Crianças em situação de imigração na escola pública: percepções de docentes

Kelly Russo, Leila Mendes, Corina Borri-Anadon

Resumo


Este artigo apresenta uma pesquisa qualitativa sobre as percepções de docentes a respeito de crianças em situação de imigração ou de refúgio na escola pública, baseada na perspectiva crítica de educação intercultural e na concepção histórico-cultural. Foram realizadas entrevistas entre 2018 e 2019 com dez professores do Ensino Fundamental I de uma escola municipal de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, com mais de doze anos de experiência na educação básica e que tiveram, em suas turmas, crianças congolesas ou angolanas. Identificamos que a presença de crianças em situação de imigração, que inicialmente se poderia constituir em um elemento dificultador para o processo de ensino-aprendizagem, tem sido um motor para novas reflexões sobre diferenças, desigualdades, preconceitos e discriminação no espaço escolar.

Ensino Fundamental, Imigração, Refugiados, Currículo

 

Immigrant children in public school: perceptions of teachers

This article presents a qualitative study on the perceptions of teachers about immigrant or refugee children in public schools. It is based on the critical perspective of intercultural education and in the historical-cultural concept. Interviews were conducted between 2018 and 2019 with ten teachers of the first five years in a municipal elementary school in Duque de Caxias, Rio de Janeiro. All the teachers have over twelve years of experience in basic education, and had Congolese or Angolan children in their classes. We identified that the presence of immigrant children, which could initially be a difficult element for the teaching-learning process, has motivated new reflections on differences, inequalities, prejudices and discrimination in schools.

Elementary School, Immigration, Refugees, Curriculum

 

Scolarisation à l’école publique d’enfants en situation d’immigration: perception des enseignants

Cet article présente une recherche qualitative sur les perceptions des enseignants concernant des enfants en situation d’immigration ou de réfuge, ancrée sur la perspective critique de l’éducation interculturelle et la conception historico-culturelle. Des entretiens ont été menés entre 2018 et 2019 auprès de dix enseignants de l’Enseignement élementaire d’une école comunale de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, ces enseignants avec douze ans et plus d’expérience avaient dans leurs classes des enfants congolais ou angolais. Nous avons constaté que la présence d’enfants en situation d’immigration qui, au départ, aurait pu rendre difficile le processus d’enseignement-apprentissage est plutôt un moteur de nouvelles réflexions sur les différences, les inégalités, les préjugés et la discrimination dans l’espace scolaire.

École Primaire, Immigration, Réfugiés, Programme d’Études

 

Niños inmigrantes en la escuela pública: percepciones del profesorado

Este artículo presenta una investigación cualitativa sobre las percepciones de docentes sobre los niños inmigrantes o refugiados en las escuelas públicas, basada en la perspectiva crítica de la educación intercultural y la concepción histórico-cultural. Las entrevistas se realizaron entre 2018 y 2019 con diez profesores del primer ciclo de enseñanza primaria, de una escuela municipal en Duque de Caxias, Río de Janeiro, con más de doce años de experiencia en educación básica y que tenían niños congoleños o angoleños en sus clases. Identificamos que la presencia de niños inmigrantes, que inicialmente podría ser un elemento obstaculizador para el proceso de enseñanza-aprendizaje, ha sido un motor para nuevas reflexiones sobre diferencias, desigualdades, prejuicios y discriminación en el espacio escolar.

Enseñanza Primaria, Inmigración, Refugiados, Programa de Estudios


Palavras-chave


Ensino Fundamental, Imigração, Refugiados, Currículo

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, Antonio Flavio; SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Currículo, cultura e sociedade. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p. 59-91.

ALVES, José Cláudio Souza. Dos barões ao extermínio: uma história da violência na baixada fluminense. Rio de Janeiro: Sepe/APPH-Clio, 2003.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Censo escolar da Educação Básica 2016: Notas Estatísticas. Brasília, DF: Ministério da Educação. Inep, 2017a. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_ estatisticas/2017/notas_estatisticas_censo_escolar_da_educacao_basica_2016.pdf Acesso em: 13 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Coordenação Geral do Comitê Nacional para os Refugiados. Refúgio em números e publicações. 3. ed. Brasília: MJSP/Conare, 2017b. Disponível em: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/refugio/refugio-em-numeros. Acesso em: 13 jun. 2019.

CAMAZ, Fernando Ribeiro. Duque de Caxias-Rio de Janeiro: contradições entre crescimento econômico e desenvolvimento social. Espaço e Economia, n. 7, 2015. Disponível em: http://journals.openedition.org/ espacoeconomia/2061. Acesso em: 1º maio 2019.

CANDAU, Vera. De uma escola centrada na homogeneização a uma educação escolar orientada à diferenciação In: CANDAU, Vera (org.). Didática: tecendo/reinventando saberes e práticas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2018. p. 29-30.

CANDAU, Vera. Cotidiano escolar e cultura(s): encontros e desencontros. In: CANDAU, Vera (org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 61-78.

CARTA africana dos direitos e bem-estar da criança. Maputo: Associação Centro de Direitos Humanos, [s.d.]. Disponível em: http://cdh.uem.mz/images/pdfs/Carta_Africana_dos_Direitos_e_Bem-Estar_da_Crianca.pdf. Acesso em: 6 ago. 2019.

FLEURI, Reinaldo. Intercultura, educação e movimentos sociais no Brasil. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL PAULO FREIRE, V. Recife: Centro Paulo Freire, 2005.

GROSFOGUEL, Ramon; OSO, Laura; CHRISTOU, Anastasia. ‘Racism’, intersectionality and migration studies: framing some theoretical reflections. Identities: Global Studies in Culture and Power, v. 22, n. 6, p. 635-652, 8 set. 2014. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/1070289X.2014.950974. Acesso em: 13 set. 2018.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

LÉGAULT, Gisèle; RACHÉDI, Lilyane. L’intervention interculturelle. Montréal: Gaëtan Morin Éditeur, 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração universal dos direitos das crianças. São Paulo: Biblioteca Institucional de Direitos Humanos, [s.d.]. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Crian%C3%A7a/declaracao-dos-direitos-da-crianca.html. Acesso em: 8 jan. 2020.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 73-118.

SILVA, Tomaz Tadeu Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999a.

SILVA, Tomaz Tadeu. O currículo como fetiche. Belo Horizonte: Autêntica, 1999b.

SOUZA, Marlucia Santos de. Escavando o passado da cidade: história política da cidade de Duque de Caxias. 2002. 293 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2002.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.