Influências da iniciação científica na pós-graduação

  • José Albertino Carvalho Lordelo Faculdade de Educação - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil.
  • Rodrigo Ferrer de Argôlo Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil
Palavras-chave: Iniciação científica, Pós-graduação, Produção técnico-científica, Formação científica.

Resumo

Este artigo avalia a influência da iniciação científica nos cursos de mestrado de uma instituição federal de ensino superior. Foram utilizados quatro indicadores para comparar os dados de concluintes de cursos de mestrado egressos e não egressos da iniciação científica. A população estudada foi constituída de 895 concluintes de mestrado, dos quais 242 eram egressos de programas de iniciação científica, e 653 eram não egressos. Os resultados revelam um efeito positivo na antecipação da realização da formação pós-graduada, na vinculação com a pesquisa e na produção científica dos egressos. A iniciação científica não teve influência sobre o tempo de conclusão do mestrado, comparado com o tempo de conclusão dos não egressos.

Biografia do Autor

José Albertino Carvalho Lordelo, Faculdade de Educação - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil.
 Professor Associado da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, na linha de Políticas, Gestão e Avaliação (Faced/UFBA). 
Rodrigo Ferrer de Argôlo, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil
Graduando do curso de Psicologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Bolsista do Programa de Iniciação Científica, atuando na linha de Políticas, Gestão e Avaliação.

Referências

ALVES, M. et al. A importância da iniciação científica para os alunos de graduação em Biomedicina. Revista Eletrônica Novo Enfoque, Rio de Janeiro, v. 11, n. 11, p. 61-66, 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. O que é plataforma Lattes. S.l.: CNPq, s.d. Disponível em: <http://www.lattes. ufba.br/>. Acesso em: 19 abr. 2012.

BRASIL. RN-017/2006. Bolsas por Quota no país. S.l.: CNPq, 2006. Disponível em: http://www.cnpq.br/web/guest/view/-/journal_content/56_ INSTANCE_0oED/10157/100352" l "rn17063" http://www.cnpq.br/web/guest/ view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/100352#rn17063>. Acesso em 19 abr. 2012.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/>. Acesso em: 11 ago. 2012.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portaria n. 64 de 24 de março de 2010. Brasília, DF: Capes, 2010. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/relatorios/Regulamento_ PROAP_Portaria64_240310.pdf>. Acesso em: 11 ago. 2012.

CARDOSO, G. P. et. al. Iniciação científica em medicina: uma questão de interesse para todas as especialidades. Revista Pulmão RJ, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, jan./mar. 2004. Disponível em: <http://sopterj.com.br/profissionais/_ revista/2004/n_01/02.pdf >. Acesso em: 15 fev. 2013.

FAVA-DE-MORAES, F.; FAVA, M. A Iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em Perspetiva, v. 14, n. 1, jan./mar. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-88392000000100008&script=sci_arttext>. Acesso em: 15 fev. 2013.

LORDELO, J. A. C. et al. Relatório de pesquisa impactos acadêmicos e econômicos da iniciação científica – IC na UFBA. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2013. Disponível em: <http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14760/>. Acesso em: 15 fev. 2013.

MASSI, L.; QUEIROZ, S. L. Estudos sobre iniciação científica no Brasil: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, p. 173-197, jan/.-abr. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v40n139/v40n139a09.pdf/>. Acesso em: 10 ago. 2012.

NEDER, R. T. A iniciação científica como ação de fomento do CNPq: o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC. 2001. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2001.

SANTOS, V. F.; ANDRADE, C. M. Retorno econômico e social da educação e da pesquisa acadêmica: algumas metodologias de mensuração. In: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Relatório de Pesquisa Impactos acadêmicos e econômicos da Iniciação Científica – IC na UFBA. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2013. p. 62-82.

TREVIZAN, M. A.; MENDES, I. A. C. Iniciação científica: modalidade de incentivo à pesquisa em enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v.12, n. 2, p. 33-38, 1991. Disponível em: <http://gepecopen.eerp.usp.br/files/artigos/Artigo46fin.htm>. Acesso em: 10 jan. 2013.

Publicado
22-06-2015
Seção
Outros Temas