Implicações das avaliações externas para o trabalho docente coletivo

Renata Cristina Oliveira Barrichelo Cunha, Andreza Barbosa, Maria José da Silva Fernandes

Resumo


Este trabalho sistematiza parte dos resultados de uma pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, que se propõe a analisar, entre outros aspectos, como as avaliações externas, em especial o Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo, estão afetando o planejamento e os encaminhamentos das aulas de trabalho pedagógico coletivo de uma escola estadual paulista no que se refere à discussão do projeto político-pedagógico. Os dados sistematizados derivam da análise de pautas e atas referentes ao trabalho docente coletivo desenvolvido em 2014, bem como de um encontro no qual se discutiram os índices obtidos pela escola nas avaliações externas. Os resultados evidenciam que a preocupação com as metas e índices se sobrepõe à discussão da proposta pedagógica, esvaziando o trabalho docente coletivo de seu sentido articulador e integrador.


Palavras-chave


Avaliação Externa; Organização do Trabalho Docente; Gestão Pedagógica da Escola; SARESP.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, Ivan. Avaliação externa da escola: repercussões, tensões e possibilidades. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 54, p. 32-55, jan./abr. 2013.

BALL, Stephen J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, Portugal, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BARBOSA, Andreza; FERNANDES, Maria J. S. O pagamento por desempenho no contexto das reformas educacionais paulistas. Comunicações, Piracicaba, n. 2, p. 45-59, jul./dez. 2013.

BARBOSA, Liliane C. M.; VIEIRA, Lívia F. Avaliações externas estaduais: possíveis implicações para o trabalho docente. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 409-433, ago. 2013.

BIRGIN, Alejandra. Novas regulações do trabalho docente: o caso da reforma argentina. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 111, p. 95-113, dez. 2000.

BONAMINO, Alícia; SOUSA, Sandra Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun. 2012.

CARVALHO, Cynthia P.; OLIVEIRA, Ana C. P.; LIMA, Maria F. M. Avaliações externas: tensões e desafios para a gestão escolar. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 59, p. 50-76, set./dez. 2014.

CHARLOT, Bernard. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 30, p. 17-31, jul./dez. 2008.

CUNHA, Renata C. O. B.; OMETTO, Cláudia B. C. N. O trabalho coletivo na escola: o projeto político-pedagógico como pauta de formação. Educação, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 402-411, set./dez. 2013.

DIAS-DA-SILVA, Maria H. G. F.; FERNANDES, Maria J. S. As condições de trabalho dos professores e o trabalho coletivo: mais uma armadilha das reformas educacionais neoliberais? In: SEMINÁRIO DA REDE LATINO- AMERICANA DE ESTUDOS SOBRE TRABALHO DOCENTE – REDE ESTRADO, 6., 2006, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Rede Estrado, 2006. 1 CD-ROM.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação educativa: produção de sentidos com valor de formação. Avaliação, Campinas, v. 13, n. 1, p. 193-207, mar. 2008.

DUARTE, Adriana. M. C. Políticas educacionais e o trabalho docente na atualidade: tendências e contradições. In: OLIVEIRA, Dalila A.; DUARTE, Adriana M. C. (Org.). Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, Antonio; FINGER, Matthias (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010. p. 31-58.

GIOVANI, Luciana M. Do professor informante ao professor parceiro: reflexões sobre o papel da universidade para o desenvolvimento profissional de professores e as mudanças na escola. Caderno Cedes, Campinas, v. 19, n. 44, abr. 1998.

HYPOLITO, Álvaro M. Políticas curriculares, Estado e regulação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1337-1354, out./dez. 2010.

LIMA, Licínio. Avaliação, competitividade e hiperburocracia. In: ALVES, Maria P.; KETELE, Jean-Marie (Org.). Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo. Porto: Porto, 2011. p. 71-82.

LIMA, Licínio. Elementos de hiperburocratização da administração educacional. In: LUCENA, Carlos; SILVA JÚNIOR, João R. (Org.). Trabalho e educação no século XXI: experiências internacionais. São Paulo: Xamã, 2012. p. 129-158.

LIMA, Marcos W. As exigências de performatividade e seus impactos na identidade dos diretores escolares: município de Contagem-MG. 2011. 196 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

NOVAES, Luiz C. Os impactos da avaliação externa sobre o trabalho de professores na rede estadual paulista. Roteiro, Videira, SC, v. 39, n. 2, p. 283-310, jul./dez. 2014.

OLIVEIRA, Dalila A. Trabalho docente. In: OLIVEIRA, Dalila A.; DUARTE, Adriana M. C.; VIEIRA, Lívia M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CD-ROM.

ROCKWELL, Elsie; EZPELETA, Justa. A escola: relato de um processo inacabado de construção. Currículo sem Fronteiras, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 131-147, jul./dez. 2007.

SÃO PAULO (Estado). Lei Complementar n. 909, de 28 de dezembro de 2001. Institui o Bônus Mérito às classes de docentes do Quadro do Magistério e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.

SÃO PAULO (Estado). Lei Complementar n. 1.078, de 17 de dezembro de 2008. Institui Bonificação por Resultados – BR, no âmbito da Secretaria da Educação, e dá providências correlatas. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Coordenadoria de Gestão de Educação Básica – CGEB. Orientações para o planejamento escolar 2014. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Coordenadoria de Gestão de Educação Básica – CGEB. Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional – CIMA. Resolução SE n. 45, de 10 de julho de 2013. Dispõe sobre a realização das provas de avaliação relativas ao Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo – SARESP/2013.

Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.

SOUSA, Sandra Z. Possíveis impactos das políticas de avaliação no currículo escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 175-190, jul. 2003.

SOUSA, Sandra Z.; MAIA, Márcia M. V.; HAAS, Célia M. Avaliação, índices e bonificação: controvérsias por dados da rede estadual paulista. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 58, p. 188-209, maio/ago. 2014.

SOUSA, Sandra Z.; OLIVEIRA, Romualdo Portela. Sistemas estaduais de avaliação: uso dos resultados, implicações e tendências. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 141, p. 793-822, set./dez. 2010.

VEIGA, Ilma P. A. A escola em debate: gestão, projeto político-pedagógico e avaliação. Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, v. 7, n. 12, p. 159-166, jan./jun. 2013.

VEIGA, Ilma P. A. Inovações e projeto político-pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? Cadernos CEDES, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dez. 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae266203288

Apontamentos

  • Não há apontamentos.