Formando formadores: ensino e avaliação de produção textual em rede municipal

Lílian Ghiuro Passarelli

Resumo


Este estudo averigua percepções de participantes de formação em contexto sobre ensino e avaliação da produção textual, que tiveram por incumbência constituírem-se como multiplicadores dos docentes de Língua Portuguesa de rede municipal na região Sudeste. A análise dos dados aponta que as percepções dos sujeitos (i) destacam a colaboração como princípio estruturante da formação, compartilhando saberes e experiências entre formandos e formador em interatuação; (ii) espelham o papel da teoria de base sociointeracionista, sustentando a reflexão sobre a prática; (iii) elegem a transformação da prática pelo pressuposto teórico-metodológico da avaliação para a aprendizagem como processo formativo, evidenciando que a qualidade da avaliação do texto do estudante pode ser auferida pela compatibilização da abordagem criterial com as perspectivas experienciais dos sujeitos-professores.

Palavras-chave: Avaliação para a Aprendizagem, Formação de Formadores, Produção Textual, Avaliação Formativa

 

Formando formadores: enseñanza y evaluación de la producción textual en la red municipal

Este estudio indaga en la percepción de los participantes de formación dentro del contexto de la enseñanza y la evaluación de la producción de textos, que han tenido como objetivo constituirse en multiplicadores de los docentes de Lengua Portuguesa en la red municipal de la región Sudeste. Los análisis de los datos arrojan que en la percepción de los sujetos (i) se destaca la colaboración, como principio estructurante de la formación, compartiendo saberes y experiencia entre el formador y los que se forman; (ii) se refleja el papel de la teoría basada en la interacción social que sostiene la reflexión sobre la práctica; (iii) se elige la transformación de la práctica por el presupuesto teórico-metodológico de la evaluación para el aprendizaje como proceso formativo, evidenciando que la calidad de la evaluación del texto del estudiante, se puede obtener a través de la compatibilización del abordaje criterial con las perspectivas de las experiencias de los sujetos-profesores.

Palabras-clave: Evaluación para el Aprendizaje, Formación de Formadores, Producción Textual, Evaluación Formativa

 

Training trainers: textual production teaching and assessment in a municipal education system

This study examines the perceptions of training participants in a context of textual production teaching and assessment; the participants were being trained to be Portuguese teacher trainers for a municipal education system in Brazil’s Southeast region. The data analysis shows that the participants’ perceptions (i) highlight collaboration as a structuring principle of training, through the sharing of knowledge and experiences between participants and the trainer; (ii) reflect the role of social interactionist theory in supporting reflection about practice; (iii) choose the transformation of practice through the theoretical-methodological assumption of assessment for learning as a training process, thus showing that the quality of assessment of students’ texts can be reached by making the criterial approach compatible with the experiential perspectives of subject-teachers.

Keywords: Assessment for Learning, Training of Trainers, Textual Production, Formative Assessment


Palavras-chave


Avaliação para a Aprendizagem, Formação de Formadores, Produção Textual, Avaliação Formativa

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, J. J. F. M.; CABRAL, I. Os demônios da avaliação: memórias de professores enquanto alunos. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 26, n. 23, p. 630-662, set./dez. 2015. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3690/3113. Acesso em: 25 jun. 2019.

AZEVEDO, F. Ensinar e aprender a escrever: através e para além do erro. Porto: Porto Editora, 2000.

BARBIER, J. Formação de adultos e profissionalização: tendências e desafios. Brasília: Liber, 2013.

BLACK, P.; WILIAM, D. Assessment and classroom learning. Assessment in Education: Principles, Policy & Practice, v. 5, n. 1, p. 7-74, 1998.

BLACK, P. et al. Trabalhando por dentro da caixa preta: avaliação para a aprendizagem na sala de aula. Cadernos Cenpec-Nova série, São Paulo, v. 8, n. 2, jul./dez. 2018. Disponível em: http:// cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/445/429. Acesso em: 1 jul. 2019.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e métodos. Porto: Porto Editora, 2013.

CHANTRAINE-DEMAILLY, L. Modelos de formação contínua e estratégias de mudança. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 139-158.

DAY, C. A relação da avaliação com a reflexão, a aprendizagem e a mudança do professor. In: ESTRELA, A.; NÓVOA, A. (org.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1999. p. 102-114.

FABRE-COLS, C.; CAPPEAU, P. Pour une dynamique de l’apprentissage: Lecture/écriture/ réécriture. Études de linguistique appliquée, Paris, v. 101, p. 46-59, 1996.

FERNANDES, D. Avaliação em educação: uma discussão de algumas questões críticas e desafios a enfrentar nos próximos anos. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 78, p. 9-32, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo. oa?id=399538144002. Acesso em: 15 jul. 2019.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Alfragide, Portugal: McGraw-Hill, 1998.

HAYES, J. R.; FLOWER, L. S. Identifying the organization of writing processes. In: GREGG, L. W.; STEINBERG, E. R. (ed.). Cognitive process in writing. New Jersey: Laurence Erlbaum Associates, 1980. p. 3-30.

JORBA, J.; SANMARTÍ, N. A função pedagógica da avaliação. In: BALLESTER, M. et al. (org.). Avaliação como apoio à aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2003. p. 23-45.

MATOS, D. A. S.; JARDILINO, J. R. L. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educação & Formação, v. 1, p. 20-31, 2016. Disponível em: http://www.repositorio.ufop.br/ bitstream/123456789/9513/1/ARTIGO_ConceitosConcep%C3%A7%C3%A3oPercep%C3%A7%C3%A 3o.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

NÓVOA, A. Formação de professor e profissão docente. In: NÓVOA, A. (coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 9-33.

NÓVOA, A. Universidade e formação docente. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, SP, v. 4, n. 7, p. 129-138, ago. 2000.

PASSARELLI, L. G. Teoria e prática na educação linguística continuada. 2002. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Língua Portuguesa, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.

PASSARELLI, L. G. Ensino e correção na produção de textos escolares. São Paulo: Cortez, 2012.

PASSARELLI, L. G. A meta-avaliação de disciplina ministrada em pós-graduação stricto sensu. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 12, n. 1, p. 245-262, jan./abr. 2018. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/2130. Acesso em: 22 mar. 2019.

PASSARELLI, L. G. Educação linguística ao ritmo deste tempo cultural acelerado: ler e escrever para interagir na vida em sociedade. In: LIBERALI, F. C.; MEGALE, A. (org.). Alfabetização, letramento e multiletramentos em tempos de resistência. Campinas: Pontes, 2019. p. 75-86.

PASSOS, L.; ANDRÉ, M. O trabalho colaborativo, um campo de estudo. In: ALMEIDA, L. R.; PLACCO, V. M. N. S. (org.). O coordenador pedagógico e o trabalho colaborativo na escola. São Paulo: Loyola, 2016. p. 9-23.

ROLDÃO, M. C.; FERRO, N. O que é avaliar? Reconstrução de práticas e conceções de avaliação. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 26, n. 63, p. 570-594, set./dez. 2015. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3671/3111. Acesso em: 13 jul. 2019.

SANTOS GUERRA, M. A. Uma flecha no alvo: a avaliação como aprendizagem. São Paulo: Loyola, 2007.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SERPA, M. D. Compreender a avaliação: fundamentos e práticas educativas. Lisboa: Colibri, 2010.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

THERRIEN, J. Expérience professionnelle et savoir enseignant: la formation des enseignants mise en question. In: TARDIF, M.; LESSARD, C.; GAUTHIER, C. (ed.). Formation des maîtres et contextes sociaux: perspectives internationales. Paris: PUF, 1998. p. 231-259.

VARGAS, A. C.; PEREZ, T.; DIAZ; P. Avaliação de projetos e desenvolvimento do pensar avaliativo: relato de um percurso. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 30, n. 73, p. 138-168, jan./abr. 2019. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/5821. Acesso em: 12 jun. 2019.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Gente, 2004.

ZEICHNER, K. Formação de professores: contato direto com a realidade da escola. Presença pedagógica, Belo Horizonte, v. 6, n. 34, p. 5-15, jul./ago. 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v0ix.6292

Apontamentos

  • Não há apontamentos.