Uma análise generificada sobre o projeto gênero e diversidade na escola

Priscila Gomes Dornelles, Ileana Wenetz

Resumo


A partir dos estudos feministas e em uma perspectiva pós-estruturalista, discutimos como gênero e diversidade são acionados conceitual e metodologicamente na agenda de uma política de formação de professores/as da educação básica pautada pela educação para a diversidade, intitulada Projeto Gênero e Diversidade na Escola (GDE). Analisamos quatro documentos norteadores do GDE entre os anos 2007 e 2011. Realizamos uma análise cultural para argumentar sobre as ininteligibilidades de uma educação em gênero e em diversidade proposta pela política organizada com base no trato com a diversidade sexual e a diversidade cultural, bem como o sexo e o binarismo de gênero. Tensionamos seus limites e potencialidades como agenda de Estado para o governamento a expensas da produção de corpos (in)viáveis.

Diversidade, Políticas Públicas, Formação de Professores, Projeto Gênero e Diversidade na Escola

 

Projeto gênero e diversidade na escola: a gendered approach on the project  

This paper is based on feminist studies from a post-structuralist perspective and it aims to discuss how categories such as gender and diversity are conceptually and methodologically added to methodologically added in agenda of a basic education teacher training policy based on diversity education titled the Projeto Gênero e Diversidade na Escola [Gender and Diversity in School Project] (GDE). We analyzed four documents from GDE between 2007 and 2011. We focused on a cultural analysis of the documents in order to raise awareness of the unintelligibility of a gender and diversity education proposed by politicians on the basis of dealing with sexual and cultural diversity, as well as gender and gender binarism. We tested its boundaries as a State based agenda for a certain purpose and governance in the present time at the expense of the production of non-viable bodies through public policies. 

Diversity, Public Policy, Teacher Training, Projeto Gênero e Diversidade na Escola 

 

Une approche genrée du projeto gênero e diversidade na escola

À partir des études féministes et dans une perspective poststructuraliste, cet article se penche sur la manière dont le genre et la diversité sont conceptuellement et méthodologiquement mis à l’agenda d’une politique pour la formation des professeurs. Il s’agit d’une politique prenant en compte l’éducation à la diversité, intitulée Projeto Gênero e Diversidade na Escola [Genre et Diversité à l’École] (GDE). Nous avons retenu quatre documents directeurs du GDE de la période 2007 à 2011 et effectué une analyse culturelle visant à discuter les manques d’intelligibilité d’une éducation au genre et à la diversité proposée par cette politique centrée su r les rapports entre diversité sexuelle et diversité culturelle, bien que sur sexe et binarisme de genre. Nous montrons à la fois les limites et les potentialités que représente cet agenda pour la maitrise des corps au détriment de la production des corps (non) viables.  

Diversité, Politiques Publiques, Formation des Enseignants, Projeto Gênero e Diversidade na Escola 

 

Un análisis generificado del projeto gênero e diversidade na escola 

A partir de los estudios feministas y en una perspectiva posestructuralista, discutimos cómo el género y la diversidad son impulsados conceptualmente y metodológicamente en la agenda de una política de formación de profesores/as de la educación básica regida por la educación para la diversidad, titulada Projeto Gênero e Diversidade na Escola [Proyecto Género y Diversidad en Escuela] (GDE). Analizamos cuatro documentos orientadores del GDE entre los años 2007 y 2011. Realizamos un análisis cultural para argumentar sobre las ininteligibilidades de una educación en género y en diversidad propuesta por la política basada en el trato con la diversidad sexual y la diversidad cultural, el sexo y el binarismo de género. Tensamos sus límites y potencialidades como agenda de Estado para el gobierno a expensas de la producción de cuerpos (in) viables.  

Diversidad, Políticas Públicas, Formación de Profesores, Projeto Gênero e Diversidade na Escola


Palavras-chave


Diversidade, Políticas Públicas, Formação de Professores, Projeto Gênero e Diversidade na Escola

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais. Livro de conteúdo. Versão 2009. Rio de Janeiro: Cepesc; Brasília: SPM, 2009. Disponível em: http://estatico.cnpq.br/portal/premios/2014/ig/pdf/genero_diversidade_escola_2009.pdf. Acesso em: 10 dez. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. 2017. Portal SECADI. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secretaria-de-educacao-continuadaalfabetizacao-diversidade-e-inclusao. Acesso em: 20 out. 2017.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei n.º 867. Programa Escola Sem Partido. 23/03/2015. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=375C72096A

FD87644868A98ED8436064.proposicoesWebExterno2?codteor=1317168&filename=Avulso+-PL+867/2015. Acesso em: 10 maio 2019.

BUTLER, Judith. Bodies that matter, on the discursive limits of “sex”. New York: Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARRARA, Sergio (org.). Gênero e diversidade na escola: avaliação de processos, resultados, impactos e projeções. Rio de Janeiro: Cepesc, 2017. Disponível em: http://www.clam.org.br/uploads/arquivo/GDE_Relatorio-10-02-2017.pdf. Acesso em: 10 jan. 2017.

CARRARA, Sergio et al. (org.). Gênero e diversidade na escola: trajetórias e repercussões de uma política pública inovadora. Rio de Janeiro: Cepesc, 2011. Disponível em: http://www.e-lam.org/downloads/Trajet%C3%B3rias%20e%20repercuss%C3%B5es%20de%20uma%20pol%C3%ADtica%20p%C3%BAblica%20 inovadora%20-%20Sistematiza%C3%A7%C3%A3o%20GDE.pdf. Acesso em: 8 dez. 2013.

COSENTINO, Tatiane, R.; ABRAMOWICZ, Anete. Diversidade e as políticas públicas de educação. Revista Contraponto, v. 11, n. 3, p. 244-254, set./dez. 2011.

COSTA, Marli M. M da; PORTO CARVALHO, Rosane T. A transversalidade das políticas públicas de gênero: um caminho para efetivação dos direitos sociais da mulher. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE DIREITO: dimensões materiais e eficácias dos direitos fundamentais. 2., Chapecó, 2012. Anais... Joaçaba: UNOESC, 2012.

DORNELLES, Priscila Gomes. A (hetero)normalização dos corpos em práticas pedagógicas da educação física escolar. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Joice Elias Costa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

HALBERSTAM, Judith Jack. Repensando o sexo e o gênero. In: MISKOLCI, Richard; PELÚCIO, Larissa (org.). Discursos fora da ordem: sexualidades, saberes e direitos. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2012a. p. 125-138.

HALBERSTAM, Judith Jack. A homofobia faz parte do estado teocrático. A Tarde, Salvador, nov. 2012b. (Seção Muito). Disponível em: http://www.atarde.uol.com.br/muito/materias/1447525-%22a-homofobia-faz-parte-doestado-teocratico%22. Acesso em: 11 dez. 2012.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais de nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997.

HENRIQUES, Ricardo et al. (org.). Gênero e diversidade sexual na escola: reconhecer diferenças e superar preconceitos. Cadernos SECAD 4. Brasília: Secad/MEC, 2007. Disponível em: http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/bib_cad4_gen_div_prec.pdf. Acessado em: 25 nov. 2013.

LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos. Babilônios somos. A modo de apresentação. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (org.). Habitantes de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 7-30.

MEYER, Dagmar E. E. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira L.; NECKEL, Jane; GOELLNER, Silvana V. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 9-27.

MEYER, Dagmar E. E. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, Dagmar E. E.; PARAÍSO, Marlucy Alves (org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza, 2012. p. 47-62.

PEREIRA, Maria Elisabete et al. (org.). Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em gênero, sexualidade, orientação sexual e relações étnico-raciais. Brasília/Rio de Janeiro: SPM/CEPESC, 2007. Disponível em: http://www.spm.gov.br/sobre/publicacoes/publicacoes/2007/gde-2007.pdf. Acesso em: 15 nov. 2013.

PRECIADO, Paul Beatriz. Testo Yonqui. Madrid: Espasa Calpe, 2008.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual. Trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

VASCONCELOS, Michele; FÉLIX, Jeane. Gênero, sexualidade e direitos humanos na educação escolar: entre igualdades e diversidades, a diferença. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 255-272, jan./abr. 2016. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/index. Acesso em: 10 maio 2017.

VASCONCELOS, Michele; SEFFNER, Fernando. A pedagogia das políticas públicas de saúde: norma e fricções de gênero na feitura de corpos. Cadernos Pagu, n. 44, p. 261-297, jan./jun. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: