De diagnósticos e prognósticos: laudos na configuração de muitas experiências escolarização

Marcos Cezar de Freitas, Eduardo de Campos Garcia

Resumo


Este artigo analisa o tema dos laudos médicos na configuração de experiências de escolarização. Trata-se de um tema muito presente desde o início do século XXI, associado à produção de diagnósticos individuais, como a indicação da dislexia ou do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade para explicar o fracasso escolar. Com base em pesquisas realizadas nos últimos anos, o presente estudo analisa criticamente como o tema da patologização da vida escolar é mais abrangente. Essa maior abrangência diz respeito à presença histórica dos laudos em experiências de segregação escolar. E não é somente questão histórica. No atual cenário, a escolarização de crianças com deficiência ou cronicamente enfermas é marcada pela subordinação dos argumentos pedagógicos à lógica estigmatizante dos laudos.

Escolarização, Deficiências, Fracasso Escolar, Dislexia.


Diagnostics and prognostics: reports on the configuration of many experiences of schooling

This article examines the topic of medical reports on the experiences of schooling. This topic has been widely discussed since the beginning of the 21st century, associated with the production of individual diagnoses, such as the indication of dyslexia or attention deficit/hyperactivity disorder, to explain school failure. Based on surveys conducted in recent years, this study critically examines the theme of pathologizing school life as more comprehensive. This greater inclusiveness concerns the historical presence of reports on experiences of school segregation. And, it is not just a matter of history. In the current scenario, the schooling of disabled or chronically ill children is marked by the subordination of pedagogical arguments to the stigmatizing logic of the reports.

Schooling, Deficiencies, School failure, Dyslexia.

 

Des diagnostiques aux pronostiques: rôle des certificats médicaux dans la configuration de nombreuses expériences de scolarisation

Cet article analyse le thème des certificats médicaux dans la configuration d’expériences de scolarisation. Il s’agit d’un thème très présent depuis le début du XXIe siècle, associé la production de diagnostics individuels, tels que l’identification de la dyslexie, du trouble du déficit d’attention ou de l’hyperactivité, pour expliquer l’échec scolaire. Basée sur des recherches menées ces dernières années, cette étude analyse de façon critique comment la pathologisation de la vie scolaire est une question plus vaste. Cette ampleur s’explique, em partie, par la présence historique des certificats médicaux dans les expériences de ségrégation scolaire. Ce n’est pas qu’une question historique. Dans le scénario actuel, la scolarisation d’enfants handicapés ou atteints de maladies chroniques est marquée par la subordination des arguments pédagogiques à la logique stigmatisante des certificats médicaux.

Scolarisation, Carences, Échec scolaire, Dyslexie.

 

Sobre diagnósticos y pronósticos: informes en la configuración de muchas experiencias de escolarización

Este artículo analiza el tema de los informes médicos en la configuración de las experiencias de escolarización. Este es un tema muy común desde principios del siglo XXI, asociado con la producción de diagnósticos individuales, como la indicación de dislexia o trastorno por déficit de atención e hiperactividad para explicar el fracaso escolar. Basado en la investigación realizada en los últimos años, el presente estudio analiza críticamente cómo el tema de patologización de la vida escolar es más completo. Este alcance más amplio se refiere a la presencia histórica de informes en experiencias de segregación escolar. Y no es solo un asunto histórico. En el escenario actual, la escolarización de niños con discapacidades o enfermos crónicos está marcada por la subordinación de los argumentos pedagógicos a la lógica estigmatizante de los informes.

Escolaridad, Deficiencias, Fracaso escolar, Dislexia.


Palavras-chave


Escolarização, Deficiências, Fracasso Escolar, Dislexia.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGELUCCI, Carla; SOUZA, Beatriz de Paula (org.). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 2010.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de M.; AMADO, Janaína (org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 183-191.

BOURDIEU, Pierre. O senso prático. Petrópolis: Vozes, 2012.

BRASIL. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Resolução n. 41, de 13 de outubro de 1995. Diário Oficial da União, Brasília, 17 out. 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Brasília: MEC/Seesp, 2002.

CARVALHO, Marta M. C. Quando a história da educação é a história da disciplina e da higienização das pessoas. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2017. p. 395-416.

COLLARES, Cecilia Azevedo Lima. O cotidiano escolar patologizado: espaço de preconceitos e práticas cristalizadas. 1995. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Medicina, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

CORREA, Mariza. Cidade dos menores: uma utopia dos anos 30. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2017. p. 143-164.

COSTA, Patrícia da Silva. Crianças e a memória do confinamento. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação e Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2010.

CURI, Luciano Marcos. Excluir, isolar e conviver: um estudo sobre a lepra e a hanseníase no Brasil. 2010. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

DUCATTI, Ivan. A hanseníase na Noruega, segundo os arquivos de Bergen. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 25., 2009, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: Associação Nacional de História, 2009. p. 20-29.

FARIA, Amanda Rodrigues. Hanseníase, experiências de sofrimento e vida cotidiana num ex-leprosário. 2009. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

FREITAS, Marcos Cezar de. O aluno incluído na educação básica: avaliação e permanência. São Paulo: Cortez, 2013.

FREITAS, Marcos Cezar de; ARAUJO, Nina Rosa. Relato de experiência com crianças surdas na escola pública: a importância estratégica da língua de sinais. Periódico Horizontes, Itatiba, SP, v. 37, p. 2-17, 2019.

FREITAS, Marcos Cezar de; FREITAS, Marly S. Educação e asma: pressupostos para um diálogo interdisciplinar. In: SOLÉ, Dirceu; WANDALSEN, Gustavo Falbo; LANZA, Fernanda de Cordoba (org.). Asma no lactente, na criança e no adolescente. São Paulo: Atheneu, 2017. p. 343-353.

FREITAS, Marcos Cezar de; GARCIA, Eduardo de Campos. Crianças com implante coclear. Relatório de pesquisa. Guarulhos: PPG Educação e Saúde, Unifesp, 2017.

FREITAS, Marcos Cezar de; JACOB, Rosângela N. Inclusão educacional de crianças com deficiências: notas do chão da escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, 2019.

FREITAS, Marcos Cezar de; PRADO, Renata Lopes C. O professor e as vulnerabilidades infantis. São Paulo: Cortez, 2017.

FREITAS, Marcos Cezar de; SANTOS SILVA, Kelly C. Crianças desatentas e hiperativas? Controvérsias e a opinião de professores sobre os diagnósticos de TDHA na escola. Revista Travessias, Cascavel, PR, v. 8, n. 1, p. 376-412, 2014.

FREITAS, Marcos Cezar de; ZANINETTI, Bruna. O aluno cronicamente enfermo: vulnerabilidades entre a sala de espera e a escola. Cadernos de Pesquisa em Educação, Vitória, ES, ano 13, n. 44, p. 181-207, 2016.

GARCIA, Eduardo de Campos. Implante coclear: estudos concernentes à biopolítica, ao biopoder e ao biocapital. 2015. Tese (Doutorado em Educação, Arte e História da Arte) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2015.

GAUDENZI, Paula; ORTEGA, Francisco. Problematizando o conceito de deficiência a partir das noções de autonomia e normalidade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 10, p. 3061-3070, 2016.

GEERTZ, Clifford. The interpretation of cultures. New York: Basic Books, 2010.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Petrópolis: Vozes, 2008.

GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Vozes, 2012.

GOFFMAN, Erving. Comportamento em lugares públicos: notas sobre a organização social dos ajuntamentos. Petrópolis: Vozes, 2014.

KUNZRU, Hari. “Você é um ciborgue”: um encontro com Donna Haraway. In: TADEU, Tomaz (org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 17-32.

LANDMAN, Patrick. Tous hyperactifs? L’incroyable épidemie de troubles de l’attention. Paris: Albin Michel Press, 2015.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

MARTINEZ, Albertina M.; REY, Fernando G. Psicologia, educação e aprendizagem escolar: avançando na contribuição da leitura cultural-histórica. São Paulo: Cortez, 2017.

MEAD, Margareth. Male and female. New York: Harper Collins, 1990.

MONARCHA, Carlos. O triunfo da razão psicotécnica: medida humana e equidade social. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2005. v. 3, p. 129-141.

MONARCHA, Carlos. Estilos de psicoclínicas: livrar a infância dos embaraços psíquicos (1930-1940). In: RODRIGUES, Elaine (org.). História da infância no Brasil. Maringá: EDUEM, 2010. p. 30-40.

MONTEIRO, Paulo Henrique Nico; BIZZO, Nelio. A saúde na escola: análise dos documentos de referência nos quarenta anos de obrigatoriedade dos programas de saúde, 1971-2011. História, Ciência, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 411-427, 2015.

MONTEIRO, Yara Nogueira. Da maldição divina à exclusão social: um estudo sobre a hanseníase em São Paulo. 1995. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

MOTTA FILHO, Candido. Tratamento dos menores delinquentes e abandonados. Relatório ao secretário de Justiça do Estado de São Paulo. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1935.

MOYSÉS, Maria Aparecida A. A institucionalização invisível: crianças que não aprendem na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

NASCIMENTO, Heleno Braz. A lepra em Mato Grosso: caminhos da segregação social e do isolamento hospitalar. 2001. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, 2001.

OPROMOLLA, Paula Araújo. Informação em saúde: a trajetória da hanseníase no Estado de São Paulo. Tese (Doutorado) – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

PORTER, Roy. História do corpo. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2014. p. 297-334.

RIZZINI, Irene; CELESTINO, Sabrina. A cultura da institucionalização e a intensificação das práticas de confinamento de crianças e adolescentes sob a égide da FUNABEM. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2017. p. 229-251.

ROZINETI, Maria. Encaminhamentos escolares: ressonâncias e dissonâncias entre profissionais de educação e de saúde. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação e Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2016.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Portaria 5707/11. Regulamenta o Decreto 52.785 de 10/10/11 que criou as Escolas de Educação Bilíngüe para Surdos – EMEBS na rede municipal de ensino e dá outras providências. São Paulo, 2011.

SCHIAVI, Aldino. Infância e criminalidade. 1926. Tese (Doutorado em Medicina) – Escola de Medicina de São Paulo, São Paulo, 1926.

SILVA, Ana Paula F.; FREITAS, Marcos Cezar de. Escolarização, trabalho e sociabilidade em “situação de risco”: apontamentos para uma antropologia da infância e da juventude sob severa pobreza. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). Desigualdade social e diversidade cultural na infância e na juventude. São Paulo: Cortez, 2006. p. 17-42.

SKLIAR, Carlos. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, Carlos (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2005. p. 13-23.

SOUZA, Leticia Pumar Alves. Sentidos de um país tropical: a lepra e a chaulmoogra brasileira. 2009. Dissertação (Mestrado em História das Ciências da Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2009.

WILLIAMS, Raymond. Keywords: a vocabulary of culture and society. New York: Columbia University Press, 2010.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Petrópolis: Vozes, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: