Política de ação afirmativa na pós-graduação: o caso das universidades públicas

Autores

Palavras-chave:

Ação Afirmativa, Ensino Superior, Pós-Graduação, Universidade Pública

Resumo

A pós-graduação brasileira é marcada por intensas desigualdades regionais, étnico-raciais e econômicas, o que ensejou a criação de ações afirmativas em prol de estudantes pertencentes a grupos dela historicamente excluídos. O artigo apresenta resultados do processo de criação de ações afirmativas em cursos de pós-graduação acadêmicos (mestrado e doutorado) de universidades públicas. A pesquisa baseou-se na análise dos editais de seleção de 2.763 programas de pós-graduação acadêmicos de universidades públicas divulgados de janeiro de 2002 a janeiro de 2018. Os dados coletados apontam para uma difusão significativa desse tipo de política nos últimos quatro anos, com 26,4% dos programas tendo algum tipo de ação afirmativa em janeiro de 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Carolina Venturini, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), São Paulo (SP), Brasil.

Pós-doutoranda vinculada ao Programa Internacional e Interdisciplinar de Pós-Doutorado (IPP) do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) com a pesquisa sobre ação afirmativa na pós-graduação e padrões de mudança institucional. Doutora em Ciência Política (2019) pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), tendo realizado parte de sua pesquisa de doutoramento como pesquisadora visitante na Universidade de Harvard (EUA - 2017). Mestre em Direito do Estado (2014) e Bacharel em Direito (2010) pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Integrante do Afro - Núcleo de Pesquisa e Formação em Raça, Gênero e Justiça Racial coordenado pela Profa. Dra. Marcia Lima e do Núcleo Democracia e Ação Coletiva (NDAC) coordenado pelo Prof. Adrian Gurza Lavalle, ambos no Cebrap. Pesquisadora associada do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA) do IESP/UERJ. 

João Feres Júnior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

ossui graduação em Ciências Sociais e mestrado em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (1988 e 1997) e mestrado e doutorado em Ciência Política pela City University of New York, Graduate Center (1998, 2003). Foi professor de ciência política do IUPERJ de 2003 a 2010 e da UNIRIO de 2010 a 2012. É professor associado de ciência política do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP), da UERJ, onde atua desde 2010. É coordenador do GEMAA - Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (http://gemaa.iesp.uerj.br/), do LEMEP - Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública -- no âmbito do qual implementa o projeto Manchetômetro --, e do Observatório do Legislativo Brasileiro (OLB). 

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR; FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE ASSUNTOS ESTUDANTIS. V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos(as) Graduandos(as) das IFES. Brasília: Andifes; Fonaprace, 2019. BRASIL. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Diário Oficial da União, Seção 1, 30/8/2012, p. 1.

BRASIL. Lei n. 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Diário Oficial da União, Seção 1, 29/12/2016, p. 3. BRASIL. Portaria Normativa MEC n. 13, de 11 de maio de 2016. Diário Oficial da União, Seção 1, 12/05/2016, p. 47.

CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de; FERES JÚNIOR, João. Ação afirmativa, comunitarismo e multiculturalismo: relações necessárias ou contingentes? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 29, n. 84, p. 103-118, fev. 2014.

CARVALHO, José Jorge de. Inclusão étnica e racial: a questão das cotas no ensino superior. 2. ed. Brasília: Attar, 2006.

DAFLON, Verônica Toste; FERES JÚNIOR, João; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de. Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 302-327, jan./abr. 2013.

DAFLON, Verônica Toste; FERES JÚNIOR, João; MORATELLI, Gabriella. Evolução temporal e impacto da Lei n. 12.711 sobre as universidades federais. Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2014. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

DE FIORI, Ana Letícia; ASSÊNCIO, Cibele; ANDRADE, Fabiana; TEIXEIRA, Jacqueline; PATRICARCA, Letizi; DAL BO, Talita. O tempo e o vento: notas sobre a arte de burocratizar políticas de cotas na USP. Revista de Antropologia, v. 60, n. 1, p. 55-83, 2017.

DINIZ FILHO, José Alexandre Felizola; FIORAVANTI, Maria Clorinda Soares; MELLO, Luiz; FREDRIGO, Fabiana de Souza; PAULA, Maria Helena de; DIAS, Luciene de Oliveira; ALVAREZ, Gabriel Omar; LIMA, Roberto Cunha Alves de; TAVARES, Francisco Mata Machado; OLIVEIRA, Dijaci David de. Cotas étnico-raciais na pós-graduação: a experiência da Universidade Federal de Goiás. In: ARTES, Amélia; UNBEHAUM, Sandra; SILVÉRIO, Valter Roberto (ed.). Ações afirmativas no Brasil: reflexões e desafios para a pós-graduação. São Paulo: Cortez; Fundação Carlos Chagas, 2016. p. 183-212. (Ações Afirmativas no Brasil, v. 2).

DURHAM, Eunice Ribeiro. As universidades públicas e a pesquisa no Brasil. São Paulo: Núcleo de Pesquisas sobre Ensino Superior (Nupes); Universidade de São Paulo, 1998. (Documento de trabalho, 9).

EURÍSTENES, Poema; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de; FERES JÚNIOR, João. As políticas de ação afirmativa nas universidades estaduais (2015). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2015. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

EURÍSTENES, Poema; FERES JÚNIOR, João; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de. Evolução da Lei n. 12.711 nas universidades federais (2015). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2016 (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

FERES JÚNIOR, João; DAFLON, Verônica Toste; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de. A ação afirmativa no ensino superior brasileiro (2011). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2011. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

FERES JÚNIOR, João; DAFLON, Verônica Toste; RAMOS, Pedro; MIGUEL, Lorena. O impacto da Lei n. 12.711 sobre as universidades federais. Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2013 (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

GUIMARÃES, Antônio Sérgio A. Classes, raças e democracia. 2. ed. São Paulo: 34, 2012.

MACHADO, Marcell; EURÍSTENES, Poema; FERES JÚNIOR, João. Políticas de ação afirmativa nas universidades estaduais (2017). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2017. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

RIBEIRO, Carlos Antonio Costa; SCHLEGEL, Rogerio. Estratificação horizontal da educação superior no Brasil: 1960 a 2010. In: ARRETCHE, Marta T. S. (ed.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

RIO DE JANEIRO. Lei estadual n. 6.914, de 06 de novembro de 2014. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro (DOERJ), Parte I (Poder Executivo), 07/11/2014, p. 1.

RIO DE JANEIRO. Lei estadual n. 6.959, de 14 de janeiro de 2015. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro (DOERJ), Parte I (Poder Executivo), 15/01/2015, p. 1.

ROSEMBERG, Fúlvia. Experiências do programa de bolsas de pós-graduação da Fundação Ford no Brasil. In: ZONINSEIN, Jonas; FERES JÚNIOR, João (ed.). Ação afirmativa no ensino superior brasileiro. Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Iuperj; Editora UFMG, 2008. p. 193-214.

ROSEMBERG, Fúlvia. Ação afirmativa na pós-graduação: o Programa Internacional de Bolsas da Fundação Ford na Fundação Carlos Chagas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013. (Textos FCC, v. 36).

SANTOS, Jocélio Teles dos. Pós-graduação em Direito e ações afirmativas no Brasil: uma experiência induzida. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 7, n. 14, p. 155-172, 2010.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. Rumos e Desafios das políticas de ações afirmativas no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. In: ARTES, Amélia;

UNBEHAUM, Sandra; SILVÉRIO, Valter Roberto (org). Ações Afirmativas no Brasil: reflexões e desafios para a pós-graduação. São Paulo: Cortez; Fundação Carlos Chagas, 2016. p. 157-181. (Ações Afirmativas no Brasil, v. 2).

UNBEHAUM, Sandra; LEÃO, Ingrid Viana; CARVALHO, Camila Magalhães. Programas e áreas de concentração em direitos humanos no Brasil: o desenho de uma possível interdisciplinaridade. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, Bauru, SP, v. 2, n. 2, p. 35-53, 2014.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UNB. Programa de Pós-Graduação em História, Edital n. 01, Seleção de candidatos às vagas do Programa de Pós-Graduação em História para os cursos de mestrado acadêmico e doutorado para o segundo período letivo de 2018, publicado em 23 de setembro de 2017. 2017a.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UNB. Programa de Pós-Graduação em Linguística, Edital n. 01, Seleção de candidatos/as surdos/as às vagas do Programa de Pós-Graduação em Linguística para os cursos de mestrado e de doutorado para o segundo período de 2017, publicado em 05 de maio de 2017. 2017b.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS), Edital de seleção para ingresso no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social em 2018. 2017a.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS), Edital de seleção para ingresso de candidatas/os indígenas no Programa de Pós-graduação em Antropologia Social em 2018. 2017b.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB. Resolução n. 196/2002, do Conselho Universitário (Consu) da Uneb, revogada e substituída pela Resolução n. 468, aprova a reformulação no sistema de reservas de vagas para negros e indígenas e dá outras providências, 10 de agosto de 2007, publicada no D.O.E. de 16 ago. 2007, p. 14.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC. Programa de Pós-Graduação em Teatro, Edital n. 3, processo seletivo (inscrição, seleção e matrícula) para aluno regular com ingresso em 2017 nos cursos de mestrado e doutorado do programa de pós-graduação em teatro (PPGT), 16 de fevereiro de 2017.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ – UEPA, Programa de Pós-Graduação em Biologia Parasitária na Amazônia, Seleção para o Doutorado – Ano Acadêmico de 2017, publicado em 27 de janeiro de 2017.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ. Sub-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Instruções específicas para os candidatos às vagas do sistema de cotas para pós-graduação instituído pela Lei n. 6.914, 2014. Disponível em: https://www.cepuerj.uerj.br/app_upload/Anexo%20I%20-%20INSTRU%C3%87%C3%95ES%20 ESPEC%C3%8DFICAS%20PARA%20OS%20CANDIDATOS%20%C3%80S%20VAGAS%20DO%20SISTEMA%20DE%20COTAS%20 PARA%20P%C3%93S-GRADUA%C3%87%C3%83O%20INSTITU%C3%8DDO.pdf. Acesso em: 10 mar. 2015.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP. Ata da 209ª sessão ordinária da congregação do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 11 de março de 2015. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP. Programa de Pós-Graduação em História, Edital PPGH 1, publicado em setembro de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA – UFBA. Resolução n. 01, de 11 de janeiro de 2017, do Conselho Acadêmico de Ensino da UFBA. Institui normas para procedimentos, editais e reservas de vagas para processos seletivos da PósGraduação stricto sensu da UFBA.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL – UFFS. Resolução n. 08, de 06 de julho de 2017, do Conselho Universitário (Consuni) e da Câmara de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura (CPPGEC) da UFFS. Aprova a Política de Ações Afirmativas de acesso à Pós-Graduação da Universidade Federal da Fronteira Sul.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS – UFGD. Resolução n. 176, de 20 de julho de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura da UFGD.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA – UFPB. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Edital n. 01 – Processo de Seleção 2017, publicado em 21 de outubro de 2016. 2016a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA – UFPB. Resolução n. 58, de 07 de outubro de 2016, do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFPB. Dispõe sobre ações afirmativas na Pós-Graduação Stricto Sensu na UFPB para candidatos autodeclarados e oriundos da população negra, povos indígenas, povos e comunidades tradicionais e pessoas com deficiência. 2016b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS – UFG. Resolução Consuni n. 07. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para pretos, pardos e indígenas na Pós-Graduação stricto sensu na UFG, Goiânia, 24 de abril de 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – UFMG. Resolução n. 02, de 04 de abril de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFMG. Dispõe sobre a Política de Ações Afirmativas para inclusão de pessoas negras, indígenas e com deficiência na Pós-Graduação stricto sensu na Universidade Federal de Minas Gerais.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO – UFOP. Resolução n. 7.200, de 1 de junho de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da Ufop.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS – UFPEL. Resolução n. 5, de 26 de abril de 2017, do Conselho Universitário (CONSUN) da UFPel. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para pessoas negras, quilombolas, indígenas e pessoas com deficiência nos Programas de Pós-Graduação stricto sensu da UFPel.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA – UNIR. Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental, Edital 001/2017/PGBIOEXP, Seleção do Mestrado em Biologia Experimental.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR. Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais, Edital n. 01 – PRONAT-PRPPG, publicado em 27 de março de 2017. 2017a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR. Resolução n. 02, de 15 de março de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da UFRR. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiência na Pós-graduação stricto sensu na UFRR. 2017b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS – UFSCAR. Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Edital do Processo Seletivo de Candidatos a Aluno do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (PPGS/CECH/UFSCAR) para Ingresso no Curso de Doutorado em 2018, publicado em 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE – UFS. Resolução n. 59, de 04 de dezembro de 2017, do Conselho do Ensino, da Pesquisa e da Extensão (Conepe) da UFS Estabelece procedimentos sobre Política de Ações Afirmativas na Pós-Graduação da Universidade Federal de Sergipe.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA – UFU. Resolução n. 06, de 19 de julho de 2017, do Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação da UFU. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para pretos, pardos, indígenas e pessoas com deficiência na pós-graduação stricto sensu na Universidade Federal de Uberlândia.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ – UNIFAP. Resolução n. 39, de 29 de novembro de 2017, do Conselho Universitário da Unifap. Estabelece a Política de Ações Afirmativas da Universidade Federal do Amapá.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS – UFAM. Resolução n. 010 do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Ufam, Regulamenta a política de ações afirmativas para pretos, pardos e indígenas na pós-graduação stricto sensu da UFAM, 16 de fevereiro de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO – UFES. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Edital de Seleção para o Mestrado (Turma 2017/1), 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA – UNIPAMPA. Resolução n. 189, de 05 de dezembro de 2017, do Conselho Universitário da Unipampa.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ – UFPA. Programa de Pós-graduação em Direito, Edital n. 003, Seleção para o ingresso no primeiro semestre letivo de 2017, publicado em 19 de outubro de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ – UFPA. Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Edital n. 006, processo seletivo de mestrado 2018, publicado em 15 de dezembro de 2017. 2017a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ – UFPA. Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia, Edital de Seleção do Curso de Mestrado Acadêmico 2017. 2017b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ – UFPI. Resolução n. 059, de 11 de maio de 2015, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPI. Aprova Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência nos Programas de Pós-Graduação da UFPI.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ – UNIFESSPA. Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia, Edital n. 05, edital de inscrição e seleção da 7ª turma do curso de mestrado acadêmico interdisciplinar do Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia (PDTSA), publicado em 8 de agosto de 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS – UFT. Resolução n. 14, de 22 de março de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFT. Dispõe sobre a Política de Ações Afirmativas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e/ou pessoas com deficiência na Pós-Graduação stricto sensu na UFT.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO – UFTM. Resolução n. 4, 27 de março de 2017, do Conselho Universitário (Consu) da UFTM. Dispõe sobre a adoção de ações afirmativas para negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiência na Pós-Graduação stricto sensu da UFTM.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE – UFF. Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Edital de Seleção Pública – Mestrado em Comunicação, 2017.

VENTURINI, Anna Carolina. O Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp). Rio de Janeiro: Iesp/UERJ, 2015. (Textos para discussão Gemaa, 9).

VENTURINI, Anna Carolina. Onze anos da ação afirmativa sem cota da Unicamp. Rio de Janeiro: Iesp/UERJ, 2016. (Textos para discussão Gemaa, 11).

VENTURINI, Anna Carolina. Formulação e implementação da ação afirmativa para pós-graduação do Museu Nacional. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p. 1292-1313, out./dez. 2017.

VENTURINI, Anna Carolina; FERES JÚNIOR, João. Efeitos das alterações do PAAIS-Unicamp nos vestibulares de 2016 e 2017. Rio de Janeiro: Iesp/UERJ, 2018. (Textos para discussão Gemaa, 16).

VENTURINI, Anna Carolina. Ação afirmativa na pós-graduação: os desafios da expansão de uma política de inclusão, 2019. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Estudos Sociais e Políticos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Venturini, A. C., & Feres Júnior, J. (2021). Política de ação afirmativa na pós-graduação: o caso das universidades públicas. Cadernos De Pesquisa, 50(177), 882–909. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/7491

Edição

Seção

Artigos