Ética na avaliação de línguas adicionais: da postura docente ao instrumento avaliativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v32.8641

Palavras-chave:

Ética, Avaliação da Aprendizagem, Ensino de Línguas, Instrumentos de Avaliação

Resumo

 Este é um artigo reflexivo e propositivo que se debruça sobre a articulação entre uma perspectiva ética e a avaliação de línguas adicionais. Discorremos sobre os termos ética e moral, e situamos o desenvolvimento da avaliação ao longo dos séculos para entendermos seu relativismo histórico. Contextualizamos o surgimento de códigos de ética e diretrizes de boas práticas para a avaliação e, na tentativa de ir além das concepções filosóficas e comportamentais da ética e da justiça, buscamos concretizar tais concepções por meio da observância de princípios básicos da avaliação na elaboração e/ou utilização de instrumentos avaliativos em salas de aula por professores de línguas adicionais.

Biografia do Autor

Luzia Alessandra Pinheiro, Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEDF), Brasília-DF, Brasil

Professora de francês da Secretaria de Educação do Distrito Federal desde 1997. Graduada em Letras Português e Francês e respectivas Literaturas pela Universidade Federal de Uberlândia (1995 - 1997). Possui Especialização em Coordenação Pedagógica pela Universidade de Brasília (2015). É mestre em Linguística Aplicada com pesquisa em avaliação em francês língua estrangeira pela Universidade de Brasília (2018).

Referências

BACHMAN, L. F.; PALMER, A. Language testing in practice: designing and developing useful language tests. Oxford: Oxford University Press, 1996.

BACHMAN, L. F.; PALMER, A. Language assessment in practice. Oxford: Oxford University Press, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018.

BROWN, H. D.; ABEYWICKRAMA, P. Language assessment: principles and classroom practices. New York: Pearson, 2018.

CHOMSKY, N. Aspects of the theory of syntax. Cambridge: The MIT Press, 1965.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Porto: Edições Asa, 2001.

CRISOL MOYA, E.; ROMERO LÓPEZ, M. A. Práctica docente versus ética docente: hacia la mejora de la práctica docente a partir de la ética profesional. Journal for Educators, Teachers and Trainers, Granada, v. 5, n. 2, p. 23-35, Mar. 2014.

DAVIES, A. Ethics, professionalism, rights and codes. In: SHOHAMY, E.; HORNBERGER, N. H. (ed.). Encyclopedia of Language and Education. 2. ed. New York: Springer, 2008. p. 429-443. (Language Testing and Assessment, v. 7).

DIAS SOBRINHO, J. O campo da avaliação: evolução, enfoques, definições. In: DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez, 2003. p. 13-52.

EBEL, R.; FRISBIE, D. Essentials of educational measurement. New Jersey: Prentice-Hall Inc., 1991.

EUROPEAN ASSOCIATION FOR LANGUAGE TESTING AND ASSESSMENT – EALTA. Directrizes EALTA para a boa prática na avaliação de línguas, 2014. Disponível em: https://www.ealta.eu.org/documents/archive/guidelines/Portuguese.pdf. Acesso em: 19 abr. 2021.

FULCHER, G. Assessment literacy for the language classroom. Language Assessment Quarterly, Londres, v. 9, n. 2, p. 113-132, May 2012.

GREEN, A. Exploring language assessment and testing. Oxon, UK: Routledge, 2014.

GOTTLIEB, M. Assessing English language learners: bridges to educational equity. 2. ed. Thousand Oaks, CA: Corwin, 2016.

HANKS, W. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008.

HUVER, E.; SPRINGER, C. L’évaluation en langues nouveaux enjeux et perspectives. Paris: Didier, 2011.

INBAR-LOURIE, O. Language assessment culture. In: SHOHAMY, E.; HORNBERGER, N. H. (ed.). Encyclopedia of Language and Education. 2. ed. New York: Springer, 2008. p. 285-299. (Language Testing and Assessment, v. 7).

INBAR-LOURIE, O. Guest editorial to the special issue on language assessment literacy. Language testing, Lancaster, v. 30, n. 3, p. 301-307, July 2013.

JIA, Y. Ethical standards for language testing professionals: an introduction to five major codes. Shiken: JALT Testing & Evaluation SIG Newsletter, Tóquio, v. 13, n. 2, p. 2-8, Maio 2009.

KUNNAN, A. J. Language assessment from a wider context. In: HINKEL, E. (ed.). Handbook of research in second language teaching and learning. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 2005. p. 779-794.

KUNNAN, A. J. Evaluating language assessments. New York: Routledge, 2018.

LARSEN-FREEMAN, D. Teaching techniques in English as a second language. Oxford: Oxford University Press, 2000.

LAVEAULT, D. Le jugement professionnel de l’enseignant: quel impact sur l’acte d’évaluer. Mesure et évaluation en éducation, Ottawa, v. 28, n. 2, p. 93-114, May 2005.

LONG, M.; RICHARDS, J. (ed.). Methodology in TESOL: a book of readings. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

LUCKESI, C. C. A base ética da avaliação da aprendizagem na escola, [20--]. Disponível em: https://extensao.cecierj.edu.br/material_didatico/edc01/html/biblioteca/Base_etica_da_avaliacao.htm. Acesso em: 19 abr. 2021.

MACEDO, S. M. F. A dimensão ética do ato de avaliar no cenário educacional brasileiro de hoje. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, v. 7, n. 4, p. 107-119, 2013. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/6291. Acesso em: 23 abr. 2021.

MCNAMARA, T. Language testing. Oxford: Oxford University Press, 2000.

MENDEL, K.; SCHOFFEN, J. R. A avaliação integrada no exame Celpe-Bras e as tarefas de leitura e escrita. BELT: Brazilian English Language Teaching Journal, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 148-170, jul./dez. 2017.

MORENO OLIVOS, T. Consideraciones éticas en la evaluación. REICE: Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madri, v. 9, n. 2, p. 130-144, dic. 2011.

MOTTIER LOPEZ, L. Évaluations formative et certificative des apprentissages: enjeux pour l’enseignement. Louvain-la-Neuve: De Boeck Éducation, 2015. Edição Kindle.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PICCARDO, E.; NORTH, B. The action-oriented approach: a dynamic vision of language education. Bristol: Multilingual Matters, 2019.

PINHEIRO, L. A. Avaliação em francês língua estrangeira na perspectiva acional: atividades avaliativas mediadas por gêneros textuais. 2018. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2018.

PINHEIRO, L. A.; QUEVEDO-CAMARGO, G. Avaliação na perspectiva acional e integração das atividades de linguagem em língua estrangeira. Horizontes de Linguística Aplicada, Brasília, DF, v. 19, n. 2, p. 69-90, set. 2020.

QUEVEDO-CAMARGO, G. Efeito retroativo da avaliação na aprendizagem de línguas estrangeiras: que fenômeno é esse? In: MULIK, K. B.; RETORTA, M. S. (org.). Avaliação no ensino-aprendizagem de língua estrangeiras: diálogos, pesquisas e reflexões. Campinas, SP: Pontes, 2014. p. 77-93.

QUEVEDO-CAMARGO, G.; SCARAMUCCI, M. V. R. O conceito de letramento em avaliação de línguas: origem de relevância para o contexto brasileiro. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Catalão, GO, v. 22, n. 1, p. 225-245, jan./jun. 2018.

RETORTA, M. S.; MAROCHI, T. B. Avaliação em línguas estrangeiras: da teoria à prática. Curitiba: CRV, 2018.

REY, B. Culture de l’évaluation et exigences éthiques. Education Sciences & Society, Macerata, v. 2, n. 2, p. 97-108, July 2012.

RICHER, J.-J. Conditions d’une mise en oeuvre de la perspective actionnelle en didactique des langues. Recherche et pratiques pédagogiques en langues de spécialité – Cahiers de l’APLIUT, Paris, v. 33, n. 1, p. 33-49, mars 2014.

SCARAMUCCI, M. V. R. Letramento em avaliação (em contexto de línguas): contribuições para a Linguística Aplicada, Educação e Sociedade. In: JORDÃO, C. M. (org.). A Linguística Aplicada no Brasil: rumos e passagens. Campinas, SP: Pontes, 2016. p. 141-165.

SCHÜKLENK, U. Module one: introduction to research ethics. Developing World Bioethics, Kingston, Canada, v. 5, n. 1, p. 1-13, Mar. 2005.

SHOHAMY, E. The power of tests: a critical perspective on the uses of language tests. London: Longman, 2001.

SOARES, V. J.; MORAIS, C. W. J. Ética, educação e avaliação: contribuições da ética do discurso à práxis educativa. Curitiba: Secretaria de Educação, 2014. p. 1-17. (Cadernos PDE, v. I). Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_uepg_filo_artigo_valmir_jose_soares.pdf. Acesso em: 12 abr. 2021.

TAGLIANTE, C. L’évaluation et le cadre européen commun. Paris: CLÉ International, 2005.

TERRAZ, T.; DENIMAL, A. Construire la relation éducative: postulat d’éducabilité, bienveillance et altruisme. Questions Vives Recherches en Éducation, Marselha, n. 29, p. 1-18, mars 2018.

VASCONCELLOS, M. M. M. Avaliação e ética. 2. ed. Londrina, PR: Eduel, 2009.

VLADI, A. C. Developments in language testing with the focus on ethics. Journal of Education and Practice, Kharagpur, India, v. 6, n. 32, p. 9-13, Dec. 2015.

Downloads

Publicado

30-06-2021

Edição

Seção

Artigos