Literatura e formação: notas sobre o lugar do literário nas instituições de ensino

Autores

  • André Cechinel Universidade do Extremo Sul Catarinense – Unesc –, Criciúma (SC), Brasil

Palavras-chave:

Literatura, Formação, Leitor, Instituições de Ensino

Resumo

Este ensaio propõe-se a discutir o lugar formativo da literatura num momento em que sua presença institucional se vê precarizada por discursos utilitários característicos da cultura de mercado. Para tanto, o argumento divide-se em dois momentos: primeiro, são discutidos alguns dos abalos teóricos sofridos pela literatura no último século e que fragilizaram os dispositivos que antes justificavam sua presença no âmbito formativo; a seguir, o ensaio indica a necessidade de revisitar as categorias de “obra”, “leitor” e “tradição” como modo de estabelecer um funcionamento de fato “formativo” para o espaço institucional da literatura. Se o nosso tempo se caracteriza pela aceleração dos objetos, as noções de “obra”, “leitor” e “tradição” podem operar como contrapontos capazes de interromper o fluxo contínuo das coisas, ditando uma outra temporalidade para os estudos literários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Cechinel, Universidade do Extremo Sul Catarinense – Unesc –, Criciúma (SC), Brasil

Doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Referências

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Traduçao de Mário Laranjeira. 2. ed. Sao Paulo: Martins Fontes, 2004.

BENJAMIN, Walter. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Traduçao de Marcus Vinicius Mazzari. Sao Paulo: Duas Cidades; 34, 2002.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais (ensino médio). Parte II − Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educaçao, Secretaria de Educaçao Básica, 2000.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio: v. 1. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educaçao, Secretaria de Educaçao Básica, 2006.

CHKLÓVSKI, Victor. A arte como procedimento. In: TODOROV, Tzvetan (Org.). Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. Sao Paulo: Editora da Unesp, 2013. p. 83-108.

DURAO, Fabio Akcelrud. Sobre a relevância dos estudos literários hoje. Linguasagem, Sao Carlos, v. 2, p. 1-1, 2008. Disponível em: <http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao02/02e_fad.php>. Acesso em: 13 abr. 2017.

DURAO, Fabio Akcelrud. Do texto a obra. Alea, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 67-81, jun. 2011a.

Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-106X2011000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 maio 2017.

DURAO, Fabio Akcelrud. Teoria (literária) americana: uma introduçao crítica. Campinas: Autores Associados, 2011b.

DURAO, Fabio Akcelrud. Fragmentos reunidos. Sao Paulo: Nankin, 2015.

DURAO, Fabio Akcelrud. O que aconteceu com a teoria? In: CECHINEL, André. (Org.). O lugar da teoria literária. Florianópolis: EdUFSC; Criciúma: Ediunesc, 2016. p. 13-27.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introduçao. Traduçao de Waltensir Dutra. 6. ed. Sao Paulo: Martins Fontes, 2006.

GOETHE, Johan Wolfgang von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. Traduçao de Nicolino Simone Neto. Sao Paulo: 34, 2006.

JAKOBSON, Roman. O dominante. In: LIMA, Luiz Costa (Org.). Teoria da literatura em suas fontes. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilizaçao Brasileira, 2002. v. 1, p. 511-518.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Traduçao de Maria Luiza M. de Carvalho e Silva. Londrina: Planta, 2004.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Inútil poesia. Sao Paulo: Companhia das Letras, 2000.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da literatura no século XXI. Sao Paulo: Companhia das Letras, 2016.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Traduçao de Caio Meira. 2. ed. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Cechinel, A. (2021). Literatura e formação: notas sobre o lugar do literário nas instituições de ensino. Cadernos De Pesquisa, 48(167), 356–373. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/4850

Edição

Seção

Artigos