Gênero e raça: um estudo sobre autoeficácia em física de alunos universitários

Autores

  • Iasmin Ramos Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Santarém (PA), Brasil
  • Andrey Camurça da Silva Instituto Federal do Pará (IFPA), Belém (PA), Brasil https://orcid.org/0000-0001-7253-2995
  • Glauco Cohen F. Pantoja Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Santarém (PA), Brasil https://orcid.org/0000-0001-5670-8006

Palavras-chave:

Autoeficácia, Física , Relações de Gênero , Raça

Resumo

As crenças de autoeficácia vêm sendo recentemente investigadas na pesquisa em ensino de física e
mostram-se relevantes para estudo da autoavaliação de indivíduos sobre o desempenho percebido em
tarefas específicas. Realizamos um estudo exploratório com 170 estudantes da Universidade Federal
do Oeste do Pará para responder ao seguinte questionamento: “como varia a autoeficácia, em física,
de alunos da Universidade Federal do Oeste do Pará nas dimensões identidade de gênero e raça/cor?”.
Os resultados da aplicação do questionário Sources of Self-Efficacy in Science Courses, traduzido para
português e revalidado com α = 0,94, indicam diferenças de média moderadas na autoeficácia em física
a favor dos homens, com tais variações associadas principalmente à fonte de experiência vicária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iasmin Ramos, Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Santarém (PA), Brasil

- Licencianda em Matemática e Física

Andrey Camurça da Silva, Instituto Federal do Pará (IFPA), Belém (PA), Brasil

- Licenciado em Matemática e Física (UFOPA)

- Aluno de especialização do Instituto Federal do Pará (Campus Santarém)

- Professor na empresa Meu Dever de Casa

Referências

Anderson, S. L., & Betz, N. E. (2001). Sources of social self-efficacy expectations: Their measurement and relation to career development. Journal of Vocational Behavior, 58(1), 98-117.

Bandura, A. (1977). Self-efficacy: Toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, 84(2), 191.

Bandura, A. (1986). Social foundations of thought and action: A social cognitive theory. Prentice Hall.

Bandura, A. (1994). Self-efficacy. In V. S. Ramachaudran (Ed.), Encyclopedia of human behavior (Vol. 4, pp. 71-81). Academic Press. (Reprinted in: H. Friedman (Ed.). (1998). Encyclopedia of mental health. Academic Press).

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: The exercise of control. Worth Publishers.

Bandura, A. (2006). Toward a psychology of human agency. Perspectives on Psychological Science, 1(2), 164-180.

Bandura, A. (2008). A evolução da teoria social cognitiva. In A. Bandura, R. G. Azzi, & S. A. J. Polydoro (Orgs.), Teoria social cognitiva: Conceitos básicos (pp. 15-41). Artmed.

Barros, M., & Batista-Dos-Santos, A. C. (2010). Por dentro da autoeficácia: Um estudo sobre seus fundamentos teóricos, suas fontes e conceitos correlatos. Revista Espaço Acadêmico, 10(112), 1-9.

Barton, A. C., & Yang, K. (2000). The culture of power and science education: Learning from Miguel. Journal of Research in Science Teaching, 37(8), 871-889. https://doi.org/10.1002/1098- 2736(200010)37:8<871::AID-TEA7>3.0.CO;2-9

Buck, G. A., Mills, M., Wang, J., & Yin, X. (2014). Evaluating and exploring a professional conference for undergraduate women in physics. Journal of Women and Minorities in Science and Engineering, 20(4), 359-377. https://doi.org/10.1615/JWomenMinorScienEng.2014008011

Cantal, A., & Pantoja, G. (2019). Mulheres no curso de Licenciatura Integrada em Matemática e Física da Universidade Federal do Oeste do Pará: Mapeando trajetórias sob a perspectiva de gênero. Gênero na Amazônia, 15(1), 120-133.

Cargnelutti Filho, A., Storck, L., & Lúcio, A. D. (2003). Ajustes de quadrado médio do erro em ensaios de competição de cultivares de milho pelo método de Papadakis. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 38(4), 467-473.

Cervo, A. L., & Bervian, P. A. (1996). Metodologia científica (4a ed.). Makron Books do Brasil.

Dancey, C., & Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para a psicologia. Bookman.

Espinosa, T. (2016). Aprendizagem de física, trabalho colaborativo e crenças de autoeficácia: Um estudo de caso com o método Team-Based Learning em uma disciplina introdutória de eletromagnetismo. [Dissertação de mestrado em Ensino de Física]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Espinosa, T., Araujo, I. S., & Veit, E. A. (2019a). Crenças de autoeficácia em aprender física e trabalhar colaborativamente: Um estudo de caso com o método Team-Based Learning em uma disciplina de física básica. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 12(1), 69-94.

Espinosa, T., Miller, K., Araujo, I. S., & Mazur, E. (2019b). Reducing the gender gap in students’ physics self-efficacy in a team-and project-based introductory physics class. Physical Review Physics Education Research, 15, Artigo 010132.

Espírito Santo, H., & Daniel, F. (2017). Calcular e apresentar tamanhos do efeito em trabalhos científicos: As limitações do p < 0,05 na análise de diferenças de médias de dois grupos. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 1(1), 3-16.

Feehan, P. F., & Johnston, J. A. (1999). The self-directed search and career self-efficacy. Journal of Career Assessment, 7(2), 145-159.

Fencl, H. S., & Scheel, K. R. (2004). Pedagogical approaches, contextual variables, and the development of student self-efficacy in undergraduate physics courses. In J. Marx, S. Franklin, & K. Cummings (Eds.), Physics Education Research Conference: AIP Conference Proceedings 720 (p. 173). AIP.

Fencl, H. S., & Scheel, K. R. (2005). Engaging students: An examination of the effects of teaching strategies on self-efficacy and course climate in a nonmajors physics course. Journal of College Science Teaching, 35(1), 20-24.

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2006). Investigação em educação matemática: Percursos teóricos e metodológicos. Autores Associados.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). Atlas.

Gillespie, D., & Hillman, S. B. (1993, August, 20-24). Impact of self-efficacy expectations on adolescent career choice. 101st Annual Meeting of the American Psychological Association, Toronto.

Giuffre, M. (1997a). Designing research survey design − Part one. Journal of PeriAnesthesia Nursing, 12(4), 275-280.

Giuffre, M. (1997b). Designing research survey design − Part two. Journal of PeriAnesthesia Nursing, 12(5), 358-362.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6a ed.). Bookman.

Hora, H. R. M., Monteiro, G. T. R., & Arica, J. (2010). Confiabilidade em questionário para qualidade: Um estudo com o coeficiente alfa de Cronbach. Produto & Produção, 11(2), 85-103.

Howell, D. C. (2012). Statistical methods for psychology (7a ed.). Cengage Learning.

Kelly, K. R., & Nelson, R. C. (1999). Task specific occupational self-efficacy scale: A predictive validity study. Journal of Career Assessment, 7(4), 381-392.

Knechtel, M. R. (2014). Metodologia da pesquisa em educação: Uma abordagem teórico-prática dialogada. Intersaberes.

Lent, R. W., Brown, S. D., & Larkin, K. C. (1986). Self-efficacy in the prediction of academic performance and percieved career options. Journal of Counseling Psychology, 33(3), 265-269.

Lent, R. W., Lopez, F. G., & Bieschke, K. J. (1991). Mathematics self-efficacy: Sources and relation to science-self-efficacy: Sources and relation to science based career choice. Journal of Counseling Psychology, 38(4), 424-430.

Li, Y., Whitcomb, K., & Singh, C. (2020). How perception of being recognized or not recognized by instructors as a “physics person” impacts male and female students’ self-efficacy and performance. arXiv, preprint arXiv: 2007.07440.

Lima, B. S. (2011). Quando o amor amarra: Reflexões sobre as relações afetivas e a carreira científica. Revista Gênero, 12(1), 9-21. https://doi.org/10.22409/rg.v12i1

Lima, B. S. (2013). O labirinto de cristal: As trajetórias das cientistas na Física. Revista Estudos Feministas, 21(3), 883-903. https://doi.org/10.1590/S010026X2013000300007

Lopes, M. M., Branco, V. T. F. C., & Soares, J. B. (2013). Utilização dos testes estatística de Kolmogorov- -Smirnov e Shapiro-Wilk para verificação da normalidade para materiais de pavimentação. Revista Transportes, 21(1), 59-66.

Matsui, T. (1994). Mechanisms underlying sex differences in career self-efficacy expectations of university students. Journal of Vocational Behavior, 45(2), 177-184.

Nascimento, D. C., Melo, G. F., Prestes, J., & Tibana, R. A. (2015). Testes de normalidade em análises estatísticas: Uma orientação para praticantes em ciências da saúde e atividade física. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, 14(2), 73-77.

Nauta, M. M. (2004). Self-efficacy as a mediator of the relationships between personality factors and career interests. Journal of Career Assessment, 12(4), 381-394.

Nehmeh, G., & Kelly, A. M. (2018). Women physicists and sociocognitive considerations in career choice and persistence. Journal of Women and Minorities in Science and Engineering, 24(2), 95-119. https://doi.org/0.1615/JWomenMinorScienEng.2017019867

Nunes, M. F. O. (2008). Funcionamento e desenvolvimento das crenças de auto-eficácia: Uma revisão. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 9(1), 29-42.

Nunes, M. F. O., & Noronha, A. P. P. (2008). Análise correlacional entre interesses e auto-eficácia para atividades ocupacionais. In Anais da IV Conferência Desenvolvimento Vocacional / I Virtual: Investigação e Ensino, Braga, Portugal.

Oliveira, K. L. (2008). Escala de estratégias de aprendizagem para o ensino fundamental: Análise de suas propriedades psicométricas. [Tese de doutorado]. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/251798

Osorio, R. (2003). O sistema classificatório de “cor ou raça” do IBGE (Texto para discussão, n. 996). Ipea.

Pajares, F. (2002). Overview of social cognitive theory and of self-efficacy. http://www.uky.edu/~eushe2/Pajares/ eff.html

Pajares, F., & Olaz, F. (2008). Teoria social cognitiva e auto-eficácia: uma visão geral. In A. Bandura, R. G. Azzi, & S. A. J. Polydoro (Orgs.), Teoria social cognitiva: Conceitos básicos (pp. 97-114). Artmed.

Pasquali, L. (2003). Psicometria: Teoria dos testes na psicologia e na educação (2a ed.). Vozes.

Pinto, É. J. S., Carvalho, M. E. P., & Rabay, G. (2012). Escolhas de cursos superiores de estudantes do ensino médio segundo a condição de cor e sexo. Cadernos Imbondeiro, 2(1), 1-12.

Rodríguez-Sierra, O. (2016). A representação binária do cérebro “feminino” e “masculino” na ciência e nos meios de comunicação. Revista da Biologia, 15(1), 56-64.

Rudio, F. V. (2007). Introdução ao projeto de pesquisa científica (34a ed.). Vozes.

Santos, V. M. dos. (2016). Uma “perspectiva parcial” sobre ser mulher, cientista e nordestina no Brasil. Revista Estudos Feministas, 24(3), 801-824. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2016v24n3p801

Sarstedt, M., & Mooi, E. (2011). A concise guide to market research. The process, data, and methods using IBM SPSS Statistics. Springer.

Sawtelle, V. (2011). A gender study investigating physics self-efficacy. [Tese de doutorado em Física]. Florida International University, Miami, Florida.

Scudino, P. A. (2008). A utilização de alguns testes estatísticos para análise da variabilidade do preço do mel nos municípios de Angra dos Reis e Mangaratiba, Estado do Rio de Janeiro. [Monografia de licenciado e bacharel em Matemática]. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ.

Selau, F. F., Espinosa, T., Araujo, I. S., & Veit, E. A. (2019). Fontes de autoeficácia e atividades experimentais de física: Um estudo exploratório. Revista Brasileira de Ensino de Física, 41(2), Artigo e20180188.

Silva, D. A. F., Morais, R. F., Almeida, V. M., Ossofo, A. A., Oliveira. T. G., & Santos, A. C. F. (2019). Identidades de gênero e de raça nas trajetórias acadêmicas em ciências exatas. Perspectivas da Educação Matemática, 11(27), 582-604.

Silva, F. F. da. (2012). Mulheres na ciência: Vozes, tempos, lugares e trajetórias. [Tese de doutorado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Silva, F. F. da, & Ribeiro, P. R. C. (2014). Trajetórias de mulheres na ciência: “Ser cientista” e “ser mulher”. Ciência & Educação, 20(2), 449-466. https://doi.org/10.1590/1516-73132014000200012

Silva, V. G. (2008). Os testes psicológicos e as suas Práticas. Psicologia.pt – O Portal dos Psicólogos.

https://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?codigo=A0448

Sisto, F. F. (2005). Desenho da figura humana – Escala Sisto. Vetor.

Traxler, A., Cid, X. C., Blue, J., & Barthelemy, R. (2016). Enriching gender in Physics education research: A binary past and a complex future. Physical Review Physics Education Research, 12(2), 1-15. https://doi.org/10.1103/PhysRevPhysEducRes.12.020114

Tukey, J. W. (1953). The problem of multiple comparisons: Unpublished manuscript. In The Collected Works of John W. Tukey VIII. Multiple Comparisons: 1948-1983 1-300. Chapman and Hall.

Vidor, C. de B., Danielsson, A., Rezende, F., & Ostermann, F. (2020). Quais são as representações de problemas e os pressupostos sobre gênero subjacentes à pesquisa em gênero na física e no ensino de física? Uma revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 20, 1095-1132. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u10951132

Vieira, D., & Coimbra, J. L. (2006). A auto-eficácia na transição para o trabalho. In R. G. Azzi, & S. A. J. Polydoro (Orgs.), Auto-eficácia em diferentes contextos (pp. 25-58). Alínea.

Vieira, S. (2009). Como elaborar questionários. Atlas.

Publicado

2022-03-30

Como Citar

Ramos, . I., Silva, A. C. da ., & Pantoja, G. C. F. . (2022). Gênero e raça: um estudo sobre autoeficácia em física de alunos universitários. Cadernos De Pesquisa, 52, e08465. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/8465

Edição

Seção

Educação Superior, Profissões, Trabalho