Desdobramentos da política de educação superior para formação do docente de Libras

Kate Mamhy Oliveira Kumada, Rosângela Gavioli Prieto

Resumo


O objetivo deste artigo consiste em identificar e analisar os desdobramentos das políticas de educação superior voltadas aos cursos para formação de professores de Língua Brasileira de Sinais na década ulterior ao Decreto n. 5.626 de 2005. A pesquisa documental, pautada nas contribuições da análise de conteúdo, permitiu delinear um panorama da oferta realizada por instituições federais de cursos superiores de Pedagogia Bilíngue e Licenciatura em Letras Libras no período entre 2006 e 2015. Os resultados desvelaram que a educação a distância foi a principal aliada na expansão do número de vagas, embora, no cômputo geral, haja um quantitativo ainda escasso de vagas e cursos superiores para a formação desses profissionais, sobretudo no segmento que abrange a educação infantil e os anos iniciais do ensino fundamental. Denota-se com isso a carência de egressos desses cursos no cenário nacional.

Língua Brasileira de Sinais, Formação de Professores, Ensino Superior, Deficiente da Audição

  

Deployment of the higher education policy for the training of Libras teachers 

The aim of this article is to identify and analyze the deployment of the higher education policies directed at the training of Brazilian Sign Language teachers in the upcoming decade, under decree 5.626 from 2005. Documentary research, based on content analysis, allowed the outlining of a panorama of the courses offered at federal higher education institutions in Bilingual Pedagogy and a Degree in Libras, from 2006 to 2015. The results revealed that the distance learning modality was the main one linked to the expansion of the number of vacancies. However, in a general estimate, there is still a small number of vacancies and higher education courses for these professionals, especially in the segment that includes early childhood education and the first years of elementary school. This shows the lack of graduates from these courses, in the national scenario. 

Brazilian Sign Language, Teacher Training, Higher Education, Hearing Impaired

 

Déploiements de la politique de l’enseignement supérieur pour la formation des enseignants de langue des signes

L’objectif de cet article est d’identifier et d’analyser les déploiements des politiques d’enseignement supérieur destinées aux cours de formation d’enseignants de langue des signes dans la décennie qui a suivi le décret 5.626 de 2005 au Brésil. L’analyse du contenu a appuyé la recherche documentaire et a permis de présente un aperçu de l’offre de cours chez les institutions fédérales supérieures de l’enseignement bilingue et de licence en lettres en langue des signes brésilienne dans la période 2006-2015. Les résultats ont dévoilé que l’éducation à distance a été le principal allié pour l’expansion du nombre de places offertes, mais dans l’ensemble, elles sont encore peu nombreuses bien que les cours d’enseignement supérieur de formation des professionnels, en particulier de l’éducation préscolaire et de premières années du primaire. Il em ressort le manque de diplômés dans le scénario national.  

Langue des Signes, Formation des Enseignants, Enseignement Supérieur, Handicapé Auditif

 

Evolución de la política de educación superior para la formación del docente de Libras

El objetivo de este artigo es identificar y analizar la evolución de las políticas de educación superior direccionadas hacia los cursos para formación de profesores de Lengua de Señas Brasileña en la década ulterior al Decreto 5.626 de 2005. La investigación documental, guiada por las contribuciones del análisis de contenido, permitió delinear un panorama de la oferta realizada por instituciones federales de cursos superiores de Pedagogía Bilingüe y Licenciatura en Letras Libras en el período entre 2006 y 2015. Los resultados desvelaron que la educación a distancia fue la principal aliada en la expansión del número de vacantes, aunque, en el cómputo general, haya un número todavía escaso de vacantes y cursos superiores para la formación de estos profesionales, sobre todo en el segmento que abarca la educación infantil y a los años iniciales de la enseñanza primaria. Se denota con eso la carencia de egresados de esos cursos en el escenario nacional.

Lengua de Señas Brasileña, Formación de Profesores, Enseñanza Superior, Deficiente Auditivo


Palavras-chave


Língua Brasileira de Sinais, Formação de Professores, Ensino Superior, Deficiente da Audição

Texto completo:

PDF pdf inglês

Referências


ALBRES, N. A. A educação de alunos surdos no Brasil do final da década 1970 a 2005: análise dos documentos referenciadores. 2005. 129 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2005.

BAUER, M. W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (ed.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 189-217.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 25 mar. 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001. Brasília, DF, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a língua brasileira de sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Seção 1, p. 23.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamentada a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Seção 1, p. 28-30.

BRASIL. Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007.

Brasília, DF, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 25 mar. 2019.

BRASIL. Decreto n. 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Plano Viver sem Limite. Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm. Acesso em: 26 set. 2017.

BRASIL. Viver sem limite: plano nacional dos direitos da pessoa com deficiência. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR)/Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD), 2013.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o plano nacional de educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Edição extra, Seção 1, p. 1-7.

BRASIL. Ministério da Educação. Sistema e-MEC. Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://emec.mec.gov.br/.Acesso em: 15 jul. 2015.

BRITO, F. B. de. O movimento social surdo e a campanha pela oficialização da língua brasileira de sinais. 2013. 275 f.

Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

CAMPOS, M. de L. I. L. Educação inclusiva para surdos e políticas vigentes. In: LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos. (org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução a Libras e educação de surdos. São Carlos: Edufscar, 2013. p. 37-61.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. Delta, São Paulo, v. 15, n. especial, p. 385-417, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44501999000300015&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 25 mar. 2019.

DAMÁZIO, M. F. M. Atendimento educacional especializado: pessoa com surdez. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_da.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

DINIZ, D. Deficiência e políticas sociais – entrevista com Colin Barnes. SER social, Brasília, v. 15, n. 32,

jan./jul. 2013. Disponível em: http://www.espanholacessivel.ufc.br/entrevista.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

DIVISÃO DE REGISTRO ACADÊMICO – DIRA. Dados – DESU/Ines. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 7 jul. 2014.

GESSER, A. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a Libras. São Paulo: Parábola, 2012. 187p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Banco de dados estados. Brasília: IBGE, 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/temas.php?sigla=ap&tema=censodemog2010_defic. Acesso em: 30 jul. 2015.

KUMADA, K. M. O. Acesso do surdo a cursos superiores de formação de professores de Libras em instituições federais. 2016. 245f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

LACERDA, C. B. F. de; ALBRES, N. de A.; DRAGO, S. L. S. Política para uma educação bilíngue e inclusiva a alunos surdos no município de São Paulo. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 65-80, jan./mar. 2013.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução Bernardo Leitão et al. 5. ed. Campinas: Unicamp, 2003. 554p.

LIPPE, E. M. O. Libras na pedagogia: consonâncias e dissonâncias nas políticas educacionais. 2017. 244f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

LOPES, M. C. Surdez & Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. 102p. (Coleção Temas e Educação, 5).

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 99p. (Temas Básicos de Educação e Ensino).

LUNARDI, M. L. Cartografando estudos surdos: currículo e relações de poder. In: SKLIAR, C. (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016. p. 155-165.

QUADROS, R. M. de. Políticas linguísticas e educação de surdos em Santa Catarina: espaço de negociações. Cadernos Cedes, Campinas, v. 26, n. 69, p. 141-161, maio/ago. 2006. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622006000200003. Acesso em: 15 ago. 2015.

QUADROS, R. M. de; STUMPF, M. R. Letras Libras EAD. In: QUADROS, R. M. de (org.). Letras libras: ontem, hoje e amanhã. Florianópolis: Edufsc, 2014. p. 9-35.

SANTANA, A. P.; BERGAMO, A. A cultura e identidades surdas: encruzilhada de lutas sociais e teóricas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 565-582, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a13v2691.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

SÍGOLO, C.; KUMADA, K. M. O. Tradutor e intérprete da língua brasileira de sinais: caracterização do perfil solicitado em processos seletivos no estado de São Paulo. Revista Ensino, Educação e Ciências Humanas, Londrina, v. 8, n. 4, p. 445-450, 2017. Disponível em: http://revista.pgsskroton.com.br/index.php/ensino/article/view/4036. Acesso em: 25 mar. 2019.

SKLIAR, C. Um olhar sobre o nosso olhar acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, C. (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016. p. 5-32.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: