Mediação de conflitos em escolas: entre normas e percepções docentes

Autores

  • Angela Maria Martins Fundação Carlos Chagas – FCC –, São Paulo, São Paulo, Brasil; Universidade Cidade de São Paulo – Unicid –, São Paulo, São Paulo, Brasil
  • Cristiane Machado Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Cidade de São Paulo – PPGE/Unicid –, São Paulo, São Paulo, Brasil
  • Ecleide Cunico Furlanetto Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Cidade de São Paulo – PPGE/Unicid –, São Paulo, São Paulo, Brasil

Palavras-chave:

Política Educacional, Mediação de Conflitos Escolares, Trabalho Docente

Resumo

Este artigo se reporta a dados obtidos em investigação que se propôs a analisar o programa de governo denominado Sistema de Proteção Escolar, implementado pela Secretaria de Estado da Educação desde 2010. O foco ora analisado tem como propósito compreender as percepções de Professores Mediadores Comunitários sobre situações de conflito e violência nas escolas onde atuam. Os dados indicam uma tendência de ampliação dos níveis de conflito e violência no contexto escolar, com predominância de problemas provocados por alunos, na visão dos entrevistados. Esse cenário pode ser creditado à resistência de alunos às condutas dos profissionais e das práticas pedagógicas ali encetadas, se contrapondo à autoridade atribuída socialmente aos professores e ao prestígio da escolaridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Maria Martins, Fundação Carlos Chagas – FCC –, São Paulo, São Paulo, Brasil; Universidade Cidade de São Paulo – Unicid –, São Paulo, São Paulo, Brasil

Graduada em Ciências Sociais e Políticas pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo,; mestre em Educação pela Universidade de São Paulo; doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Realizou pós-doutorado com bolsa da CAPES no Instituto de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa (2008), na área de políticas públicas educacionais. Desde 1996 é pesquisadora da Fundação Carlos Chagas na área de política e gestão da educação básica. Atualmente é professora do Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Cidade de São Paulo e coordenadora do Mestrado Profissional Formação de Gestores Educacionais na mesma instituição. Tem estudado principalmente os seguintes temas: políticas educacionais e gestão da educação básica; metodologias de pesquisa; trajetórias e identidade profissional de diretores e professores.

Cristiane Machado, Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Cidade de São Paulo – PPGE/Unicid –, São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (2003), Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1995) e Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1991). Possui experiência Docente no Ensino Fundamental, Médio, Formação de Professores nos níveis Médio e Superior, Graduação e Pós-graduação e na Gestão Educacional de Sistemas Públicos. É Docente do Mestrado em Educação da Universidade do Vale do Sapucaí - Univás, em Pouso Alegre - MG. Desenvolve pesquisas relacionadas aos temas Política Educacional, Avaliação Educacional, Gestão Educacional e Escolar e Formação Docente. É Pesquisadora do Gepave (Grupo de Estudos e Pesquisas em Avaliação Educacional) na Faculdade de Educação da USP e Líder do Gepaq (Grupo de Estudos e Pesquisas em Formação Docente, Avaliação e Qualidade) da Univás.

Ecleide Cunico Furlanetto, Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Cidade de São Paulo – PPGE/Unicid –, São Paulo, São Paulo, Brasil

Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982), mestrado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1989) e doutorado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997). Atualmente é professora e coordenadora do Programa de Mestrado em Educação da Universidade Cidade de São Paulo - UNICID. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, desenvolve pesquisas e projetos a respeito de formação de professores, matrizes pedagógicas e aprendizagem de adultos.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças (Org.). Violência nas escolas. Brasília, DF: Unesco, 2002.

AQUINO, Júlio G. A indisciplina e a escola atual. Revista Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 181-204, jul./dez. 1998.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no entretecer destas culturas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1059-1083, out. 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1994.

BHABHA, Homi. O lugar da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2005.

CARDIA, Nancy. Pesquisa sobre atitudes, normas culturais e valores em relação à violência em 10 capitais brasileiras. Brasília, DF: Ministério da Justiça; Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, 1999.

CECCON, Claudia et alii. Conflitos na escola - modos de transformação: dicas para refletir e exemplos de como lidar. São Paulo: Cecip; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, p. 432-443, jul./dez. 2002.

COSTA, Silvana Ferreira Magalhães. Mediação de conflitos escolares e justiça restaurativa. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente, 2012.

DEBARBIEUX, Eric; BLAYA, Catherine (Org.). Violência nas escolas e políticas públicas. Brasília, DF: Unesco, 2002.

DIKER, Gabriela. Entre la ciencia ficción y la política: variaciones sobre la desaparición de lo escolar. In: FRIGERIO, Graciela; DIKER, Gabriela (Org.). Educar: saberes alterados. Buenos Aires: Del Estante Editorial; Clacso, 2010. p. 149-163.

DUBET, François. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor – entrevista concedida a Angelina T. Peralva e Marília P. Sposito. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 5/6, p. 222-231, 1997.

FANFANI, Emilio T. Culturas jovens e cultura escolar. In: SEMINÁRIO ESCOLA JOVEM: UM OLHAR SOBRE O ENSINO MÉDIO. 2000, Brasília, DF. Anais... Brasília: MEC/SEB, 2000. Disponível em:

<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CultJoEsc.pdf>. Acesso em: 13 dez. 2013.

FOURREZ, Gérard. Educar: docentes, alunos, escolas, éticas, sociedades. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2008.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1992.

GOMES, Roberto Alves; MARTINS, Angela M. Conflitos e indisciplina no contexto escolar: a normatização do Sistema de Proteção Escolar em São Paulo. Ensaio, Fundação Cesgranrio, v. 24, p. 161-178, 2016.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1996.

KLIKSBERG, Bernardo. O desafio da exclusão: para uma gestão social eficiente. São Paulo: Fundação do Desenvolvimento Administrativo; Fundap, 1997.

LAPASSADE, Georges. As microssociologias. Brasília, DF: Liber Livros, 2005.

LARROSA, Jorge. Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 2, jul./dez. 2011.

LEWKOWICZ, Ignacio. Escuela y ciudadanía. In: CORREA, Cristina; LEWKOWICZ, Ignacio (Org.). Pedagogía del aburrido: escuelas destituidas y familias perplejas. Buenos Aires, Barcelona, México: Paidós, 2008.

LOPES, Rosilene Beatriz. Significações de violências na perspectiva de professores que trabalham em escolas “violentas”. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, 2004.

MARRA, Célia Auxiliadora dos Santos. Violência escolar: um estudo de caso sobre a percepção dos atores escolares a respeito dos fenômenos de violência explícita e sua repercussão no cotidiano da escola. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

MARTINS, Angela M. Educação e diretrizes de mudança: possibilidades e limites do Estado. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 15, p. 7-54, 1997.

MARTINS, Angela M. Autonomia e educação: a trajetória de um conceito. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 207-232, mar. 2002.

MARTINS, Angela M. Uma análise da municipalização do ensino no Estado de São Paulo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 120, p. 221-238, nov. 2003.

MARTINS, Angela M. A constituição de trajetórias profissionais: possíveis contribuições ao debate sobre o trabalho docente. Revista Iberoamericana de Educación, v. 9, n. 46, p. 1-8, 2008.

Buenos Aires: Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura, 2008.

MARTINS, Angela M. O campo das políticas públicas de educação: revisão de literatura. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 56, p. 276-299, 2013.

MARTINS, Angela M.; FURLANETTO, Ecleide C.; MACHADO, Cristiane. Significados atribuídos por professores mediadores comunitários a situações de conflito e violência em escolas públicas. In: EDUCERE – CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: Formação de professores, complexidade e trabalho docente. 12., Curitiba, 2015. Anais... Curitiba: PUC-PR, 2015.

p. 5074-5088.

MARTINS, Angela M.; MACHADO, Cristiane. Gestão escolar, situações de conflito e violência: campo de tensão em escolas públicas. Educar em Revista, v. 59, p. 157-173, 2016.

MARTUCCELLI, Danilo. Reflexões sobre a violência na condição moderna. Tempo Social, Revista de Sociologia, n. 1, p. 157-175, maio 1999.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MEIRIEU, Philippe. O cotidiano da escola e da sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2005.

OLIBONI, Samara Pereira. O bullying como violência velada: a percepção e ação dos professores. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2008.

OLIVEIRA, Victor Rodrigues; FERREIRA, Diego. Violência e desempenho dos alunos nas escolas brasileiras: uma análise a partir do Saeb 2011. Trabalho apresentado na Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia – ANPEC, 2013.

OZ, Amós. Como curar um fanático. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

PASSEGGI, Maria Conceição et al. Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto)biográfica. Revista Educação do Centro de UFSM, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 85-104, jan./abr. 2014.

PÉREZ GÓMEZ, Ángel. La cultura escolar en la sociedad neoliberal. Madrid: Morata, 2004.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Justiça e Educação em Heliópolis e Guarulhos: parceria para a cidadania. São Paulo: Cecip, 2007.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Resolução SE n. 19, de 12/02/2010. São Paulo: Cenp/DRHU, 2010.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Resolução SE n. 1, de 20/01/2011. São Paulo: Cenp/DRHU, 2011.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Seminário de Proteção Escolar: debate temas como bullying e prevenção de conflitos. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2015.

SILVA, Dezir Garcia da. Violência e estigma: bullying na escola. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2006.

SPOSITO, Marília P. A instituição escolar e a violência. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 104, p. 58-75, jul. 1998.

SPOSITO, Marília P. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 87-103, jan./jun. 2001.

STAKE, R. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

TIBÉRIO, Welington. A judicialização das relações escolares: um estudo sobre a produção de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2011.

e Educação, São Paulo, 2011.

Downloads

Publicado

30-04-2021

Como Citar

Martins, A. M., Machado, C., & Furlanetto, E. C. (2021). Mediação de conflitos em escolas: entre normas e percepções docentes. Cadernos De Pesquisa, 46(161), 566–592. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/3798

Edição

Seção

Tema em Destaque