Missão capuchinha e resistência tentehar: releituras do Conflito de Alto Alegre

Maria Aparecida Corrêa Custódio

Resumo


O artigo analisa a gênese, as relações de poder e os impactos sociais da missão indígena dos Frades Menores Capuchinhos, no Maranhão republicano, sob a ótica do conflito e do movimento de resistência indígena que pôs fim à Colônia de Alto Alegre e ao seu internato de meninas índias. É adotada uma linha teórico-metodológica que reconstrói analiticamente depoimentos e documentação arquivística à medida que são investigados sob a perspectiva do paradigma indiciário e colocados em diálogo com variados estudos, com ênfase para os trabalhos sociológicos, antropológicos e históricos. Os resultados estão inscritos na compreensão de que as relações conflitivas entre indígenas e missionários, na contramão do projeto de catequese e civilização das nações originárias, geraram consequências sociopolíticas muito positivas para o povo Tentehar.

Movimentos Sociais, Povos Indígenas, Educação, História

 

Capuchin mission and Tentehar resistance: rereadings of the conflict of Alto Alegre

The article analyzes the genesis, power relations and social impacts of the indigenous mission of the Capuchin Friars Minor in the Republican Maranhão State, from the perspective of the conflict and the indigenous resistance movement that destroyed the Colônia de Alto Alegre and its boarding school for Indian girls. A theoretical-methodological line was adopted that reconstructs analytically testimonies and archival documentation as they are investigated from the perspective of the indicative paradigm and placed in dialogue with various studies. There is emphasis on sociological, anthropological and historical works. The results show that the conflicting relations between indigenous people and missionaries, contrary to the catechesis and civilization project of the nations of origin, have generated very positive sociopolitical consequences for the Tentehar people.

Social Movements, Indigenous Peoples, Education, History

 

Mission capucine et résistance Tentehar: relectures du conflit dans la municipalité d’Alto Alegre

L’article analyse la genèse de la mission amérindienne des Frères mineurs Capucins dans le Maranhão dans la période républicaine (1889-1930), ainsi que les relations de pouvoir et les impacts sociaux de cette mission sous l’angle du conflit et du mouvement de résistance indigène ayant mis fin à la colonie d’Alto Alegre et à son pensionnat pour filles amérindiennes. La ligne de recherche théorique-méthodologique adoptée vise à reconstituer analytiquement les témoignages et la documentation archivistique dans la perspective du paradigme indiciaire et à les mettre en dialogue avec d’autres travaux, notamment d’ordre sociologique, anthropologique et historique. Les résultats s’inscrivent dans une perspective allant à l’encontre du projet de catéchèse et de civilisation des nations originales selon laquelle les relations conflictuelles entre les autochtones et les missionnaires ont entrainé des conséquences sociopolitiques très positives pour le peuple Tentehar.

Mouvements Sociaux, Peuples Indigenes, Éducation, Histoire

 

Misión capuchina y resistencia a Tentehar: relecturas del conflicto de Alto Alegre

Este trabajo analiza la génesis, las relaciones de poder y los impactos sociales de la misión indígena de los Frailes Menores Capuchinos en el Maranhão republicano, desde la perspectiva del conflicto y del movimiento de resistencia indígena que puso fin a la colonia de Alto Alegre y su internado de niñas indígenas. Se adopta una línea teórica y metodológica que reconstruye analíticamente testimonios y documentación de archivos a medida que se investigan desde la perspectiva del paradigma indiciario y se ponen en diálogo con diversos estudios, especialmente los sociológicos, antropológicos e históricos. Los resultados se inscriben en la comprensión de que las relaciones conflictivas entre indígenas y misioneros, a contramano del proyecto de catequesis y civilización de las naciones originarias, generaron consecuencias sociopolíticas muy positivas para el pueblo.

Movimientos Sociales, Pueblos Indígenas, Educación, Historia


Palavras-chave


Movimentos Sociais, Povos Indígenas, Educação, História

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ABREU, Sylvio Fróes. Na terra das palmeiras. Rio de Janeiro: Officina Industrial Graphica, 1931.

A MENINA Urçula. O Norte, Barra do Corda, 4 maio 1901.

AMOROSO, Marta Rosa. Mudança de hábito: catequese e educação para índios nos aldeamentos capuchinhos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 37, p. 101-114, jun. 1998.

ARANTES, Adlene Silva. O papel da Colônia Orfanológica Isabel na educação e na definição dos destinos de meninos negros e índios na Província de Pernambuco (1874-1889). Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

BELTRAMI, Frei Rogerio. Documentação relativa à Frei Carlos de São Martinho. São Luís: Convento do Carmo, 1996. Mimeografado.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 16. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CARVALHO, Maria Goretti Cavalcante de. A Missão do Maranhão (1894-1922): acontecimento, particularidades e enredamento nos arquivos capuchinhos. Tese (Doutorado em História) – Unisinos, São Leopoldo, 2017.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CASTROVALVAS, Frei Pelino de. O Rio Tapajós, os capuchinhos e os índios Mundurucus (1871-1883). A cura de Frei Rogério Beltrami. São Luís: Lithograf, 2000.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2002.

COLEÇÃO CARTAS 1895, 1896. Transcrição de Frei Rogério Beltrami. Mimeografado.

CRAPANZANO, Vicent. Diálogo. Anuário Antropológico, Brasília, n. 88, p. 59-80, 1991.

DOCUMENTOS E ATAS DO PROCESSO APÓS O MASSACRE 1901-1903. São Luís, Arquivo da Cúria Custodial dos Frades Menores Capuchinhos. Manuscrito em português e italiano.

GALVÃO, Eduardo. Diários Tenetehara (1941-1942). In: GONÇALVES, Marco Antonio (org.). Diários de campo de Eduardo Galvão: Tenetehara, Kaioá e Índios do Xingu. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Museu do Índio; Funai, 1996. p. 25-174.

GOMES, Mércio Pereira. O índio na história: o povo Tenetehara em busca da liberdade. Petrópolis: Vozes, 2002.

GOTTWALD, Norman K. Introdução socioliterária à Bíblia Hebraica. São Paulo: Paulinas, 1988.

ÍNDIOS. O Norte, Barra do Corda, 22 jun. 1901.

ÍNDIOS. O Norte, Barra do Corda, 13 ago. 1901.

INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS – IPES. O massacre de Alto Alegre. São Luís, 1981.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Guajajara. Povos indígenas no Brasil. 16 jul. 2018. Disponível em: http://www. pib.socioambiental.org/pt/Povo:Guajajara. Acesso em: 1 jul. 2018.

LOPES, Rhuan Carlos dos Santos. Os Tembé/Tenetehara de Santa Maria do Pará: entre representações e diálogos antropológicos. Iluminuras, Porto Alegre, v. 16, n. 38, p. 219-254, jan./jul. 2015.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 4. ed. rev. São Paulo: Loyola, 2002.

MEIRELES, Mario. História da Arquidiocese de São Luís do Maranhão. São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 1977.

MILLS, Eva. Em lugar do espinheiro. Belém: Missão Cristã Evangélica do Brasil, [19--].

MONZA, Frei Bartolomeu de. O massacre de Alto Alegre. Brasília: Senado Federal, 2016. Documento original de 1908.

NEMBRO, Frei Metodio. I cappuccini nel Brasile: missione e custodia del Maranhão (1892-1956). Milano: Centro Studi Cappuccini Lombardi, 1957.

NEVES, Luis Felipe Baêta. O combate dos soldados de Cristo na terra dos papagaios. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1978.

O ATAQUE dos índios. Diário do Maranhão, São Luís, 23 mar. 1901.

OS ÍNDIOS. O Norte, Barra do Corda, 11 maio 1901.

OS ÍNDIOS. O Norte, Barra do Corda, 29 jun. 1901.

ORDEM DOS FRADES MENORES CAPUCHINHOS. Livro de Tombo da Missão 1893-1897. Manuscrito.

ORDEM DOS FRADES MENORES CAPUCHINHOS. Annali Francescani. Milano, n. 24, 1893.

ORDEM DOS FRADES MENORES CAPUCHINHOS. Cronica do Instituto dos Índios 1894-1900. Barra do Corda. Manuscrito.

ORDEM DOS FRADES MENORES CAPUCHINHOS. Registro dos finados: 1894-1925. Barra do Corda. Manuscrito.

ORDEM DOS FRADES MENORES CAPUCHINHOS. A voz de São Francisco. Fortaleza, 1951. v. 13, n. 14.

PEIRANO, Mariza. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

PLANO de ataque. O Norte, Barra do Corda, 23 mar. 1901.

RELATÓRIO E PARECER SOBRE A TERRA “ALTO ALEGRE”. São Luís, 1979. Mimeografado.

RELATÓRIO DA MISSÃO CAPUCHINHA NO ESTADO DO MARANHÃO. Transcrição de Frei Rogério Beltrami. São Luís: Convento do Carmo, 1995. Mimeografado. Documento original de 1894.

TOSO, Rodolfo. Uma mulher forte: Madre Francisca Rubatto. Imperatriz: Ética, 2002.

WAGLEY, Charles; GALVÃO, Eduardo. Os índios Tenetehara: uma cultura em transição. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1955.

ZANNONI, Claudio. Wiriri piterere ipaw (a Lagoa das Bordunas): o conflito nos Tenetehara da região de Barra do Corda – MA. Monografia (Graduação em História) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 1995.

ZANNONI, Claudio. Manipulação do conflito pelos Tenetehara do Maranhão. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 1998a.

ZANNONI, Claudio. O “massacre de Alto Alegre” na imprensa maranhense. In: Geografia, História e Sociologia. São Luís: Imprensa Universitária, 1998b. p. 101-119. (Coleção Prata da Casa, 3).

ZANNONI, Claudio. Rituais de iniciação entre os Tenetehara. In: ZANNONI, C. et al. Rituais indígenas brasileiros. São Paulo: CPA, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.