Avaliação discente na percepção de docentes da educação superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v32.7107

Palavras-chave:

Avaliação da Educação, Ensino Superior, Inovação Educacional, Instrumentos de Avaliação

Resumo

Neste artigo, buscamos diagnosticar as formas de avaliação da aprendizagem, seus instrumentos e questões relacionadas e identificar possíveis indícios de inovações avaliativas emergentes em um campus de uma universidade pública do Sul do Brasil no âmbito de cursos de engenharias e licenciaturas na perspectiva de docentes. Assim, por meio da análise de planos de ensino semestrais e entrevistas com 11 docentes da instituição, com base na abordagem qualitativa, os resultados indicam que a prova ainda é descrita como o instrumento de maior peso entre os demais. Também, observamos a busca constante dos docentes por formas inovadoras de avaliar, concluindo que as mudanças são possíveis e necessárias no campo da avaliação discente, de forma que esta pesquisa mostra o início de um percurso de novas percepções.

Biografia do Autor

Valesca Brasil Irala, Universidade Federal do Pampa (Unipampa), campus Bage, Bage-RS, Brasil

Doutora em Letras - Linguística Aplicada pela Universidade Católica de Pelotas (UFCPel) e pós-doutorado na Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación, na UDELAR (Universidad de la República), Uruguai. Docente Associada do Mestrado Acadêmico em Ensino da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA/Bagé/Rio Grande do Sul/Brasil). Líder do Grupo de Pesquisa sobre Aprendizagens, Metodologias e Avaliação (GAMA/Registrado no Diretório de Grupos do CNPq). Seus interesses de pesquisa estão focados em: avaliação, engajamento discente, evasão e permanência no Ensino.

Liziane Padilha Mena, Universidade Federal do Pampa (Unipampa), campus Bage, Bage-RS, Brasil

Mestra em Ensino na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA/Bagé/Rio Grande do Sul/Brasil) e licenciada em Ciências da Natureza pela mesma universidade.

Referências

ACEVEDO, F. Análisis de la persistencia estudiantil en el primer año de la educación superior en un contexto socio-académico desfavorable: el caso de Rivera, Uruguay. 2018. Tese (Doutorado em Sociedad del Conocimiento y Acción en los ámbitos de la Educación, la Comunicación, los Derechos y las Tecnologías) – Univers40 idad Internacional de la Rioja, La Rioja, 2018.

BLASS, L.; GOERGEN, G.; IRALA, V. B. Análise das percepções e desempenhos discentes com a utilização do software R em uma disciplina de graduação de natureza multicurso. Revista Prática Docente, Confresa, MT, v. 5, n. 3, p. 1568-1592, dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.23926/RPD.2526- 2149.2020.v5.n3.p1568-1592.id886

BLASS, L.; IRALA, Valesca. Desenho avaliativo por rubricas em disciplina multicurso: análise de uma implementação piloto. HOLOS, v. 7, e9518, dez. 2020. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/9518. Acesso em: 11 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2020.9518

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, 1994.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em ciências sociais. Em Tese, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 68-80, jan./jul. 2005.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, 2008.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 27 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP n. 28, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2001.

BRITTO JÚNIOR, A. F.; FERES JÚNIOR, N. A utilização da técnica da entrevista em trabalhos científicos. Evidência, Araxá, MG, v. 7, n. 7, p. 237-250, 2011.

CAMARGO, S.; BORIN, J.; AMARAL, E.; FERREIRA, A. P. Identificação dos padrões de evasão de cursos de engenharia a partir de dados de desempenho acadêmico. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 42., 2014, Juiz de Fora, MG. Anais [...]. Juiz de Fora: Abenge, 2014.

CARBONESI, M. A. R. M. O uso do seminário como procedimento avaliativo no ensino superior privado. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 4., 2014, Porto (Portugal). Anais [...]. Porto: Anpae, 2014. Disponível em: http://anpae.org.br/IBERO_AMERICANO_IV/GT2/GT2_Comunicacao/MariaAnastaciaRibeiroMaiaCarbonesi_GT2_integral.pdf. Acesso em: 30 jan. 2020.

CARLESS, D. Learning-oriented assessment: principles, practice and a project. In: MEYER, L. H.; DAVISON, S.; ANDERSON, H.; JOHNSHON, P. M.; REES, M. (ed.). Tertiary assessment & higher education student outcomes: policy, practice & research. Wellington, Nova Zelândia: Ako Aotearoa, 2009. p. 79-90. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/295568484_Learningoriented_assessment_Principles_and_practice. Acesso em: 14 jun. 2020.

CECHINEL, A.; FONTANA, S. A. P.; GIUSTINA, K. P. D.; PEREIRA, A. S.; PRADO, S. S. do. Estudo/análise documental: uma revisão teórica e metodológica. Criar Educação, Criciúma, SC, v. 5, n. 1, jan./jun. 2016.

CHAVES, S. M. Avaliação da aprendizagem no ensino superior: realidade, complexidade e possibilidade. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 27., 2004, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, MG: Anped, 2004. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/t0412.pdf. Acesso em: 30 jan. 2020.

DEPRESBITERIS, L.; TAVARES, M. R. Diversificar é preciso...: instrumentos e técnicas de avaliação de aprendizagem. São Paulo: Ed. Senac, 2017.

DOCHY, F.; SEGERS, M.; DIERICK, S. Nuevas vías de aprendizaje y enseñanza y sus consecuencias: una nueva era de evaluación. Boletín de la Red Estatal de Docencia Universitaria, v. 2, n. 2, p. 13-29, 2002.

DORNELLES, C. A reforma curricular e o debate sobre língua e ensino no curso de Letras. In: SIGNORINI, I.; FIAD, R. (org.). Ensino de línguas: das reformas, das inquietações, dos desafios. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012. p. 122-143.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa: um guia para iniciantes. Porto Alegre: Penso, 2013.

FLUCK, A.; HILLIER, M. Innovative assessment with eExams. In: AUSTRALIAN COUNCIL FOR

COMPUTERS IN EDUCATION CONFERENCE, 2016, Brisbaine, Queensland, Austrália. Anais [...]. Brisbaine: AARNet, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/314352356_Innovative_assessment_with_eExams. Acesso em: 31 jan. 2020.

FRAILE, J.; GIL-IZQUIERDO, M.; ZAMORANO-SANDE, D.; SÁNCHEZ-IGLESIAS, I. Autorregulación del aprendizaje y procesos de evaluación formativa en los trabajos en grupo. RELIEVE, v. 1, n. 26, p. 1-15, 2020.

GATTI, B. A. O professor e a avaliação em sala de aula. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 27, p. 97-114, jan./jun. 2003.

GONÇALVES, A. L.; LARCHERT, J. M. Avaliação da aprendizagem: pedagogia. Ilhéus, BA: Editus, 2011.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: as setas do caminho. 15. ed. Porto Alegre: Mediação, 2001.

LOCK, J.; KIM, B.; KOH, K.; WILCOX, G. Navigating the tensions of innovative assessment and pedagogy in higher education. The Canadian Journal for the Scholarship of Teaching and Learning, v. 9, n. 1, p. 1-18, Apr. 2018.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e preposições. 19. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MASSONI, N.; MOREIRA, M. Pesquisa qualitativa em educação em Ciências. São Paulo: Livraria da Física, 2016.

MISSIO, D.; CARVALHO, N.; SOUZA, T.; LEIVAS, F.; BRUM, D.; MELLO, E. Retenção e evasão no curso de Medicina Veterinária da Unipampa: algumas reflexões. Educação Brasileira, Brasília, DF, v. 38, n. 76/77, p. 178-204, dez. 2016.

NORAINIIDRIS; KRISHNAN, S.; ROSLINDAITHNIN; FADZILDAUD, M.; MUSTAPHA, Z. Innovating higher education: redesigning assessment. International Journal of Management and Applied Science, v. 1, n. 8, p. 96-98, Sept. 2015.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

RANJARD P. Les enseignants persécutés. Paris: Robert Jauze, 1984.

SILVA, N. L.; MENDES, O. M. Avaliação formativa no ensino superior: avanços e contradições. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 22, n. 1, p. 271-297, jan./abr. 2017.

SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F. P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. E.;

SILVEIRA, D. T. (org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

TINTO, V. Completing college: rethinking institutional action. Chicago: The University of Chicago Press, 2012.

TOBÓN, S. Evaluación socioformativa: estrategias e instrumentos. Mount Dora, EUA: Kresearch, 2017.

VIANNA, H. M. Avaliação educacional: uma perspectiva histórica. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 60 (n. especial), p. 14-35, dez. 2014a.

VIANNA, H. M. Avaliando a avaliação: da prática à pesquisa. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 60 (n. especial), p. 170-177, dez. 2014b.

VON DAVIER, A. A.; ZHU, M.; KYLLONEN, P. C. (org.). Innovative assessment of collaboration (Methodology of education measurement and assessment). Cham, Suíça: Springer, 2017.

ZIMMERMANN, C. C.; BASTOS, L.; BUTTCHEVITZ, A.; RIBAS, C.; PINTOS, F.; GERALDI, M.; PEDRO, R. Análise estatística dos fenômenos de reprovação e evasão no curso de graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal de Santa Catarina. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 39., 2011, Blumenau. Anais [...]. Blumenau: Abenge, 2011.

Downloads

Publicado

11-06-2021

Edição

Seção

Artigos