Política, atores e implementação: análise do atendimento educacional especializado

Naiara Chierici Rocha, Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Resumo


Este artigo analisa as especificidades do Atendimento Educacional Especializado (AEE) no Brasil e a sua organização na rede pública do Estado de São Paulo a partir da implementação em uma escola pública da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, utilizando a pesquisa qualitativa de intervenção em três fases: 1) observação das práticas pedagógicas no AEE e na sala de aula comum; 2) entrevista com duas professoras colaboradoras da pesquisa; e 3) intervenção na sala de aula comum por meio da Metodologia de Projetos. Concluiu-se que a implementação da política ocorria no funcionamento do atendimento especializado; no entanto, a segregação dos espaços escolares dificultava um trabalho pedagógico inclusivo e colaborativo entre os profissionais.

Palavras-chave: Políticas Públicas, Educação Especial, Educação Inclusiva, Atendimento Educacional Especializado

 

Política, actores e implementación: análisis del atendimiento educacional especializado

El presente artículo analiza la implementación, en una escuela pública en São Paulo, de la Política Nacional de Educación Especial desde la perspectiva de la Educación Inclusiva sobre las especificidades del Atendimiento Educacional Especializado (AEE) en Brasil y su organización en la red pública del Estado de São Paulo. Se utilizó la investigación cualitativa del tipo de intervención desarrollada en base a tres fases: 1) observación de las prácticas pedagógicas en el AEE y en el aula común; 2) entrevista con dos profesoras colaboradoras en la investigación; y 3) intervención en el aula común por medio de la Metodología de Proyectos. Se concluyó que la implementación de la política ocurría en el funcionamiento de la atención especializada; en cambio, la segregación de los espacios escolares obstaculizaba un trabajo pedagógico inclusivo y colaborativo entre los profesionales.

Palabras clave: Políticas Públicas, Educación Especial, Educación Inclusiva, Atendimiento Educacional Especializado

 

Policy, actors and implementation: an analysis of special education service

This article analyzes the specific features of Special Education Service (AEE) in Brazil and its organization in the São Paulo state education system based on its implementation in a public school in the National Special Education Policy from the perspective of Inclusive Education. The study used a qualitative intervention approach in three phases: 1) observation of pedagogical practices in the AEE and in the regular classroom; 2) interviews with two teachers who collaborated with the study; and 3) intervention in the regular classroom through the Project Methodology. We concluded that the policy was being implemented in the context of special education; however, the segregation of school spaces hindered an inclusive and collaborative pedagogical work between the professionals involved.

Keywords: Public Policy, Special Education, Inclusive Education, Special Education Service


Palavras-chave


Políticas Públicas, Educação Especial, Educação Inclusiva, Atendimento Educacional Especializado

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, Claudio Roberto. Ação pedagógica e educação especial: a sala de recursos como prioridade na oferta de serviços especializados. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, SP, v. 17, edição especial, p. 59-76, maio/ago. 2011.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, 1994.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Lei Federal n. 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 1990. p. 13563.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, n. 248, p. 207.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2008.

BUENO, José Geraldo Silveira. A inclusão de alunos deficientes nas escolas comuns de ensino regular. Temas sobre Desenvolvimento, São Paulo, v. 9, n. 54, p. 21-7, 2001.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Tradução: Bruno Magne. Porto Alegre: Artmed, 2000.

FERREIRA, Júlio Romero. A nova LDB e as necessidades educativas especiais. Caderno CEDES, Campinas, SP, v. 19, n. 46, p. 7-15, set. 1998.

FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, DF, v. 21, p. 211-259, 2000.

HOWLETT, Michael; RAMESH, Mishra; PERL, Anthony. Política pública: seus ciclos e subsistemas. Uma abordagem integradora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

KINGDON, John. Como chega a hora de uma ideia? In: SARAVIA, Enrique; FERRAREZI, Elisabete. Políticas públicas: coletânea. Brasília, DF: Enap, 2006. p. 219-245.

LIMA, Luciana Leite; D’ASCENZI, Luciano. Implementação de políticas públicas: perspectivas analíticas. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 21, n. 48, p. 101-110, dez. 2013.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAZZOTTA, Marco José da Silveira. Deficiência, educação escolar e necessidades especiais: reflexões sobre inclusão socioeducacional. São Paulo: Editora Mackenzie, 2002.

MAZZOTTA, Marco José da Silveira. Identidade dos alunos com necessidades educacionais especiais no contexto da política educacional brasileira. Movimento: Revista da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, n. 7, p. 11-18, maio 2003.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Raízes históricas da educação inclusiva. In: SEMINÁRIOS AVANÇADOS SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, Marília, SP: Unesp, 2001. (mimeo).

MENDES, Enicéia Gonçalves. Desafios atuais na formação do professor de Educação Especial. Revista Integração, Brasília, DF, n. 24, p. 12-17, 2002.

MENDES, Enicéia Gonçalves; VILARONGA, Carla Ariela Rios; ZERBATO, Ana Paula. Ensino colaborativo como apoio à inclusão escolar: unindo esforços entre a educação comum e especial. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

MILANESI, Josiane Beltrame. Organização e funcionamento das salas de recursos multifuncionais em um município paulista. 2012. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2012.

NÓVOA, António (org.). Profissão professor. Porto: Porto, 1999.

PAIS, Luiz C. Ensinar e aprender matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

POKER, Rosimar Bortolini et al. Plano de desenvolvimento individual para o atendimento educacional especializado. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília, SP: Oficina Universitária, 2013. 184p.

ROCHA, Naiara Chierici da. Ensino colaborativo e desenvolvimento da abordagem construcionista contextualizada e significativa na perspectiva da inclusão. 2016. 172 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, São Paulo, 2016.

RUA, Maria das Graças. Para aprender políticas públicas. Brasília, DF: IGEPP, 2013.

SANTOS, Mônica Pereira dos. Educação inclusiva: redefinindo a educação especial. Ponto de Vista, Florianópolis, v. 1, n. 3/4, p. 103-118, 2002.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Resolução SE n. 61, de 5 de abril de 2002. Dispõe sobre ações referentes ao Programa de Inclusão Escolar. São Paulo: Secretaria de Educação, 2002.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Resolução SE n. 11, de 31 de janeiro de 2008. Dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas. São Paulo: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 2008a.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Resolução SE n. 31, de 24 de março de 2008. Dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas. São Paulo: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 2008b.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Deficiência intelectual: realidade e ação. São Paulo: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Núcleo de Apoio Pedagógico Especializado – Cape, 2012.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Resolução SE n. 61, de 11 de novembro de 2014. Dispõe sobre a Educação Especial nas unidades escolares da rede estadual de ensino. São Paulo: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 2014.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o atendimento educacional aos alunos, público-alvo da Educação Especial, na rede estadual de ensino. São Paulo: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 2017.

SECCHI, Leonardo. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2014.

STAINBACK, Susan; STAINBACK, William. Inclusão: um guia para educadores. Tradução: Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed, 1999.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre Princípios, Política e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Salamanca: Unesco, 1994. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/ images/0013/001393/139394por.pdf. Acesso em: 7 maio 2018.

UNICEF. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Conferência de Jomtien – 1990. Jomtien: [s.n.], 1990. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10230.html. Acesso em: 7 maio 2018.

VIANA, Ana Luiza. Abordagens metodológicas em políticas públicas. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, p. 5-43, mar./abr. 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v31i76.5751

Apontamentos

  • Não há apontamentos.