Reforma trabalhista e trabalho docente no ensino superior privado no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Mercado de trabalho docente , Ensino superior , Ensino privado

Resumo

O objetivo deste trabalho é investigar possíveis impactos, sobre o universo laboral dos docentes que atuam no ensino superior privado brasileiro, da mais recente reforma trabalhista e de medidas específicas da categoria, como o avanço da educação a distância (EaD). A Lei n. 13.467/2017 foi aprovada no governo de Michel Temer, sob a justificativa de gerar “segurança jurídica” e modernizar as relações trabalhistas. Nesse sentido, pretende-se analisar a movimentação de professores nas bases compostas por registros administrativos do Ministério da Economia, a fim de averiguar se, para além da notícia de casos particulares, a categoria como um todo já experimenta alterações sensíveis em seus níveis de emprego, no volume de demissões e admissões, e se há introdução de dispositivos próprios da Reforma Trabalhista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Darcilene C. Gomes, Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), Recife (PE), Brasil

Economista com doutorado em economia pela Unicamp. Atualmente é pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco e trabalha na Diretoria de Pesquisas Sociais.

Sidartha Soria, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife (PE), Brasil

Doutor em Sociologia (Unicamp). Professor do Departamento de Sociologia da UFPE. Vice-chefe do Departamento de Sociologia da UFPE.

Referências

Almeida, W. M. (2012). Ampliação do acesso ao ensino superior privado lucrativo brasileiro: Um estudo sociológico com bolsistas do ProUni na cidade de São Paulo [Tese de Doutorado]. Universidade de São Paulo.

Alvarenga, D., & Trevisan, K. (2017, dezembro 6). Estácio anuncia “demissão em massa” de professores, diz sindicato. Portal G1. https://g1.globo.com/economia/noticia/estacio-promove-demissao-em-massa-de-professores-diz-sindicato.ghtml

Arruda, A. L. B. (2011). Expansão da educação superior: Uma análise do programa de apoio a planos de reestruturação e expansão das universidades federais (Reuni) na Universidade Federal de Pernambuco [Tese de Doutorado]. Universidade Federal de Pernambuco.

Baltar, P. E., & Proni, M. W. (1995). Flexibilidade do trabalho, emprego e estrutura salarial no Brasil (Cadernos do Cesit e Texto para Discussão, 15). Unicamp.

Basílio, A. L. (2017, dezembro 6). Após reforma trabalhista, Estácio demite para chamar professor intermitente. Carta Capital. https://www.cartacapital.com.br/educacao/Apos-reforma-trabalhista- Estacio-demite-para-chamar-professor-intermitente

Bielschowsky, C. E. (2020). Tendências de precarização do ensino superior privado no Brasil. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 36(1), 241-271.

Campos, A. G. (2017). Justiça do trabalho e produtividade no Brasil: Checando hipóteses dos anos 1990 e 2000 (Texto para discussão n. 2.330). Ipea.

Carvalho, C. H. A. (2002). Reforma Universitária e os Mecanismos de Incentivo à Expansão do Ensino Superior Privado no Brasil (1964-1984) [Dissertação de Mestrado]. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia.

Carvalho, C. H. A. (2005, novembro). Política de ensino superior e renúncia fiscal: Da Reforma Universitária de 1968 ao ProUni. Reunião Anual da Anped, 28, Caxambu, MG, Brasil.

Cavalcante, F. (2017). Reforma trabalhista: Salário e remuneração. https://jus.com.br/artigos/60740/reforma-trabalhista-salario-e-remuneracao

Chahad, J. P. Z. (2017). Reforma trabalhista de 2017: Principais alterações no Contrato de Trabalho. Informações Fipe.

Chahad, J. P. Z. (2018). Reforma trabalhista de 2017: Mudanças nas negociações coletivas e na organização sindical. Informações Fipe.

Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), de 1º de maio de 1943. (1943). Aprova a consolidação das leis do trabalho. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm

Cunha, L. A. (2007). A universidade temporã: O ensino superior, da colônia à Era Vargas. Edunesp.

Cunha, L. A. (2003). O ensino superior no octênio FHC. Educação & Sociedade, 24(82), 37-61.

Decreto n. 19.851, de 11 de abril de 1931. (1931). Dispõe que o ensino superior no Brasil obedecerá, de preferência, ao sistema universitário, podendo ainda ser ministrado em institutos isolados, e que a organização técnica e administrativa das universidades é instituída no presente Decreto, regendo-se os institutos isolados pelos respectivos regulamentos, observados os dispositivos do seguinte Estatuto das Universidades Brasileiras. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto- 19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html

Decreto n. 2.306, de 19 de agosto de 1997. (1997). Regulamenta, para o Sistema Federal de Ensino, as disposições contidas no art. 10 da Medida Provisória n. 1.477-39, de 8 de agosto de 1997, e nos arts. 16, 19, 20, 45, 46 e § 1º, 52, parágrafo único, 54 e 88 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2306impressao.htm

Decreto n. 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – Reuni. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/ decreto/d6096.htm

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2016). Rotatividade no mercado de trabalho brasileiro: 2002 a 2014. Dieese.

Haddad, F. (2006). Entrevista: Educação: uma visão sistêmica. Teoria e Debate, 67. https://teoriaedebate.org. br/2006/09/26/educacao-uma-visao-sistemica/

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (1999). Evolução do Ensino Superior: 1980-1998. Inep. http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_ publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/491251

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2001). Sinopse estatística da educação superior – 2000. Inep. https://download.inep.gov.br/download/censo/2000/Superior/sinopse_ superior-2000.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2015). Sinopse estatística da educação superior. Inep. https://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/sinopses_estatisticas/sinopses_ educacao_superior/sinopse_educacao_superior_2015.zip

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2019). Sinopse estatística da educação superior. Inep. https://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/sinopses_estatisticas/sinopses_ educacao_superior/sinopse_educacao_superior_2019.zip

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2020). Sinopses estatísticas da educação superior – Graduação. 1995-2019. Inep. https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/sinopses-estatisticas/educacao-superior-graduacao

Krein, J. D., Abílio, L., Freitas, P., Borsai, P., & Cruz, R. (2018). Flexibilização das relações de trabalho: Insegurança para os trabalhadores. In J. D. Krein, D. M. Gimenez, & A. L. Santos (Orgs.). Dimensões críticas da reforma trabalhista no Brasil. Curt Nimuendajú.

Lavinas, L., Araújo, E., & Bruno, M. (2017). Brasil: Vanguarda da financeirização entre os emergentes? (Texto para Discussão n. 32). Instituto de Economia/UFRJ.

Leda, D. B. (2009). Trabalho docente no ensino superior privado: Análise das condições de saúde e de trabalho em instituições privadas no estado do Maranhão [Tese de Doutorado]. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social.

Leher, R. A. (2013). Universidade reformada: Atualidade para pensar tendências da educação superior 25 anos após sua publicação. Revista Contemporânea de Educação, 8(16), 305-329.

Lei n. 5.540, de 28 de novembro de1968. (1968). Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. https://www2.camara.leg.br/ legin/fed/lei/1960-1969/lei-5540-28-novembro-1968-359201-publicacaooriginal-1-pl.html

Lei n. 11.096, de 13 de janeiro de 2005. (2005). Institui o Programa Universidade para Todos – Prouni, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei n. 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004- 2006/2005/lei/l11096.htm

Lei n. 13.429, de 31 de março de 2017. (2017). Altera dispositivos da Lei n. 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe sobre as relações de trabalho na empresa de prestação de serviços a terceiros. http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13429.htm

Lei n. 13.467, de 13 de julho de 2017. (2017). Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis n. 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13467.htm

Marques, A. C. H., & Cepêda, V. A. (2012). Um perfil sobre a expansão do ensino superior recente no Brasil: Aspectos democráticos e inclusivos. Perspectivas, 42, 161-192.

Martins, A. (2009). Reforma universitária de 1968 e a abertura para o ensino superior privado no Brasil. Educação & Sociedade, 30(106), 15-35.

Mendonça, H. (2017, 7 dezembro). Demissões na Estácio de Sá expõem temor em torno de reforma trabalhista. El País Brasil. https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/06/ politica/1512591440_338894.html

Ministério do Trabalho e Previdência. (2021). Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho (PDET). Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e Relação Anual de Informações Sociais (Rais). Brasília-DF, 2012-2019. MTP. https://bi.mte.gov.br/bgcaged/

Oliveira, J. (2017, 1 setembro). Censo da Educação Superior aponta crescimento do ensino à distância. Jornal Estado de Minas. https://www.em.com.br/app/noticia/especiais/educacao/2017/09/01/internas_ educacao,896936/censo-da-educacao-superior-aponta-crescimento-do-ensino-a-distancia.shtml

Oliveira, R. P. (2009). A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Educação & Sociedade, 30(108), 739-760.

Sampaio, H. (2000). Ensino superior no Brasil: O setor privado. Hucitec/Fapesp.

Sampaio, H. (2011). O setor privado de ensino superior no Brasil: Continuidades e transformações. Revista Ensino Superior, 4, 28-43.

Sebim, C. C. (2014). A intensificação do trabalho docente no processo de financeirização da educação superior: O caso da Kroton no estado do Espírito Santo [Tese de Doutorado]. Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Educação.

Siqueira, T. A. (2006). O trabalho docente nas instituições de ensino superior privado em Brasília [Tese de Doutorado]. Universidade de Brasília, Programa de Pós-graduação em Sociologia.

Souza, A. H. (2011). Da educação mercadoria à certificação vazia. Le Monde Diplomatique, 53. http://diplomatique.org.br/da-educacao-mercadoria-a-certificacao-vazia/

Souza, A. H. (2017). Ensino mercantil e demissão em massa de professores no ensino superior privado. Le Monde Diplomatique. https://diplomatique.org.br/ensino-mercantil-e-demissao-em-massa-de-professores-no-ensino-superior-privado/

Toledo, L. F. (2016, 8 junho). Só 8 grupos concentram 27,8% das matrículas do ensino superior. Estado de São Paulo. http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,apenas-8-grupos-privados-concentram-27-8- das-matriculas-do-ensino-superior,10000055857

Weber, S. (2000). Políticas do ensino superior: Perspectivas para a próxima década. Revista Tempo e Presença, 22(312).

Publicado

2022-02-15

Como Citar

Gomes, D. C., & Soria, S. (2022). Reforma trabalhista e trabalho docente no ensino superior privado no Brasil. Cadernos De Pesquisa, 52, e08714. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/8714

Edição

Seção

Educação Superior, Profissões, Trabalho