa (Org.). Educação integral em tempo integral: estudo e experiências em processo. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2009b.

COELHO, Lígia Martha C. da Costa. Alunos no ensino fundamental, ampliação da jornada escolar e educação integral. Educar em Revista, Curitiba, n. 45, p. 73-89, jul./set. 2012.

COELHO, Lígia Martha C. da Costa; CAVALIERE, Ana Maria Villela (Org.). Educação brasileira e(m) tempo integral. Petrópolis, Vozes, 2002.

CORÁ, Elsio José; LOSS, Adriana Salete; BEGNINI, Sérgio (Org.). Contribuições da UFFS para educação integral em jornada ampliada. Chapecó, 2012.

DOURADO, Luiz Fernandes; OLIVEIRA, João Ferreira de. A qualidade da educação: perspectivas e desafios. Cadernos Cedes, Campinas, v. 29, n. 78, p. 201-215, maio/ago. 2009. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 17 out. 2015.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL. Survey da literatura sobre educação integral. São Paulo, 2015a. Disponível em: <http://www.redeitausocialdeavaliacao.org.br/>. Acesso em: 25 nov. 2015.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL. Programa Mais Educação: avaliação de impacto e estudo qualitativo. São Paulo, 2015b. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2015.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL; FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA. Educação integral. Cadernos Cenpec: pesquisa e ação educacional, São Paulo, v. 1, n. 2, 2006.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL; FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA. Tendências para educação integral. São Paulo: UNICEF; CENPEC, 2011.

GADOTTI, Moacir. Qualidade na educação: uma nova abordagem. In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA: QUALIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA, 2013. Florianópolis. Anais... Florianópolis: COEB/ Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, 2013. Disponível em: <http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/ arquivos/pdf/14_02_2013_16.22.16.85d3681692786726aa2c7daa4389040f. pdf>. Acesso em: 23 nov. 2015.

GADOTTI, Moacir. Educação integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009.

HOLTAPPELS, Heinz Günther. Qualitätsmodelle: Theorie und Konzeptionen [Modelos de qualidade: teoria e concepções]. In: KAMSKI, Ilse; HOLTAPPELS, Heinz Günter; SCHNETZER, Thomas. Qualität von Ganztagsschule: Konzepte und Orientierungen für die Praxis. Münster: Waxmann, 2009. p. 11-25.

LOMONACO, Beatriz Penteado; SILVA, Letícia Araújo Moreira da. Percursos da educação integral em busca da qualidade e da equidade. São Paulo: Fundação Itaú Social, 2013.

MAURÍCIO, Lúcia V. Ampliação da jornada escolar: configurações próprias para diferentes contextos – Brasil e Europa. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 85, p. 875-898, out./dez. 2014.

MOLL, Jaqueline et al. Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012.

PARO, Vitor Henrique. Educação Integral em tempo integral: uma concepção de educação para a modernidade. In: COELHO, Lígia Martha. C. C. (Org.). Educação integral em tempo integral: estudo e experiências em processo. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2009. p. 13-20.

ROLLETT, W. Escola em tempo integral na Alemanha: ampliação e consolidação, justificativa baseada em argumentos político-educacionais e fundamentos teóricos. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE POLÍTICA E GESTÃO DA EDUCAÇÃO, 3.; ENCONTRO INTERNACIONAL DE PESQUISA EMPÍRICA EM EDUCAÇÃO, TEMA: A ESCOLA EM TEMPO INTEGRAL, 1., 2014, São Cristóvão, Sergipe. Anais eletrônicos.... São Cristóvão, SE: Universidade Federal de Sergipe; Grupo de Pesquisa em Avaliação, Política, Gestão e Organização da Educação, 2014a, p. 10-21. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2015.

SAMMONS, Pam et al. Key characteristics of effective schools: a review of school effectiveness research. London: Institut of Education, 1995. Disponível em: <http://files.eric.ed.gov/fulltext/ED389826.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2015.

SCHEERENS, Jaap. Wodurch zeichnen sich gute Schulen aus? [O que distingue escolas boas?]. Entrevista realizada por Thomas Riecke-Baulecke. Schulmanagement, München, v. 3, p. 22-24, dez. 2013.

SOARES, José Francisco. Qualidade da educação. In: DAYRELL, Juarez et al. (Org.). Família, escola e juventude: olhares cruzados Brasil-Portugal. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012. p. 231-254.

SOUZA, Maria Celeste Reis Fernandes de. Relação com o saber e educação integral: um estudo sobre estudantes dos anos finais do ensino fundamental no contexto da escola em tempo integral. 248f. Relatório de Pesquisa (Pós-Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2015.

TEIXEIRA, Anísio. Educação é um direito. 3. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – UFMG. Faculdade de Educação. Grupo Teia – Territórios, Educação Integral e Cidadania. Relatório do Projeto de Avaliação e Monitoramento do Programa Escola de Tempo Integral (ETI) da Secretaria Municipal de Educação de Governador Valadares – MG. Belo Horizonte, 2012, 128 p.

Downloads

Publicado

31-08-2016

Como Citar

SCHMITZ, H.; SOUZA, M. C. R. F. de. Reflexões sobre possíveis critérios de qualidade da escola em tempo integral. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 27, n. 65, p. 552–581, 2016. DOI: 10.18222/eae.v27i65.3661. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/3661. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Outros Temas