Apontamentos para uma avaliação de currículos no Brasil: a BNCC em questão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v30i74.5693

Palavras-chave:

Avaliação de Currículo, BNCC, Política Curricular, Conteúdos Curriculares

Resumo

A recente publicação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), no contexto brasileiro, adquiriu intensa visibilidade pública e, por variadas abordagens, tornou-se alvo privilegiado dos estudos acadêmicos acerca da implementação das políticas curriculares em nosso país. Este artigo busca identificar alguns elementos que podem vir a guiar um processo de avaliação dessa política curricular segundo, por um lado, a aposta presente na BNCC e, por outro, o panorama de críticas delineado na produção acadêmica. Para isso, a análise partirá do reconhecimento e discussão dos conceitos de qualidade da educação e competência mobilizados no documento e em materiais utilizados para a sua divulgação, e da leitura de artigos produzidos sobre o tema. Dessas ponderações são destacadas questões para a avaliação do processo de transformação dessas promessas em currículo real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Valentina Assumpção Galian, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo-SP, Brasil

Doutora em Educação pelo Programa de Estudos Pós-graduados em Educação: História, Política, Sociedade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como docente na Graduação e na Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Seus estudos concentram-se nos seguintes temas: currículo, conhecimento escolar e ensino de ciências.

Roberto Rafael Dias da Silva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo-RS, Brasil

Doutor em Educação. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Referências

ALVES, Nilda. Sobre a possibilidade e a necessidade curricular de uma Base Nacional Comum.Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 1464-1479, out./dez. 2014.

BARRETTO, Elba S. S. Políticas de currículo e políticas docentes para a educação básica. In: SANTOS, L. C. L.; FAVACHO, A. (org.) Políticas e práticas curriculares: desafios contemporâneos. Curitiba: CVR, 2012. p. 135-149.

BARRETTO, Elba S. S. Políticas de currículo e avaliação e políticas docentes. In: BAUER, A.; GATTI, B. A. Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. p. 101-117.

BRASIL. Lei no 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional Comum Curricular. Brasília: SEB, 2017.

CRAHAY, Marcel. Dangers, incertitudes et incomplétudes de la logique de la compétence en éducacion. Révue Française de Pédagogie, Lyon, n. 154, p. 97-110, jan./mar, 2006.

CUNHA, Érika Virgílio. Cultura, contexto e a impossibilidade de uma unidade essencial para o currículo. Currículo sem Fronteiras, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 575-587, set./dez. 2015.

DOURADO, Luiz F.; OLIVEIRA, João F. Qualidade da educação: perspectivas e desafios. Cadernos Cedes, Campinas, v. 29, n. 78, p. 201-215, maio/ago. 2009.

FIGARI, Gérard. Para uma referencialização das práticas de avaliação dos estabelecimentos de ensino. In: ESTRELA, Albano; NÓVOA, António (org.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1993, p. 139-154.

FIGARI, Gérad. Avaliar: que referencial? Porto: Porto Editora, 1996.

FERRETI, Celso João; SILVA, Monica Ribeiro da. Reforma do Ensino Médio no contexto da Medida Provisória n. 746/2016: Estado, currículo e disputas por hegemonia.Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 385-404, abr./jun. 2017.

FRANGELLA, Rita; DIAS, Rosanne. Os sentidos de docência na BNCC: efeitos para o currículo da educação básica e da formação/atuação de professores. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 22, n. 1, p. 7-15, jan./mar. 2018.

FREITAS, Dirce Nei. A avaliação da educação básica no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

HADJI, Charles. A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora, 1994.

KRAMER, Sônia. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. Educação e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 60, p. 15-35, dez. 1997.

LEWY, Arieh. A natureza da avaliação de currículo. In: LEWY, A. (org.). Avaliação de Currículo. São Paulo: E.P.U/Edusp, 1979. p. 3-36.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: Novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p. 1530-1555, out./dez. 2014.

MACEDO, Elizabeth. As demandas conservadoras do movimento Escola sem Partido e a Base Nacional Curricular Comum.Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 507-524, abr./jun. 2017.

MACIEL, Cilene Maria Antunes; NASCIMENTO, Gilvania Conceição; FERNANDES, Cleonice Terezinha; KFOURI, Samira Faiez. Visão de professores de escolas de Cuiabá/MT e Campo Verde/MT sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 26, n. 62, p. 657-673, maio/ago. 2017.

MOREIRA, Antonio Flávio. Os princípios norteadores de políticas e decisões curriculares. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, v. 28, n. 1, p. 180-194, jan./abr. 2012.

OLIVEIRA, Dalila A. A política educacional brasileira: entre a eficiência e a inclusão democrática. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 28, n. especial, p. 225-243, dez. 2014.

PACHECO, José Augusto. Educação, formação e conhecimento. Porto: Porto Editora, 2014.

SACRISTÁN, Jose Gimeno. Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SACRISTÁN, José Gimeno et al. (org.). Educar por competências. O que há de novo? Porto Alegre: Artmed, 2011.

SACRISTÁN, José Gimeno. La substantividad educativa de los contenidos: algunas obviedades que, al parecer, no lo son. In:

SACRISTÁN, José Gimeno (org.). Los contenidos: uma reflexión necesaria. Madrid: Morata, 2017. p. 17-26.

SAMPAIO, Maria das Mercês F. Propostas curriculares e o processo ensino-aprendizagem. In: SILVA, Fabiany C. T. ; PEREIRA, Marcus V. M. (org.). Observatório de cultura escolar: estudos e pesquisas sobre escola, currículo e cultura escolar. Campo Grande: Ed. UFMS, 2013. p. 69-97.

SANTOS, Lucíola, L. C. P. A avaliação em debate. In: BAUER, A., GATTI, B. A. Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. p. 229-245.

VIEIRA, Jarbas; FEIJÓ, José. A Base Nacional Comum Curricular e o conhecimento como commodity. Educação Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 22, n. 1, p. 35-43, jan./mar. 2018.

YOUNG, Michael. Conhecimento e currículo: do socioconstrutivismo ao realismo social na sociologia da educação. Porto: Porto Editora, 2010.

YOUNG, Michael. Por que o conhecimento é importante para as escolas do século XXI? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 159, p. 18-37, jan./mar. 2016.

Downloads

Publicado

21-05-2021

Como Citar

GALIAN, C. V. A.; SILVA, R. R. D. da. Apontamentos para uma avaliação de currículos no Brasil: a BNCC em questão. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 30, n. 74, p. 508–535, 2021. DOI: 10.18222/eae.v30i74.5693. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/eae/article/view/5693. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos