Mediação de conflitos em escolas: entre normas e percepções docentes

Angela Maria Martins, Cristiane Machado, Ecleide Cunico Furlanetto

Resumo


Este artigo se reporta a dados obtidos em investigação que se propôs a analisar o programa de governo denominado Sistema de Proteção Escolar, implementado pela Secretaria de Estado da Educação desde 2010. O foco ora analisado tem como propósito compreender as percepções de Professores Mediadores Comunitários sobre situações de conflito e violência nas escolas onde atuam. Os dados indicam uma tendência de ampliação dos níveis de conflito e violência no contexto escolar, com predominância de problemas provocados por alunos, na visão dos entrevistados. Esse cenário pode ser creditado à resistência de alunos às condutas dos profissionais e das práticas pedagógicas ali encetadas, se contrapondo à autoridade atribuída socialmente aos professores e ao prestígio da escolaridade.

 

 


Palavras-chave


Política Educacional; Mediação de Conflitos Escolares; Trabalho Docente

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças (Org.). Violência nas escolas. Brasília, DF: Unesco, 2002.

AQUINO, Júlio G. A indisciplina e a escola atual. Revista Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 181-204, jul./dez. 1998.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no entretecer destas culturas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1059-1083, out. 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1994.

BHABHA, Homi. O lugar da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2005.

CARDIA, Nancy. Pesquisa sobre atitudes, normas culturais e valores em relação à violência em 10 capitais brasileiras. Brasília, DF: Ministério da Justiça; Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, 1999.

CECCON, Claudia et alii. Conflitos na escola - modos de transformação: dicas para refletir e exemplos de como lidar. São Paulo: Cecip; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, p. 432-443, jul./dez. 2002.

COSTA, Silvana Ferreira Magalhães. Mediação de conflitos escolares e justiça restaurativa. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente, 2012.

DEBARBIEUX, Eric; BLAYA, Catherine (Org.). Violência nas escolas e políticas públicas. Brasília, DF: Unesco, 2002.

DIKER, Gabriela. Entre la ciencia ficción y la política: variaciones sobre la desaparición de lo escolar. In: FRIGERIO, Graciela; DIKER, Gabriela (Org.). Educar: saberes alterados. Buenos Aires: Del Estante Editorial; Clacso, 2010. p. 149-163.

DUBET, François. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor – entrevista concedida a Angelina T. Peralva e Marília P. Sposito. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 5/6, p. 222-231, 1997.

FANFANI, Emilio T. Culturas jovens e cultura escolar. In: SEMINÁRIO ESCOLA JOVEM: UM OLHAR SOBRE O ENSINO MÉDIO. 2000, Brasília, DF. Anais... Brasília: MEC/SEB, 2000. Disponível em:

. Acesso em: 13 dez. 2013.

FOURREZ, Gérard. Educar: docentes, alunos, escolas, éticas, sociedades. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2008.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1992.

GOMES, Roberto Alves; MARTINS, Angela M. Conflitos e indisciplina no contexto escolar: a normatização do Sistema de Proteção Escolar em São Paulo. Ensaio, Fundação Cesgranrio, v. 24, p. 161-178, 2016.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1996.

KLIKSBERG, Bernardo. O desafio da exclusão: para uma gestão social eficiente. São Paulo: Fundação do Desenvolvimento Administrativo; Fundap, 1997.

LAPASSADE, Georges. As microssociologias. Brasília, DF: Liber Livros, 2005.

LARROSA, Jorge. Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 2, jul./dez. 2011.

LEWKOWICZ, Ignacio. Escuela y ciudadanía. In: CORREA, Cristina; LEWKOWICZ, Ignacio (Org.). Pedagogía del aburrido: escuelas destituidas y familias perplejas. Buenos Aires, Barcelona, México: Paidós, 2008.

LOPES, Rosilene Beatriz. Significações de violências na perspectiva de professores que trabalham em escolas “violentas”. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, 2004.

MARRA, Célia Auxiliadora dos Santos. Violência escolar: um estudo de caso sobre a percepção dos atores escolares a respeito dos fenômenos de violência explícita e sua repercussão no cotidiano da escola. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

MARTINS, Angela M. Educação e diretrizes de mudança: possibilidades e limites do Estado. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 15, p. 7-54, 1997.

MARTINS, Angela M. Autonomia e educação: a trajetória de um conceito. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 207-232, mar. 2002.

MARTINS, Angela M. Uma análise da municipalização do ensino no Estado de São Paulo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 120, p. 221-238, nov. 2003.

MARTINS, Angela M. A constituição de trajetórias profissionais: possíveis contribuições ao debate sobre o trabalho docente. Revista Iberoamericana de Educación, v. 9, n. 46, p. 1-8, 2008.

Buenos Aires: Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura, 2008.

MARTINS, Angela M. O campo das políticas públicas de educação: revisão de literatura. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 56, p. 276-299, 2013.

MARTINS, Angela M.; FURLANETTO, Ecleide C.; MACHADO, Cristiane. Significados atribuídos por professores mediadores comunitários a situações de conflito e violência em escolas públicas. In: EDUCERE – CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: Formação de professores, complexidade e trabalho docente. 12., Curitiba, 2015. Anais... Curitiba: PUC-PR, 2015.

p. 5074-5088.

MARTINS, Angela M.; MACHADO, Cristiane. Gestão escolar, situações de conflito e violência: campo de tensão em escolas públicas. Educar em Revista, v. 59, p. 157-173, 2016.

MARTUCCELLI, Danilo. Reflexões sobre a violência na condição moderna. Tempo Social, Revista de Sociologia, n. 1, p. 157-175, maio 1999.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MEIRIEU, Philippe. O cotidiano da escola e da sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2005.

OLIBONI, Samara Pereira. O bullying como violência velada: a percepção e ação dos professores. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2008.

OLIVEIRA, Victor Rodrigues; FERREIRA, Diego. Violência e desempenho dos alunos nas escolas brasileiras: uma análise a partir do Saeb 2011. Trabalho apresentado na Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia – ANPEC, 2013.

OZ, Amós. Como curar um fanático. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

PASSEGGI, Maria Conceição et al. Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto)biográfica. Revista Educação do Centro de UFSM, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 85-104, jan./abr. 2014.

PÉREZ GÓMEZ, Ángel. La cultura escolar en la sociedad neoliberal. Madrid: Morata, 2004.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Justiça e Educação em Heliópolis e Guarulhos: parceria para a cidadania. São Paulo: Cecip, 2007.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Resolução SE n. 19, de 12/02/2010. São Paulo: Cenp/DRHU, 2010.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Resolução SE n. 1, de 20/01/2011. São Paulo: Cenp/DRHU, 2011.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Seminário de Proteção Escolar: debate temas como bullying e prevenção de conflitos. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2015.

SILVA, Dezir Garcia da. Violência e estigma: bullying na escola. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2006.

SPOSITO, Marília P. A instituição escolar e a violência. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 104, p. 58-75, jul. 1998.

SPOSITO, Marília P. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 87-103, jan./jun. 2001.

STAKE, R. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

TIBÉRIO, Welington. A judicialização das relações escolares: um estudo sobre a produção de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2011.

e Educação, São Paulo, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.