Azul ou rosa? A segregação de gênero no ensino superior brasileiro, 2002-2016

Autores

  • Tayná Mendes Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0002-3531-5892
  • Luiza Houzel Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0003-3180-8136
  • Bruna Milanki Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0001-6851-6159
  • Carolina Medeiros Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0003-2537-9101
  • Flávia Eduarda Rocha Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0002-1938-1654
  • Pedro Elgaly Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0002-4458-7320
  • Vivian de Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0003-4701-2095
  • Flavio Carvalhaes Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil http://orcid.org/0000-0002-3782-1326

Palavras-chave:

Relações de Gênero , Ensino Superior, Estratificação Social

Resumo

O artigo examina como estudantes dos sexos masculino e feminino estão alocados em diferentes grupos de curso do ensino superior brasileiro em 2002 e em 2016. Foram utilizados os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2014 e do Censo do Ensino Superior 2002 e 2016. Os resultados indicam que a conclusão do ensino superior é desproporcionalmente feminina, padrão que se intensificou na última coorte avaliada. Por outro lado, existem diferenças significativas indicando que mulheres estão sobrerrepresentadas em grupos de curso com menores retornos no mercado de trabalho. O padrão de segregação de gênero das escolhas educacionais é estável ao longo do tempo. No entanto, observou-se que isso não se deve a um comportamento estático da segregação de gênero nos grupos de curso, mas sim à compensação de cursos que diminuem e aumentam a segregação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tayná Mendes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Estudante de Ciências Sociais, Pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Luiza Houzel, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Estudante de Ciências Sociais, Pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Bruna Milanki, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Estudante de Ciências Sociais, Pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Carolina Medeiros, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Estudante de Ciências Sociais, Pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Flávia Eduarda Rocha, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Estudante de Mestrado do PPGSA-IFCS-UFRJ, Pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Pedro Elgaly, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Estudante de Ciências Sociais, Pesquisador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Vivian de Almeida, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Estudante de Ciências Sociais, Pesquisador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Flavio Carvalhaes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade (NIED-IFCS-UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Professor do Departamento de Sociologia, Vice-Coordenador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Desigualdade

Referências

Alves, J. E. D. (2003). Mulheres em movimento: Voto, educação e trabalho. REM.

Artes, A. C. A., & Carvalho, M. P. de. (2010). O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: Mito ou realidade? Cadernos Pagu, 34, 41-74. https://doi.org/10.1590/S0104-83332010000100004

Barone, C. (2011). Some things never change: Gender segregation in higher education across eight nations and three decades. Sociology of Education, 84(2), 157-176. https://doi.org/10.1177/0038040711402099

Barone, C., & Assirelli, G. (2020). Gender segregation in higher education: An empirical test of seven explanations. Higher Education, 79(1), 55-78. https://doi.org/10.1007/s10734-019-00396-2

Beltrão, K. I., & Alves, J. E. D. (2009). A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, 39(136), 125-156. https://doi.org/10.1590/S0100-15742009000100007

Bobbitt-Zeher, D. (2007). The gender income gap and the role of education. Sociology of Education, 80(1), 1-22. https://doi.org/10.1177/003804070708000101

Brito, R. dos S. (2006). Intrincada trama de masculinidades e feminilidades: Fracasso escolar e meninos. Cadernos de Pesquisa, 36(127), 129-149. https://doi.org/10.1590/S0100-15742006000100006

Buchmann, C., DiPrete, T. A., & McDaniel, A. (2008). Gender inequalities in education. Annual Review of Sociology, 34(1), 319-337. https://doi.org/10.1146/annurev.soc.34.040507.134719

Carvalho, M. P. D. (2001). Mau aluno, boa aluna? Como as professoras avaliam meninos e meninas. Revista Estudos Feministas, 9(2), 554-574. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200013

Carvalhaes, F., & Ribeiro, C. A. C. (2019). Estratificação horizontal da educação superior no Brasil: Desigualdades de classe, gênero e raça em um contexto de expansão educacional. Tempo Social, 31(1), 195-233. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.135035

Cech, E. A. (2013). The self-expressive edge of occupational sex segregation. American Journal of Sociology, 119(3), 747-789. https://doi.org/10.1086/673969

Charles, M., & Bradley, K. (2002). Equal but separate? A cross-national study of sex segregation in higher education. American Sociological Review, 67(4), 573-599. https://doi.org/10.2307/3088946

Charles, M., & Bradley, K. (2009). Indulging our gendered selves? Sex segregation by field of study in 44 countries. American Journal of Sociology, 114(4), 924-976. https://doi.org/10.1086/595942

Charles, M., & Grusky, D. B. (1995). Models for describing the underlying structure of sex segregation. American Journal of Sociology, 100(4), 931-971.

Charles, M., & Grusky, D. B. (2004). Occupational ghettos: The worldwide segregation of women and men. Stanford University Press.

DiPrete, T. A., & Buchmann, C. (2013). The rise of women: The growing gender gap in education and what it means for American schools. Russell Sage Foundation.

England, P. (2005). Emerging theories of care work. Annual Review of Sociology, 31(1), 381-399. https://doi.org/10.1146/annurev.soc.31.041304.122317

England, P. (2010). The gender revolution: Uneven and stalled. Gender and Society, 24(2), 149-166. https://doi.org/10.1177/0891243210361475

England, P., & Li, S. (2006). Desegregation stalled: The changing gender composition of college majors, 1971-2002. Gender & Society, 20(5), 657-677. https://doi.org/10.1177/0891243206290753

Galvão, J. de C. (2015). O impacto da segregação de gênero nos cursos de graduação sobre o diferencial salarial entre homens e mulheres no Brasil [Dissertação de mestrado não publicada]. Universidade de Brasília.

Hirata, H. (2010). Teoria e práticas do care: Estado sucinto da arte, dados de pesquisa e pontos em debate. In N. Faria, & R. Moreno (Orgs.), Cuidado, trabalho e autonomia. SOF.

Hirata, H., & Guimarães, N. (2012). Cuidado e cuidadoras − As várias faces do trabalho do care. Editora Atlas S.A.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2003). Sinopse estatística da educação superior 2002.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2017a). Sinopse estatística da educação superior 2016.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2017b). Instruções para utilização dos microdados do Censo da Educação Superior.

Itaboraí, N. R. (2016). Trabalho feminino e mudanças nas famílias no Brasil (1976-2012): Uma perspectiva de classe e gênero. Revista Gênero, 16(2). https://doi.org/10.22409/rg.v16i2.31241

Leon, F. L. L. de., & Menezes-Filho, N. A. (2002). Reprovação, avanço e evasão escolar no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, 32(3), 417-451.

Madalozzo, R., & Artes, R. (2017). Escolhas profissionais e impactos no diferencial salarial entre homens e mulheres. Cadernos de Pesquisa, 47(163), 202-221. https://doi.org/10.1590/198053143666

Mann, A., & DiPrete, T. A. (2013). Trends in gender segregation in the choice of science and engineering majors. Social Science Research, 42(6), 1519-1541. https://doi.org/10.1016/j.ssresearch.2013.07.002

Ochsenfeld, F. (2016). Preferences, constraints, and the process of sex segregation in college majors: A choice analysis. Social Science Research, 56, 117-132. https://doi.org/10.1016/j.ssresearch.2015.12.008

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (1997). International Standard Classification of Education: ISCED 1997. Unesco Institute for Statistics.

Pereira, F., & Carvalho, M. (2009). Meninos e meninas num projeto de recuperação paralela. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 90(226), 673-694. https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.90i226.480

Ribeiro, C. A. C. (2007). Estrutura de classe e mobilidade social no Brasil. Edusc.

Ribeiro, C. A. C., & Schlegel, R. (2015). Estratificação horizontal da educação superior no Brasil (1960 a 2010). In M. Arretche (Org.), Trajetórias das desigualdades. Como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos (p. 133-162). Editora Unesp.

Ricoldi, A., & Artes, A. (2016). Mulheres no ensino superior brasileiro: Espaço garantido e novos desafios. Ex aequo − Revista da Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres, 33. https://doi.org/10.22355/exaequo.2016.33.10

Rosemberg, F. (2001). Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo. Revista Estudos Feministas, 9, 515-540. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200011

Schofer, E., & Meyer, J. W. (2005). The worldwide expansion of higher education in the twentieth century. American Sociological Review, 70(6), 898-920. https://doi.org/10.1177/000312240507000602

Senkevics, A. S., & Carvalho, M. P. de. (2015). Casa, rua, escola: Gênero e escolarização em setores populares urbanos. Cadernos de Pesquisa, 45(158), 944-968. https://doi.org/10.1590/198053143364

Sousa, A. P. de. (2017). Desigualdades nas trajetórias entre meninos e meninas nos anos finais do ensino fundamental da Ride-DF: Uma análise dos dados do censo escolar 2012-2016 [Dissertação de mestrado não publicada]. Universidade de Brasília.

Thébaud, S., & Charles, M. (2018). Segregation, stereotypes, and STEM. Social Sciences, 7(7), 111. https://doi.org/10.3390/socsci7070111

Toledo, C. T., & Carvalho, M. P. de. (2018). Masculinidades e desempenho escolar: A construção de hierarquias entre pares. Cadernos de Pesquisa, 48(169), 1002-1023. https://doi.org/10.1590/198053145496

Weeden, K. A., Gelbgiser, D., & Morgan, S. L. (2020). Pipeline dreams: Occupational plans and gender differences in STEM major persistence and completion. Sociology of Education, 93(4), 297-314. https://doi.org/10.1177/0038040720928484

Downloads

Publicado

29-10-2021

Como Citar

Mendes, T., Houzel, L., Milanki, B., Medeiros, C., Rocha, F. E., Elgaly, P., de Almeida, V., & Carvalhaes, F. (2021). Azul ou rosa? A segregação de gênero no ensino superior brasileiro, 2002-2016. Cadernos De Pesquisa, 51, e07830. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/7830

Edição

Seção

Educação Superior, Profissões, Trabalho