Alunas egressas de engenharia mecânica: uma abordagem exploratória

Autores

Palavras-chave:

Relações de Gênero , Ensino Superior , Aluna Egressa

Resumo

Com base em dados quantitativos, entrevistas e referências dos estudos de gênero, ciência e tecnologia, e da sociologia da educação e do trabalho, o texto aborda a raridade de mulheres como alunas e professoras no curso de Engenharia Mecânica em uma instituição de educação superior nordestina. Seis alunas que ingressaram no curso em 2012 são acompanhadas até o presente. A análise sobre suas trajetórias, obstáculos enfrentados e perspectivas pessoais e profissionais ilustra como o filtro de gênero atua na área de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, e indica os desafios da inclusão da perspectiva de gênero para o alcance da paridade de sexo na educação superior e no mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Eulina Pessoa de Carvalho, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa (PB), Brasil.

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (1978), Mestra em Psicologia Educacional pela Universidade Estadual de Campinas (1989) e PhD em Currículo, Ensino e Política Educacional pela Michigan State University, USA (1997). Pós-doutorado na Universidade de Valencia, Espanha (2011).

Referências

Bermúdez, M. J. L., Carrillo, D. T. K., & Hernández, B. M. (2021). Las mujeres y las ingenierías. IQUAL. Revista de Género e Igualdad, 4, 1-17.

Biroli, F. (2016). Divisão sexual do trabalho e democracia. Dados – Revista de Ciências Sociais, 59(3), 719-754. https://doi.org/10.1590/00115258201690

Blickenstaff, J. C. (2005). Women and science careers: Leaky pipeline or gender filter? Gender and Education, 17(4), 369-386.

Bourdieu, P. (1999). A dominação masculina. Bertrand Brasil.

Burger, C., Abbott, G., Tobias, S., Koch, J., Vogt, C., & Sosa, T. (2010). Gender equity in science, engineering, and technology. In S. S. Klein (Ed.), Handbook for achieving gender equity through education (2a ed., pp. 255-279). Routledge.

Carvalho, M. E. P. de. (2017). Relações de gênero em cursos masculinos: Engenharias mecânica e civil, física, matemática e ciência da computação. Relatório Técnico. Projeto 471892/2014-9: Chamada MCTI/ CNPQ/MEC/Capes n. 22/2014 Ciências Humanas e Sociais. Universidade Federal da Paraíba.

Carvalho, M. G., & Sobreira, J. L. (2008). Gênero nos cursos de engenharia de uma universidade tecnológica brasileira. ARBOR Ciencia, Pensamiento y Cultura, 184(733), 889-904. https://core.ac.uk/ download/pdf/268084533.pdf

Casagrande, L. S., & Souza, A. M. F. L. (2017). Percorrendo labirintos: Trajetórias e desafios de estudantes de engenharias e licenciaturas. Cadernos de Pesquisa, 47(163), 168-200. https://doi. org/10.1590/198053143658

Cooper, J., Eddy, P., Hart, J., Lester, J., Lukas, S., Eudey, B., Glazer-Raymo, J., & Madden, M. (2010). Improving gender equity in postsecondary education. In S. S. Klein (Ed.), Handbook for achieving gender equity through education (2a ed., pp. 631-653). Routledge.

Donoso-Vázquez, T., Gazo, P. F., & Moreno, M. L. R. (2013). Factores discriminatorios en función del género en la carrera profesional de las mujeres. In A. Montané, & M. E. P. de Carvalho (Coord.), Mujeres y educación superior (pp. 55-74). Editora da UFPB.

Donoso-Vázquez, T., Montané, A., & Carvalho, M. E. P. de. (2014). Género y calidad en educacion superior. Revista Electrónica Interuniversitaria de Formación del Profesorado, 17(3), 157-171.

Freitas, M. J. T., & Carvalho, M. E. P. de. (2018, dezembro 4-7). Gênero e educação superior: Explorando o filtro de gênero na Engenharia Mecânica. In Anais do Encontro Internacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre Mulher e Relações de Gênero (REDOR), 20. Universidade Federal da Bahia.

Hill, C., Corbett, C., & St. Rose, A. (2010). Why so few? Women in Science, Technology, Engineering, and Mathematics. AAUW.

Hirata, H. (2010). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Revista Tecnologia e Sociedade, 6(11), 1-7. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=496650332002

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609. https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300005

Huff, M. S., & Koppe, L. R. (2016). O espaço das mulheres na área da Engenharia Mecânica: Um estudo de caso referente às questões de gênero no Instituto Federal Sul-Rio-Grandense – campus Sapucaia do Sul. Revista Liberato, 17(27), 1-118.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013). Censo da educação superior 2011: Resumo técnico. Inep.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2018). Censo da educação superior 2016: Resumo técnico. Inep.

Kergoat, D. (2009). Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In H. Hirata, F. Laboire, H. Le Doaré, & D. Senotier (Org.), Dicionário crítico do feminismo. Editora Unesp.

Kjeldala, S. E., Rindfleisha, J., & Sheridana, A. (2005). Deal‐making and rule‐breaking: Behind the façade of equity in academia. Gender and Education, 17(4), 431-447.

Kohler, L. O., & Ioshiura, M. J. (2017). Machismo no curso de Engenharia Mecânica: Verdade ou mito? In Anais do Encontro Nacional de Engenharia e Desenvolvimento Social, 14. Itajubá, MG: Unifei. https://anais.eneds.org.br/index.php/eneds/article/view/506

Lacampagne, C. B., Campbell, P. B., Herzig, A. H., Damarin, S., & Vogt, C. M. (2010). Gender equity in mathematics. In S. S. Klein (Ed.), Handbook for achieving gender equity through education (2a ed., pp. 235-253). Routledge.

Leonard, D. (2001). A woman´s guide to doctoral studies. Open University Press.

Lima, N. R. L. B. (2013). Quando as meninas não contam: Gênero e ensino da matemática. Viva Editora.

Lombardi, M. R. (2006). Engenheiras brasileiras: Inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, 36(127), 173-202.

Lombardi, M. R. (Coord.). (2016). “Por que são tão poucas?”: Um estado da arte dos estudos em “Engenharia e gênero” (Textos FCC: Relatórios Técnicos, 49). Fundação Carlos Chagas.

Lombardi, M. R. (2017). Engenheiras na construção civil: A feminização possível e a discriminação de gênero. Cadernos de Pesquisa, 47(163), 122-146.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. (2016a). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2019. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). http://www. propesq.unir.br/uploads/76767676/arquivos/Estrat_gia_Nacional_de_Ci_ncia__Tecnologia_e_ Inova__o_2016_2019_1248378469.pdf

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. (2016b). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2022. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). https://portal.insa.gov.br/ images/documentos-oficiais/ENCTI-MCTIC-2016-2022.pdf

Öhrn, E., Angervall, P., Gustafsson, J., Lundahl, L., & Nyström, E. (2009, March 5-7). Gender and career in academia. Paper presented at the NERA Congress in Trondheim, Norway.

Rees, T. (2001). Mainstreaming gender equality in science in the European Union: The ‘ETAN Report’. Gender and Education, 13(3), 243-260.

Roger, A., & Duffield, J. (2000). Factors underlying persistent gendered option choices in school science and technology in Scotland. Gender and Education, 12(3), 367-383.

Sarrió, M., Barberá, E., Ramos, A., & Candela, C. (2002). El techo de cristal en la promoción profesional de las mujeres. Revista de Psicología Social, 17(2), 167-182.

Stepulevage, L. (2001). Gender/Technology relations: Complicating the gender binary. Gender and Education, 13(3), 325-338.

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. (2003). Gender and education for all: The leap to equality. Unesco. http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001325/132513e.pdf

United States Agency International Development. (2008). Education from a gender equality perspective. Usaid. http://www.ungei.org/resources/files/Education_from_a_Gender_Equality_Perspective.pdf

Warrington, M., & Younger, M. (2000). The other side of the gender gap. Gender and Education, 12(4), 493-508.

Watanabe, F. Y., Francisco, C. A., França, C. A., & Ogashawara, O. (2015). A questão do gênero na engenharia e as iniciativas para a formação de mais engenheiras. Revista Eletrônica Engenharia Viva, 2(1), 51-64.

Publicado

2022-05-20

Como Citar

Carvalho, M. E. P. de, & Tomaz Freitas, M. J. (2022). Alunas egressas de engenharia mecânica: uma abordagem exploratória. Cadernos De Pesquisa, 52, e09076. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/9076

Edição

Seção

Educação Superior, Profissões, Trabalho