Como ler Marx no carro-forte: dilemas do ensino superior brasileiro

Alexandre Barbosa Pereira

Resumo


A proposta desse artigo é, a partir do relato de minha experiência como professor em uma instituição privada de ensino superior lucrativo na cidade de São Paulo, apresentar um panorama de quem são os estudantes que têm ingressado em instituições desse tipo. O texto traz uma reflexão sobre a condição social e econômica desses estudantes, que formam um público universitário bastante diversificado e singular. A minha inserção numa faculdade privada proporcionou também uma reflexão sobre as condições de trabalho docente. Além disso, indaga-se sobre que espaço haveria para o ensino de Ciências Sociais para estudantes de outras formações num contexto de ampliação do acesso, mas sem democratização do saber.

 

How to read Marx in an armored truck: dilemmas of brazilian higher education

Drawing on the report of my experience as a professor in a profitable private higher education institution in São Paulo city, Brazil, this article presents an overview of who the students of this type of institutions are. It reflects not only on the social and economic conditions of these students, who constitute a quite diversified and unique university audience, but also on the working conditions of professors. In addition, it inquires whether there is room for teaching social sciences to students of other schooling backgrounds in a context of expanding access but no democratization of knowledge.

Higher Education; Private School; Teaching Work; Students

 

Comment lire Marx dans un fourgon blindé: dilemmes de l’enseignement supérieur brésilien

L’objectif de cet article est de présenter, à partir de mon expérience d’enseignant dans un établissement d’enseignement supérieur privé à but lucratif de la ville de São Paulo, un aperçu des étudiants qui accèdent à ce type d’établissements. Le texte apporte une réflexion sur la condition sociale et économique de ces étudiants, qui forment un public universitaire diversifié et singulier. Mon insertion dans une faculté privée est aussi source de réflexion sur les conditions de travail de l’enseignant. Par ailleurs, cet article cherche à savoir quelle est la place de l’enseignement des sciences sociales pour les étudiants suivant d’autres formations, dans un contexte d’élargissement de l’accès aux études supérieures, sans vraie démocratisation du savoir.

Enseignement supérieur; école privée; travail d’enseignement; Étudiants

 

Cómo leer Marx en el camión transportador de caudales: dilemas de la educación superior brasileña

La propuesta de este artículo es, a partir del relato de mi experiencia como profesor en una institución privada de enseñanza superior rentable en la ciudad de São Paulo, presentar un panorama de quienes son los estudiantes que ingresan en instituciones de este tipo. El texto trae una reflexión sobre la condición social y económica de estos estudiantes, que forman un público universitario bastante diversificado y singular. Mi inserción en una facultad privada también me proporcionó una reflexión sobre las condiciones del trabajo docente. Además, se indaga sobre el espacio que habría para enseñar Ciencias Sociales a estudiantes de otras formaciones en un contexto de ampliación del acceso, pero sin democratización del saber.

Educación Superior; Escuela Privada; Trabajo Docente; Estudiantes


Palavras-chave


Ensino Superior; Escola Particular; Trabalho Docente; Estudantes

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Wilson. USP para todos? Estudantes com desvantagens socioeconômicas e educacionais e fruição da universidade pública. São Paulo: Musa, 2009.

ALMEIDA, Wilson. Prouni e o ensino superior privado lucrativo em São Paulo: uma análise sociológica. São Paulo, Musa/Fapesp, 2014a.

ALMEIDA, Wilson. Estudantes com desvantagens sociais e os desafios da permanência na universidade pública. In: PIOTTO, D. (Org.). Camadas populares e universidades públicas: trajetórias e experiências escolares. São Carlos: Pedro & João, 2014b. p. 239-272.

BARREIRA, Irlys. O ofício de ensinar para iniciantes: contribuições ao modo sociológico de pensar. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 45, n. 1, p. 63-85, jan. 2014.

BECKER, Howard; GEER, Blanchee; HUGHES, Everett; STRAUSS, Anselm. Boys in white: student culture in medical school. New Brunswick and London: Transaction Publishers, 1977.

CARDOSO, Ruth; SAMPAIO, Helena. Estudantes universitários e trabalho. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 9, n. 26, p. 30-50, out. 1994.

CHARLOT, Bernard. Relação com o saber e com a escola entre estudantes da periferia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 97, p. 47-63, maio 1996.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

COMIN, Alvaro; BARBOSA, Rogério. Trabalhar para estudar: sobre a pertinência da noção de transição escola-trabalho no Brasil. Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 91, p. 75-95, nov. 2011.

CONNELL, Raewyn. Bons professores em um terreno perigoso: rumo a uma nova visão da qualidade e do profissionalismo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. especial, p. 166-184, 2010.

CORROCHANO, Maria. Jovens trabalhadores: expectativas de acesso ao ensino superior. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 18, n. 1, p. 23-44, mar. 2013.

COULON, Alain. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Salvador: EDUFBA, 2008.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GUSDORF, Georges. Professores para quê: para uma pedagogia da pedagogia. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GUTIERREZ, Carlos. A ref lexividade evangélica a partir da produção crítica e construção de projetos de vida na Igreja Universal do Reino de Deus. 2017. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HOLSTON, James. Cidadania insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2013.

LAHIRE, Bernard. Viver e interpretar o mundo social: para que serve o ensino da Sociologia? Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 45, n. 1, p. 45-61, jan. 2014.

MEHAN, Hugh. Learning lessons: social organization in the classroom. Cambridge Mass: Harvard University Press, 1979.

MOEHLECKE, Sabrina. Fronteiras da igualdade no ensino superior: excelência & justiça racial. 2004. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

MILLS, Charles W. Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009. ONG, Aihwa. Flexible citizenship: the cultural logics of transnacionality. Durham, NC: Duke University Press, 1999.

POCHMANN, Marcio. Nova classe média: o trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012.

ROMANELLI, Geraldo. Famílias de camadas médias e escolarização superior dos filhos: o estudante-trabalhador. In: NOGUEIRA, Maria Alice; ROMANELLI, Geraldo; ZAGO, Nadir (Org.). Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 99-124.

SADER, Eder; PAOLI, Maria Célia. Sobre “classes populares” no pensamento sociológico brasileiro. In: CARDOSO, Ruth (Org.). A aventura antropológica: teoria e pesquisa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. p. 39-67.

SAMPAIO, Helena; SANCHEZ, Ilara. Formação acadêmica e atuação profissional de docentes em educação: USP e Unicamp. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p. 1268-1291, out./dez. 2017.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.

SOUZA, Jessé. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

SPOSITO, Marília. O povo vai à escola: a luta popular pela expansão do ensino público em São Paulo. São Paulo: Loyola, 1984.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

THOMPSON, Edward. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.