Grupos de pesquisa em educação como objeto de estudo

Autores

Palavras-chave:

Grupo de Trabalho , Pesquisa em Educação , Habitus Científico

Resumo

Este artigo visa a contribuir para as discussões sobre grupos de pesquisa na área de educação e possi-bilidades metodológicas para a pesquisa sobre eles. A partir de literatura internacional especializada, o texto apresenta aspectos sobre a relevância dos grupos e um breve histórico dos grupos de pesquisa no Brasil, a situação da pesquisa sobre esses grupos da área de educação e as possibilidades de investigação. Foram delineadas cinco áreas de investigação, estruturadas em três níveis de abordagem: macro, meso e micro. Argumenta-se em favor da relevância de pesquisas sobre a temática, considerando que, ao lado das disciplinas na pós-graduação, sessões de orientação e participação em eventos científicos, grupos de pesquisa são espaços fundamentais para a aquisição do habitus científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

André, M. E. D. A. de. (2007). Grupos de pesquisa: Formação ou burocratização? Revista de Educação PUC-Campinas, 23, 133-138.

Arechavala Vargas, R., & Díaz Perez, C. (1996). El processo de desarrollo de grupos de investigación. Revista de la Educación Superior, 98, 1-18.

Bianchetti, L. (2021). Grupos de pesquisa e formação de orientadores: Tributo à Marli André (in memoriam). Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, 6(17), 181-190. https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2021.v6.n17.p181-190

Blasi, B., & Romagnosi, S. (2012). Social dynamics in scientific practices: Focus on research groups. Sociologia, 2, 66-77.

Bourdieu, P., & Wacquant, L. (2012). Una invitación a la sociología reflexiva. Siglo Vintiuno.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (1975). Conselho Nacional de Pós- -Graduação. Departamento de Documentação e Divulgação. I PNPG – Plano Nacional de Pós-Graduação. Capes. https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/I_PNPG.pdf

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (1982). II PNPG – Plano Nacional de Pós-Graduação 1982-1985. Capes. https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/ II_PNPG.pdf

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (1989). III PNPG Plano Nacional de Pós- -Graduação 1986-1989. Capes. https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/III_ PNPG.pdf

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2004). Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2005-2010. Capes. https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/ PNPG_2005_2010.pdf

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2010). Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2011-2020 (Vol. I). Capes. https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/livros-pnpg-volume-i-mont-pdf

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2017). Programa Institucional de Internacionalização – Capes-PrInt EDITAL nº. 41/2017. Capes. https://www1.capes.gov.br/images/ stories/download/editais/10112017-Edital-41-2017-Internacionalizacao-PrInt-2.pdf

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (s.d.). Diretório dos Grupos de Pesquisa – FAQ. CNPq. http://lattes.cnpq.br/web/dgp/faq/

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2016). Chamada CNPq n. 22/2016 – Pesquisa e Inovação em Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas. CNPq. http://memoria2. cnpq.br/web/guest/chamadas-publicas?p_p_id=resultadosportlet_WAR_resultadoscnpqportlet_ INSTANCE_0ZaM&filtro=encerradas&buscaModo=textual&tmp=1616848307040

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2017a). CNPq. DGPB – O que é. CNPq. http://lattes.cnpq.br/web/dgp/o-que-e/

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2017b). CNPq. FAQ. Q2. Para que serve o diretório? CNPq. http://lattes.cnpq.br/web/dgp/faq?p_p_id=54_ INSTANCE_39Zlb9kA3d0e&_54_INSTANCE_39Zlb9kA3d0e_struts_action=%2Fwiki_ display%2Fview&_54_INSTANCE_39Zlb9kA3d0e_nodeName=Main&_54_ INSTANCE_39Zlb9kA3d0e_title=Quest%C3%B5es+Gerais

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2020). Chamada CNPq n. 09/2020 – Bolsas de Produtividade em Pesquisa. CNPq. http://memoria2.cnpq.br/ web/guest/chamadas-publicas?p_p_id=resultadosportlet_WAR_resultadoscnpqportlet_ INSTANCE_0ZaM&filtro=encerradas&buscaModo=textual&tmp=1616849028055

Degn, L., Fransenn, T., Sorensen, M. P., & Rijcke, S. (2018). Research groups as communities of practice: A case study of four high-performing research groups. High Education, 76, 231-246. https://doi.org/10.1007/s10734-017-0205-2

Feldman, A., Divoll, K. A., & Rogan-Klyve, A. (2013). Becoming researchers: The participation of undergraduate and graduate students in scientific research groups. Science Education, 97(2), 218-243. https://doi.org/10.1002/sce.21051

Fernández Fastuca, L. (2018). Pedagogía de la formación doctoral. Teseo.

Gatti, B. A. (2005). Formação de grupos e redes de intercâmbio em pesquisa educacional: Dialogia e qualidade. Revista Brasileira de Educação, 30, 124-132. http://dx.doi.org/10.1590/S1413- 24782005000300010

Green, D. E. (1954). Group research. Science, 119, 444-445.

Horta, H., & Lacy, T. A. (2011). How does size matter for science? Exploring the effects of research unit size on academics’ scientific productivity and information exchange behaviors. Science and Public Policy, 38(6), 449-460. http://dx.doi.org/10.3152/030234211X12960315267813

Kyvik, S., & Reymert, I. (2017). Research collaboration in groups and networks: Differences across academic fields. Scientometrics, 113, 951-967. https://doi.org/10.1007/s11192-017-2497-5

López-Yáñez, J., & Altopiedi, M. (2015). Evolution and social dynamics of acknowledged research groups. High Education, 70, 629-647. https://doi.org/10.1007/s10734-014-9835-9

Mainardes, J. (2021a). Panorama dos grupos de pesquisa de política educacional no Brasil. Jornal de Políticas Educacionais, 15, 1-25. http://dx.doi.org/10.5380/jpe.v15i0.79217

Mainardes, J. (2021b). Grupos de pesquisa da área de educação no Brasil: Revisão de literatura. Cadernos de Educação, 65, 1-23.

Mainardes, J. (2022). Grupos de Pesquisa de Política Educacional: análise da opinião de líderes. Educação Unisinos, 26, 1-29. https://doi.org/10.4013/edu.2022.261.03

Morosini, M. C. (2008). Grupos de pesquisa no Brasil: A perspectiva do campo científico. In C. L. Broilo, & M. I. Cunha (Orgs.), Pedagogia universitária e produção do conhecimento (1a ed., pp. 83-104). EDIPUCRS.

Pereira, G. R. de M., & Andrade, M. da C. L. de. (2008). Aprendizagem científica: Experiência com grupo de pesquisa. In L. Bianchetti, & P. Meksenas (Orgs.), A trama do conhecimento: Teoria, método e escrita em ciência e pesquisa (pp. 153-168). Papirus.

Pucci, B. (2011). O grupo de pesquisa como espaço-tempo de parcerias, de produção científica e de formação humana: UFSCar – 1987-1990. Comunicações, 18(1), 41-51. https://doi.org/10.15600/2238-121X/ comunicacoes.v18n1p41-52

Resolução n. 5, de 10 de março de 1983. (1983). Fixa normas de funcionamento e credenciamento dos cursos de pós-graduação stricto sensu. Conselho Federal de Educação. http://www.prppg.ufpr.br/ppgecologia/ wp-content/uploads/2016/08/resolucao_cfe_05_1983.pdf

Rey-Rocha, J., Martín-Sempere, M. J., & Garzón, B. (2002). Research productivity of scientists in consolidated vs. non-consolidated teams: The case of Spanish university geologist. Scientometrics, 55, 137-156. http://dx.doi.org/10.1023/A:1016059222182

Rey Rocha, J., Martín Sempere, M. J., & Sebastián, J. (2008). Estructura y dinámica de los grupos de investigación. ARBOR Ciencia, Pensamiento y Cultura, 184(732), 743-757. https://doi.org/10.3989/ arbor.2008.i732.219

Robl, F., & Meneghel, S. M. (2003). Produção acadêmica em grupos de pesquisa em educação: O perfil dos GPs do Sistema ACAFE/SC. In H. C. T. Almeida (Org.), Desafios da educação neste século: Pesquisa e formação de professores (pp. 267-271). Unicruz.

Sánchez Gamboa, S. (2011). Grupos de pesquisa: Limites e possibilidades na construção de novas condições para a produção do conhecimento. Motrivivência, 23(36), 268-290. https://doi.org/10.5007/2175- 8042.2011v23n36p268

Shoulson, I. (2004). Sociology of collaborative research groups. Amyotrophic Lateral Sclerosis and Other Motor Neuron Disorders, 5(1), 118-120. https://doi.org/10.1080/17434470410019825

Vinha, J. F. de S. C. (2015). A pesquisa e a universidade no Brasil: Organização e institucionalização dos grupos de pesquisa em Geografia. Revista Brasileira de Educação em Geografia, 5(9), 29-55.

Wagenknecht, S. (2016). A social epistemology of research groups: Collaboration in scientific practice. Palgrave Macmillan.

Downloads

Publicado

2022-04-01

Como Citar

Mainardes, . J. (2022). Grupos de pesquisa em educação como objeto de estudo. Cadernos De Pesquisa, 52, e08532. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/8532

Edição

Seção

Teorias, Métodos, Pesquisa Educacional