Inclusão escolar e infraestrutura física de escolas de ensino fundamental

Autores

  • Camila Elidia Messias dos Santos Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Bauru (SP), BrasilP http://orcid.org/0000-0003-1428-9899
  • Vera Lucia Messias Fialho Capellini Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Bauru (SP), Brasil http://orcid.org/0000-0002-9184-8319

Palavras-chave:

Acessibilidade, Educação Especial, Inclusão Escolar, Escolas

Resumo

Este artigo tem como objetivo verificar as condições da infraestrutura física das escolas de um sistema municipal de ensino fundamental, considerando os alunos público-alvo da educação especial. O delineamento utilizado foi o qualitativo descritivo. Participaram da pesquisa 16 gestores das escolas municipais de ensino fundamental da cidade de Bauru, São Paulo. Os instrumentos utilizados foram o roteiro de observação do espaço físico e recursos inclusivos do contexto escolar e o roteiro de entrevista para os gestores escolares. Os resultados apontaram que a análise in loco difere do ponto de vista dos gestores. No entanto, há concordância sobre a necessidade de ampliação e melhoria da infraestrutura física, maior disponibilidade de recursos materiais e recursos adaptados, principalmente na classe comum.

Biografia do Autor

Camila Elidia Messias dos Santos, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Bauru (SP), BrasilP

Graduada em Psicologia pela Universidade Paulista - UNIP/Araçatuba (2014). Possui aperfeiçoamento em Psicoterapia Breve de Base Crítica pelo Centro de Promoção da Qualidade de Vida (PromVi) - UNESP/Araçatuba e Mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP/Bauru (2019). Atualmente é doutoranda do Programa de Pós -Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Bauru). Membro do Grupo de Pesquisa (CNPq): A inclusão da pessoa com deficiência, TGD/TEA ou superdotação e os contextos de aprendizagem e desenvolvimento da UNESP/ Bauru e do projeto de extensão Parceria FC e Secretaria Municipal da Educação para desenvolvimento de Programa de Identificação, avaliação e atendimento de alunos com superdotação. Membro titular represente discente da pós-graduação da Comissão de Inclusão e Acessibilidade UNESP (2020). Desenvolve estudos na interface Psicologia e Educação, em temáticas relacionadas a Educação Especial e Inclusiva, Psicologia do desenvolvimento, Inclusão escolar, Aprendizagem e ensino e Terapia Cognitivo-Comportamental.

Vera Lucia Messias Fialho Capellini, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Bauru (SP), Brasil

Professora Pesquisadora Produtividade (CNPQ).Graduada em Pedagogia pela Universidade Metodista de Piracicaba (1991), Mestrado (2001) e Doutorado (2004) em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos. Realizou em 2012 Pós-Doutorado na Universidade de Alcalá- Espanha, a partir do qual defendeu sua Livre docência em Educação Inclusiva em 2014. Profa. Adjunto do Depto de Educação, do Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem e do Programa de Mestrado Profissional em Docência para a Educação Básica, da FC/ UNESP- Bauru. Vice-Diretora da Faculdade de Ciências - FC/UNESP-Bauru (2017-2021). Presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial- ABPEE (2017-2020). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em formação inicial e continuada de professores, prática de ensino, inclusão escolar e avaliação educacional. Líder do Grupo de Pesquisa: A inclusão da pessoa com deficiência, TGD e superdotação e os contextos de aprendizagem e desenvolvimento. É membro do Observatório Internacional de Inclusão, Interculturalidade e Inovação pedagógica (OIIIIPe); ambos cadastrados no CNPQ. Presidente da comissão organizadora do I,II,III,IV e V Congresso Brasileiro de Educação da UNESP de Bauru. Coordenou o Curso de Aperfeiçoamento em Práticas Educacionais Inclusivas em parceria com o Ministério da Educação de 2008 a 2013. Coordenou seis cursos de Especialização da Educação Especial do Redefor, em parceria com SEE/SP e com a SME/SP. Coordena na UNESP o acordo de Cooperação com a Universidade do Sul da Flórida sobre consultoria colaborativa.

Referências

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Basei, A. P., & Cavasini, G. F. (2015). A inclusão escolar e as condições de acessibilidade: Um estudo preliminar na região sudoeste do Paraná. Cinergis, 16(1), 27-32.

Calado, G. C. (2006). Acessibilidade no ambiente escolar: Reflexões com base no estudo de duas escolas municipais de Natal-RN. [Dissertação de Mestrado]. Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. UFRN. https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/12416

Capellini, V. L. M. F. (2018). Avaliação da qualidade da educação ofertada aos alunos público-alvo da educação especial em escolas públicas da Comarca de Bauru. [Relatório de Pesquisa submetido à Fapesp, São Paulo].

Carvalho, T. C. P. de. (2008). Arquitetura escolar inclusiva: Construindo espaços para educação infantil. [Tese de Doutorado]. Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18141/tde-06022009-150902/publico/tese_telma_cristina_carvalho.pdf

Castro, F. F. M. de. (2000). A importância do espaço no processo de ensino. Pós – Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, 9, 176-189.

Castro, G. G. de, Abrahão, C. A. F., Nunes, Â. X., Nascimento, L. C. G. do, & Figueiredo, G. L. A. (2018, janeiro-março). Inclusão de alunos com deficiências em escolas da rede estadual: Um estudo sobre acessibilidade e adaptações estruturais. Revista Educação Especial, 31(60), 93-106.

Corrêa, P. M. (2010). Elaboração de um protocolo para avaliação de acessibilidade física em escolas da educação infantil. [Dissertação de Mestrado]. Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/91190

Corrêa, P. M., & Manzini, E. J. (2012, abril/junho). Um estudo sobre as condições de acessibilidade em pré-escolas. Revista Brasileira de Educação Especial, 18(2), 213-230.

Cozby, Paul C. (2003). Métodos de pesquisa em ciências do comportamento (P. I. C. Gomide, E. Otta Trad.). Atlas.

Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Presidência da República. Brasília.

Evangelo, L. S. (2014). Avaliação da acessibilidade e mobilidade arquitetônica em escolas de ensino fundamental de Viçosa-MG. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Viçosa. https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/6571

Fonseca, T. da S., Freitas, C. S. C., & Negreiros, F. (2018, julho/setembro). Psicologia escolar e educação inclusiva: A atuação junto aos professores. Revista Brasileira de Educação Especial, 24(3), 427-440.

Gallo, E. C., Orso, K. D, & Fiório, F. B. (2011). Análise da acessibilidade das pessoas com deficiência física nas escolas de Chapecó-SC e o papel do fisioterapeuta no ambiente escolar. O Mundo da Saúde, 35(2), 201-207.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/bauru/panorama

Instituto Nacional para a Reabilitação. (2014). Desenho universal. http://www.inr.pt/content/1/5/desenho-universal.

Kimura, S. (2008). Geografa no ensino básico: Questões e propostas. Contexto.

Kowaltowski, D. C. C. K. (2014). Arquitetura escolar: O projeto do ambiente de ensino. Oficina de Textos.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996.

Manzini, E. J., & Corrêa, P. M. (2008). Avaliação da acessibilidade em escolas do ensino fundamental usando a tecnologia digital. [Apresentação de comunicação]. Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação [Anped], Caxambu, MG, Brasil.

Médice, J., De Vitta, F. C. F., De Conti, M. H. S., Zaniolo, L. O., & De Vitta, A. (2015). Acessibilidade nas escolas de ensino fundamental de um município da região oeste de São Paulo. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 23(3), 581-588.

Mendes, E. G. (2002). A inclusão escolar em creches desenvolvendo procedimentos para avaliação de políticas e formação de educadores. [Projeto de Bolsista Produtividade aprovado pelo CNPq, São Carlos-SP]. Mimeografado.

Ministério da Educação. (2009). Manual de acessibilidade espacial para escolas: O direito à escola acessível! Secretaria de Educação Especial. https://www.mpdft.mp.br/portal/pdf/rede_urbanidade/ Manual_acessibilidade_espacial_escolas.pdf

Ministério da Educação. (2013). Documento Orientador: Programa Escola Acessível. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

Ministério da Educação. (2018). Censo Escolar 2017: Notas estatísticas. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Ministério da Educação. (2019). Censo Escolar 2018: Notas estatísticas. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Miron, E. M., & Costa, M. da P. R. da. (2014, janeiro/março). Barreiras físicas e o acesso às aulas de educação física. Pensar a Prática, 17(2), 377-394.

Monteiro, J. de S., & Silva, D. P. da. (2015, setembro/dezembro). A influência da estrutura escolar no processo de ensino-aprendizagem: Uma análise baseada nas experiências do estágio supervisionado em Geografia. Geografia Ensino & Pesquisa, 19(3), 19-28.

Moraes, M. G. de. (2007). Acessibilidade e inclusão social em escolas. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru.

Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Unesco.

Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. (2008). 48th International Conference on Education – Conclusions and recommendations. IBE.

Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, & Ministério da Educação. (1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa com Deficiência (Corde).

Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. (2019). Qualidade da infraestrutura das escolas públicas do ensino fundamental no Brasil. Unesco.

Política Nacional de Educação Especial. (1994). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial.

Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. (2008). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde.

Roquejani, T. C., Capellini, V. L. M. F., & Fonseca, K. de A. (2018). O desenho universal para aprendizagem em contextos inclusivos do ensino fundamental. In A. A. S. Oliveira, K. de A. Fonseca, & M. R. dos Reis (Orgs.), Formação de professores e práticas educacionais inclusivas (pp. 59-77). Editora CRV.

Sá, J. dos S., & Werle, F. O. C. (2017, abril/junho). Infraestrutura escolar e espaço físico em educação: O estado da arte. Cadernos de Pesquisa, 47(164), 386-413.

Santos, C. E. M. dos. (2019). Da infraestrutura física às práticas pedagógicas: Desafios da escola frente ao aluno público-alvo da educação especial. [Dissertação de Mestrado]. Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/181630

Satyro, N., & Soares, S. (2007). A infraestrutura das escolas brasileiras de ensino fundamental: Um estudo com base nos censos escolares de 1997 a 2005. Ipea.

Silva Filho, D. M. da, & Kassar, M. de C. M. (2019). Acessibilidade nas escolas como uma questão de direitos humanos. Revista Educação Especial, 32(27), 1-19.

Soares Neto, J. J., Jesus, G. R. de, Karino, C. A., & Andrade, D. F. de. (2012, janeiro/março). Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Estudos em Avaliação Educacional, 24(54), 78-99.

Tada, I. N. C., Lima, V. A. A. de, Melo, T. G., & Correio, D. Y. V. T. (2012, janeiro/março). Conhecendo o processo de inclusão escolar em Porto Velho-RO. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(1), 65-69.

Teixeira, M. T., & Reis, M. F. (2012, maio/agosto). A organização do espaço em sala de aula e suas implicações na aprendizagem cooperativa. Meta: Avaliação, 4(11), 162-187.

Publicado

30-04-2021

Edição

Seção

Educação Básica, Cultura, Currículo