Casa, rua, escola: gênero e escolarização em setores populares urbanos

Adriano Souza Senkevics, Marília Pinto de Carvalho

Resumo


 

Este artigo deriva de pesquisa que buscou compreender o papel da socialização familiar na construção de trajetórias escolares diferenciadas por sexo, a partir do olhar de 25 crianças de camadas populares de uma escola municipal de São Paulo. Por meio de observações e entrevistas, obtiveram-se informações sobre a participação de meninas e meninos nos afazeres domésticos, nas práticas de lazer e na circulação pelo espaço público. Conclui-se que a socialização familiar tende a estimular um desempenho superior das meninas tanto pela construção de feminilidades pautadas por responsabilidade e disciplina, quanto pela significação positiva da escola enquanto um espaço de recreação e sociabilidade, em face das inúmeras restrições que as garotas sofrem no seu cotidiano na família, na casa e na rua.

 

 

 


Palavras-chave


Rendimento escolar; Feminilidades; Masculinidades; Sociologia da infância.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ARTES, Amélia; CARVALHO, Marília. O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: mito ou realidade? Cadernos Pagu, Campinas, n. 34, p. 41-74, 2010.

BRITES, Jurema. Trabalho doméstico: questões, leituras e políticas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 149, p. 422-451, 2013.

BRITO, Rosemeire. Intrincada trama de masculinidades e feminilidades: fracasso escolar de meninos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 127, p. 129-149, 2006.

CARVALHO, Marília. Avaliação escolar, gênero e raça. São Paulo: Papirus, 2009.

CARVALHO, Marília. Teses e dissertações sobre gênero e desempenho escolar no Brasil (1993-2007) – Qual é o lugar das famílias? In: ROMANELLI, G.; NOGUEIRA, M. A.; ZAGO, N. (Org.). Família & escola: novas perspectivas de análise. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 61-82.

CARVALHO, Marília; SENKEVICS, Adriano; LOGES, Tatiana. O sucesso escolar de meninas de camadas populares: qual o papel da socialização familiar? Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 717-734, 2014.

CHARLOT, Bernard. A relação com o saber e a discriminação de gênero na escola. In: MARRERO, A.; MALLADA, N. La universidad transformadora: elementos para una teoría sobre Educación y Género. Montevideo: FCS-UR-CSIC, 2009. p. 161-174.

CONNELL, Raewyn. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 185-206, 1995.

CONNELL, Raewyn. Masculinities. 2. ed. Berkeley, Los Angeles: University of California Press, 2005.

DUQUE-ARRAZOLA, Laura. O cotidiano sexuado de meninos e meninas em situação de pobreza. In: MADEIRA, Felicia R. (Org.). Quem mandou nascer mulher? Estudos sobre crianças e adolescentes pobres no Brasil. Rio de Janeiro: Record, Rosa dos Tempos, 1997. p. 343-402.

FARIA, Ana Lúcia; FINCO, Daniela. (Org.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

HEILBORN, Maria Luiza. O traçado da vida: gênero e idade em dois bairros populares do Rio de Janeiro. In: MADEIRA, Felicia R. (Org.). Quem mandou nascer mulher? Estudos sobre crianças e adolescentes pobres no Brasil. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1997. p. 291-342.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de gênero: uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse estatística da educação básica 2013. Brasília, DF: Inep, 2013. Disponível em: . Acesso em: dez. 2014.

KOSMINSKY, Ethel; SANTANA, Juliana. Crianças e jovens e o trabalho doméstico: a construção social do feminino. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 9, n. 2, p. 227-236, 2006.

LAHIRE, Bernard. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 1997.

NILSEN, Ann Christin; WÆRDAHL, Randi. Gender differences in Norwegian children’s work at home. Childhood, online first, p. 1-14, 2014. Disponível em: . Acesso em: out. 2013.

OCTOBRE, Sylvie. La socialisation culturelle sexuée des enfants au sein de la famille. Cahiers du Genre, n. 49, p. 55-76, 2010.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. The ABC of gender equality in education: aptitude, behaviour, confidence. Paris: OECD Publishing, 2015.

PEREIRA, Fábio; CARVALHO, Marília. Meninos e meninas num projeto de recuperação paralela. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 90, n. 226, p. 673-694, 2009.

PINTO, Tatiane; LOPES, Maria de Fátima. Brincadeiras no espaço da rua e a demarcação dos gêneros na infância. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, Manizales, v. 7, n. 2, p. 861-885, 2009.

PUNCH, Samantha. Experiências fraternais das crianças e ordem de nascimento: “alguém acima e alguém abaixo de mim”. In: MÜLLER, F. (Org.). Infância em perspectiva: políticas, pesquisas e instituições. São Paulo: Cortez, 2010. p. 187-222.

RIBEIRO, Carlos Antonio. Desigualdade de oportunidades no Brasil. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina. Educação formal, mulheres e gênero no Brasil contemporâneo. In: BARSTED, Leila L.; PITANGUY, Jacqueline (Org.). O progresso das mulheres no Brasil 2003-2010. Rio de Janeiro: Cepia; Brasília: ONU Mulheres, 2011. p. 390-434.

THORNE, Barrie. Gender play: girls and boys in school. New Brunswich, New Jersey: Rutgers University Press, 1993.

TRAVERSO-YÉPEZ, Martha; PINHEIRO, Verônica. Socialização de gênero e adolescência. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 147-162, 2005.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION. World atlas of gender equality in education. Paris: Unesco, 2012.

WHITAKER, Dulce. Nas franjas do rural-urbano: meninas entre a tradição e a modernidade. Cadernos Cedes, São Paulo, v. 22, n. 56, p. 7-22, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: