A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo.

Autores

  • Cristina Bruschini Fundação Carlos Chagas
  • Maria Rosa Lombardi

Palavras-chave:

Relações de Gênero, Trabalho, Mulheres, Ocupações Profissionais

Resumo

O artigo analisa, com base em múltiplas fontes de dados secundários, a participação das mulheres no mercado de trabalho em dois pólos opostos de atividade. Do primeiro, que abriga as ocupações de má qualidade quanto aos níveis de rendimento, formalização das relações e proteção no trabalho, foi selecionado como objeto de estudo o emprego doméstico. Nos anos 90, esse segmento manteve algumas das marcas de precariedade que sempre o caracterizaram, como as longas jornadas de trabalho, os baixíssimos níveis de rendimento e de formalização, embora em relação a esses dois últimos aspectos haja alguns sinais promissores de mudanças. Do segundo pólo, composto por "boas" ocupações, caracterizadas por níveis mais elevados de formalização, de rendimentos e de proteção, selecionamos algumas carreiras universitárias, quais sejam, a engenharia, a arquitetura, a medicina e o direito. Os dados revelaram que as mulheres que ingressaram nessas profissões são mais jovens do que seus colegas. No mais, seu perfil de inserção ocupacional é muito assemelhado ao dos homens, exceção feita aos rendimentos. Seguindo um padrão de gênero encontrado no mercado de trabalho, os ganhos femininos são sempre inferiores aos masculinos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Bruschini, Fundação Carlos Chagas

Maria Rosa Lombardi

Downloads

Publicado

10-07-2013

Como Citar

Bruschini, C., & Lombardi, M. R. (2013). A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. Cadernos De Pesquisa, (110), 67–104. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/643

Edição

Seção

Outros Temas