Segregação vertical na área da Química durante a pandemia de Covid-19 no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Mulheres, Ciência, Carreira, Relações de Gênero

Resumo

Até o presente momento, não foram identificados estudos sobre identidade de gênero que particularizassem alguma instituição de excelência na área da química no contexto da pandemia de covid-19 no Brasil. Embora exista disparidade de gênero, o Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ-UFRJ) apresenta uma elevada proporção de professoras se comparado à média nacional da área. Entretanto, foram evidenciados diversos fenômenos descritos na epistemologia relativa à identidade de gênero, dentre eles o efeito tesoura e o teto de vidro, pois os homens são a maioria dos pós-doutorados, dominam os quatro principais cargos da carreira acadêmica, compõem a maioria absoluta dos departamentos e recebem o dobro do número de bolsas de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Referências

Barros, S. C., & Mourão, L. (2018). Panorama da participação feminina na educação superior, no mercado de trabalho e na sociedade. Psicologia & Sociedade, 30, 1-11.

Beck-Sickinger, A., Carell, T., Dehne, S., Leitner, W., Schreiner, P. T., & Wennemer, H. (2020, junho). From scientist to scientists – Moving Angewandte into the future. Angewandte Chemie International Edition, 59, 12548-12549.

Chassot, A. (2004). A ciência é masculina? É, sim senhora! Contexto e Educação, 19(71), 9-28.

Chin, A. X., Gillson, L., Nelson, D., Taylo, M. P., Vanacker, V., & Wang, E. (2020). Anthropocene in an age of pandemics. Anthropocene, 30, 100247-100248.

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2020a). Comitês de Assessoramento. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. http://cnpq.br/membros-dos-comites/

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2020b). Plataforma Lattes. http://lattes. cnpq.br/

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2020c). Bolsas em Curso. http://plsql1. cnpq.br/divulg/RESULTADO_PQ_102003.curso?f_inst_uf=RJ#BUSCA

Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília, DF: Senado Federal, Centro Gráfico.

Delphy, C. (2009). Patriarcado (teorias do). In H. Hirata, F. Laborie, H. le Doaré, & D. Senotier (Orgs.), Dicionário crítico do feminismo (pp. 173-178). Editora Unesp.

Fox, M. F. (2001). Women, science, and academia: Graduate education and careers. Gender and Society, 15(5), 654-666.

Fox, M. F. (2015). Gender and clarity of evaluation among academic Scientists in research universities. Science, Technology & Human Values, 40(4), 487-515.

Harding, S. (1987). Feminism and methodology: Social science issues. Indiana University Press.

Lei n. 12.863, de 24 de setembro de 2013. (2013). Altera a Lei n. 12.772, de 28 de dezembro de 2012, que dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Lewin, L. (2002). Gender equity in science – Who cares? Journal of Chemical Education, 79(4), 418-424.

Lima, B. S. (2013). O labirinto de cristal: As trajetórias das cientistas na Física. Estudos Feministas, 21(3), 883-903.

Lombardi, M. R. (2006). Engenheiras brasileiras: Inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, 36(127), 173-202.

Menezes, D. P. (2017). Mulheres na Física: A realidade em dados. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 34(2), 341-343.

Miller-Friedmann, J., Childs, A., & Hiller, J. (2018). Approaching gender equity in academic chemistry: Lessons learned from successful female chemists in the UK. Chemistry Education Research and Practice, 19(1), 24-28.

Moschkovich, M., & Almeida, A. M. F. (2015). Desigualdades de gênero na carreira acadêmica no Brasil. Dados: Revista de Ciências Sociais, 58(3), 749-789.

Naidek, N., Santos, Y. H., Hellinger, R., Hack, T., & Orth, E. (2020). Mulheres cientistas na química brasileira. Química Nova, 43(6), 823-836.

O’Callaghan-Gordo, C., & Antó, J. M. (2020). COVID-19: The disease of the Anthropocene. Environmental Research, 187, 1-2.

Olinto, G. (2011). A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, 5(1), 68-77.

Sanford, M. (2020). Equity and inclusion in the chemical sciences requires actions not just words. Journal of the American Chemical Society, 142(26), 11317-11318.

Santos, N. C., Oliveira, L. F., & Kuppens, C. (2010). Produtividade em pesquisa do CNPq: Análise do perfil dos pesquisadores em química. Química Nova, 33(2), 489-495.

Santos, N. C., Valli, M., & Bolzani, V. S. (2019). A brief overview on Brazilian women in chemistry. Pure Applied Chemistry, 91(4), 743-750.

Silva, C. M., Arbilla, G., Machado, W., & Soares, R. (2020). Radionuclídeos como marcadores de um novo tempo: O Antropoceno. Química Nova, 43(4), 506-514.

Silva, C. M., Soares, R., Machado, W., & Arbilla, G. (2020). A pandemia de covid-19: Vivendo no Antropoceno. Revista Virtual de Química, 12(4), 1001-1016.

Soares, T. A. (2001). Mulheres em ciência e tecnologia: Ascensão limitada. Química Nova, 24(2), 281-285.

Soares, R., Mello, M. C. S., Silva, C. M., Machado, W., & Arbilla, G. (2020). Online Chemistry education challenges for Rio de Janeiro students during the covid-19 pandemic. Journal of Chemical Education, 97(9), 3396-3399.

Staniscuaski, F., Reichert, F., Werneck, F. P., Oliveira, L., Mello-Carpes, P. B., Solletti, R. C., Almeida, C. I., Zandona, E., Klein, F., Neumann, A., Schartz, V., Tamajusuku, A., Seixas, A., & Kmetzsch, L. (2020). Impact of covid-19 on academic mothers. Science, 368, 6492-6493.

Su, X., Johnson, J., & Bozeman, B. (2014). Gender diversity strategy in academic departments: Exploring organizational determinants. Higher Education, 69, 839-858.

Universidade Federal do Rio de Janeiro. (1971). Regimento do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ-UFRJ). Editora UFRJ. https://www.iq.ufrj.br/arquivos/2014/08/Regimento-do-Instituto-de-Qu%C3%ADmica-IQ-UFRJ-de-1971.pdf

Vaz, D. V. (2013). O teto de vidro nas organizações públicas: Evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, 22(3), 765-790.

Whittington, K. B. (2011). Mothers of invention? Gender, motherhood, and new dimensions of productivity in the science profession. Work and Occupations, 38(3), 417-456.

Publicado

11-06-2021

Edição

Seção

Educação Superior, Profissões, Trabalho