A política paulistana de EJA: territórios e desigualdades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v30i74.5734

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos, Desigualdades Socioeducacionais, Políticas Públicas em Educação, Política Municipal de Educação

Resumo

O artigo realiza um diagnóstico dos níveis de alfabetização e escolaridade da população jovem e adulta paulistana, analisa a evolução da cobertura escolar nessa modalidade educativa e faz recomendações para a política educacional do município de São Paulo. Por meio de levantamento de dados referentes às matrículas, evasão e desempenho dos estudantes jovens e adultos na rede municipal no período de 2014 a 2016, além dos dados sobre analfabetismo na cidade, verifica-se que pequena parte da demanda é atendida. Embora exista uma positiva diversidade de formas de atendimento, há grande concentração em um único modelo, o que faz com que não se consiga, efetivamente, atrair a diversidade de sujeitos presentes nas diferentes regiões da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Catelli Jr., Ação Educativa, São Paulo-SP, Brasil

Possui graduação em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1987) e mestrado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (1993). Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2016). É coordenador do Programa Educação de Jovens e Adultos da Ação Educativa e professor da Faculdade Sesi de Educação. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: EJA, políticas públicas de educação, avaliação educacional e ensino de História.

Maria Clara Di Pierro, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo-SP, Brasil

Graduada em Geografia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (1980), é Mestre (1995) e Doutora (1999) em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Desde 2005 é professora doutora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, atuando na Graduação e na Pós Graduação. Em 2011-2012 realizou estágio pós doutoral no Teachers College, Columbia University. É membro do Grupo de Pesquisa "Juventude e práticas educativas em Educação de Jovens e Adultos" (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6688843006036154), atuando na Linha de Pesquisa "Educação de Jovens e Adultos", principalmente nos seguintes temas: alfabetização e educação de jovens e adultos, políticas educacionais, educação do campo, educação popular. 

Eduardo Donizeti Girotto, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo-SP, Brasil

Possui Bacharelado e Licenciatura em Geografia (2005), Mestrado (2009) e Doutorado (2014) em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Foi professor de ensino fundamental II e médio da Prefeitura Municipal de São Paulo, Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul e Professor do Colegiado de Geografia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, no campus de Francisco Beltrão, atuando como Líder do Grupo de Pesquisa de Ensino de Geografia (GPEG) da mesma Universidade, Coordenador Geral do NUFOPE (Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino) e Grupo PIBID de Geografia da UNIOESTE, Francisco Beltrão. Atualmente é professor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, na área de Estágio Supervisionado e Ensino de Geografia.

Referências

ABBONIZIO, A. C. de O. Orientações da parceria entre poder público e organizações sociais no MOVA-SP. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, n. 120-A, 26 de junho de 2014, Seção 1, p. 1-7. Edição extra.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 1º ciclo de monitoramento das metas do PNE: biênio 2014-2016. Brasília: Inep, 2016.

CARVALHO, M. P. de. O fracasso escolar de meninos e meninas: articulações entre gênero e cor/raça. Cadernos Pagu, Campinas, n. 22, p. 247-290, jan./jun. 2004.

CARVALHO, M. P. A educação de jovens e adultos nas gestões Covas – Alckmin (1995-2005): o que virá depois? São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2006.

CATELLI JR., R.; GISI, B.; SERRAO, L. F. S. Encceja: cenário de disputas na EJA. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 94, n. 238, p. 721-744, set./dez. 2013.

CORTE, L. C.; ROGGERO, R. Um recorte histórico das políticas de educação de jovens e adultos no município de São Paulo: para pensar os desafios contemporâneos dessa modalidade de ensino. Plurais, Salvador, v. 1, n. 2, p. 24-44, abr./ago. 2016.

DI PIERRO, M. C. Evolução do alfabetismo e políticas públicas de educação de jovens e adultos. In: RIBEIRO, V. M.; LIMA, A. L.; GOMES, A. A. B. (Org.). Alfabetismo e letramento no Brasil: dez anos do INAF. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 327-346.

DI PIERRO, M. C. (Coord.) Um estudo sobre centros públicos de educação de jovens adultos no estado de São Paulo. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2017.

ÉRNICA, M.; BATISTA, A. A. G. A escola, a metrópole e a vizinhança vulnerável. Cadernos de Pesquisa,São Paulo,v. 42, n. 146, p. 640-666, maio/ago. 2012.

FARIA, V. E. P. de. A trajetória do Projeto Cieja entre as políticas públicas de educação de jovens e adultos na cidade de São Paulo. 2014. 157 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

FERRARO, A. R. História inacabada do analfabetismo no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009. (Biblioteca Básica da História da Educação Brasileira).

FUNARI, S. Caminhos da educação de jovens e adultos no município de São Paulo: o livro didático e a abordagem do texto literário. 2008. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

FURLAN, R. M. C. Políticas públicas de educação de jovens e adultos nas escolas estaduais de São Paulo: avanços e desafios à sua consolidação. 2007. 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GALVÃO, A. M.; DI PIERRO, M. C. Preconceito contra o analfabeto. São Paulo: Cortez, 2007.

INFANTE, I.; LETELIER, M. E. Alfabetismo funcional. In: VALDÉS, R. et al. (Coord.). Contribuições conceituais da educação de pessoas jovens e adultas: rumo à construção de sentidos comuns na diversidade. Goiânia: OEI/UNESCO/UFG, 2014. p. 109-111.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 29 jul. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. PNAD contínua: Educação 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

LÁZARO, A. Programa Brasil Alfabetizado. In: COSTA, R. P.; CALHÁU, S. (Org.) “… e uma educação pro povo, tem?” Rio de Janeiro: Caetés, 2010. p. 135-148.

LUIZ, E. Aprender a sonhar no Cieja Campo Limpo. In: FUNDAÇÃO TELEFÔNICA. Volta ao mundo em 13 escolas: sinais do futuro no presente. São Paulo: Fundação Telefônica, 2013. p. 28-43.

MARQUES, E. (Ed.). A metrópole de São Paulo no século XXI. Revista da USP, São Paulo, n. 102, p. 23-32, jun./ago. 2014.

NARVAZ, M. G.; SANT’ANNA, S. M. L.; TESSELER, F. A. Gênero e educação de jovens e adultos: a histórica exclusão das mulheres dos espaços de saber-poder. Diálogo, Canoas, n. 23, p. 93-104, ago. 2013.

NOGUEIRA, V. L. Mulheres adultas das camadas populares: a especificidade da condição feminina na busca por escolarização. 2002. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

POSSANI, L. P. Currículos emancipatórios para a educação de jovens e adultos na perspectiva de política públicas: resistências e esperanças. 2008. 207 f. Tese (Doutorado em Educação-Currículo) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2008.

POSSANI, L. P.; SILVA, J. A. (Coord.). Traçando o perfil de alunos e professores da EJA. São Paulo: SME/DOT/EJA, 2004. (Coleção Uma nova EJA para São Paulo, 3).

RIBEIRO, V. M. Alfabetismo funcional: referências conceituais e metodológicas para a pesquisa. Educação e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 60, p. 144-158, dez. 1997.

RIBEIRO, V. M.; FONSECA, M. C. R. Matriz de referência para medição do alfabetismo nos domínios do letramento e do numeramento. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 45, p. 147-186, jan./abr. 2010.

RIBEIRO, V. M.; VÓVIO, C. L. Desigualdade escolar e vulnerabilidade social no território. Educar em Revista, Curitiba, v. 33, n. especial 2, p. 71-87, set. 2017.

RUOTOLO, M. A. G.; GINANNONI, R. M. Cieja Cambuci: uma escola de portas abertas. In: CATELLI JR., R. (Org.). Formação e práticas na educação de jovens e adultos. São Paulo: Ação Educativa, 2017. p. 201-207.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. Rio de Janeiro: Nobel, 1987.

SÃO PAULO (Estado). Constituição Estadual. São Paulo: Assembleia Legislativa, 1989.

SÃO PAULO (Cidade). Lei Orgânica do Município de São Paulo (com suas alterações), de 4 de abril de 1990. São Paulo: Câmara Municipal, [1990]. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/educacao/cme/LOM.pdf. Acesso em: 29 jul. 2019.

SÃO PAULO (Cidade). Secretaria Municipal de Educação. Lei n. 16.271, de 18 de setembro de 2015. Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo. Diário Oficial do Município de São Paulo, São Paulo, 18 set. 2015.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria Estadual de Educação. Lei n. 16.279, de 8 de julho de 2016. Aprova o Plano Estadual de Educação de São Paulo e dá outras providências. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 08 jul. 2016a.

SÃO PAULO (Cidade). Secretaria Municipal de Educação. Direção de Orientação Técnica. Educação de Jovens e Adultos. Educação de Jovens e Adultos: princípios e práticas. São Paulo: SME/DOT, 2016b.

SÃO PAULO (Cidade). Secretaria Estadual de Educação. Portaria n. 7.858, de 3 de outubro de 2017. Dispõe sobre diretrizes, normas e períodos para a realização de matrículas - 2018 na educação infantil, no ensino fundamental e na educação de jovens e adultos - EJA, da rede municipal de ensino e nas instituições privadas de educação infantil da rede indireta e conveniada/parceira e dá outras providências. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 03 out. 2017.

SILVA JR., H. Diversidade étnico-racial e pluralismo religioso na cidade de São Paulo. São Paulo: PMSP/SMPIR, 2016.

SINGER, H. A gestão democrática do conhecimento: sobre propostas transformadoras da estrutura curricular e suas implicações nas trajetórias dos estudantes. Campinas: Unicamp, 2008.

TORRES, H. da G.; MARQUES, E.; FERREIRA, M. P.; BITAR, S. Pobreza e espaço: padrões de segregação em São Paulo. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 47, p. 97-128, 2003.

TORRES, H. G.; BICHIR, R. M.; GOMES, S.; CARPIN, T. R. P. A educação na periferia de São Paulo: ou como pensar as desigualdades educacionais? In: RIBEIRO, L.; KAZTMAN, R. A cidade contra a escola? Segregação urbana e desigualdades educacionais em grandes cidades da América Latina. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2008.

TORRES; H. G.; FERREIRA, M. P.; GOMES, S. Educação e segregação residencial: explorando o efeito das relações de vizinhança. In: MARQUES, E.; TORRES, H. G. (Org.). São Paulo: segregação, pobreza urbana e desigualdade social. São Paulo: Editora Senac, 2005.

UNESCO INSTITUTE FOR LIFELONG LEARNING. Terceiro relatório global sobre aprendizagem e educação de adultos. Brasília: UNESCO, 2016.

VIEIRA, R. S. As relações federativas e as políticas de EJA no estado de São Paulo no período de 2003-2009. 2011. 245 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

Downloads

Publicado

21-05-2021

Como Citar

CATELLI JR., R.; DI PIERRO, M. C.; GIROTTO, E. D. A política paulistana de EJA: territórios e desigualdades. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 30, n. 74, p. 454–484, 2021. DOI: 10.18222/eae.v30i74.5734. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/5734. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos