Mulheres atletas nos manuais de educação física brasileiros

Autores

  • Irene Moya-Mata Universitat de València (UV), Valência, Espanha https://orcid.org/0000-0002-9428-5179
  • Neide Cardoso de Moura Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó (SC), Brasil
  • Alexandre Paulo Loro Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó (SC), Brasil https://orcid.org/0000-0002-4207-7642

Palavras-chave:

Relações de Gênero, Educação Física, Livros Didáticos

Resumo

Os atletas são ícones do esporte, pois são considerados modelos a serem imitados pela sociedade em geral, especificamente pelos alunos. O objetivo deste estudo foi verificar se as referências imagéticas de atletas profissionais representadas nos livros didáticos de educação física no ensino fundamental I e II no Brasil perpetuam modelos esportivos masculinos, ou tornam visíveis os modelos esportivos femininos. Utilizamos uma metodologia descritiva e comparativa por editoras, e, como técnica de pesquisa, a análise de conteúdo. Os resultados mostram o predomínio do modelo esportivo masculino nas imagens. Portanto é necessário que as editoras revisem esses materiais didáticos para aumentar a representatividade feminina e passar a oferecer modelos esportivos femininos aos discentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Irene Moya-Mata, Universitat de València (UV), Valência, Espanha

Maestra de Educación Física en Educación Primaria, Profesora en la Facultad de Magisterio (Universitat de València) y Doctora con la tesis: "Los libros de texto de Educación Física en la etapa de Educación Primaria: Análisis de las imágenes y estereotipos".

Neide Cardoso de Moura, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó (SC), Brasil

Possui graduação em Pedagogia (1987); Especialização em Psicopedagogia - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1991); Mestrado em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996); Doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2007); Pós-Doutorado em Educação Universidade de São Paulo (USP/2017). Professora e pesquisadora na graduação e pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Chapecó (SC).

Alexandre Paulo Loro, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó (SC), Brasil

Pós-doutor pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar (PPIFOR), da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Licenciatura Plena em Educação Física (UFSM).  Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal da Fronteira Sul (Campus Chapecó-SC), Curso de Pedagogia.

Referências

Altmann, H. (2015). Educação física escolar: Relações de gênero em jogo. Cortez.

Altmann, H., & Camargo, W. X. de. (2021). Deslocamentos políticos e de gênero no esporte. Revista Estudos Feministas, 29(2), Artigo e80215. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n280215

Bardin, L. (1986). Análisis de contenido. Akal.

Bignami, R. V. S. (2002). A imagem do Brasil no turismo: Construção, desafios e vantagem competitiva. Aleph.

Bisquerra, R. (2019). Metodología de la investigación educativa. La Muralla.

Bittencourt, C. (2006). Livros didáticos entre textos e imagens. In C. Bittencourt (Org.), O saber histórico na sala de aula (pp. 69-90). Contexto.

Botelho, R G., & Neira, M. G. (2014). Análise de livros didáticos no Brasil e na Espanha: Uma introdução ao tema na área de Educação Física. Movimento, 20(2), 659-685. https://doi.org/10.22456/1982-8918.41791

Bueno, J. B. (2011). Imagens visuais em livros didáticos de História. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, 19(2), 68-76. https://doi.org/10.20396/resgate.v19i22.8645721

Camargo, W. X. de. (2018). O armário da sexualidade no mundo esportivo. Revista Estudos Feministas, 26(1), Artigo e42816. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2018v26n142816

Cardoso, L. de R., & Melo, R. V. O. S. de. (2021). Construção do critério gênero no Programa Nacional do Livro Didático (2006-2020). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 16(1), 63-83. https://doi.org/10.21723/riaee.v16i1.13752

Castrillo, J., Gillate, I., Vicent, N., & Luna, U. (2021). Las mujeres medievales en los libros de primaria: Crítica y propuestas. Cadernos de Pesquisa, 51, Artigo e07313. https://doi.org/10.1590/198053147313

Castro, M. O. R. de, & Telles, S. C. C. (2020). Inclusão de alunos com deficiência nas aulas de Educação Física em escolas públicas regulares do Brasil: Uma revisão sistemática de literatura. Motrivivência, 32(62), 1-20. https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e66277

Choppin, A. (2004). História dos livros e das edições didáticas: Sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, 30(3), 549-566. https://doi.org/10.1590/S1517-97022004000300012

Comitê Paralímpico Brasileiro. (2021). Confira a evolução da participação das mulheres do Brasil nos Jogos Paralímpicos. Comitê Paralímpico Brasileiro. https://cpb.org.br/noticia/detalhe/3231/confira-a-evolucao-da-participacao-das-mulheres-do-brasil-nos-jogos-paralimpicos

Devís, J., Fuentes, J., & Sparkes, A. C. (2005). ¿Qué permanece oculto del currículum oculto? Las identidades de género y de sexualidad en la Educación Física. Revista Iberoamericana de Educación, 39, 73-90.

Fonseca, S. G. (2003). Didática e prática de ensino de História: Experiências, reflexões e aprendizados. Papirus.

Gemente, F. R. F., & Matthiesen, S. Q. (2017). Formação continuada de professores: Construindo possibilidades para o ensino do atletismo na Educação Física Escolar. Educar em Revista, 33(65), 183-200. https://doi.org/10.1590/0104-4060.49226

Goellner, S. V. (2006). Mulher e esporte no Brasil: Entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática, 8(1), 85-100. https://doi.org/10.5216/rpp.v8i1.106

Goffman, E. (1982). Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Zahar.

González-Palomares, A., Altmann, H., & Rey-Cao, A. (2015). Estereótipos de gênero nas imagens dos livros didáticos de Educação Física do Brasil. Movimento, 21(1), 219-232. https://doi.org/10.22456/1982-8918.471

González-Palomares, A., Rey-Cao, A., & Táboas-Pais, M. I. (2015). La discapacidad en la enseñanza pública: Estudio exploratorio de los libros de texto de Educación Física de Brasil. Saúde e Sociedade, 24(24), 1316-1331. https://doi.org/10.1590/S0104-12902015134558

Igartua, J. J. (2006). Métodos cuantitativos de investigación en comunicación. Bosch.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2013). Características étnico-raciais da população: Classificações e identidades. IBGE.

Jaeger, A. A., Venturini, I. V., Oliveira, M. C. de, Valdívia-Moral, P., & Silva, P. (2019). Formação profissional em educação física: Homofobia, heterossexismo e as possibilidades de mudanças na percepção dos(as) estudantes. Movimento, 25, Artigo e25040. https://doi.org/10.22456/1982-8918.88681

Joly, M. (2007). Introdução à análise da imagem. Papirus.

Lima, I. T. G., & Brasileiro, L. T. (2020). A cultura afro-brasileira e a Educação Física: Um retrato da produção do conhecimento. Movimento, 26, Artigo e26022. https://doi.org/10.22456/1982-8918.93164

Lleixà-Arribas, M. T., Soler-Prat, S., & Serra-Payeras, P. (2020). Perspectiva de género en la formación de maestras y maestros de Educación Física. Retos, 37, 634-642. https://doi.org/10.47197/retos.v37i37.74253

Llorent-Bedmar, V., & Cobano-Delgado Palma, V. (2014). La mujer en los libros de texto de bachillerato en España. Cadernos de Pesquisa, 44(151), 156-175. https://doi.org/10.1590/198053142752

Lombard, M., Snyder-Duch, J., & Bracken, C. C. (2002). Content analysis in mass communication: Assessment and reporting of intercoder reliability. Human Communication Research, 28(4), 587-604. https://www.doi.org/10.1111/j.1468-2958.2002.tb00826.x

Loro, A. P., Moya-Mata, I., Valencia-Peris, A., Nunes, M. A., & Devís-Devís, J. (2021). A diversidade nas imagens dos manuais do professor de Educação Física no Brasil. Movimento, 27, Artigo e27049. https://doi.org/10.22456/1982-8918.112065

Lozano, J. C. (1994). Hacia la reconsideración del análisis de contenido en la investigación de los mensajes comunicacionales. In C. Cervantes Barba, & J. González Sánchez (Orgs.), Investigar la comunicación: Propuestas iberoamericanas (pp. 135-158). Universidad de Guadalajara.

Marcuschi, E., & Ledo, A. C de O. (2015). Representações de gênero social em livros didáticos de língua portuguesa. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 15(1), 149-178. https://doi.org/10.1590/1984-639820155926

Melo, G. F., Silva, A. A., Durães, G., Cardoso, F. L., Formiga, N. S., Sousa, I. R. C., & Sampaio, T. M. V. (2015). Estereótipos de gênero aplicados a homens atletas praticantes de esportes culturalmente femininos: A percepção de leigos, profissionais da Educação Física e atletas profissionais. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 23(3), 30-37. https://doi.org/10.18511/rbcm.v23i3.5408

Ministério da Educação. (2017). Edital de Convocação 1/2017-CGPLI. Secretaria de Educação Básica. https://www.fnde.gov.br

Ministério da Educação. (2018a). Base Nacional Comum Curricular. Secretaria de Educação Básica. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Ministério da Educação. (2018b). Edital de Convocação 1/2018-CGPLI. Secretaria de Educação Básica. https://www.fnde.gov.br

Ministério da Saúde. (2017). Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: Uma política para o SUS. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa; Editora do Ministério da Saúde.

Miragaya, A. (2007). As mulheres nos Jogos Olímpicos participação e inclusão social. In K. Rubio (Org.), Megaeventos esportivos, legado e responsabilidade social (pp. 229-231). Casa do Psicólogo.

Moura, N. C. de. (2007). Relações de gênero em livros didáticos de língua portuguesa: Permanências e mudanças [Tese de doutorado]. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Moya-Mata, I., & Ros, C. (2018). Modelos femeninos en el deporte a través de las imágenes en primaria. In E. López-Meneses, D. Cobos-Sanchiz, A. Martín-Padilla, L. Molina-García, & A. Jaén-Martínez (Orgs.), Experiencias pedagógicas e innovación educativa: Aportaciones desde la praxis docente e investigadora (pp. 3879-3890). Octaedro.

Navajas, A. L. (2014). Análisis de la ausencia de las mujeres en los manuales de la ESO: Una genealogía de conocimiento ocultada. Revista de Educación, (363), 282-308. https://sede.educacion.gob.es/publiventa/descarga.action?f_codigo_agc=16223

Neuendorf, K. (2017). The content analysis guidebook. Sage.

Oliveira, G., Cherem, E., & Tubino, M. J. G. (2008). A inserção histórica da mulher no esporte. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 16(2), 117-125. https://doi.org/10.18511/rbcm.v16i2.1133

Oliveira, L. M. de, Barbosa-Rinaldi, I. P., & Pizani, J. (2020). Produção de conhecimento sobre ginástica na escola: Uma análise de artigos, teses e dissertações. Movimento, 26, Artigo e26017. https://doi.org/10.22456/1982-8918.95122

Rangel, I. C. A. (2006). Racismo, preconceito e exclusão: Um olhar a partir da Educação Física escolar. Motriz, 12(1), 73-76. https://doi.org/10.5016/63

Ribeiro, A. A. da M., & Silva, A. M. P. da. (2020). Relações de gênero no livro didático de História: A disputa entre a norma e os costumes em 2007 e 2015. Tempo & Argumento, 12(30), Artigo e0205. https://doi.org/10.5965/2175180312302020e0205

Ruiz-Rabadán, S., & Moya-Mata, I. (2020). Las deportistas olímpicas en los libros de texto de educación física: ¿Presencia o ausencia de referentes en nuestro alumnado? Retos, 38, 229-234. https://doi.org/10.47197/retos.v38i38.74833

Salido-Fernández, J., & Muñoz-Muñoz, A. M. (2021). Media representation of women athletes at the olympic games: A systematic review. Apunts Educación Física y Deportes, (146), 32-41. https://doi.org/10.5672/apunts.2014-0983.es

Sánchez-Hernández, N., Martos-García, D., & López-Navajas, A. (2017). Las mujeres en los materiales curriculares: El caso de dos libros de texto de Educación Física. Retos, 32, 140-145. https://doi.org/10.47197/retos.v0i32.49344

Scott, J. (1995). Gênero: Uma categoria útil para análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Souza, L. H. P., & Rego, S. C. R. (2018). Imagens em livros didáticos de Ciências e as orientações do Programa Nacional do Livro Didático. Ensaios Pedagógicos, 2(3), 5-15. https://www.ensaiospedagogicos.ufscar.br/index.php/ENP/article/view/104

Wimmer, R., & Dominick, J. (2011). Mass media research: An introduction. Wadsworth.

Publicado

05-09-2023

Como Citar

Moya-Mata, I., Moura, N. C. de, & Loro, A. P. (2023). Mulheres atletas nos manuais de educação física brasileiros. Cadernos De Pesquisa, 53, e10029. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/10029

Edição

Seção

Educação Básica, Cultura, Currículo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)