Contribuições da Theory-Driven Evaluation para avaliação do Pibid

Fernanda Litvin Villas Bôas, Leila Chalub Martins, Joaquim José Soares Neto

Resumo


O presente artigo tem como objetivo discutir o processo de formulação e implementação do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), a partir do arcabouço teórico-metodológico da Theory-Driven Evaluation (TDE). O Pibid tem como propósito qualificar a formação inicial de professores a partir da inserção do licenciando no cotidiano das escolas da rede pública. Para a construção do modelo de ação e de mudança sugeridos por essa abordagem, foi utilizada metodologia qualitativa e os dados foram discutidos com base na análise de conteúdo. O seu modelo de ação evidencia a articulação entre as instituições parceiras e os atores, mobilizados por instrumentos de incentivo e valorização, que resulta em um modelo de mudança eficaz. Verificou-se que o Pibid atua sobre os determinantes corretos, resultando em mudanças significativas no processo de formação inicial de professores. A análise do modelo mostra que o Pibid interfere positivamente no processo de formação inicial docente.

Palavras-chave: Avaliação de Programas, Formação Inicial de Professores, Theory-Driven Evaluation, Pibid.

 

Contribuciones de La Theory-Driven Evaluation para la evaluación del Programa Pibid

El presente artículo tiene el objetivo de discutir el proceso de formulación e implementación del Programa Institucional de Becas de Iniciación a la Docencia (Pibid), a partir del marco teórico-metodológico de la Theory-Driven Evaluation (TDE). El Pibid tiene el propósito de calificar la formación inicial de profesores desde su inserción en el cotidiano de las escuelas de la red pública. Para construir el modelo de acción y de cambio sugerido por este enfoque se utilizó metodología cualitativa y los datos se discutieron en base al análisis de contenido. Este modelo de acción evidencia la articulación entre las instituciones asociadas y los actores, movilizados por instrumentos de incentivo y valorización, que resulta en un modelo eficaz de cambio. Se verificó que el Pibid actúa sobre los determinantes correctos, resultando en cambios significativos en el proceso de formación inicial de profesores. El análisis del modelo muestra que el Pibid interfiere positivamente en el proceso de formación inicial docente.

Palabras clave: Evaluación de Programas, Formación Inicial de Profesores, Theory-Driven Evaluation, Pibid.

 

Contributions from Theory-Driven Evaluation to the evaluation of Pibid

The present article aims  to  discuss  the  process  of  formulation  and  implementation of the Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência [Institutional Teacher Initiation Scholarship Program] (Pibid) using the theoretical-methodological framework of Theory-Driven Evaluation (TDE), which proposes to evaluate a program based on its defining theory. The PIBID is a Federal Government program that aims to improve initial teacher education by introducing teacher licensure students into public schools’ daily activities since their early stages in college. In order to outline the program’s action and change models as suggested by TDE, we used qualitative methodology and conducted     a discussion of data based on content analysis. The action model demonstrates the articulation between partner institutions and the program’s actors, who are mobilized by incentive instruments, which resulted in an effective change model. We found that PIBID acts on the right determinants, thus causing significant change in the initial teacher education process. Our analysis of the program’s model shows that PIBID affects positively the initial teacher education process.

Keywords: Program Evaluation, Initial Teacher Education, Theory-Driven Evaluation, Pibid.

 


Palavras-chave


Avaliação de Programas, Formação Inicial de Professores, Theory-Driven Evaluation, Pibid

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS; SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIAS. Carta ao ministro da Educação e ao presidente da Capes. São Paulo: ABC; SBPC, 2015. Disponível em: http://portal.sbpcnet.org.br/noticias/cartaquebrasbpc-e-abc-manifestam-se-contra-cortes-no-pibid/. Acesso em: 5 dez. 2017.

AMARAL, Patrícia. Entrevista [26/04/2017]. Entrevista concedida a Fernanda Litvin Villas Bôas. Brasília, 2017. 4 arquivos .mp3 (122:31 min.).

ANDRÉ, Marly. Inserção profissional de egressos de programas de iniciação à docência. In: REUNIÃO DA ANPED, 38., 2017, São Luis, MA. Anais [...]. São Luis, 2017.

ARRETCHE, Marta. Tendências no estudo sobre avaliação. In: RICO, E. M. (org.). Avaliação de políticas sociais: uma questão em debate. São Paulo: Cortez/IEE, 2009. p. 29-40.12 Modelo tradicional de formação do final dos anos 1930 (GATTI, 2010), que propunha três anos de formação específica em diferentes áreas de conhecimento (bacharelado) e mais um ano de formação pedagógica (licenciatura).

ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO. Documento final do XIII Encontro Nacional. Campinas: Unicamp, 2006.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARRETO, Elba de Sá. Sobre implicações da formação de professores com base na escola nas políticas docentes. In: CONGRESSO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES, 3., 2016, Águas de Lindóia, SP. Palestra [...]. Águas de Lindóia, 2016.

BAUER, Adriana. Usos dos resultados das avaliações de sistemas educacionais: iniciativas em curso em alguns países da América. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 228, p. 315-344, maio/ago. 2010.

BAUER, Adriana. Avaliação de impacto de formação docente em serviço: o Programa Letra e Vida. 2011. 250 f. Tese (Doutorado em Educação) − Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portaria n. 96, de 18 jul. 2013. Aprova o regulamento do Pibid. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 23 jul. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 2 jul. 2015a. Seção 1, p. 8-12.

BRASIL. Ministério da Educação. Assessoria de Comunicação Social. Discurso da transmissão de cargo do ministro Aloizio Mercadante. Brasília, ACS/MEC, 2015b. Disponível em: http://portal. mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=23971-discruso-de-posse- mercadante-pdf-1&Itemid=30192. Acesso em: 18 out. 2017.

CARDOSO, Claudete B.; VILLAS BOAS, Fernanda L.; SOARES NETO, Joaquim J.; CHALUB MARTINS, Leila. Avaliação de políticas públicas em educação utilizando o modelo proposto pela Theory-Driven Evaluation: o caso do Pibid. In: CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS E HUMANIDADES, 4., 2015, Foz do Iguaçu. Anais [...]. Foz do Iguaçu, 2015.

CHEN, Huey-Tsyh. The conceptual framework of the theory-driven perspective. Evaluation and Program Planning, v. 12, n. 4, p. 391-396, 1989.

CHEN, Huey-Tsyh. Theory-driven evaluations. Newbury Park: Sage, 1990.

CHEN, Huey-Tsyh. Practical program evaluation: assessing and improving – planning, implementation, and effectiveness. Newbury Park: Sage, 2005.

CHEN, Huey-Tsyh. Evaluation von Programmen und Projekten für eine demokratische Kultur. Wiesbaden: Springer Fachmedien Wiesbaden, 2012.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2011.

CHRISTIE, Christina A.; ALKIN, Marvin C. The user-oriented evaluator's role in formulating a program theory using a Theory Driven Approach. American Journal of Evaluation, Baltimore, v. 24, n. 3, p. 373-385, 2003.

CORYN, Chris L. S.; NOAKES, Lindsay A.; WESTINE, Carl D.; SCHRÖTER, Daniela C. A systematic review of Theory-driven Evaluation practice from 1990 to 2009. American Journal of Evaluation, v. 32, n. 2, p. 199-226, 2011.

DOURADO, Luis Fernandes. Entrevista VII [10/11/2017]. Entrevista concedida a Fernanda Litvin Villas Bôas. Goiânia, 2017. 1 arquivo .mp3 (1:07:02 min.).

GATTI, Bernadete A.; BARRETO, Elba de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GATTI, Bernadete A. A formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.

GATTI, Bernardete A.; BARRETO, Elba S. de S.; ANDRÉ, Marli. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: Unesco, 2011.

GUIMARÃES, Jorge Almeida. Entrevista V [31/05/2017]. Entrevista concedida a Fernanda Litvin Villas Bôas. Brasília, 2017. 1 arquivos.mp3 (43:50 min.).

HADDAD, Fernando. Entrevista VI [25/09/2017]. Entrevista concedida a Fernanda Litvin Villas Bôas. São Paulo, 2017. 1 arquivos .mp3 (31:36 min.).

JANNUZZI, Paulo de M. Monitoramento e avaliação de programas sociais: uma introdução aos conceitos e técnicas. Campinas: Alínea, 2016.

NEVES, Carmen Moreira de Castro. Entrevista II [12/05/2017]. Entrevista concedida a Fernanda Litvin Villas Bôas. Brasília, 2017. 1 arquivo .mp3 (70:21 min.).

ORLANDI, Eni. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes Editores, 2015.

ROSSI, Peter. Prefácio. In: CHEN, Huey-Tsyh. Theory-driven evaluations. Newbury Park: Sage, 1990.

ROSSI, Peter H.; CHEN, Huey-Tsyh. The theory-driven approach to validity. Evaluation and Program Planning, v. 10, n. 1, p. 95-103, 1987.

SECCHI, Leonardo. Políticas públicas: conceitos, esquema de análise e casos práticos. São Paulo, Cengage Learning, 2014.

SILVEIRA, Hélder E. Entrevista IV [17/06/2017 Entrevista concedida a Fernanda Litvin Villas Bôas. Brasília, DF, 2017. 1 arquivo .mp3 (101:28 min.).

SOARES NETO, Joaquim José et al. Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 54, p. 78-99, jan./abr. 2013.

VIANNA, Heraldo Marelim. Avaliação educacional: uma perspectiva histórica. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 12, p. 7-24. jul./dez. 1995.

WHOLEY, Joseph S.; HATRY, Harry P.; NEWCOMER, Kathryn E. Handbook of practical program evaluation. San Francisco, CA, USA. Jossey-Bass, 2010.

WORTHEN, Blaine R.; SANDERS, James R.; FITZPATRICK, Jody L. Avaliação de programa: concepções e práticas. São Paulo: Gente, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v30i73.5852

Apontamentos

  • Não há apontamentos.