A formação profissional dos professores: um velho problema sob outro ângulo

Autores

  • Cecilia Maria Marafelli Colégio Pedro II – CPII –; pesquisadora do Grupo de Pesquisas em Sociologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – Soced/PUC-Rio – e do Núcleo de Estudos em Educação Diferenciada – Nepedif/CPII –, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
  • Priscila Andrade Magalhães Rodrigues Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ –; pesquisadora do Grupo de Pesquisas em Sociologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – Soced/PUC-Rio – e do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Leped/UFRJ –, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
  • Zaia Brandão Professora titular emérita da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio –, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil; bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – Faperj

Palavras-chave:

Sociologia, Formação de Professores, Profissão Docente, Pedagogia

Resumo

O objetivo do artigo é abordar a formação profissional do professor pelo ângulo da sociologia das profissões. A representação do magistério como “vocação” e as premissas da tendência natural feminina para desempenho de uma atividade  “maior” e superior às demais profissões – a de “educador” – trouxeram uma enorme ambiguidade para a formação dos professores. Nossa hipótese é que a disseminação dessa perspectiva contribuiu para a descaracterização profissional do magistério. A profissionalidade é condição necessária para a qualidade do exercício profissional, pois, ancorada no habitus profissional, viabiliza o desenvolvimento das ações razoáveis (“senso do jogo”) que, incorporadas pelas ações experimentadas no campo escolar, fundamentariam uma boa formação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Andrade Magalhães Rodrigues, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ –; pesquisadora do Grupo de Pesquisas em Sociologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – Soced/PUC-Rio – e do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Leped/UFRJ –, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Priscila Andrade M. Rodrigues

Doutora e mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professora do Departamento de Didática da Faculdade de Educação da UFRJ. Pesquisadora do Grupo de Pesquisas em Sociologia da Educação (Soced/PUC-Rio) e do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores (LEPED/UFRJ). E-mail: priscilaapri@gmail.com  

Referências

BRANDÃO, Zaia; CANEDO, Maria Luiza; XAVIER, Alice. Construção solidária do habitus escolar: resultados de uma investigação nos setores público e privado. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 49, p. 193-218, 2012.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

CANÁRIO, Rui. A prática profissional na formação de professores. In: PAIVA, Bartolo. Formação profissional de professores no ensino superior. Porto: Porto, 2001. p. 31-45.

CASCIANO, Rômulo Loureiro. A profissionalidade docente de professores iniciantes: um estudo com licenciados em Pedagogia e em Biologia. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

CATANI, Denice Barbara; SILVA, Vivian Batista da. Cultura profissional dos professores: construções da excelência docente (Brasil, 1870/1970). In: CORREA, Rosa Lydia Teixeira, MENDONÇA, Ana Waleska Pollo Campos; SIMÕES, Regina Helena Silva (Org.). História da profissão docente no Brasil. Vitória: EDUFES, 2011. p. 197-228.

COELHO, Edmundo Campos. As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1999.

FREIDSON, Eliot. The changing nature of professional control. Annual Review of Sociology, v. 10, n. 1, p. 1-20, 1984.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá (Coord.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

GOUVEIA, Aparecida Joly. Professoras de amanhã: um estudo de escolha ocupacional. São Paulo: Pioneira, 1970. Original publicado em 1965.

NOGUEIRA, Cláudio Marques Martins; PEREIRA, Flávia Goulart. O gosto e as condições de sua realização: a escolha por pedagogia entre estudantes com perfil social e escolar mais elevado. Educação em Revista, v. 26, n. 3, p. 15-38, dez. 2010.

PEREIRA, Luiz. O magistério primário numa sociedade de classes. São Paulo: Pioneira, 1969.

RODRIGUES, Priscila Andrade Magalhães. Uma proposta de colaboração entre universidade e escola na formação de professores através do estágio supervisionado. In: RODRIGUES, Priscila Andrade Magalhães et al. (Org.). Escritos de pesquisa: educação, seus atores e instituições. Curitiba: CRV, 2012.

RODRIGUES, Priscila Andrade Magalhães. Diurno e noturno. Desigualdades de origem e de formação entre estudantes de um curso de pedagogia. 2014. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

ROLDÃO, Maria do Céu. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, p. 94-103, jan./abr. 2007.

SARTI, Flávia Medeiros. O triângulo da formação docente: seus jogadores e configurações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 323-338, 2012.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, 143-155, 2009.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SHULMAN, Lee. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. In: SHULMAN, Lee (Org.). The wisdom of practice: essays on teaching and learning to teach. San Francisco: Jossey-Bass, 1987.

SILVA, Rose Neubauer da et al. Formação de professores no Brasil: um estudo analítico e bibliográfico. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; REDUC, 1991.

VARGAS, Hustana Maria. Sem perder a majestade: ‘profissões imperiais’ no Brasil. Estudos de Sociologia, São Paulo, v. 15, p. 107-124, 2010.

VARGAS, Hustana Maria. Formação docente, profissão docente e qualidade da educação: laços a restabelecer. Construção da qualidade de ensino. Rio de Janeiro: Forma & Ação: 2013.

WITTORSKI, R. Professionnalisation et développement professionnel. Paris: L’Harmattan, 2007.

Downloads

Publicado

30-04-2021

Como Citar

Marafelli, C. M., Rodrigues, P. A. M., & Brandão, Z. (2021). A formação profissional dos professores: um velho problema sob outro ângulo. Cadernos De Pesquisa, 47(165), 982–997. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/4293

Edição

Seção

Artigos