Autoavaliação e justiça social na avaliação das escolas em Portugal

Autores

Palavras-chave:

Escolas, Avaliação, Autoavaliação, Justiça

Resumo

Partindo da crença de que o envolvimento das escolas em processos de autoavaliação pode contribuir para que melhor se conheçam e, em função desse conhecimento, tomem decisões que contribuam para a concretização da justiça social, foi desenvolvido um estudo que analisou duas políticas de educação em Portugal justificadas por essa intenção e que exigem o recurso à autoavaliação. Os dados, recolhidos por entrevistas semi-directivas a diretores(as) de escolas, professores(as) de equipes de autoavaliação e ex-ministro da educação responsável pela lei de avaliação, permitem concluir que a autoavaliação, pelo conhecimento que fornece das situações vividas, pode apoiar práticas de justiça curricular promotoras de justiça social. No entanto, para isso, a autoavaliação não pode se esgotar na atenção a resultados obtidos em exames e em lógicas de performatividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlinda Leite, Universidade do Porto, Porto, Portugal

Professora Catedrática, Emérita da Universidade do Porto. Doutorada em Ciências da Educação. Investigadora do CIIE  – Centro de Investigação e Intervenção Educativas.

Marta Sampaio, Universidade do Porto, Porto, Portugal

Doutorada em Ciências da Educação. Investigadora do CIIE  – Centro de Investigação e Intervenção Educativas.

Referências

AFONSO, Almerindo J. Questões, objetos e perspetivas em avaliação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 2, n. 19, p. 487 507, 2014.

AFONSO, Almerindo J. Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável: crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, n. 13, p. 13-29, 2009.

AFONSO, Almerindo J. Para uma crítica da avaliocracia. OPS! Revista de Opinião Socialista, n. 2, p. 14-16, 2008.

ARROYO, Miguel G. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011.

BALL, Stephen J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BALL, Stephen J. Performatividade, privatização e o pós-Estado do Bem-Estar. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez. 2004.

BALL, Stephen J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, 2011.

BARDIN, Laurence. Content analysis. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2011.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari k. Qualitative research for education: an introduction to theories and methods. New York: Pearson Education Group, 2003.

BOLÍVAR, António. Melhorar os processos e os resultados educativos: o que nos ensina a investigação. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão, 2012.

BORER, Valérie L.; LAWN, Martin. Governing education systems by shaping data: from the past to the present, from national to international perspectives. European Educational Research Journal, v. 12, n. 1, p. 48-52, Mar. 2013.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Lisboa: Vega, 1970.

BRAUCKMANN, Stefan; PASHIARDIS, Petros. The clash of evaluations: in search of the missing link between school accountability and school improvement: experiences from Cyprus. International Journal of Educational Management, v. 24, n. 4, p. 330-350, May 2010.

BRAUN, Virginia; CLARKE, Victoria Successful qualitative research: a practical guide for beginners. Los Angeles: Sage Publications, 2013.

CAMPBELL, Carol; LEVIN, Ben. Using data to support educational improvement. Educational Assessment, Evaluation and Accountability, n. 21, p. 47-65, 2009.

CLARK, Bill. The quality initiative in Scottish schools: working together to achieve excellence. Scotland: Quality, Standards and Audit Division, 2000.

CLERCQ, Francine de. School monitoring and change: a critical examination of Whole School-Evaluation. Education as Change, v. 11, n. 2, p. 97-113, Dec. 2007.

COE, Robert. School improvement: reality and illusion. British Journal of Educational Studies, v. 57, n. 4, p. 363-379, Dec. 2009.

CONNELL, Raewyn. Just education. Journal of Education Policy, v. 27, n. 5, p. 681-683, June 2012.

CONNELL, Raewyn. Escuelas e justicia social. Madrid: Morata, 1999.

CONNELL, Raewyn. La Organización Social de la Masculinidad. In: VALDÉS, Tesesa; OLIVARRÍA, José (ed.). Masculinidad/es: poder y crisis. Santiago: Ediciones de las Mujeres, 1997. p. 31-48.

CONNELL, Raewyn. Justiça, conhecimento e currículo na educação contemporânea. In: SILVA, Luiz H.; AZEVEDO, José C. (ed.). Reestruturação curricular, teoria e prática no cotidiano da escola. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 11-35.

COSME, Ariana; TRINDADE, Rui. Avaliar as escolas: para quê e porquê? Auto-avaliação das escolas e processos de auto-monitorização. Elo, n. 17, p. 33-41, 2010.

CRAHAY, Marcel. L’école peut-elle être juste et efficace? De l’égalité des chances et l’égalité des acquis. Revue Française de Pédagogie, n. 135, p. 223-225, 2000.

DEVOS, Geert; VERHOEVEN, Jef C. School Self-Evaluation Conditions and Caveats: The Case of Secondary Schools. Educational. Management, Administration & Leadership, v. 31, n. 4, p. 403-420, 2003.

DÍAZ, Amparo S. Avaliação da qualidade das escolas. Porto: Asa, 2003.

FAUBERT, Violaine. School evaluation: current practices in OECD countries and a literature review. Paris: OECD Publishing, 2009. (OECD Education Working Papers, n. 42).

FRASER, Nancy. Reenquadrando a justiça em um mundo globalizado. Lua Nova, São Paulo, n. 77, p. 11-39, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido, Porto: Edições Afrontamento, 1972.

FULLAN, Michael; RINCON GALLARDO, Santiago; HARGREAVES, Andy. Professional capital as accountability. Education Policy Analysis Archives, v. 23, n. 15, p. 1-22, 2015.

GOODSON, Ivor F. Developing narrative theory: life histories and personal representation. London: Routledge, 2013.

GREENE, Jennifer C. Evaluators as stewards of the public good. In: HOOD, Stafford; FRIERSON, Henry; HOPSON, Rodney (ed.). The role of cultural and cultural context: a mandate for inclusion, the discovery of truth, and understanding in evaluative theory and practice. Greenwich, CT: Information Age Publishing, 2005. p. 7-20.

GREK, Sotiria; OZGA, Jenny. Governing by numbers? Shaping education through data. CES Briefing, Scotland, n. 44, 2008. Disponível em: http://www.ces.ed.ac.uk/old_site/PDF%20Files/Brief044.pdf. Acesso em: 10 maio 2019.

HALLINGER, Phillip; HECK, Ronald H. Exploring the journey of school improvement: classifying and analyzing patterns of change in school improvement processes and learning outcomes. School Effectiveness and School Improvement, v. 22, n. 1, p. 1-27, 2011.

HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: Mc Graw-Hill, 1998.

HOFMAN, Roeland H.; DIJKSTRA, Nynke J.; HOFMAN, Adrian W. H. School self-evaluation and student achievement. School Effectiveness and School Improvement, v. 20, n. 1, p. 47-68, 2009.

HOUSE, Ernest R. Methodology and justice. In: SIROTNIK, Kenneth (ed.). Evaluation and social justice: issues in public education. New Directions for Evaluation. San Francisco: Jossey-Bass, 1990. p. 23-36.

KELLY, Anthony. Measuring ‘equity’ and ‘equitability’ in school effectiveness research. British Educational Research Journal, v. 38, n. 6, p. 977-1002, 2012.

L’ÉCUYER, René. Méthodologie de l’analyse développementale de contenu. Québec: Presses de l’Úniversité, 1990.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Avaliação, qualidade e equidade. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, SP, v. 19, n. 2, p. 421-438, 2014.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Curricular studies and their relation with the political agenda for education. Transnational Curriculum Inquiry, v. 2, p. 35-49, 2012.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Desafios aos professores na construção de mudanças educacionais e curriculares: que possibilidades e que constrangimentos. Revista Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, p. 198-204, set./dez. 2010.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa; FIGUEIREDO, Carla. Challenges of curricular contextualisation: teachers’ perspectives. The Australian Educational Researcher, v. 45, n. 4, p. 435-453, 2018. doi:10.1007/s13384-018-0271-1

LEITE, Carlinda; PINTO, Carmem L. O trabalho colaborativo entre os professores no quotidiano escolar. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 48, p. 69-91, 2016.

LEITE, Carlinda; RODRIGUES, Lurdes; FERNANDES, Preciosa. A autoavaliação das escolas e a melhoria da qualidade da educação: um olhar reflexivo a partir de uma situação. Revista Estudos Curriculares, Porto, n. 1, p. 21-45, 2006.

LINGARD, Bob. Policy as numbers: ac/counting for educational research. The Australian Educational Researcher, v. 38, n. 4, p. 355-382, Jan. 2010.

LINGARD, Bob; RIZVI, Fazal. Globalisation and the fear of homogenisation in education. Change: Transformations in Education, v. 1, n. 1, p. 62-71, 1998.

LINGARD, Bob; SELLAR, Sam; SAVAGE, Glenn C. Re-articulating social justice as equity in schooling policy: the effects of testing and data infrastructures. British Journal of Sociology of Education, v. 35, n. 5, p. 710-730, 2014.

LYOTARD, Jean-François. The postmodern condition: a report on knowledge. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

MACDONALD, Barry. Evaluation and the control of education. In: TAWNEY, David (ed.). Curriculum evaluation today: trends and implications. London: Macmillan, 1976. p. 125-136.

MARCHESI, Álvaro. Mudanças educativas e avaliação das escolas. In: AZEVEDO, Joaquim (org.). Avaliação das escolas: consensos e divergências. Porto: Asa, 2002. p. 20-27.

McARTHUR, Jan. La evaluación: una cuestión de justicia social. Perspectiva crítica y prácticas adecuadas. Madrid: Narcea, 2019.

McBEATH, Jan. Schools must speak for themselves: the case of school self-evaluation. Routledge: New York, 1999.

MOURAZ, Ana; LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Teachers’ role in curriculum design in Portuguese schools. Teachers and Teaching: Theory and Practice, v. 19, n. 5, p. 478-491, 2013.

MURILLO, Francisco Javier. Enfoque, situación y desafios: de la investigación sobre eficácia escolar em América Latina y el Caribe. In: BLANCO, Rosa et al. (org.). Eficacia escolar y factores associados. Santiago de Chile: ORE ALC/UNESCO, 2008. p. 17-47.

MURILLO, Francisco Javier. La investigación sobre eficacia escolar. Barcelona: Octaedro, 2005.

MURILLO, Francisco Javier. Una panorâmica de la investigacíon ibero-americana sobre eficácia escolar. REICE – Revista Electrónica sobre Calidade, Eficacia y Cambio en Educación, v. 1, p. 1-14, 2003.

NÓVOA, António; LAWN, Martin (ed.). Fabricating Europe: the formation of an education space. Dordrecht: Kluwer Academic, 2002.

OZGA, Jenny. Governing education through data in England: from regulation to self-evaluation. Journal of Education Policy, v. 24, n. 2, p. 149-162, 2009.

PASCHOALINO, Jussara B.; FIDALGO, Fernando. A lógica brasileira da avaliação: impactos no currículo escolar a partir do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 34, p. 103-116, 2011.

PLOWRIGHT, David. Self-evaluation and OFSTED Inspection: developing an integrative model of school improvement. Educational, Management, Administration & Leadership, v. 35, n. 3, p. 373-393, 2007.

PONCE, Branca J.; DE OLIVEIRA NERI, Juliana F. O currículo escolar em busca da justiça social: a violência doméstica contra a criança e o adolescente. Revista e-Curriculum, v. 13, n. 2, p. 331-349, 2015.

POPKEWITZ, Thomas S. Rethinking decentralisation and state/civil society distinctions: the state as a problematic of Governing. Journal of Education Policy, v. 11, n. 1, p. 27-52, 1996.

PORTUGAL. CNE Parecer n. 1, de 03 de janeiro de 2011. Ministério da Educação e Ciência. Conselho Nacional da Educação. Diário da República, n. 1, Série II, 03 jan. 2011a.

PORTUGAL. CNE Parecer n. 4, de 12 de julho de 2013. Ministério da Educação e Ciência. Conselho Nacional da Educação. Diário da República, n. 133, Série II, de 12 jul. 2013a.

PORTUGAL. Decreto n. 137, de 02 de julho de 2012. Ministério da Educação e Ciência, Diário da República, n. 126, Série I, de 02 jul. 2012a.

PORTUGAL. Decreto Regulamentar n. 15, de 27 de janeiro de 2012. Ministério da Educação e Ciência. Diário da República, n. 20, Série I, de 27 jan. 2012b.

PORTUGAL. Decreto Regulamentar n. 81-B, de 31 de julho de 2007. Ministério da Educação. Diário da República, n. 146, 3º Suplemento, Série I, de 31 jul. 2007a.

PORTUGAL. Decreto-Lei n. 125, 29 de dezembro de 2011 (Lei Orgânica do MEC). Ministério da Educação e Ciência. Diário da República, n. 249, Série I, de 29 dez. 2011b.

PORTUGAL. Decreto-Lei n. 276, de 31 de julho de 2007. Presidência do Conselho de Ministros., Diário da República, n. 146, Série I, de 31 jul. 2007b.

PORTUGAL. Despacho Conjunto n. 370, de 03 de maio de 2006, Ministério da Educação. Ministério das Finanças e da Administração Pública. Diário da República, n. 85, Série II, 03 maio 2006.

PORTUGAL. Despacho n. 10.434, de 09 de agosto de 2013. Ministério da Educação e Ciência. Inspeção-Geral da Educação e Ciência. Diário da República, n. 153, Série II, de 09 ago. 2013b.

PORTUGAL. Lei n. 31, de 20 de dezembro de 2002. Assembleia da República. Lisboa. Diário da República, n. 294, I série A, de 20 dez. 2002.

PORTUGAL. Lei n. 46, de 14 de outubro de 1986, com as alterações introduzidas pelas leis n. 115-A de 19 de setembro de 1997 e n. 49 de 30 de agosto 2005. Assembleia da República. Diário da República, n. 166, Série I-A, de 30 ago. 2005.

PORTUGAL. Ministério da Educação. Inspeção-Geral da Educação e Ciência – IGEC. Relatório de actividades 2009. Lisboa: IGEC, 2010. Disponível em: https://www.igec.mec.pt/upload/RepDigital/Relatorio_Atividades/RA_2009.pdf. Acesso em: 4 maio 2010.

PRIESTLEY, Mark; BIESTA, Gert; ROBINSON, Sara. Teacher agency: an ecological approach. Londres: Bloomsbury Academic, 2015.

QUINTAS, Helena; VITORINO, Teresa. Avaliação externa e autoavaliação das escolas. In: VELOSO, Luísa (org.) Escolas e avaliação externa: um enfoque nas estruturas organizacionais. Lisboa: Mundos Sociais, 2013.

REEZIGT, Gerry J.; CREEMERS, Bert P. M. A comprehensive framework for effective school improvement. School Effectiveness and School Improvement, v. 16, n. 4, p. 407-424, 2005.

ROCHA, Augusto P. L. Avaliação externa de escolas: resultados e autoavaliação. Que relação? Foro de Educación, n. 14, p. 207-223, 2012.

ROHLING, Marcos; VALLE, Ione R. Princípios de justiça e justiça escolar: a educação multicultural e a equidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 160, p. 386-409, abr./jun. 2016.

RYAN, Thomas G.; TELFER, Leslie. A review of (elementary) school self-assessment processes: Ontario and beyond. International Electronic Journal of Elementary Education, v. 3, n. 3, p. 171-190, 2011.

SALINAS, Cinthia S.; REIDEL, Michelle. The cultural politics of the Texas educational reform agenda: examining who gets what, when, and how. Anthropology & Education Quarterly, v. 38, n. 1, p. 42-56, 2007.

SAMPAIO, Marta; LEITE, Carlinda. Mapping social justice perspectives and their relationship with curricular and schools’ evaluation practices: looking at scientific publications. Education as Change, v. 22, n. 1, p. 1-21, 2018.

SAMPAIO, Marta; LEITE, Carlinda. From curricular justice to educational improvement: what is the role of schools’ self-evaluation? Improving Schools, v. 20, n. 1, p. 62-75, 2017.

SAMPAIO, Marta; LEITE, Carlinda. A territorialização das políticas educativas e a justiça curricular: o caso TEIP em Portugal. Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 3, p. 715-740, 2015.

SAMPAIO, Marta; LEITE, Carlinda. Políticas de avaliação das escolas e seus efeitos na construção de uma melhoria educacional. Revista de Administração Educacional, Recife, v. 1, n. 1, p. 3 16, 2014.

SANTOMÉ, Jurjo T. Currículo escolar e justiça social: o cavalo de Troia da educação. Porto Alegre: Penso, 2013.

SCHEERENS, Jaap. Melhorar a eficácia das escolas. Porto: Asa, 2003.

SEIDMAN, Irving. Interviewing as qualitative research: a guide for researchers in education & the social sciences. New York: Teachers College, Columbia University, 2013.

SHAW, Ian; NEWTON, D.; AITKIN, Murray; DARNELL, Ross. Do OFSTED inspections of secondary schools make a difference to GCSE results? British Educational Research Journal, v. 29, n. 1, p. 63-75, 2003.

SMITH, Gregory A. Place-based education: learning to be where we are. Phi Delta Kappan, v. 118, p. 6-43, 2005.

TAYLOR, Sandra; HENRY, Miriam. Challenges for equity policy in changing contexts. Australian Educational Researcher, v. 27, n. 3, p. 1-15, 2000.

TUNER, David; YOLCU, Hüseyin. Neoliberal educational reforms: a critical analysis. Londres: Routledge, 2014.

WRIGLEY, Terry. Is ‘School Effectiveness’ anti-democratic? British Journal of Educational Studies, v. 51, n. 2, p. 89-112, 2003.

YOUNG, Michael F. D. Conhecimento e currículo: do socioconstrutivismo ao realismo social na sociologia da educação. Porto: Porto, 2010.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Leite, C., & Sampaio, M. (2021). Autoavaliação e justiça social na avaliação das escolas em Portugal. Cadernos De Pesquisa, 50(177), 660–678. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/6835

Edição

Seção

Tema em Destaque