Opressão nas escolas: o bullying entre estudantes do ensino básico

Autores

  • Cíntia Santana e Silva Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
  • Bruno Lazzarotti Diniz Costa Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Palavras-chave:

Bullying, Escolas, Ensino Básico

Resumo

O artigo examina o fenômeno bullying entre os alunos do ensino básico das escolas estaduais de Minas Gerais. A análise empírica apoiou-se em dados obtidosjunto a 5.300 alunos e 243 professores nos anos de 2012 e 2013. Os dados foram analisados com base em modelos lineares generalizados hierárquicos. Foi estimada a chance de ocorrência da prática de bullying a partir de uma estrutura de dois níveis, o dos alunos e o das escolas. Verificou-se que a distribuição do bullying é explicada, no nível individual, pela qualidade do vínculo do aluno com a escola e pela aderência a comportamentos desviantes; no nível escolar, por características contextuais, como clima geral de satisfação, qualidade da relação professor-aluno e método de contenção de conflitos.

Biografia do Autor

Cíntia Santana e Silva, Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Mestre em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (2014), bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011).

Bruno Lazzarotti Diniz Costa, Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Pesquisador Pleno III da Fundação João Pinheiro. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais(1990), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais(1995) e doutorado em Sociologia e Política pela Universidade Federal de Minas Gerais(2005).Doutor em Ciências Humanas: Sociologia e Política / UFMG Pesquisador e Professor da Escola de Governo da Fundação João Pinheiro Coordenador do Mestrado em Administração Pública da Fundação João Pinheiro.

Referências

AGNEW, R. Foundation for a general strain theory of crime and delinquency. Criminology, n. 30, p. 47-88, 1992.

BOURDIEU, P. Escritos de educação. Organização de M. A. Nogueira e A. Catani. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

CATINI, N. Problematizando o “bullying” para a realidade brasileira. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2004.

COOLEY, C. H. The social self. In: PONTELL, H. Social deviance: readings in theory and research. New Jersey: Prentice Hall, 2002.

DAKE, J. A.; PRICE, J. H.; TELLJOHAN, S. K. The nature and extent of bullying at school. Journal of School Health, v. 73, n. 5, p. 173-180, May 2003.

FANTE, C. Fenômeno bullying. Campinas, SP: Versus, 2005.

FLORES-GONZÁLEZ, L. M.; RETAMAL-SALAZAR, J. A. Clima escolar y gestión compleja del conocimiento: desafíos para la investigación educativa y la política pública en violencia escolar. Magis, Revista Internacional de Investigación en Educación, v. 4, n. 8, p. 319-338, 2011.

GOTTFREDSON, D. Schools and delinquency. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

GOTTFREDSON, M.; HIRSCHI, T. A general theory of crime. Stanford: Stanford University Press, 1990.

GVIRTZ, S.; BEECH, J. Micropolítica escolar e coesão social na América Latina. In: SCHWARTZMAN, C.; COX, C. (Org.). Políticas educacionais e coesão social: uma agenda latino-americana. Rio de Janeiro: Elsevier; São Paulo: IFHC, 2009.

HIRSCHI, T. Causes of delinquency. Berkeley, CA: University of California Press, 1969.

HURFORD, D. P. et al. The role of school climate in school violence: a validity study of a web-based school violence survey. Journal of Educational Research & Policy Studies Spring, v. 10, n. 1, p. 51 -77, 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Portal do Inep. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/pisa-programa-internacional-deavaliacao-

de-alunos>. Acesso em: fev. 2014.

MALTA, D. C et al. Bullying nas escolas brasileiras: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2009. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, supl. 2, p. 3065-3076, 2010.

MARRIEL, L. C. et al. Violência escolar e auto-estima de adolescentes. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 127, p. 35-50, jan./abr. 2006.

OLWEUS, D. Bully/victim problems in school: facts and intervention. European Journal of Psychology of Education, v. 12, n. 4, p. 495-510, 1997.

OLWEUS, D. Conductas de acoso y amenaza entre escolares. Madrid: Morata, 1998.

PHILLIPS, C. Who’s who in the pecking order? Agression and ‘normal violence’ in the lives of girls and boys. British Journal of Criminology, n. 43, p. 710-728, 2003.

RICHARD, J. F.; SCHNEIDER, B. H.; MALLET, P. Revisiting the whole-school approach to bullying: really looking at the whole school. School Psychology International, n. 33, p. 223-239, 2012.

SILVA, J. M. A. de P.; SALLES, L. M. F. A relação professor-aluno como um dos enfoques de análise da violência escolar. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 15, n. 1, p. 87-104, 2010.

STOLL, L.; FINK, D. Para cambiar nuestras escuelas: reunir la eficacia y la mejora. Barcelona: Octaedro, 1999.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Violência nas escolas e programas de prevenção: estudo dos possíveis impactos do programa “Escola Viva, Comunidade Ativa” nas escolas estaduais de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG/Crisp, 2013.

ZALUAR, A.; LEAL, M. C. Violência extra e intramuros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 16, n. 45, p. 145-164, fev. 2001.

ZOEGA, M. T. S.; ROSIM, M. A. Violência nas escolas: o bullying como forma velada de violência. Unar, Araras, v. 3, n. 1, p. 13-19, 2009.

Publicado

14-10-2016

Edição

Seção

Tema em Destaque