A discursividade educacional contemporânea: uma aproximação exploratória

Autores

Palavras-chave:

Imprensa Educativa, Revistas Educativas, Discurso, Contexto Educativo

Resumo

A presente investigação propõe-se a analisar a discursividade educacional contemporânea mediante uma imersão exploratória em 1.165 entrevistas concedidas por expoentes do campo educacional e de outros afins, constantes de dez revistas brasileiras de divulgação pedagógica, entre 1986 e 2019. Com base na teorização foucaultiana, o estudo mobilizou duas estratégias na análise dos dados referentes aos depoentes e às temáticas abordadas, com destaque para o procedimento de catalogação de alguns enunciados-chave que atravessaram o arquivo investigado. Os resultados da investigação apontam para a circulação de certas racionalidades normativas na esteira de múltiplos chamamentos aos profissionais, gerando efeitos insuspeitos sobre o éthos educativo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anadon, S. B., & Garcia, M. M. A. (2005). Trabalho escolar e docente nos discursos oficiais na revista “Nova Escola”. Cadernos de Educação, 25, 133-145.

Aquino, J. G. (2013). Pedagogização do pedagógico: Sobre o jogo do expert no governamento docente. Educação, 36(2), 201-209.

Bezerra, G. F., & Araújo, D. A. C. (2012). Revista Nova Escola: O discurso pedagógico em pauta. Educação: Teoria e Prática, 22(41), 166-184.

Boto, C. (2012). Métodos de ensino na escola portuguesa: A Revista Escolar (1923-1926). Educação, 35(3), 385-401.

Bueno, S. F. (2007). Semicultura e educação: Uma análise crítica da revista Nova Escola. Revista Brasileira de Educação, 12(35), 300-307.

Catani, D. B. (1996). A imprensa periódica educacional: As revistas de ensino e o estudo do campo educacional. Educação e Filosofia, 10(20), 115-130.

Didi-Huberman, G. (2016). Remontar, remontagem (do tempo). Chão da Feira.

Eco, U. (2010). A vertigem das listas. Record.

Eizirick, M. F. (1996). Educação e produção de verdade. Perspectiva, 14(25), 141-151.

Foucault, M. (1996). A ordem do discurso: Aula inaugural no Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Loyola.

Foucault, M. (2000). O que são as Luzes? In M. Foucault, Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento (pp. 335-351). Forense Universitária.

Foucault, M. (2006). Mesa-redonda em 20 de maio de 1978. In M. Foucault, Estratégia, poder-saber (pp. 335-351). Forense Universitária.

Foucault, M. (2011). A função política do intelectual. In M. Foucault, Arte, epistemologia, filosofia e história da medicina (pp. 213-219). Forense Universitária.

Frade, I. C. A. S. (1999). Indícios de uma retórica: O suporte, a base material e os textos nas revistas pedagógicas. Perspectivas em Ciência da Informação, 4(2), 169-183.

Frade, I. C. A. S. (2005). Revistas pedagógicas: Qual é a identidade do impresso? In A. A. G. Batista, & A. M. O. Galvão (Orgs.), Leitura: Práticas, impressos, letramentos (pp. 99-118). Autêntica.

Guimarães, P. C. D. (2011). O discurso médico sobre a educação da infância pobre veiculado pela Revista do Ensino de Minas Gerais (1925-1930). Cadernos de História da Educação, 10(2), 303-314.

Henning, P. C., & Lockmann, K. (2013). Discursos da inclusão escolar: Modos de moralizar, modos de humanizar. Revista Diálogo Educacional, 13(39), 541-557.

Maciel, M. E. (2009). As ironias da ordem: Coleções, inventários e enciclopédias ficcionais. Editora UFMG.

Noguera-Ramírez, C., & Marín-Díaz, D. (2019). La pedagogía considerada como campo discursivo. Pedagogía y Saberes, 50, 29-49.

Oliveira, C. J., & Fischer, B. T. D. (2012). Formação de professores de matemática: Um estudo a partir da revista Nova Escola. Série-Estudos, (34), 259-273.

Revah, D. (2013). Escola e Nova Escola: Faces de um velho sonho. História da Educação, 17(39), 79-99.

Rodrigues, E., & Biccas, M. S. (2015). Imprensa pedagógica e o fazer historiográfico: O caso da Revista do Ensino (1929-1930). Acta Scientiarum. Education, 37(2), 151-163.

Rosa, C. F., & Kopp, C. A. F. (2018). Biopolítica e medicalização: Articulações entre o saber médico e o saber pedagógico. Cadernos de Educação, 60, 98-113.

Silva, G. R. (2014). Profissão professor: Modos de gerenciar a docência em tempos de inclusão. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, 23(41), 179-189.

Silva, G. R., & Henning, P. C. (2019). Sujeito-infantil-escolarizado: Relações de poder-saber no gerenciamento de uma população. Perspectiva, 37(3), 973-991.

Silva, R. R. D., & Fabris, E. T. H. (2013). Docências inovadoras: A inovação como atitude pedagógica permanente no ensino médio. Educação, 36(2), 250-261.

Smolka, A. L. B., & Gentil, M. S. (2004). Duas revistas, três artigos, múltiplas vozes: Um estudo sobre modos de dizer e posições sociais em textos para professores. Cadernos Cedes, 24(63), 193-213.

Sousa, C. P., & Catani, D. B. (1994). A imprensa periódica educacional e as fontes para a história da cultura escolar brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, (37), 177-183.

Vieira, M. L. (1998). A metáfora religiosa do “caminho construtivista. In T. T. Silva (Org.), Liberdades reguladas: A pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu (pp. 76-94). Vozes.

Publicado

2022-04-18

Como Citar

Aquino, J. G. (2022). A discursividade educacional contemporânea: uma aproximação exploratória. Cadernos De Pesquisa, 52, e08804. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/8804

Edição

Seção

Teorias, Métodos, Pesquisa Educacional