Aprendizagens ambientais de estudantes sobre o rio doce: relações e sentidos

Maria Celeste Reis Fernandes de Souza, Renata Bernardes Faria Campos, Thiago Martins Santos, Eliene Nery Santana Enes

Resumo


O texto apresenta resultados de um estudo que visa a compreender as relações que estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental estabelecem com o rio Doce no contexto do rompimento da barragem de Fundão. O aporte teórico e metodológico são as contribuições de Bernard Charlot em diálogo com o campo da educação ambiental. Os dados foram gerados por meio de balanço de saber e de entrevistas. Os resultados indicam preponderância de aprendizagens afetivas sobre as aprendizagens escolares e cidadãs. Por sua vez, é para a escola que os estudantes direcionam suas demandas de aprendizagens, atribuindo-lhes sentidos no contexto do desastre sociotécnico. Afirma-se a importância da escola para a tomada de decisões coletivas e para a atuação no contexto do desastre de forma socialmente responsável.

Aprendizagem, Educação Ambiental, Meio Ambiente

 

Relations and meanings on students’ environmental learnings about the Rio Doce

The paper presents the results of a study that aims to understand the relations that 9th-grade students establish with the Rio Doce, in the context of the Fundão dam rupture. The theoretical and methodological basis are the contributions of Bernard Charlot, in dialogue with the field of environmental education. The data were generated through the balance of knowledge and interviews. The results indicate the preponderance of affective learnings over school and citizen learnings. In turn, it is towards the school that students direct their learning demands, giving them meanings in the context of the socio-technical disaster. The importance of the school for collective decision-making and socially responsible action in the context of the disaster is herefore affirmed.

Learning, Environmental Education, Environment

 

Apprentissages des élèves concernant l’environnement du Rio Doce: rapports et sens

Ce texte présente les résultats d’une étude visant à comprendre les rapports que des élèves de troisième entretiennent avec le Rio Doce après la rupture du barrage minier du Fundão. Le cadre théorique et méthodologique est basé sur la contribution de Bernard Charlot en dialogue avec le domaine de l’éducation environnementale. Les données ont été obtenues par moyen d’un bilan de la litterature et d’entretiens. Les résultats indiquent que les apprentissages d’ordre affectif prédominent sur les apprentissages scolaires et citoyens. Ce sont les élèves eux-mêmes qui demandent à l’école des enseignements qu’ils considerent significatifs dans le contexte du désastre socio-technique. L’importance de l’école dans la prise de décisions collectives et pour l’action socialement responsable dans le contexte du désastre est soulignée.

Apprentissage, Éducation Environnementale, Environnement

 

Aprendizaje ambiental de estudiantes sobre el Rio Doce con un enfoque en las relaciones y sentidos

El texto presenta los resultados de un estudio que tiene como objetivo comprender las relaciones que los estudiantes de noveno año de enseñanza básica establecen con el río Doce en el contexto de la ruptura de la presa de Fundão. Las aportaciones teórica y metodológica vienen dadas por las ideas de Bernard Charlot en diálogo con el área de la educación ambiental. Los datos se generaron a través de un equilibrio entre conocimientos y entrevistas. Los resultados indican una preponderancia del aprendizaje afectivo sobre el aprendizaje escolar y ciudadano. A su vez, es a la escuela donde los estudiantes dirigen sus demandas de aprendizaje, asignándoles sentidos en el contexto del desastre socio-técnico. Se afirma la importancia de la escuela para la toma de decisiones colectivas y para actuar en el contexto del desastre de una manera socialmente responsable.

Aprendizaje, Educación Ambiental, Medio Ambiente


Palavras-chave


Aprendizagem, Educação Ambiental, Meio Ambiente

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução n.º 02, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília: MEC, 2012.

CAMPOS, Renata B. F.; SANTOS, Thiago M.; SOUZA, Maria Celeste R. F. de; ENES, Eliene N. S. Risco, desastre e educação ambiental: a terceira margem do Rio Doce. Revista PerCursos, Florianópolis, v. 18, n. 36, p. 66-94, jan./abr. 2017. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724618362017066 Acesso em: jul. 2019.

CARVALHO, Isabel M. C. A invenção do sujeito ecológico: identidade e subjetividade na formação de educadores ambientais. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel C. M. (org.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 51-74.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

CHARLOT, Bernard (org.). Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

CHARLOT, Bernard. Fundamentos e usos do conceito de relação com o saber. In: DIEB, Messias (org.). Relações e saberes na escola: os sentidos do aprender e do ensinar. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 173-181.

CHARLOT, Bernard. A relação com o saber nos meios populares: uma investigação nos liceus profissionais de subúrbio. Porto: Livpsic, 2009.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

CHARLOT, Bernard; SILVA, Veleida A. Relação com a natureza e educação ambiental. In: SATO, Michéle; CARVALHO, Isabel C. M. (org.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 65-76.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE – CBH-Doce. A bacia. Governador Valadares: CBH-Doce, ca. 2019. Disponível em: http://www.cbhdoce.org.br/. Acesso em: jul. 2019.

FREITAS, Carlos M. de; SILVA, Mariano A. da; MENEZES, Fernanda C. de. O desastre na barragem de mineração da Samarco: fratura exposta dos limites do Brasil na redução de risco de desastres. Ciência e Cultura, v. 68, n. 3, p. 25-30, jul./set. 2016. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0009-67252016000300010 Acesso em: jul. 2019.

GOVERNADOR VALADARES. Secretaria Municipal de Educação. Escola em Tempo Integral. Caderno de Diretrizes Curriculares 4. Sustentabilidade e Protagonismo. Governador Valadares, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA. Governador Valadares. Rio de Janeiro: IBGE, ca. 2010. Disponível em: cod.ibge.gov.br/53U. Acesso em: jul. 2019.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS. Encarte especial sobre a qualidade das águas do Rio Doce após 3 anos do rompimento da Barragem de Fundão: 2015-2018. Belo Horizonte: Igam, 2018. Disponível em: http:// www.igam.mg.gov.br/images/stories/2018/QUALIDADE_DA_AGUA/ENCARTE_Tres_ANOS.pdf. Acesso em: ago. 2019.

JACOBI, Pedro Roberto. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205, mar. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100- 15742003000100008&lng=pt&nrm=iso Acesso em: jun. 2019.

JACOBI, Pedro Roberto. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250, maio/ago. 2005.

LOSEKANN, Cristiana. Não foi acidente: o lugar das emoções na mobilização dos afetados pela ruptura da barragem de refeitos da mineradora Samarco no Brasil. In: ZHOURI, Andréa (org.). Mineração, violências e resistências: um campo aberto à produção do conhecimento no Brasil. Marabá, PA: Editorial iGuana; ABA, 2018. p. 65-108.

LOUREIRO, Carlo F. B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012.

MILANEZ, Bruno; LOSEKANN, Cristiana (org.). Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital; Letra e Imagem, 2016.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana. Relatório: avaliação dos efeitos e desdobramentos do rompimento da barragem de Fundão em Mariana-MG. Belo Horizonte, 2016. Disponível em: www.urbano.mg.gov.br/images/NOTICIAS/2016/relatorio_final.pdf. Acesso em: mar. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Água potável: direito humano fundamental. Rio de Janeiro: Centro de Informações das Nações Unidas no Brasil, 12 dez. 2014. Disponível em: https://nacoesunidas.org/ agua-potavel-direito-humano-fundamental/. Acesso em: set. 2019.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – OCDE. Pisa em foco. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2012. v. 21. Disponível em: http://download. inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/pisa_em_foco/2013/pisa_em_foco_n21.pdf. Acesso em: ago. 2019.

PENIDO, Marina de O. Bio(necro)política da mineração: quando o desastre atinge o corpo-território. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 63, n. 2, p. 38-51, jul./dez. 2018. Disponível em: https://rbg.ibge.gov. br/index.php/rbg/article/view/1827. Acesso em: ago. 2019.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2017.

RODRIGUES, Daiana E.; CRUZ, Marina A. C.; DIAS, Ana Paula de M.; SILVA, Camilla V. P.; LAGES, Clarissa S.; MARCELINI, Marcus V.; CRUZ, Janaína A. S. Algumas análises sobre os impactos à saúde do desastre em Mariana (MG). In: MILANEZ, Bruno; LOSEKANN, Cristiana (org.). Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital; Letra e Imagem, 2016. p. 163-193.

RODRIGUES, Marcelo; LENZA, Pedro (org.). Direito ambiental esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2015.

SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel C. M. (org.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SAUVÉ, Lucie. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, maio/ago. 2005a.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel C. M. (org.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005b. p. 17-45.

SCIREA, Bruna. Produto desenvolvido no RS acelera limpeza da água do Rio Doce. GaúchaZH, Geral, 17 nov. 2015. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2015/11/produto-desenvolvido-no-rs-acelera-limpeza-da-agua-do-rio-doce-4905728.html. Acesso em: nov. 2019.

SOUZA, Maria Celeste R. F. Estudantes em tempo integral no campo: aprendizagens, processos e sentidos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n.161, p. 756-782, jul./set. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742016000300756&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: fev. 2019.

ZHOURI, Andréa (org.). Mineração, violências e resistências: um campo aberto à produção do conhecimento no Brasil. Marabá, PA: Editorial iGuana; ABA, 2018.

ZHOURI, Andréa; OLIVEIRA, Raquel; ZUCARELLI, Marcos; VASCONCELOS, Max. O desastre no Rio Doce: entre as políticas de reparação e a gestão das afetações. In: ZHOURI, Andréa (org.). Mineração, violências e resistências: um campo aberto à produção do conhecimento no Brasil. Marabá, PA: Editorial iGuana; ABA, 2018. p. 28-64.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.