Quem tem medo do professor? O discurso de ódio endereçado a professores no espaço virtual

Autores

Palavras-chave:

Ódio, Professores, Análise de Discurso , Espaço Virtual

Resumo

O artigo propõe analisar, à luz do arcabouço teórico-metodológico da análise do discurso pecheutiana, o modo como o lugar discursivo do sujeito-professor tem sido (re)posicionado a partir de narrativas de ódio produzidas no espaço virtual. As análises evidenciam a produção de efeitos de animalização e de demonização da posição que aqui designamos de professor-educador, que opera o/no discurso a fim de justificar tanto a violência contra essa posição quanto seu extermínio, dado que ela é projetada como figura abjeta, indigna e nociva. O exercício analítico empreendido constitui um gesto problematizador da conjuntura contemporânea, procurando (d)enunciar as práticas pelas quais a categoria docente tem sido estigmatizada e descredibilizada em um momento sócio-histórico de crescente ultraconservadorismo e de afirmação do ódio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Maria de Sousa Santos, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa (PB), Brasil

Mestra em Linguagem e Ensino pela Universidade Federal de Campina Grande. Professora substituta do Departamento de Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora de Língua Portuguesa do Estado da Paraíba.

Washington Silva de Farias, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Campina Grande (PB), Brasil

Doutor em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Professor da Universidade Federal de Campina Grande, onde atua na graduação em Letras e no Programa de Pós-graduação em Linguagem e Ensino PPGLE (Mestrado e Doutorado).

Referências

Brandão, H. (2004). Introdução à análise do discurso. Editora da Unicamp.

Brugger, W. (2007). Proibição ou proteção do discurso do ódio? Algumas observações sobre o direito alemão e o americano. Revista de Direito Público, 4(15), 117-136. https://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/direitopublico/article/view/1418

Cazarin, E., & Menezes, E. (2016). A marcha pela liberdade e o ódio de classe. In E. Grigoletto, & F. De Nardi (Orgs.), A análise do discurso e sua história: Avanços e perspectivas. Pontes.

Cortes, G. R. de O. (2015). Do lugar discursivo ao efeito-leitor: A movimentação do sujeito no discurso em Blogs de Divulgação Científica [Tese de Doutorado em Letras, Universidade Federal de Pernambuco]. Attena. Repositório Digital da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13933

Escola sem Partido Oficial. (2016, 28 de março). Chefe da militância disfarçada de docência CONVOCA. [Imagem anexada] [Postagem no Feed]. Facebook. https://www.facebook.com/escolasempartidooficial

Escola sem Partido Oficial. (2017, 26 de abril). A doutrinação se dá no segredo de sala de aula. [Imagem anexada] [Postagem no Feed]. Facebook. https://www.facebook.com/escolasempartidooficial

Escola sem Partido Oficial. (2017, 30 de agosto). Não dê moleza para o abusador disfarçado de professor. [Imagem anexada] [Postagem no Feed]. Facebook. https://www.facebook.com/ escolasempartidooficial

Escola sem Partido Oficial [@escolasempartidooficial]. (2017, 15 de outubro). Parabéns aos professores de verdade! [Imagem] Instagram. https://www.instagram.com/p/BaSC9tIFNPq/?utm_ medium=copy_link

Escola sem Partido Oficial [@escolasempartidooficial]. (2019, 9 de outubro). O escola sem partido é uma estaca cravada no coração do vampiro gramsciano que zumbifica a educação brasileira. [Imagem] Instagram. https://www.instagram.com/p/B3a5uIYgVn1/?utm_medium=copy_link

Escola sem Partido Oficial [@escolasempartidooficial]. (2020, 8 de abril). A exemplo do que muitas vezes ocorre com as vítimas de sequestros prolongados. [Imagem] Instagram. https://www.instagram.com/p/ B-uQrXppFj5/?utm_medium=copy_link

Escola sem Partido Oficial [@escolasempartidooficial]. (2020, 22 de maio). O petismo é um parasita que se alojou no sistema educacional. [Imagem] Instagram. https://www.instagram.com/p/CAfn_ YMJxmQ/?utm_medium=copy_link

França, T. A. (2019). Sentidos e funcionamentos do discurso de ódio em espaços do Facebook: uma leitura discursiva [Tese de Doutorado em Letras, Universidade Federal de Pernambuco]. Attena. Repositório Digital da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/34039

França, T. A., & Grigoleto, E. (2018). Imagens do/no espaço virtual: Sobre as condições de produção do discurso de ódio no Facebook. In F. V. Silva, & K. F. Abreu. O império do digital: Teoria, análise e ensino. Pedro & João Editores.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra.

Giroux, H. (2020). Educação, democracia e neoliberalismo: Uma conversa com Henry Giroux. [Vídeo]. YouTube, Canal Instituto Nutes. https://www.youtube.com/watch?v=lwMY12NKGug

Grigoletto, E. (2011). O discurso nos ambientes virtuais de aprendizagem: Entre a interação e a interlocução. In E. Grigoletto, F. S. De Nardi, & C. R. Schons (Orgs.), Discursos em rede: Práticas de (re)produção, movimentos de resistência e constituição de subjetividades no ciberespaço. Editora da UFPE.

Indursky, F. (2018, 28 de agosto). O mal-estar na política e na cultura. [Vídeo]. YouTube, Canal Unisul Digital. https://www.youtube.com/watch?v=VSEYDhIJl4U&t=558s

Lévy, P. (1996). O que é virtual? Editora 34.

Maringoni, G. (2016, 28 de março). As democracias passam por um momento muito difícil (entrevista com André Singer). Desafios do desenvolvimento, 86. http://www.ipea.gov.br/desafios/index. php?option=com_content&view=article&id=3231&catid=30

Masschelein, J., & Simons, M. (2013). Em defesa da escola: Uma questão pública (2a ed.). Autêntica.

Orlandi, E. (2009). Historicidade, indivíduo e sociedade: o sujeito na contemporaneidade. In F. Indursky, M. C. L. Ferreira, & S. Mittman (Orgs.). O discurso na contemporaneidade: Materialidades e fronteiras. Claraluz.

Pêcheux, M. (2014). Análise automática do discurso (AAD-69). In F. Gadet, & T. Hak (Orgs.), Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed.). Editora da Unicamp. Originalmente publicado em 1969.

Pêcheux, M., & Fuchs, C. (2014). A propósito da análise automática do discurso: Atualizações e perspectivas. In F. Gadet, & T. Hak (Orgs.), Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux (5a ed.). Editora da Unicamp. Originalmente publicado em 1975.

Rancière, J. (2014). O ódio à democracia.

Boitempo. Rego, P. L. (2014). Caminhos da desumanização: Análises e imbricamentos conceituais na tradição e na história ocidental [Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília]. Repositório Institucional da UnB. https://repositorio.unb.br/handle/10482/17549

Santos, B. M. de S. (2018). A educação brasileira entre a asfixia e a resistência: Política de significação dos movimentos Escola sem Partido e Professores contra o Escola sem Partido [Dissertação de Mestrado em Linguagem e Ensino]. Universidade Federal de Campina Grande.

Sémelin, J. (2009). Purificar e destruir: Usos políticos dos massacres e dos genocídios. Difel.

Silva, R. L da, Nichel, A., Martins, A. C. L., & e Borchardt, C. K. (2011). Discurso de ódio em redes sociais: Jurisprudência brasileira. Revista Direito GV, 7(2), 445-467. https://www.scielo.br/j/rdgv/a/ QTnjBBhqY3r9m3Q4SqRnRwM/?lang=pt&format=pdf

Downloads

Publicado

2022-07-20

Como Citar

Santos, B. M. de S. ., & Farias, W. S. de. (2022). Quem tem medo do professor? O discurso de ódio endereçado a professores no espaço virtual. Cadernos De Pesquisa, 52, e09348. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/9348

Edição

Seção

Educação Básica, Cultura, Currículo