Percepções sobre o comportamento de indisciplina de meninas e meninos na escola

Autores

Palavras-chave:

Indisciplina Escolar, Diferença de Gênero, Ensino Fundamental

Resumo

O estudo investigou as percepções dos/as estudantes de uma escola pública de Belo Horizonte, estado de Minas Gerais, sobre a participação de meninas e meninos em episódios de indisciplina. Foram utilizados o Questionário Diagnóstico da Percepção de Indisciplina e Violência Segundo o Sexo dos/as Estudantes (Q-PIV), Quadro de Heteroclassificação e Autoclassificação de Comportamentos de Indisciplina (HAE) e entrevista semiestruturada. Participaram 167 estudantes do 8º e 9º anos do ensino fundamental. Os resultados indicam que é um equívoco pensar que as condutas de meninas e meninos na escola seguem um padrão rígido pautado apenas nas expectativas sociais de gênero, uma vez que verificamos uma multiplicidade de atitudes de meninas e meninos diante das regras escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Campos da Silva, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto (MG), Brasil

Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal de Minas Gerais ? UFMG (1999). Doutor em Educação pela UFMG (2007), com Estágio Sanduíche na Universidade de Lisboa (Portugal). Professor Associado do Departamento de Educação do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Ouro Preto (ICHS-UFOP) e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFOP. Atualmente é Diretor do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da UFOP (ICHS-UFOP). Exerceu o cargo de Pró-reitor Adjunto de Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto (2013-2017). Atuou como Coordenador Institucional do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência da UFOP (2011-2012) e foi coordenador do curso de Pedagogia da UFOP (2008-2011). Atuou durante 12 anos na educação básica como professor e pedagogo no ensino fundamental e no ensino médio, na modalidade regular e na modalidade de educação de jovens e adultos. Possui publicações, orientações e pesquisas nas seguintes áreas e temas: Sociologia da Educação, desigualdades escolares, disciplina e indisciplina na escola, autoridade docente, violência em meio escolar, relação família-escola. 

Edilaine Aparecida dos Santos Pereira, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto (MG), Brasil

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Minas Gerais (2001). Pós-graduada em Psicologia em Educação e Gestão Escolar. Mestra em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto. Atua como pedagoga dos anos iniciais do Ensino Fundamental na rede municipal de Betim e como coordenadora pedagógica na rede municipal de Belo Horizonte.

Referências

Amado, J. S. (2001). Interação pedagógica e indisciplina na aula. Edições Asa.

Aquino, J. G. (2016). Indisciplina escolar: Um itinerário de um tema/problema de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, 46(161), 664-692. https://www.scielo.br/j/cp/a/wXBYFtgdsnsRMxPfMSWDBXC/ abstract/?lang=pt

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Brito, R. S. (2004). Significados de gênero do fracasso escolar: Quando os modelos polares de sexo não são suficientes. [Dissertação de mestrado não publicada]. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Brito, R. S. (2008). Fracasso de meninos no ensino fundamental: As contribuições da categoria de gênero na compreensão desse quadro. In M. P. Carvalho, & R. P. Pinto (Orgs.), Mulheres e desigualdades de gênero (pp. 149-168). Fundação Carlos Chagas.

Bruggemann, O. M., & Parpinelli, M. A. (2008). Utilizando as abordagens quantitativa e qualitativa na produção do conhecimento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(3), 563-568.

Carvalho, M. P. (2001). Mau aluno, boa aluna? Como as professoras avaliam meninos e meninas. Estudos Feministas, 9(2), 554-574.

Carvalho, M. P. (2003). Sucesso e fracasso: Uma questão de gênero. Educação e Pesquisa, 29(1), 185-193.

Carvalho, M. P. (2004a). O fracasso escolar de meninos e meninas: Articulações entre gênero e cor/raça. Cadernos Pagu, 22, 247-290.

Carvalho, M. P. (2004b). Quem são os meninos que fracassam na escola? Cadernos de Pesquisa, 34(121), 11-40.

Carvalho, M. P. (2007). Desempenho escolar, gênero e raça: Desafios teóricos de uma pesquisa. In L. Paixão, & N. Zago. Sociologia da educação: Pesquisa e realidade brasileira (pp. 182-202). Vozes.

Carvalho, M. P. (2012). Teses e dissertações sobre gênero e desempenho escolar no Brasil (1993-2007): Um estado da arte. Pro-Posições, 23(1), 147-162.

Dubet, F. (2011). Mutações cruzadas: A cidadania e a escola. Revista Brasileira de Educação, 16(47), 289-305.

Estrela, M. T. (1992). Relação pedagógica, disciplina e indisciplina na aula (Ciências da Educação). Porto Editora.

Koon, D. S. V. (2013). Exclusionary school discipline: An issue brief and review of the literature. University of California.

Kounin, J. S. (1997). Discipline and group management in classrooms. Holt, Rine-Hart & Winston.

Matos, D. A. S. (2006). A percepção dos alunos do comportamento comunicativo do professor de ciências [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Minas Gerais.

Matos, R., & Machado, C. (2012). Criminalidade feminina e construção do gênero: Emergência e consolidação das perspectivas feministas na criminologia. Análise Psicológica, 30(1-2), 33-47.

Mattos, C. L. G., & Vasconcelos, S. S. (2015) A questão de gênero associada à (in)disciplina, uma combinação de risco? Um estudo de caso etnográfico. In Anais do IV Colóquio Internacional Educação, Cidadania e Exclusão: Didática e Avaliação (pp. 1-14). Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Moreira, M. F. S., & Santos, L. P. (2002). Indisciplina na escola: Uma questão de gênero? Educação em Revista, 3, 141-160.

Morris, E. W., & Perry, B. L. (2017). Girls behaving badly? Race, gender, and subjective evolution in the discipline of African American girls. Sociology Education, 20(5), 127-148.

Neves, P. R. C. (2008). As meninas de agora estão piores do que os meninos: Gênero, conflito e violência na escola [Dissertação de Mestrado]. Universidade de São Paulo.

Organisation for Economic Co-Operation and Development. (2014). Talis 2013 results: An international perspective on teaching and learning. https://www.oecd.org/education/school/talis-2013-results.htm

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2011). A disciplina nas escolas está deteriorada? (Pisa em Foco, 4). https://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/pisa_em_ foco/2011/pisa_em_foco_n4.pdf

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2013). Os estudantes alcançam melhores desempenhos nas escolas em que há disciplina em sala de aula? (Pisa em Foco, 32). https://www.oecd.org/pisa/pisaproducts/pisainfocus/PISA-EM-FOCO-N%C2%B032.pdf

Pasquali, L. (1999). Instrumentos psicológicos: Manual prático de elaboração. Laboratório de Pesquisa em Avaliação e Medida. Universidade de Brasília.

Prodócimo, E., Silva, R. G. C., Miguel, R. S., & Recco, K. V. (2010). Meninas também agridem? Estudo sobre agressão entre escolares. Educação em Foco, 15(1), 59-76.

Quaresma, L. (2010). Violência escolar e de gênero: Vivências e representações sociais discentes. Sociologia: Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, 20, 351-374.

Rodrigues, C. A. G. (2009). Representação social de gênero no fracasso escolar de meninos [Dissertação de Mestrado]. Universidade Estácio de Sá.

Santos, L. P. (2007). Garotas indisciplinadas numa escola de ensino médio: Um estudo sob o enfoque de gênero [Dissertação de Mestrado]. Universidade de São Paulo.

Scott, J. (1990). Gênero: Uma categoria útil para análise histórica. Tradução C. R. Dabat & M. B. Ávila. Educação e Realidade, 2(16), 5-22.

Silva, C. A. D., Barros, F., Halpern, S. C., Silva, L. A. D. (1999). Meninas bem-comportadas, boas alunas; meninos inteligentes, indisciplinados. Cadernos de Pesquisa, 107, 207-225.

Silva, L. C. (2007). Disciplina e indisciplina na aula: Uma perspectiva sociológica [Tese de Doutorado]. Universidade Federal de Minas Gerais.

Silva, L. C., & Nogueira, M. A. (2008). Indisciplina ou violência na escola? Uma distinção possível e necessária. In L. A. O. Gonçalves, & S. Tosta (Orgs.), A síndrome do medo contemporâneo e a violência escolar (pp. 15-62). Autêntica.

Silva, L. C. S., & Matos, D. A. S. (2014). As percepções dos estudantes mineiros sobre a incidência de comportamentos de indisciplina em sala de aula: Um estudo baseado nos dados do SIMAVE/ PROEB 2007. Revista Brasileira de Educação, 19(58), 713-729.

Silva, L. C. S., & Matos, D. A. S. (2016). Indisciplina e violência nas escolas da Região dos Inconfidentes: Diagnóstico e identificação de práticas docentes associadas à melhoria do ambiente de aprendizagem da sala de aula [Relatório Final da Pesquisa]. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais.

Silva, L. C. S., & Matos, D. A. S. (2017). Indisciplina no PISA: Entre o intra e o extraescolar. Estudos em Avaliação Educacional, 28(68), 382-416.

Sortkær, B. & Reimer, D. (2016). Disciplinary climate and student achievement: Evidence from schools and classrooms [Working Paper]. Aarhus University.

Vargas, J. R. (2008). Meninas (mal)comportadas: Posturas e estranhamentos em uma escola pública de periferia [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Publicado

2022-01-10

Como Citar

Silva, L. C. da, & Pereira, E. A. dos S. (2022). Percepções sobre o comportamento de indisciplina de meninas e meninos na escola. Cadernos De Pesquisa, 52, e07446. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/7446

Edição

Seção

Educação Básica, Cultura, Currículo