Metavaliação no ensino superior: raciocínio clínico em provas de Medicina

Bruna Casiraghi, Júlio César Soares Aragão

Resumo


A formação superior deve ser vista como o desenvolvimento de um profissional capaz de lidar com situações complexas. A revisão do processo avaliativo pode identificar lacunas no processo de formação e levantar propostas de correção. Esta pesquisa objetivou analisar a prevalência de questões de prova que exijam raciocínio clínico e a sua progressão durante o curso. As questões foram avaliadas por período, área de conhecimento e complexidade. De 429 questões, 99 (23,1%) foram consideradas de raciocínio clínico, sendo 330 (76,9%) de raciocínio teórico. A maior taxa de raciocínio teórico ocorreu na área básica (86,2%), e a de raciocínio clínico, na Pediatria (31%). Os resultados apontam expressiva prevalência de cobrança de conteúdos em detrimento do raciocínio clínico. Embora o aumento da cobrança do segundo seja evidente, o resultado final ainda está aquém do esperado. Pesquisas voltadas para esse tema são necessárias para o mapeamento e a elaboração de propostas de intervenção.

Palavras-chave: Avaliação da Educação, Formação Médica, Taxonomia de Bloom, Metavaliação

 

Metaevaluación en la educación superior: razonamiento clínico en pruebas de Medicina

La formación superior debe verse como el desarrollo de un profesional capaz de hacer frente a situaciones complejas. La revisión del proceso de evaluación puede identificar brechas en el proceso de capacitación y plantear propuestas de corrección. Este estudio tuvo como objetivo analizar la prevalencia de las cuestiones de examen que exigen un razonamiento clínico y su progresión durante el curso. Las cuestiones fueron evaluadas por periodo, área de conocimiento y complejidad. De 429 cuestiones, 99 (23.1%) se consideraron de razonamiento clínico y 330 (76.9%) de razonamiento teórico. La tasa más alta de razonamiento teórico se produjo en el área básica (86.2%), y la de racionamiento clínico en Pediatría (31%). Los resultados muestran una prevalencia expresiva en la demanda de contenido en detrimento de razonamiento clínico. Aunque el aumento en la demanda de lo segundo es evidente, el resultado final todavía está por debajo de lo esperado. Estudios centrados en este tema se hacen necesarios para identificar y elaborar propuestas de intervención.

Palabras claves: Evaluación de la Educación, Formación Médica, Taxonomía de Bloom, Metaevaluación

 

Meta-evaluation in higher education: clinical reasoning in Medicine tests

Higher education should be viewed as the development of a professional capable of dealing with complex situations. Reviewing evaluation processes can identify gaps in training and drive correction initiatives. This study aimed to analyze the prevalence of test questions that require clinical reasoning and its progression during programs. The questions were assessed by period, knowledge area and complexity. Of 429 questions, 99 (23.1%) were considered as related to clinical reasoning, and 330 (76.9%) to theoretical reasoning. The highest rate of theoretical reasoning questions was found for the basic area (86.2%), whereas with clinical reasoning questions, the highest rate was found for pediatrics (31%). The results point to a significant prevalence of content-based questions to the detriment of questions related to clinical reasoning. Although an increase in the latter type is evident, the final result is still below expectations. Research on this topic is necessary for mapping and designing intervention initiatives.

Keywords: Education Evaluation, Medical Training, Bloom’s Taxonomy, Meta-Evaluation


Palavras-chave


Avaliação da Educação, Formação Médica, Taxonomia de Bloom, Metavaliação

Texto completo:

PDF

Referências


BÓRNEA, E. R.; GONÇALVES, A.; PADOVANI, C. R. Avaliando conhecimento em DST de graduandos em Medicina segundo a taxonomia de Bloom. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 1, p. 25-30, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Medicina. Brasília: MEC, 2014.

FERRAZ, A. P. C. M.; BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010.

GONZÁLEZ, A. D.; ALMEIDA, M. J. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 551-570, 2010.

HOFFMANN, J. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 2005.

HOFFMANN, J.; ESTEBAN, M. T.; SILVA, J. F. Práticas avaliativas e aprendizagens significativas: em diferentes áreas do currículo. Porto Alegre: Mediação, 2006.

LOPES, A. A. Medicina baseada em evidências: a arte de aplicar o conhecimento científico na prática clínica. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 285-288, set. 2000.

MASETTO, M. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2008.

RÉA-NETO, A. Raciocínio clínico – o processo de decisão diagnóstica e terapêutica. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 301-311, dez. 1998.

RIOS, T. A. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2002.

RODRIGUES JÚNIOR, J. F. Avaliação do estudante universitário. Brasília: SENAC – DF, 2009.

SGUISSARDI, V. (org.). Avaliação universitária em questão: reformas do Estado e da educação superior. Campinas, SP: Autores Associados, 1997.

SILVA, J. A. O uso da avaliação e a avaliação de seu uso (acerca da avaliação da qualidade do ensino). Paidéia, Ribeirão Preto, SP, v. 14, n. 29, p. 255-264, 2004.

TRONCON, L. E. A. Avaliação do estudante de medicina. Medicina, Ribeirão Preto, SP, v. 29, n. 4, p. 429-439, dez. 1996.

VARGAS, H. M. Sem perder a majestade: “profissões imperiais” no Brasil. Estudos de Sociologia, Araraquara, SP, v. 15, n. 28, 2010. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/estudos/article/ view/2553. Acesso em: 1 dez. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v31i76.4550

Apontamentos

  • Não há apontamentos.