Uma experiência de avaliação institucional na educação básica: limites e possibilidades

Autores

  • Cleide Oliveira Professora da Secretaria Municipal da Educação de Salvador (SMED), Salvador, Bahia, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v27i65.3023

Palavras-chave:

Avaliação Institucional, Participação, Gestão, Educação Básica

Resumo

Este estudo analisa a experiência de avaliação institucional da Escola Municipal Cidade Vitória da Conquista na cidade de Salvador, Bahia, entre 2007 e 2012. O suporte teórico para discutir os princípios, objetivos, finalidades e aspectos metodológicos da avaliação institucional nas escolas de educação básica baseou-se, principalmente, nos trabalhos sobre esse tema desenvolvidos por Heloísa Lück (2012), Pacheco (2010), Afonso (2010) e Fernandes (2002). A pesquisa configura-se como um estudo de caso, tomando por base a experiência da Escola Municipal Cidade Vitória da Conquista. Adotou-se, como metodologia, a abordagem qualitativa em uma perspectiva da meta-avaliação. A articulação entre conhecimentos, construídos a partir da prática da autoavaliação da escola e os conhecimentos do campo da teoria da avaliação institucional, permitiu identificar os limites e as possibilidades dessa ação na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Políticas educativas e autoavaliação da escola pública portuguesa: apontamentos de uma experiência. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 46, p. 343-362, maio/ago. 2010. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1581/1581. pdf>. Acesso em: 12 fev. 2016.

ALVES, Maria Palmira Carlos; CORREIA, Serafim Manuel Teixeira. A autoavaliação de escola: um estudo exploratório sobre os dispositivos de autoavaliação das escolas públicas em Portugal. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 355-382, 2008. Disponível em: < http://www.redalyc. org/articulo.oa?id=68412830008>. Acesso em: 10 fev. 2016.

ARAÚJO, Maria Cristina Munhoz. Avaliação institucional: ferramenta para tomada de decisão. Curitiba: IESDE, 2009.

BALZAN, Cesar Newton; DIAS SOBRINHO, José (Org.). Avaliação Institucional teoria e experiências. São Paulo: Cortez, 1995.

BELLONI, Isaura. Avaliação institucional: um instrumento de democratização da educação. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 5, n. 9, jul./dez. 1999.

BRANDALISE, Mary Ângela Teixeira. Avaliação institucional da escola: conceitos, contextos e práticas. Olhar do Professor, Ponta Grossa, PR, v. 13, n. 2, p. 315-30, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996. BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n. 438, de 28 de maio de 1998. Instituio Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Documento Básico − avaliação das universidades brasileiras: uma proposta nacional. Brasília, DF, 1993.

BRASIL. Planalto da Presidência. Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES – e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm>. Acesso em: 15 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Ministerial n. 931, de 21 de março de 2005. Institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 mar. 2005. Seção 1, p. 17. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indicadores da qualidade na educação infantil. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Projeto de Lei: Plano Nacional de Educação − PNE, 2011/2020. Brasília, DF: INEP, 2010.

DALBEN, Adilson. Avaliação institucional na escola da educação básica: uma aproximação orientada pelos princípios da participação. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, SP, v. 20, n. 35, jul./dez., 2010, p. 133-146.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação institucional: marcos teóricos e políticos. Avaliação, Campinas, SP, v. 1, n. 1, p. 15-24, jul. 1996. Disponível em: <http://periodicos.uniso.br/ojs/index. php?journal=avaliacao&page=article&op=view&path%5B%5D=722>. Acesso em: 7 jul. 2012.

FERNANDES, Maria Estrela Araújo. Avaliação institucional da escola: base teórica e construção do projeto. 2. ed. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2002. (Coleção Magister).

FREITAS, Luiz C.; SORDI, Mara R. L. De; MALAVASI, Maria Marcia S.; FREITAS, Helena C. L. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis: Vozes, 2009.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2001.

LIMA, Erisevelton Silva. O Diretor e as avaliações praticadas na escola. 2011. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2011.

LÜCK, Heloísa. Perspectivas da avaliação institucional da escola. Rio de janeiro: Vozes, 2012.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem na escola – reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos, 2003.

MESSINA, Graciela. Mudança e inovação educacional: notas para reflexão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 225-33, nov. 2001. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/cp/n114/a10n114.pdf>. Acesso em: 31 jul. 2012.

MORAES, Sandro Ricardo Coelho de; SILVA, Itamar Mendes da Escola básica e auto- avaliação institucional: possíveis conquistas, novos desafios. 2009. Disponível em:. Acesso em: 31 jul. 2012.

MÜLLER, Ademir. Avaliação institucional da gestão escolar na escola pública: a democracia no processo decisório. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001.

NÓVOA, António. Para uma análise das instituições escolares. 1999. Disponível em:<http://debauru.edunet.sp.gov.br/pages_arquivos/not%C3%ADcias/ot_novembro/ NovoaAvalia%C3%A7ao_Institucional.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2016.

PACHECO, José Augusto. Avaliação de escolas − o lugar da autoavaliação. Revista ELO, n. 17, set. 2010. Disponível em: <http://www.cffh.pt/userfiles/ files/ELO%2017.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2016.

PARO, Vitor Henrique. Gestão democrática da escola pública. 3. ed. São Paulo: Ática, 2000.

PORTUGAL. Ministério da Educação. Lei n. 31 de 2002. Aprova o sistema de avaliação da educação e do ensino não superior, desenvolvendo o regime previsto na Lei n. 46/86, de 14 de Outubro (Lei de Bases do Sistema Educativo). Diário da República, I série -A, n. 294, de 20 de dez. 2002.

PUIG, Josep M. et al. Democracia e participação escolar: propostas de atividades. São Paulo: Moderna, 2005.

RIBEIRO, Vanda Mendes; PIMENTA, Cláudia Oliveira. Análise de uma proposta de avaliação institucional para a escola e para instituições de educação infantil. Revista Educação em Foco, Juiz de Fora, MG, v. 13, n. 15, jul. 2010, p. 93-112.

RISTOFF, Dilvo I. Avaliação Institucional: pensando princípios. In: BALZAN, Cesar Newton; DIAS SOBRINHO, José (Org.). Avaliação Institucional: teoria e experiências. São Paulo: Cortez, 1995.

SALVADOR. Lei n. 7791, de 26 de janeiro de 2010. Institui o Plano Municipal de Educação – PME – no município de Salvador e dá outras providências. Plano Municipal de Educação – PME, 2010/2020. Salvador, 2010.

SILVA, Itamar Mendes da. Autoavaliação e gestão democrática na instituição escolar. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 66, p. 49-64, jan./mar. 2010.

SOUSA, Sandra Zákia L. Avaliação: debater é preciso. Revista Escola Pública, São Paulo, v. 1, (Especial Avaliação), p. 16-29, set. 2011.

Downloads

Publicado

31-08-2016

Como Citar

OLIVEIRA, C. Uma experiência de avaliação institucional na educação básica: limites e possibilidades. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 27, n. 65, p. 408–438, 2016. DOI: 10.18222/eae.v27i65.3023. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/3023. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Tema em Destaque