Formação acadêmica e atuação profissional de docentes em educação: USP e Unicamp

Helena Sampaio, Ilara Sanchez

Resumo


A partir do estudo das trajetórias de formação acadêmica e profissional de docentes de duas universidades públicas paulistas, o artigo aborda a relação entre setor público e setor privado no sistema de ensino superior no Brasil e, em especial, no sistema paulista. A fonte de dados é o banco de currículos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – Plataforma Lattes. Com base nos resultados, apontamos: i) o imbricamento das trajetórias individuais de formação acadêmica e de atuação profissional dos docentes pesquisados com os processos de expansão e diferenciação da oferta de ensino superior no país; ii) a existência de padrões de circulação dos docentes pesquisados no sistema nacional de ensino superior, os quais revelam acentuadas endogenia acadêmica e hierarquização das instituições públicas e privadas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Palavras-chave


Ensino Superior; Professores; Setor Público; Setor Privado

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ana Maria F. et al. International faculty in a Brazilian university: international trajectories in a nationalized system of scientific production. In: YUDKEVICH, Maria; ALTBACH, Philip G.; RUMBLEY, Laura E. (Org.). International faculty in higher education: comparative perspectives on recruitment, integration, and impact. Nova York: Routledge, 2016. p. 50-75.

BALBACHEVSKY, Elizabeth. A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bemsucedida. In: SCHWARTZMAN, Simon (Org.). Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. p. 285-314.

BALBACHEVSKY, Elizabeth; CASTRO, Maria Helena Magalhães de. Experiências internacionales de reformas y evaluación de la educación superior y su impacto sobre la professión académica: Brasil (1995-2007). Revista de la Educación Superior, Cidade do México, v. 37, n. 145, p. 101-113, enero/marzo 2008.

BARROSO, Carmem Lucia de Melo; MELLO, Guiomar Namo. O acesso da mulher ao ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 15, p. 47-79, 1976.

BOSI, Antonio de Pádua. A precarização do trabalho docente nas instituições de ensino superior do Brasil nesses últimos 25 anos. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1503-1523, set./dez. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da Educação Superior. Resumo Técnico. Brasília, DF: MEC/Inep, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da Educação Superior 2014. Principais Resultados. Brasília, DF: MEC/Inep, 2015a.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Geocapes – Sistema de Informações Georreferenciadas, Brasília, DF: Capes, 2015b. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2016.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996.

BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. Médicas, arquitetas, advogadas e engenheiras: mulheres em carreiras profissionais de prestígio. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 7, n. 1/2, p. 9-24, 1999.

CALDERÓN, Adolfo. Universidades mercantis: a institucionalização do mercado universitário em questão. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 1, jan./maio 2000.

CAVALCANTE, Raika Augusta et al. Perfil dos pesquisadores da área de odontologia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 106-113, mar. 2008.

DUARTE, Miriam Barros Assis. Fatores de pressão e comprometimento organizacional: um estudo com docentes de uma instituição de ensino superior privada. 2016. 80 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Fundação Municipal para Educação Comunitária, FUMEC, Belo Horizonte, 2016.

DURHAM, Eunice R. O ensino superior em São Paulo: diagnóstico. São Paulo: USP/Núcleo de Políticas Públicas, 2003.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

GEIGER, Roger. Private sectors in higher education. Structure, function in eigth countries. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1986.

GEIGER, Roger. Hierarchy and diversity in American research universities. In: WITTOCH, Börnj; ELZINGA, Aant (Org.). The university research system: the public policies of the home of scientist. Estocolmo: Almqvist & Wiksell, 1985.

GUEDES, Moema de Castro. A presença feminina nos cursos universitários e pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. História, Ciência e Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, 2008. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2017.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. In. NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto, 1992. p. 31-61.

ISAIA, Silvia Maria de Aguiar. Professor universitário no contexto de suas trajetórias como pessoa e profissional. In: MOROSINI, Marília (Org.). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Inep, 2000. p. 21-33.

LOPES, Marta Julia Marques; LEAL, Sandra Maria Cezar. Feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos PAGU, Campinas, v. 24, p. 105-125, jan./jun. 2005.

MARTINS, Carlos Benedito. A formação de um sistema de ensino superior de massa. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 17, n. 48, p. 197-213, fev. 2002.

MONTAGNER, Ana Paula. Reestruturação da carreira docente do Magistério Superior (MS). Sínteses Revista Eletrônica do SIMTEC, n. 4 2012. Disponível em: http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/simtec/article/view/7316. Acesso em: 08 out. 2017.

MOSCHKOVICH, Marília; ALMEIDA, Ana Maria F. Desigualdades de gênero na carreira acadêmica no Brasil. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 58, n. 3, p. 749-789, 2015.

MOURA, Cristina P.; VASCONCELOS, Larissa F. L. Trajetórias, trajetos e “motilidade” na UnB. Antropolítica: Revista Contemporânea de Antropologia, Brasília, n. 32, p. 87-112, 2011. NEVES, Clarissa. Diversificação do sistema de educação terciária: um desafio para o Brasil. Tempo Social, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 21-44, 2003.

NOGUEIRA, Maria Alice. Favorecimento econômico e excelência escolar: um mito em questão. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 26, p. 133-184, maio/ago. 2004.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto, 1992.

OLINTO, Gilda. A inclusão de mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 5, n. 1, p. 68-77, jul./dez. 2011.

OLIVEIRA, Eduardo A. et al. Perfil e produção científica dos pesquisadores do CNPq nas áreas de nefrologia e urologia. Jornal Brasileiro de Nefrologia, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 31-37, 2011.

ROSEMBERG, Fúlvia. Afinal, por que somos tantas psicólogas? Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 4, n. 1, p. 6-12, 1984.

SAMPAIO, Helena. Ensino superior no Brasil: o setor privado. São Paulo: Hucitec, Fapesp, 2000.

SAMPAIO, Helena. Privatização do ensino superior no Brasil: novas e velhas questões. In: SCHWARTZMAN, Simon (Org.). A educação superior na América Latina e os desafios do século XXI. Campinas: Editora Unicamp, 2014.

SANCHEZ, Ilara. A atuação docente no ensino superior brasileiro: migrações de universidades privadas para públicas. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

SCHWARTZMAN, Simon. A educação superior na América Latina e os desafios do século XXI.

Uma introdução. In: SCHWARTZMAN, Simon (Org.). A educação superior na América Latina e os desafios do século XXI. Campinas: Editora Unicamp, 2014.

SCHWARTZMAN, Simon. Brazil: opportunity and crisis in higher education. Higher Education, v. 17, p. 99-119, 1988.

SILVA, Maurício Teixeira. O poder disciplinar enquanto uma dimensão da cultura organizacional: um estudo multicascos em instituições de ensino superior privadas. 2016. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

SIQUEIRA, Tânia Cristina Alves. Ensino superior privado: notas sobre o trabalho dos docentes nas instituições particulares de ensino superior em Brasília. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 40, n. 2, p. 61-72, 2009.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Resolução n. 5872, de 27 setembro 2010. Dispõe sobre contratação de professores por prazo indeterminado. São Paulo: USP, 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2017.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Anuário Estatístico da Universidade de São Paulo. Paulo, 2017 (Ano base 2016). Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2017.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Anuário 2017 Estatístico da Universidade Estadual de Campinas (Ano base 2016). Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2017.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminilização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia C. (Org.). Trabalhadoras: análise da feminilização das profissões e ocupações. Brasília: Abaré, 2013. p. 159-180.

VIEIRA, Amanda Martins; ENSSLIN, Sandra Rolim; SILVA, Harley Almeida Soares. Perfil da produção científica dos docentes dos departamentos de contabilidade de três universidades federais do Sul do Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, Maringá, v. 30, n. 3, p. 44-59, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.